Scielo RSS <![CDATA[Cadernos EBAPE.BR]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=1679-395120130004&lang=en vol. 11 num. 4 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<b>Editorial </b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-39512013000400001&lng=en&nrm=iso&tlng=en <![CDATA[<b>Epistemology and sociology of administration science</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-39512013000400002&lng=en&nrm=iso&tlng=en <![CDATA[<b>Critical approach in organizational studies: conception of individual from the emancipatory perspective</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-39512013000400003&lng=en&nrm=iso&tlng=en O objetivo deste ensaio teórico é debater a necessidade de considerar racionalidades alternativas à instrumental nos Estudos Organizacionais, em favor do exercício da cidadania do indivíduo como ator social, com papel ativo e não sujeito da ciência e do mundo. São resgatados pressupostos teóricos dos Estudos Organizacionais críticos, no contexto paradigmático do humanismo radical, para responder porque fazer uma análise crítica. A justificativa é a de que a Ciência Social estabelecida tornou-se um meio legítimo de controle do mundo natural e a conduta humana. Apoiando-se em pressupostos teóricos ingênuos, na visão de Alberto Guerreiro Ramos, a Ciência da Administração se desenvolveu com base na racionalidade instrumental inerente à Ciência Social dominante no Ocidente, não sofrendo críticas até 1970 porque funcionou até ali. As críticas mais atuais não foram suficientes para romper a corrente principal, talvez porque a razão deslocada do psiquismo humano transformou-se em um atributo da sociedade. No entanto, há concepções epistemológicas alternativas ao funcionalismo e a abordagem crítica é caminho possível, podendo trazer avanços aos Estudos Organizacionais, constituindo um dos caminhos possíveis na busca da emancipação do homem em direção a uma sociedade melhor e mais justa.<hr/>This theoretical essay aims to debate the need for considering alternative rationalities with regard to the instrumental one in Organizational Studies, favoring the citizenship exercise of the individual as a social actor, with an active role and not as a subject of science and the world. Theoretical assumptions of the critical Organizational Studies are resumed, in the paradigmatic context of radical humanism, in order to say the reason why a critical analysis has to be performed. The justification is that the established Social Science has become a legitimate way for controlling natural world and human behavior. Based on naive theoretical assumptions, according to Alberto Guerreiro Ramos' view, the Administration Science has evolved on the basis of the instrumental rationality inherent to the Social Science predominant in the West, not criticized until 1970 because it worked until then. More recent criticism was not enough to break the mainstream, perhaps because reason detached from human psyche has become an attribute of society. However, there are alternative epistemological conceptions with regard to functionalism and the critical approach is a possible pathway, being able to bring advances to Organizational Studies, constituting one of the possible pathways in the search for human emancipation towards a better and fairer society. <![CDATA[<b>Freudo-Frankfurtian approach, action research, and socioanalysis: an alternative proposal for Organizational Studies</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-39512013000400004&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artigo propõe uma reflexão acerca da abordagem freudo-frankfurtiana e a estratégia de pesquisa que dela deriva, articulando a metodologia de pesquisa-ação à socioanálise de René Lourau. A abordagem freudo-frankfurtiana que apresentamos realiza uma reconstrução epistemológica, evidenciando a proximidade entre a epistemologia frankfurtiana e a epistemologia freudiana, para elaborar um suporte teórico-analítico que instrui essa metodologia. Argumentamos que tal abordagem e metodologia propiciariam uma conjunção entre teoria e práxis, uma vez que promovem uma profunda interação entre pesquisador e pesquisados, além de ter a emancipação como um dos valores que norteiam a investigação. Nosso objetivo é buscar um saber e uma construção de conhecimento para os estudos organizacionais orientados pelo interesse emancipatório que seja tecnicamente aplicável e guie a atividade prática/comunicativa. Com o propósito de apresentar esta proposta alternativa para os estudos organizacionais, neste artigo, primeiramente apresentamos e discutimos a abordagem freudo-frankfurtiana, realizando uma reconstrução epistemológica. Na segunda parte, sistematizamos um suporte teórico-analítico a partir do qual elaboramos a estratégia de pesquisa anteriormente mencionada. Em seguida, apresentamos nossas considerações finais, concluindo que apontamos saídas para a pesquisa organizacional que privilegiam a prática e a emancipação, pois recomendamos que as investigações tenham um objetivo de conhecimento, mas, também, um objetivo prático, de modo que o analista organizacional pactue com o grupo ou organização abordados, sem deixar de incentivar sua autonomia, indicando quais são as metas coletivas da investigação, qual é o plano de ação a ser implementado e, ainda, realizando uma avaliação coletiva dos resultados.<hr/>This article proposes a reflection on the Freudo-Frankfurtian approach and the research strategy derived from it, linking the methodology of action research to René Lourau's socioanalysis. The Freudo-Frankfurtian approach we present undertakes an epistemological reconstruction, showing the closeness between Frankfurtian epistemology and Freudian epistemology, to prepare a theoretical and analytical support that instructs this methodology. We argue that such approach and methodology could enable a conjunction between theory and praxis, since they promote a deep interaction between researcher and researched subjects, besides having emancipation among the values guiding investigation. Our purpose is seeking some knowledge and some knowledge construction for the organizational studies guided by the emancipatory interest, which is technically applicable and drives the practical/communicative activity. In order to present this alternative proposal for organizational studies, in this article, first, we present and discuss the Freudo-Frankfurtian approach, conducting an epistemological reconstruction. In the second part, we systematize a theoretical and analytical support through which we prepare the research strategy mentioned above. Then, we present our final remarks, concluding that we pointed out alternatives for organizational research that privilege practice and emancipation, since we recommend that investigations have a knowledge purpose, but also a practical purpose, so that the organizational analyst agrees with the group or organization approached, while encouraging its independence, indicating which are the collective research goals, what is the action plan to be deployed, and, also, making a collective assessment of results. <![CDATA[<b>Markets and rationalities: the perspective of Alberto Guerreiro Ramos and Cornelius Castoriadis</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-39512013000400005&lng=en&nrm=iso&tlng=en Mercados e racionalidades são duas categorias das Ciências Sociais bastante discutidas na academia. Considera-se Max Weber um dos pioneiros no estudo da categoria racionalidades, da qual teria se originado grande parte das interpretações dominantes nas Ciências Sociais, em particular da Sociologia. Os autores que descrevem o mercado enfatizam diferentes aspectos, e os relatos sobre seu aparecimento histórico são também divergentes. Não existe, portanto, nas Ciências Sociais, uma interpretação única sobre as funções e a historicidade do mercado, bem como não há unanimidade em relação às formas de racionalidades dominantes. Este ensaio teórico traz a perspectiva de dois autores sobre mercados e racionalidades, sem a intenção de absolutizar seu pensamento ou limitar suas contribuições aos temas. Ramos (1981) concebe a razão como uma força inerente ao indivíduo, a qual denomina razão substantiva, assinalando que, com Thomas Hobbes, a razão configura um cálculo utilitário de consequências. Adicionalmente, Ramos (1981) vê o mercado como uma ameaça à liberdade e autonomia dos indivíduos. Para Castoriadis (1992b, 1996, 1999b), a razão está presente em um coletivo social anônimo, sendo homem e sociedade inseparáveis do contexto sócio-histórico. Já o mercado, bem ou mal, funciona, apesar da manipulação dos consumidores e da violência contra os trabalhadores. Em comum, os autores defendem a liberdade e a autonomia dos indivíduos. Conclui-se o ensaio corroborando a visão de Alves (2007), pois as elucidações apresentadas ao longo do texto indicam que as divergências não estão nas teorias e nos métodos, mas na natureza do objeto estudado.<hr/>Markets and rationalities are two categories of Social Science much debated in the academy. Max Weber is regarded as a pioneer in the study of the category rationalities, from which a large part of the dominant interpretations in Social Science originated, especially those in Sociology. The authors describing the market emphasize different aspects, and the reports about its historic emergence are also divergent. There is not, therefore, in Social Science, a unique interpretation of the functions and the historicity of the market, as well as there is no unanimity with regard to the dominant rationality ways. This theoretical essay brings the perspective of two authors on markets and rationalities, with no intent of absolutizing their thought or restricting their contributions to the themes. Ramos (1981) conceives reason as a force inherent to the individual, which he names substantive reason, pointing out that, with Thomas Hobbes, reason configures a utilitarian calculation of consequences. Additionally, Ramos (1981) sees the markets as a threat to freedom and individuals' autonomy. According to Castoriadis (1992b, 1996, 1999b), reason is present in an anonymous social collective, man and society are inseparable from the socio-historical context. In turn, the market, good or bad, works, although manipulating consumers and exerting violence against workers. In common, the authors advocate for freedom and individuals' autonomy. We conclude the essay corroborating the view of Alves (2007), as the clarifications presented throughout the text indicate that divergences are not in the theories and methods, but in the nature of the object under study. <![CDATA[<b>Organizations as processes and Actor-Network Theory: John Law's contribution to Organizational Studies</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-39512013000400006&lng=en&nrm=iso&tlng=en Em anos recentes, muito se tem debatido a respeito de alternativas às ditas "abordagens representacionais" nos estudos das organizações. Tais discussões costumam destacar o aspecto processual e fluido da organização, que não pode ser tomada como um fim ou um objeto estático e, por isso, ela exige outras formas de explorar e compreender seu fenômeno. Uma abordagem que surge com relevante popularidade é a Teoria Ator-Rede (TAR). Entretanto, tal abordagem tem sido alvo de diversas críticas, que dizem respeito principalmente a uma suposta falta de caráter ou potencial político e/ou crítico. Tendo em vista tal contexto, o objetivo deste artigo é contrapor tais críticas às ideias forjadas nos trabalhos empíricos realizados por um dos autores que mais disseminaram e suscitaram discussões a respeito da TAR nos Estudos Organizacionais: John Law. Com isso, almeja-se, aqui, contribuir com subsídios para uma melhor compreensão da aplicabilidade da TAR nos estudos das organizações, destacando pontos que devem ser levados em consideração para que não sucumba às críticas a ela direcionadas; além disso, são discutidas algumas implicações dessa abordagem em trabalhos empíricos.<hr/>In recent years, much has been debated about alternatives to the so called "representational approaches" in studies of organizations. Such discussions usually highlight the procedural and fluid aspect of the organization,which cannot be taken as having an end or a static object and, thus, it requires other ways to exploit and understand its phenomenon. An approach emerging with considerable popularity is the Actor-Network Theory (ANT). However, this approach has been the target of much criticism, which is mainly related to an alleged lack of political and/or critical nature or potential. Given this context, this article aims to face such criticism to ideas forged in empirical works carried out by one of the authors who spread and triggered more discussions about ANT in Organizational Studies: John Law. By doing so, we intend, here, to contribute with means for a better understanding of the ANT applicability to studies of organizations, highlighting points that must be taken into account so that it does not collapse because of the criticism aimed at it; besides, we discuss some implications of this approach in empirical works. <![CDATA[<b>Management fundamentalism meets decoloniality: strategically rethinking family organizations</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-39512013000400007&lng=en&nrm=iso&tlng=en Por não terem sido convertidas pela globalização neoliberal em organizações de mercado governadas pelos fundamentos da visible hand, em desacordo com o fundamentalismo da gestão, organizações familiares continuam tendo papel estratégico no (e para o) resto do mundo. Engajamo-nos na opção descolonial para analisar neste artigo a trajetória de marginalização de organizações familiares no campo da gestão e, em especial, em gestão estratégica. Ao enfocar o âmbito da gestão estratégica da geopolítica do conhecimento em gestão, o artigo mostra que as seguidas crises da globalização neoliberal ocidental, liderada pelos EUA, e a correspondente ascensão do resto do mundo criaram condições tanto para a descolonização do campo da gestão quanto para o fortalecimento do fundamentalismo da gestão. Propomos, então, a descolonização da gestão e a desmarginalização das organizações familiares por meio da construção de uma área de estudo em estratégia no (a partir do) Brasil que problematize a gestão estratégica da geopolítica do conhecimento em gestão.<hr/>As not have been converted by neoliberal globalization into market organizations governed by fundamentals of the "visible hand", disagreeing with management fundamentalism, family organizations still play a strategic role in (and to) the rest of the world. We engage with a decolonial approach to analyze in this article the marginalization pathway of family organizations in management and, especially, in strategic management. By focusing on the domain of strategic management of geopolitics of knowledge in management, the article shows that the repeated crises of the western neoliberal globalization, led by the USA, and the corresponding rise of the rest of the world have created conditions both for decolonizing the management field and for strengthening management fundamentalism. Thus, we propose to decolonize management and demarginalize family organizations by constructing a study area in strategy in (and from) Brazil that problematizes the strategic management of the geopolitics of knowledge in management. <![CDATA[<b>Learning and knowledge organizational studies in the light of the situated and technoscience approaches</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-39512013000400008&lng=en&nrm=iso&tlng=en Em virtude das lacunas apontadas pela literatura de conhecimento e aprendizagem organizacional, este artigo constitui uma reflexão sobre conhecimento e aprendizagem organizacional por meio das abordagens situada e da tecnociência. Desse modo, a aprendizagem é considerada uma teoria do movimento organizacional e social, portanto, de caráter processual e relacional. Essa alternativa permite lançar um olhar diferenciado para o fenômeno por meio de duas abordagens ainda incipientes nos estudos da área, uma vez que ambas têm interesse no processo pelo qual um "objeto novo" torna-se um "objeto menos novo". Destaque é dado às obras de Latour, autor que explora os conceitos de agência e tempo/espaço como construídos localmente. A organização é tida, nessa perspectiva, como sistema de autoridade. Um estudo teórico-empírico realizado com plantas industriais é utilizado neste artigo como base para explorar o enfoque dinâmico do conhecimento e para compreender a aprendizagem como parte de uma prática social da vida organizacional. Destaca-se, ainda, o potencial das abordagens situada e da tecnociência para analisar o conhecimento e a aprendizagem organizacional, considerando-os de uma forma mais ampla e relacional, em uma realidade na qual há dinâmica e movimento implícito. Apontam-se as implicações que permanecem, tanto em relação ao conteúdo como à metodologia, e salienta-se a necessidade de novos estudos teóricos e teórico-empíricos.<hr/>Because of the gaps pointed out by the literature on organizational knowledge and learning, this article constitutes a reflection on organizational knowledge and learning by means of the situated and technoscience approaches. Thus, learning is regarded as a theory of the organizational and social movement, therefore, it has a procedural and relational nature. This alternative allows looking with different eyes at the phenomenon through two still incipient approaches in studies within this area, since both are interested in the process through which a "new object" becomes a "less new object". Works by Latour are highlighted, an author who explores the concepts of agency and time/space as locally construed. The organization is seen, from this perspective, as an authority system. A theoretical and empirical study carried out with industrial plants is used in this article as a basis to explore the dynamic focus of knowledge and understand learning as part of a social practice of the organizational life. We also highlight the potential of the technoscience and situated approaches to analyze organizational knowledge and learning, considering them in a broader and more relational manner, in a reality where there is dynamics and implicit movement. We point out the remaining implications, both with regard to content and methodology, and highlight the need for further theoretical and theoretical and empirical studies. <![CDATA[<b>Epistemological possibilities for extending the Public Administration Theory: an analysis through the concept of New Public Service</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-39512013000400009&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artigo apresenta as bases epistemológicas que sustentam o modelo do Novo Serviço Público proposto por Denhardt e analisa como elas podem contribuir para a ampliação da Teoria da Administração Pública. Como contribuições, sugere-se que é preciso considerar quais são os mecanismos institucionais que a Administração Pública deve viabilizar que o indivíduo possa se expressar em relação àquilo tem, precisa ou deseja; que a crítica, aos critérios de eficiência e eficácia como os únicos utilizados para suportar determinados modelos de Administração Pública, possibilita reconhecer que essa age sobre um conjunto de interesses difusos, legítimos e, muitas vezes, divergentes e que critérios como equidade ou justiça, por exemplo, parecem mais pertinentes para lhe dar suporte; que a Administração Pública precisa ampliar suas bases de participação, facilitando a articulação dos múltiplos interesses da sociedade, por meio de redes de governança que definiriam como as decisões seriam tomadas, e como os grupos poderiam interagir na formulação dos propósitos públicos e na implantação das políticas públicas; que o grande desafio envolve a redefinição da visão e do papel do próprio Estado, que seria entendido como uma associação que se ocuparia da articulação e da governança das redes de formulação das políticas públicas e da mobilização dos recursos necessários ao alcance desses fins.<hr/>This article presents the epistemological bases underpinning the New Public Service model proposed by Denhardt and analyzes the way how they can contribute for extending the Public Administration Theory. As contributions, we suggest that there is a need to consider what are the institutional mechanisms that Public Administration has to enable the individual to express himself with regard to what he has, needs, or wishes; that the criticism to the criteria of efficiency and effectiveness as the only ones used to support certain Public Administration models allows recognizing that it acts on a set of diffuse, legitimate, and often divergent interests and that criteria as equity or justice, for instance, seem more pertinent to provide it with support; that Public Administration needs to extend its participation bases, facilitating the interconnection of the multiple interests of society, through governance networks that would define how decisions would be made, and how the groups would interact in the formulation of public purposes and in the implementation of public policies; that the great challenge involves redefining the vision and the role of the State itself, which would be seen as an association that would be in charge of the interconnection and governance of the public policy formulation networks and the mobilization of the resources needed to achieve these ends. <![CDATA[<b>On discourse and its analysis: reflections about limits and possibilities in Administration Science</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-39512013000400010&lng=en&nrm=iso&tlng=en Considerando que tanto o discurso da empresa como o discurso científico (paradigma dominante) constituem-se, atualmente, em um veículo de manifestação/legitimação direta da ideologia vigente, seja para convencer, impor ou estabelecer acordos sobre o indivíduo, neste trabalho discutimos as características, os usos e as possibilidades da análise do discurso como uma proposta teórica e metodológica que, além de desnudar a crença em um único sentido, em uma única verdade, forneça meios que possibilitem promover tanto teorias e práticas distantes do modelo hegemônico como, principalmente, (re)construir sentidos e práticas, em todos os aspectos da vida humana envolvida, que estejam, de certa maneira, livres das pressões e do discurso e da ideologia vigente. Para concretizar essa proposta, primeiramente, apresentamos as noções gerais sobre discurso e análise do discurso, em seguida, abordamos as características de duas correntes da análise do discurso, a corrente francesa e a corrente inglesa - cuja evolução culminou na análise crítica do discurso - e, por fim, tecemos algumas considerações acerca das possibilidades de uso e de que maneira tal proposta pode auxiliar a romper com algumas práticas de pesquisa tradicionalmente elitistas e excludentes dentro da Ciência da Administração.<hr/>Considering that both enterprise discourse and scientific discourse (dominant paradigm) constitutes, nowadays, a direct vehicle of manifestation/legitimacy of the current ideology, either to convince, impose, or establish agreements on the individual, in this paper we discuss the characteristics, uses, and possibilities of discourse analysis as a theoretical and methodological proposal that, besides uncovering the belief in a single direction, a single truth, provides resources that allow both promoting theories and practices distant from the hegemonic model and, especially, (re)construct meanings and practices, in all aspects of the human life involved, which are, in a certain way, free from pressures and the current discourse and ideology. To implement this proposal, first, we introduce the general notions of discourse and discourse analysis, then, we discuss the characteristics of two discourse analysis schools, the French school and the English school - whose evolution culminated in the critical discourse analysis -, and, finally, we bring forth some considerations about the possibilities of use and the way how this proposal may help breaking with some research practices traditionally elitist and exclusionary within Administration Science. <![CDATA[<b>Not only of epistemological debates the researcher in administration lives: some notes about disputes between paradigms and scientific field</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-39512013000400011&lng=en&nrm=iso&tlng=en A discussão sobre abordagens paradigmáticas no campo da Administração pode ser profícua quando provoca os pesquisadores a refletir sobre premissas, práticas e valores compartilhados por uma comunidade científica. Entretanto, ao extremo, torna-se uma disputa que impede a busca de outras abordagens para lidar com a complexidade dos fenômenos sociais. Nesse sentido, importa compreender que, na produção do conhecimento científico, os pesquisadores não se deparam somente com escolhas acerca de epistemologia, de lógica ou de teoria linguística, mas, também, com problemas de política. Este ensaio objetiva contribuir com reflexões sobre o pesquisador e os desafios epistemológicos e políticos com os quais se depara no fazer pesquisa, argumentando que não se trata somente de uma escolha entre positivismos e interpretativismos, mas igualmente envolve disputas de poder dentro de um campo científico). Para tanto, foram selecionados intencionalmente textos com conceitos-chave, como paradigmas e campo científico. Em resposta ao objetivo geral deste ensaio, consideramos que o fazer ciência constitui uma atividade humana que possui vínculo indissociável com espaço e tempo e imbrica-se com jogos de poder. Entendemos, ainda, que o campo científico da Administração no Brasil é um espaço de competitividade e lutas políticas do qual fazemos parte, quer seja como opressores ou privilegiados, mas nunca como meros expectadores. Nessa arena, nem só de debates epistemológicos vive o pesquisador em Administração.<hr/>The discussion about paradigmatic approaches in the field of Administration may be fruitful when it induces researchers to think through premises, practices, and values shared by a scientific community. However, at the extreme, it becomes a dispute that prevents the search for other approaches to deal with the complexity of social phenomena. In this sense, it is worth understanding that, when producing scientific knowledge, researchers are not faced only with choices about epistemology, logic, or linguistic theory, but also political problems. This essay aims to contribute with reflections on the researcher and the epistemological and political challenges with which he is faced when conducting research, arguing that it is not only a choice between kinds of positivism and interpretivism, but it also involves power struggles within a scientific field. For this, we intentionally selected texts with key concepts, such as paradigms and scientific field. As a response to the general objective of this essay, we think that the making of science constitutes a human activity that has an inseparable link with space and time and it imbricates with power games. We also think that the scientific field of Administration in Brazil is a space of competitiveness and political struggles where we are parties, either as oppressing or privileged individuals, but never as mere spectators. In this arena, not only of epistemological debates the researcher in Administration lives. <![CDATA[<b>- Mom!? Will the world end...? </b><b>Reflections on Deployments and Implications of Burrell and Morgan's Sociological Paradigms for Organizational Studies</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-39512013000400012&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este ensaio se orienta pela seguinte pergunta: Quais desdobramentos e debates importantes ocorreram nos Estudos Organizacionais associados aos estudos de Burrell e Morgan (1979) sobre os paradigmas sociológicos? O objetivo é apresentar um entendimento sobre os estudos desses dois professores, esboçar um panorama das discussões sobre o assunto e discutir, introdutoriamente, novos debates em perspectiva. O ensaio se inspira em indagações lúdicas de uma criança a sua mãe na tentativa de interpretar a realidade social que a envolve. A partir daí, são desenvolvidas reflexões nos campos da objetividade e da subjetividade, integradas com questões epistemológicas e sociológicas da Ciência da Administração. O trabalho é desenvolvido como ensaio teórico e aborda panoramicamente a intensidade das agitações por que passaram e ainda passam os Estudos Organizacionais desde a publicação da obra de Burrell e Morgan (1979), enfocando sua contribuição para enfrentar a hegemonia do funcionalismo nas pesquisas sobre organizações no Brasil. São discutidos aspectos dicotômicos relativos à pesquisa qualitativa e quantitativa e suas relações com pontos de vista epistemológicos e metodológicos correspondentes. Discute-se a possibilidade de utilização de perspectivas teóricas diferentes para o mesmo objeto de estudo, como o chamado multiparadigmatismo e interparadigmatismo nos Estudos Organizacionais, por exemplo. O ensaio indica que as discussões acerca das ideias desses dois professores continuam intensas, gerando um espaço de debates amplo e rico aos pesquisadores dos Estudos Organizacionais, notadamente àqueles interessados no desenvolvimento de pesquisas críticas e interpretativas.<hr/>This essay is guided by the following question: Which deployments and important debates did take place in Organizational Studies associated with the studies by Burrell and Morgan (1979) about the sociological paradigms? It aims at presenting an understanding on the studies by these two professors, sketching an overview of the discussions on the subject, and discussing, on an introductory basis, new prospective debates. The essay is based on playful questions of a child to his mother in an attempt to interpret the social reality surrounding him. Thereafter, reflections are made in the objectivity and subjectivity fields, interconnected to epistemological and sociological issues of Administration Science. The paper is developed as a theoretical essay and it panoramically approaches the intensity of agitations which the Organizational Studies went through and still go through since the work by Burrell and Morgan (1979) was published, focusing on its contribution to face the hegemony of functionalism in researches on organizations in Brazil. Dichotomous aspects concerning the qualitative and quantitative research and their relations to corresponding epistemological and methodological viewpoints are discussed. We discuss the possibility of using different theoretical perspectives for addressing the same study object, such as the so-called multiparadigmaticism and interparadigmaticism in Organizational Studies, for instance. The essay indicates that discussions about the ideas of these two professors are still intense, generating a wide and rich debating space for researchers in Organizational Studies, notably for those interested in conducting critical and interpretive researches.