Scielo RSS <![CDATA[Civitas - Revista de Ciências Sociais]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=1519-608920140002&lang=pt vol. 14 num. 2 lang. pt <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[Narrativas: Teorias e métodos]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-60892014000200199&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <![CDATA[Análise sociológica e linguística de narrativas]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-60892014000200200&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo: Abstraindo das formas clássicas de aplicação da análise de narrativas na comunicação cotidiana bem como da linguística e da sociologia, é concebível que se possa identificar constelações de interesses e um cerne de aptidões sociais, tanto gerais quanto vinculadas a determinados assuntos, por meio do processamento retrospectivo das próprias experiências de ação em narrativas orais espontâneas. A disposição para narrar histórias vivenciadas pela própria pessoa obriga esta a entrar em detalhes, pois quando se narram ações que aconteceram, suas respectivas consequências também precisam ser narradas como novas ações etc. Essa obrigação de detalhamento da exposição narrativa compreende também conjuntos de interesse do narrador existentes à época e, ao menos em parte, ainda existentes quando da narração, pois elas são, em sua eficácia motivacional, elementos constitutivos dos acontecimentos a serem narrados. Por outro lado, histórias vivenciadas pessoalmente apontam, em função de seu caráter retrospectivo, para contextos maiores e os graus de capacidade para a ação podem ser avaliados a partir da forma como se lidou com esses contextos. Entretanto, ambos os questionamentos só são legítimos na medida em que esteja dado o pressuposto básico da análise sociológica de narrativas aqui proposta, ou seja, de que a história concreta narrada não tenha a ver só com contextos pessoalmente vividos de modo subjetivo ou até fictício, e sim com contextos de ação ocorridos. Esse pressuposto da análise sociológica da narração de histórias pode ser justificado, com vistas à respectiva narrativa concreta, como suposição plausível pela ideia de que a narração de histórias vivenciadas pela própria pessoa, contanto que sejam realmente narradas, precisa conservar na exposição o fio condutor da concatenação temporal e causal de acontecimentos ocorridos em sua respectiva relação com o portador da história e das ações. Nesse sentido, reproduz as condições e orientações existenciais do sistema atual de ações em dimensões parciais importantes (abstraindo da camada das definições atuais da situação).<hr/>Abstract: Apart from classical ways of using narrative analysis in everyday communication as well as in linguistics and sociology, it is conceivable to detect the narrator's interest constellations and a central stock of his general action capacities and specific institutional skills by way of his retrospective interpretation in verbal off-hand narratives of his own past conduct. His willingness to tell about personal experiences gets him into constraints to become more specific on the one hand, for if events are being told their respective consequences as new events have to be revealed etc. This constraint to become more specific brings up the narrator's former and partly (at the time of the narrative) still existent actual interest constellations, because those are motivating, constituting elements of the events to be told about. On the other hand personally experienced stories point at wider action contexts and interrelationships (due to their retrospective character), and the kind in which narrators take account of these action contexts and interrelationships reveals something about their different degrees of action capacities. Both questions are only legitimate if we have the pre-condition of the sociological narrative analysis as proposed here: that the action contexts in the narrative are not just subjectively or even fictiously self-experieneed, but really accomplished. This pre-condition of sociological narrative analysis can be justified as a plausible imputation by the following aspect: as long as personally experienced stories are really told as off-hand narratives, the telling of them has to keep up the red line of temporal and causal linkage of past experiences in their respective relationship with the narrator, who at the same time is one of the central persons of action or at least of suffering in the story. In that respect telling those stories reproduces the existential conditions and orientations of the actual action system in important dimensions (except the layer of actual definitions of the situation). <![CDATA[“Isso, sim, é ser sociólogo!”: Uma entrevista narrativa com Fritz Schütze sobre a história de sua obra na sociologia]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-60892014000200204&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo: Abstraindo das formas clássicas de aplicação da análise de narrativas na comunicação cotidiana bem como da linguística e da sociologia, é concebível que se possa identificar constelações de interesses e um cerne de aptidões sociais, tanto gerais quanto vinculadas a determinados assuntos, por meio do processamento retrospectivo das próprias experiências de ação em narrativas orais espontâneas. A disposição para narrar histórias vivenciadas pela própria pessoa obriga esta a entrar em detalhes, pois quando se narram ações que aconteceram, suas respectivas consequências também precisam ser narradas como novas ações etc. Essa obrigação de detalhamento da exposição narrativa compreende também conjuntos de interesse do narrador existentes à época e, ao menos em parte, ainda existentes quando da narração, pois elas são, em sua eficácia motivacional, elementos constitutivos dos acontecimentos a serem narrados. Por outro lado, histórias vivenciadas pessoalmente apontam, em função de seu caráter retrospectivo, para contextos maiores e os graus de capacidade para a ação podem ser avaliados a partir da forma como se lidou com esses contextos. Entretanto, ambos os questionamentos só são legítimos na medida em que esteja dado o pressuposto básico da análise sociológica de narrativas aqui proposta, ou seja, de que a história concreta narrada não tenha a ver só com contextos pessoalmente vividos de modo subjetivo ou até fictício, e sim com contextos de ação ocorridos. Esse pressuposto da análise sociológica da narração de histórias pode ser justificado, com vistas à respectiva narrativa concreta, como suposição plausível pela ideia de que a narração de histórias vivenciadas pela própria pessoa, contanto que sejam realmente narradas, precisa conservar na exposição o fio condutor da concatenação temporal e causal de acontecimentos ocorridos em sua respectiva relação com o portador da história e das ações. Nesse sentido, reproduz as condições e orientações existenciais do sistema atual de ações em dimensões parciais importantes (abstraindo da camada das definições atuais da situação).<hr/>Abstract: Apart from classical ways of using narrative analysis in everyday communication as well as in linguistics and sociology, it is conceivable to detect the narrator's interest constellations and a central stock of his general action capacities and specific institutional skills by way of his retrospective interpretation in verbal off-hand narratives of his own past conduct. His willingness to tell about personal experiences gets him into constraints to become more specific on the one hand, for if events are being told their respective consequences as new events have to be revealed etc. This constraint to become more specific brings up the narrator's former and partly (at the time of the narrative) still existent actual interest constellations, because those are motivating, constituting elements of the events to be told about. On the other hand personally experienced stories point at wider action contexts and interrelationships (due to their retrospective character), and the kind in which narrators take account of these action contexts and interrelationships reveals something about their different degrees of action capacities. Both questions are only legitimate if we have the pre-condition of the sociological narrative analysis as proposed here: that the action contexts in the narrative are not just subjectively or even fictiously self-experieneed, but really accomplished. This pre-condition of sociological narrative analysis can be justified as a plausible imputation by the following aspect: as long as personally experienced stories are really told as off-hand narratives, the telling of them has to keep up the red line of temporal and causal linkage of past experiences in their respective relationship with the narrator, who at the same time is one of the central persons of action or at least of suffering in the story. In that respect telling those stories reproduces the existential conditions and orientations of the actual action system in important dimensions (except the layer of actual definitions of the situation). <![CDATA[História de vida vivenciada e história de vida narrada: A interrelação entre experiência, recordar e narrar]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-60892014000200227&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo: Como as pessoas se apresentam com sua história de vida no presente da narração ou da escrita e até que ponto sua apresentação é constituída por sua vivência no passado? Gostaria de aprofundar esse questionamento com o auxílio de uma concepção baseada na teoria da Gestalt e na fenomenologia a respeito da relação dialética entre vivenciar, lembrar e narrar. O presente, isto é, tanto a constelação atual da história de vida, os discursos sociais atuantes no presente, quanto a situação da interação atual, constitui o olhar retrospectivo sobre o passado, o processo recordativo, as memórias que se apresentam e a forma em que se expressam na comunicação. Ainda assim, a construção do passado que se realiza no presente se encontra numa relação de dependência do passado vivenciado; ela não é independente das vivências pregressas. Para dar conta da diferença fundamental entre a perspectiva atual do passado e as perspectivas do passado que mudaram constantemente em presentes anteriores, fazem-se necessários uma reflexão metodológica específica e um procedimento metodologicamente controlado. Isso é explicitado, focando-se numa possível reconstrução de vivências passadas que se aproxima do passado vivenciado, com base no exemplo de um caso. Com o procedimento metodológico aqui discutido rejeita-se resolutamente a suposição da existência de uma homologia entre vivência e narração (ver Rosenthal, 1995).<hr/>Abstract: How do people show themselves regarding their life history in the present of the narration or the writing, and to what extent is this presentation constituted by experiences in the past? I would like to further develop these questions based on the Gestalt theory and on phenomenology, regarding the dialectical relation among experiencing, remembering and narrating. The present, that is to say, both the current constellation of the life history, the social discourses operating in the present, and the current interaction situation, constitutes a retrospective look on the past, the recollection process, the way memories are presented and the way they are expressed in the communication process. Still, the construction of the past that takes place in the present is in a dependency relation with the experienced past; it is not independent from the past experiences. In order to understand the fundamental differences between the present and the past perspectives, a specific methodological reflection and a controlled methodological procedure are necessary. This is done by focusing on the reconstruction of past experiences which makes possible to approach the experienced past, based on a single case. The methodological procedure here discussed rejects the assumption of a homology between experience and narration (see Rosenthal, 1995). <![CDATA[A vingança do curso de ação contra a ilusão cientificista]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-60892014000200250&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo: O nascimento e desenvolvimento da sociologia acadêmica foi facilitada enormemente pela crença “cientificista” –compartilhada pela maioria dos seus fundadores, especialmente Comte e Durkheim e revitalizada pelo estruturalismo de Bourdieu–, da possibilidade das ciências da sociedade não serem substancialmente diferentes das “outras ciências”, ou seja, das ciências naturais. Contudo, não há nenhuma ação autodeterminada a ser encontrada na natureza, nenhum curso de ação direcionado para algum objetivo ou para convicções fortes (“valores”); não há nenhum sujeito de ação no mundo da física. Entretanto, a fim de defender uma crença que –embora falsa– fez tanto e ainda faz muito para consolidar o status científico da sociologia, seus principais autores foram e permaneceram relutantes em considerar –como fez Weber– que os cursos de ação individuais ao longo do tempo constituem o elemento central na produção e mudança de sociedades modernas. E cinquenta anos após o nascimento do construtivismo, estes autores ainda encaram com grande suspeita o único método empírico que permite reconstruir cursos individuais de ação (situada), a entrevista narrativa ou “história de vida”. Não que este método faça milagres; mas se tomado seriamente, pode mudar a maneira como sociólogos olham para as sociedades: não como “sistemas” estáticos, mas como conjuntos dinâmicos e sempre em transformação.<hr/>Abstract: The birth and development of academic sociology has been greatly facilitated by the ‘scientistic’ belief, shared by most of its founding fathers and especially Comte and Durkheim and revitalized by Bourdieu’s structuralism, in the possibility of a science of society that would not be fundamentally different from ‘the other sciences’; i. e. the natural sciences. There is not however in nature any self-determined action to be found, no courses of action focused on some goal or on some hard conviction (‘value’); there is no subject of action in the world of physics. Nevertheless, in order to defend a belief that –however false– had done and is doing so much to consolidate the scientific status of sociology, its establishment was and has remained consistently reluctant to consider –as Weber had done– that individual courses of action through time constitute the core element in producing and changing modern societies. And fifty years after the birth of constructivism, this establishment still looks with great suspicion at the only empirical method that allows reconstructing individual courses of (situated) action, the narrative interview or ‘life story’. Not that this method makes miracles; but if taken seriously, it might change the way sociologists look at societies: not as static ‘systems’ but as dynamic and ever-changing ensembles. <![CDATA[O que é narrativa?]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-60892014000200272&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo: Este artigo discute a definição e contornos da “narrativa”. Inicialmente, ao se concentrar nos movimentos ou sucessões de signos narrativos e construção de sentidos, defende-se o descentramento da temporalidade e o reconhecimento de “narrativa” em imagens fotográficas, por exemplo. Em segundo lugar, considerando as particularidades das narrativas, o artigo discute como a pesquisa narrativa pode permitir transferibilidade e heurística, mais que generalização e preditibilidade. No caso de extrema particularidade de narrativas excepcionais, argumenta-se que estas operam como interruptores importantes de teorias existentes e propõe-se considerar fenômenos que não foram ainda considerados.<hr/>Abstract: This paper explores the definition and boundaries of ‘narrative’. First, focusing on narratives’ movement or succession of signs and building of meanings, it argues for the decentring of temporality and the recognition of ‘narrative’ in, for instance, still images. Second, taking into account the particularities of narratives, the paper examines how narrative research can allow for transferability and heuristics, rather than generalisability and predictivity. In the case of the extreme particularity of exceptional narratives, the paper argues that these operate as important interruptors of existing theory and calls to consider phenomena that have not yet been addressed. <![CDATA[Narrar – mostrar – ver: Como analisar um álbum de fotos de família em conexão com uma entrevista narrativa]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-60892014000200285&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo: Álbuns de fotos de família são lugares onde memórias são criadas e fixadas (Chalfen, 1987). Eles consistem principalmente de fotografias e outros tipos de material visual (cartões postais, bilhetes ou ingressos etc.), bem como de legendas e comentários mais ou menos extensos. Tradicionalmente, os retratos são organizados em um livreto, isto é, em uma ordem sequencial que se baseia implicitamente em uma estrutura pictórica e narrativa de apresentação e criação de uma “moldura familiar” (Hirsch, 1997[2002]). Como emerge uma imagem específica de “família”, fundamentada em experiências e convenções, quando se cria e olha um álbum de fotos de família? Enfocando esta pergunta geral, neste artigo se apresenta a análise de um álbum de família. Com isso, tornar-se-á visível a maneira metodológica de interpretar uma autoapresentação pictórica. Os resultados desta análise são combinados e contextualizados por uma entrevista narrativa biográfica.<hr/>Abstract: Family photo albums are places where memories are created and fixed (Chalfen, 1987). They consist mainly of photographs and other kind of visual material (postcards, tickets, etc.), as well as more or less extensive captions and comments. Traditionally, the pictures are organized in a booklet, that is in a sequential order which implicitly is based on a pictorial as well as narrative structure of presenting and creating a ‘family frame’ (Hirsch, 1997/2002). How a specific image of ‘family’ emerges, grounded in experience and conventions, when creating and looking at a family photo album? Focusing on this general question, in this article the analysis of a family album is presented. Hereby the methodical way of interpreting a pictorial self-presentation will be made visible. The results of this analysis are combined and contextualized by a biographic-narrative interview. <![CDATA[Jovens migrantes poloneses na Alemanha de 1989 a 1999: Autoalienação e anomia interacional]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-60892014000200307&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo: Este artigo trata dos poloneses que deixaram seu país voluntariamente e sem problemas no período entre a queda do comunismo na Polônia, em 1989, e alguns anos antes da ampliação da União Europeia para o leste, em maio de 2004. Concentra-se em pessoas que eram jovens no momento de sua chegada na Alemanha (ou seja, não mais que 30 anos de idade) e por isso constitui um grupo de uma geração “nova” ou “jovem” de imigrantes poloneses na Alemanha. Procura-se aqui descrever algumas condições balizadoras que provocam distúrbios no processo e/ou promovem o desenvolvimento de trajetória de sofrimento, ou seja, ilustrar e analisar várias circunstâncias sociais e biográficas que tornam o processo de imigração difícil ou que resultam em uma anomia interativa e aumentam a dinâmica das trajetórias. Essas condições de enquadramento surgem de análises acuradas de entrevistas narrativas autobiográficas com jovens poloneses na Alemanha.<hr/>Abstract: This article is concerned with the Poles who left their homeland voluntarily and trouble-free in the period between the fall of communism in Poland in 1989 and some years before the eastern enlargement of the EU in May 2004. It concentrates on people who were young at the time of their arrival in Germany (i.e., not older than 30 years) and therefore constitute a group of a ‘new’ or ‘young’ generation of the Polish immigrants in Germany. An attempt is made here to describe some framing conditions that disturb the immigration process and/or enhance the development of the trajectory of suffering, i.e., to illustrate and analyse various social and biographical circumstances that make the immigration process difficult or that result in interactional anomy and enhance the trajectory dynamics. Those frame conditions emerged from very scrupulous analysis of autobiographical narrative interviews with young Poles in Germany. <![CDATA[Análise de narrativas segundo o método documentário: Exemplificação a partir de um estudo com gestoras de instituições públicas]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-60892014000200325&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo: O presente artigo apresenta, por meio de entrevistas narrativas, a trajetória de mulheres na gestão de instituições públicas profissionalizantes. Embora revelem percursos diferentes, as entrevistadas chegaram ao cargo de gestoras das instituições em que estavam trabalhando desbravando postos de trabalho tradicionalmente ocupados pelo público masculino. A análise das entrevistas, realizada segundo o método documentário desenvolvido por Ralf Bohnsack, revelou que a ocupação desses cargos em um contexto de trabalho predominantemente masculino, não esteve isenta de situações de sofrimento e de luta, envolvendo enfrentamentos de diversas ordens. Mas apesar das dificuldades enfrentadas, estas mulheres contribuíram para a abertura de espaços que por muitas décadas estiveram praticamente fechados, tanto para estudantes como para docentes e dirigentes do sexo feminino.<hr/>Abstract: The following article presents, through narrative interviews, the experience of women in the management of pubic professionalizing institutions. Although they reveal different paths, the interviewees reached the position of managers of the institutions where they were by conquering jobs usually occupied by males. The analysis of the interviews, conducted according to the documentary method developed by Ralf Bohnsack, revealed that occupying these positions in a traditionally male work context was not exempt from situations of suffering and struggle, involving several types of confrontation. Yet, in spite of the difficulties faced, these women contributed towards opening spaces that had been practically closed for many decades, both for students, teachers and managers of the female gender. <![CDATA[Memória de idosos: As narrativas em diferentes espaços de interação social]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-60892014000200341&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo: Este artigo tem como objetivo analisar as narrativas de memória construídas por idosos que residem nos bairros Bangu e Santa Terezinha, onde situa-se a Universidade Federal do ABC, campus Santo André, SP. Esses idosos participaram de um projeto de extensão desenvolvido por uma equipe dessa universidade, cujo objetivo foi de propiciar um espaço de construção de memória por meio de conversas e do acesso a tecnologias informacionais e comunicacionais. Pretendemos analisar como, nesses espaços interativos, emergem diferentes conteúdos e formas de narrar, bem como expressões do corpo e do imaginário diante dos equipamentos digitais e de sua manipulação. Por entre fotografias de filhos e netos, da mocidade e da idade “madura”, do café e quitutes caseiros no ambiente universitário, esses idosos tornaram os equipamentos de informática em uma experiência de inclusão digital e de expressão da memória, e os espaços interativos foram uma experiência de aproximação entre a memória dos sujeitos que ocupam um dos bairros mais antigos da cidade, Santa Terezinha, e a memória dos jovens universitários.<hr/>Abstract: This article aims to analyze narratives built by the memory work of elderlies who live in Bangu and Santa Terezinha neighborhoods, in Santo André campus, São Paulo, where the Federal University of ABC has a campus. These elderlies take part on an extension project which had the aim of offering a memory building space through conversations and access to communication and information technologies. This article intends to analyze the different contents and forms of narration, as well as expressions of body and imaginary arise in these interactive space in front of digital equipments. Among photographs of children and grandchildren, of their youth and in the “mature” age, coffee and homemade delicacies in the university environment, these seniors transformed the contact experience with the computer equipment in digital inclusion and expression spaces for the memory. These interactive experience approached the memory of the inhabitants of the oldest neighborhoods of the city, Santa Terezinha, and the memory of the young students. <![CDATA[Narrativas e pesquisa biográfica na sociologia brasileira: Revisão e perspectivas]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-60892014000200359&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo: Este artigo discute as diferentes formas em que relatos orais biográficos têm sido utilizados na literatura sociológica brasileira. Para isso, é apresentada uma breve revisão das diversas abordagens desde a década de 1950 até os dias atuais, apontando alguns estudos e instituições de destaque para o uso e desenvolvimento do método em investigações empíricas no contexto nacional. Além disso, destacamos o diálogo dos estudos brasileiros com algumas das ramificações de estudos biográficos no cenário internacional, em especial na sociologia alemã.<hr/>Abstract: This paper discusses the different ways in which biographical oral histories have been used in the Brazilian sociological literature. A brief review of the wide variety of approaches are presented, since 1950 to the present days, emphasizing some important studies and prominent institutions for the use and development of the biographical method in empirical investigations in the national context. Furthermore, we highlight the dialogue between Brazilian studies and some of the ramifications of biographical studies in the international scenario, especially in the German sociology. <![CDATA[Pesquisa social interpretativa: Uma introdução]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-60892014000200383&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo: Este artigo discute as diferentes formas em que relatos orais biográficos têm sido utilizados na literatura sociológica brasileira. Para isso, é apresentada uma breve revisão das diversas abordagens desde a década de 1950 até os dias atuais, apontando alguns estudos e instituições de destaque para o uso e desenvolvimento do método em investigações empíricas no contexto nacional. Além disso, destacamos o diálogo dos estudos brasileiros com algumas das ramificações de estudos biográficos no cenário internacional, em especial na sociologia alemã.<hr/>Abstract: This paper discusses the different ways in which biographical oral histories have been used in the Brazilian sociological literature. A brief review of the wide variety of approaches are presented, since 1950 to the present days, emphasizing some important studies and prominent institutions for the use and development of the biographical method in empirical investigations in the national context. Furthermore, we highlight the dialogue between Brazilian studies and some of the ramifications of biographical studies in the international scenario, especially in the German sociology.