Scielo RSS <![CDATA[Brazilian Journal of Otorhinolaryngology]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=1808-869420170001&lang=en vol. 83 num. 1 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[Is there a role for regenerative medicine in chronic rhinosinusitis with nasal polyps?]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-86942017000100001&lng=en&nrm=iso&tlng=en <![CDATA[Immediate effects of an anchor system on the stability limit of individuals with chronic dizziness of peripheral vestibular origin]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-86942017000100003&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract Introduction The symptoms associated with chronic peripheral vestibulopathy exert a negative impact on the independence and quality of life of these individuals, and many individuals continue to suffer from these symptoms even after conventional vestibular rehabilitation. Objective To evaluate the acute effect of an anchor system for balance evaluation of patients with chronic dizziness who failed to respond to traditional vestibular rehabilitation. Methods Subjects over 50 years of age, presenting with chronic dizziness and postural instability of peripheral vestibular origin, participated in the study. The limit of stability was evaluated in three positions using the Balance Master® system: Position 1, standing with the arms along the body; Position 2, standing with the elbows bent at 90º (simulating holding the anchors); and Position 3, with the elbows bent at 90º holding the anchors. The variables of movement latency, endpoint excursion and directional control of movement were evaluated. Results Using the anchor system, significant reduction of time in the response at the beginning of the movement compared to Position 1 (p &lt; 0.05); increased endpoint excursion in the left lateral direction compared to Position 1 (p &lt; 0.05); and more directional control of movement in the anterior and posterior directions (p &lt; 0.05) compared to the other positions, were found. Conclusion While using the system anchor, individuals with chronic peripheral vestibulopathy showed an immediate improvement in the stability limit in relation to the movement latency, endpoint excursion, and directional control of movement variables, suggesting that the haptic information aids postural control.<hr/>Resumo Introdução Os sintomas associados à vestibulopatia periférica crônica têm impacto negativo na independência e qualidade de vida dos indivíduos e muitos deles continuam a sofrer desses sintomas, mesmo depois de ter passado pela reabilitação vestibular convencional. Objetivo Avaliar o efeito agudo de um sistema de ancoragem para avaliação do equilíbrio de pacientes com tontura crônica que não responderam à reabilitação vestibular tradicional. Método Participaram do estudo indivíduos com mais de 50 anos que se apresentaram com tontura crônica e instabilidade postural de origem vestibular periférica. O limite de estabilidade foi avaliado em três posições, com o uso do sistema Balance Master®: Posição 1, de pé com os braços pendentes ao longo do corpo; Posição 2, de pé com os cotovelos flexionados em 90º (simulando a posição de segurar as âncoras); e Posição 3, com os cotovelos flexionados em 90º e segurando as âncoras. Foram avaliadas as variáveis de latência de movimento, o ponto final da excursão e o controle direcional do movimento. Resultados Com o uso do sistema de âncoras, ocorreu redução significante no tempo de resposta no início do movimento em comparação com a Posição 1 (p &lt; 0,05); aumento no ponto final da excursão na direção lateral esquerda, em comparação com a Posição 1 (p &lt; 0,05); e mais controle direcional do movimento nas direções anterior e posterior (p &lt; 0,05), em comparação com as demais posições. Conclusão Enquanto usavam o sistema de âncoras, os indivíduos com vestibulopatia periférica demonstraram melhoria imediata no limite da estabilidade em relação às variáveis latência de movimento, ponto final da excursão e controle direcional do movimento. Isso sugere que a informação háptica auxilia no controle postural. <![CDATA[Mode of recording and modulation frequency effects of auditory steady state response thresholds]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-86942017000100010&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract Introduction The performance of auditory steady state response (ASSR) in threshold testing when recorded ipsilaterally and contralaterally, as well as at low and high modulation frequencies (MFs), has not been systematically studied. Objective To verify the influences of mode of recording (ipsilateral vs. contralateral) and modulation frequency (40 Hz vs. 90 Hz) on ASSR thresholds. Methods Fifteen female and 14 male subjects (aged 18–30 years) with normal hearing bilaterally were studied. Narrow-band CE-chirp® stimuli (centerd at 500, 1000, 2000, and 4000 Hz) modulated at 40 and 90 Hz MFs were presented to the participants' right ear. The ASSR thresholds were then recorded at each test frequency in both ipsilateral and contralateral channels. Results Due to pronounced interaction effects between mode of recording and MF (p &lt; 0.05 by two-way repeated measures ANOVA), mean ASSR thresholds were then compared among four conditions (ipsi-40 Hz, ipsi-90 Hz, contra-40 Hz, and contra-90 Hz) using one-way repeated measures ANOVA. At the 500 and 1000 Hz test frequencies, contra-40 Hz condition produced the lowest mean ASSR thresholds. In contrast, at high frequencies (2000 and 4000 Hz), ipsi-90 Hz condition revealed the lowest mean ASSR thresholds. At most test frequencies, contra-90 Hz produced the highest mean ASSR thresholds. Conclusions Based on the findings, the present study recommends two different protocols for an optimum threshold testing with ASSR, at least when testing young adults. This includes the use of contra-40 Hz recording mode due to its promising performance in hearing threshold estimation.<hr/>Resumo Introdução O desempenho da resposta auditiva de estado estável (RAEE) em testes de limiar com registros ipsilateral e contralateral e modulações em frequências (MFs) não tem sido sistematicamente estudado. Objetivo Verificar a influência do modo de registro (ipsilateral vs. contralateral) e da modulação em frequências (40 Hz vs. 90 Hz) nos limiares de RAEE. Método Foram estudados 15 mulheres e 14 homens (18-30 anos) com audição bilateral normal. Estímulos CE-chirp® de banda estreita (centrados em 500, 1.000, 2.000 e 4.000 Hz) modulados em 40 e 90 Hz de MF foram apresentados à orelha direita dos participantes. Em seguida, os limiares de RAEE foram registrados em cada frequência de teste nos canais ipsilateral e contralateral. Resultados Devido aos pronunciados efeitos de interação entre o modo de registro e MF (p &lt; 0,05 por variância com dois fatores para medidas repetidas – Anova duas vias), os limiares médios de RAEE foram então comparados entre quatro condições (Ipsi-40 Hz, Ipsi-90 Hz, Contra-40 Hz e Contra-90 Hz), com o uso de variância e com um fator para medidas repetidas (Anova uma via). Nas frequências de teste de 500 e 1.000 Hz, a condição Contra-40 Hz produziu os mais baixos limiares médios de RAEE. Em contraste, em altas frequências (2.000 e 4.000 Hz), a condição Ipsi-90 Hz revelou os mais baixos limiares médios de RAEE. Na maioria das frequências de teste, a condição Contra-90 Hz produziu os mais elevados limiares médios de RAEE. Conclusões Com base nos achados do presente estudo, os autores recomendam dois protocolos diferentes para um teste de limiares ideal com RAEE, pelo menos em adultos jovens. Isso inclui o uso do modo de registro Contra-40 Hz, devido ao seu desempenho promissor nas estimativas do limiar auditivo. <![CDATA[Hearing performance as a predictor of postural recovery in cochlear implant users]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-86942017000100016&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract Objective This study aimed to evaluate if hearing performance is a predictor of postural control in cochlear implant (CI) users at least six months after surgery. Methods Cross-sectional study including (CI) recipients with post-lingual deafness and controls who were divided into the following groups: nine CI users with good hearing performance (G+), five CI users with poor hearing performance (G−), and seven controls (CG). For each patient, computerized dynamic posturography (CDP) tests, a sensory organization test (SOT), and an adaptation test (ADT) were applied as dual task performance, with first test (FT) and re-test (RT) on the same day, including a 40–60 min interval between them to evaluate the short-term learning ability on postural recovery strategies. The results of the groups were compared. Results Comparing the dual task performance on CDP and the weighted average between all test conditions, the G+ group showed better performance on RT in SOT4, SOT5, SOT6, and CS, which was not observed for G− and CG. The G− group had significantly lower levels of short-term learning ability than the other two groups in SOT5 (p = 0.021), SOT6 (p = 0.025), and CS (p = 0.031). Conclusion The CI users with good hearing performance had a higher index of postural recovery when compared to CI users with poor hearing performance.<hr/>Resumo Objetivo O presente estudo teve por objetivo avaliar se o desempenho auditivo é preditor de controle postural em usuários de IC pelo menos seis meses após a cirurgia. Método Estudo transversal que consistiu em recipientes de implante coclear (IC) com surdez pós-lingual e controles, que foram divididos nos seguintes grupos: nove usuários de IC com bom desempenho auditivo (G+), cinco usuários de usuários de IC com desempenho auditivo insatisfatório (G-) e sete controles (GC). Aplicamos os testes de posturografia dinâmica computadorizada (PDC), de organização sensitiva (TOS) e de adaptação (TAd) como desempenho de dupla tarefa, primeiro teste (PT) e reteste (RT) no mesmo dia, com intervalo de 40-60 minutos entre testes, com o objetivo de avaliar a capacidade de aprendizado em curto prazo nas estratégias de recuperação postural. Comparamos os resultados dos testes. Resultados Na comparação do desempenho de dupla tarefa no teste PDC e a média ponderal entre todas as condições de teste, o grupo G+ demonstrou melhor desempenho no RT nos TOS4, TOS5, TOS6 e EC, o que não foi observado para os grupos G- e GC. O grupo G- obteve níveis significantemente mais baixos de capacidade de aprendizado em curto prazo vs. outros dois grupos no TOS5 (p = 0,021), TOS6 (p = 0,025) e EC (p = 0,031). Conclusão Usuários de IC com bom desempenho auditivo tiveram índice melhor de recuperação postural, quando comparados com usuários de IC com desempenho auditivo insatisfatório. <![CDATA[Clinical outcome and patient satisfaction using biodegradable (NasoPore) and non-biodegradable packing, a double-blind, prospective, randomized study]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-86942017000100023&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract Introduction Nasal packing after endoscopic sinus surgery is used as a standard procedure. The optimum solution to minimize or eliminate all disadvantages of this procedure may be accomplished using biodegradable packs. Objective The aim of this study was to compare patient satisfaction and clinical outcome associated with absorbable and non-absorbable packing after FESS. Methods In total, 50 patients were included in a prospective, double-blind, randomized trial. One side was packed with polyurethane foam, while the opposite side was packed with gauze packing. On the 2nd, 10th, and 30th postoperative day, the patients were questioned with the aid of a visual analog scale. The standardized questionnaires for bleeding, nasal breathing, feeling of pressure, and headache were used. The presence of synechiae, infection, or granulation was noted and recorded with the video-endoscopy. Results A significant difference according to lower pressure was found in the NasoPore group compared to the controls on day ten after surgery. The NasoPore packing had lower scores with respect to postoperative nose blockage on the 2nd and 10th days. Mucosal healing was better for the NasoPore group, both at day ten and 30 compared with the control group. Conclusion The overall patient comfort is higher when using NasoPore compared to non-resorbable traditional impregnated gauze packing. Intensive saline douches applied three to four times per day are mandatory after the operation to prevent synechiae formation and fluid resorption by the packing.<hr/>Resumo Introdução O tamponamento nasal após cirurgia sinusal endoscópica é procedimento de rotina. A solução ideal para minimizar ou eliminar as desvantagens desse procedimento pode ser alcançada com o uso de tampões biodegradáveis. Objetivo Comparar a satisfação do paciente e o desfecho clínico associados ao uso de tampões absorvíveis e não absorvíveis após a cirurgia funcional dos seios paranasais (FESS- Functional Endoscopic Sinus Surgery). Método Foram incluídos 50 pacientes neste estudo prospectivo, duplo-cego e randomizado. Um dos lados foi tamponado com espuma de poliuretano, enquanto no outro lado foi feito um tamponamento com gaze. Nos 2º, 10º e 30º dias após a operação, os pacientes foram perguntados com a ajuda de uma escala analógica visual. Foram empregados questionários padronizados para sangramento, respiração nasal, sensação de pressão e cefaleia. A presença de sinequias, infecção ou granulação foi registrada por videoendoscopia. Resultados Foi observada diferença significante, da sensação de pressão, menor no lado tratado com NasoPore vs. controles no 10º dia após a cirurgia. O tamponamento com NasoPore obteve escores mais baixos com respeito ao bloqueio nasal pós-operatório no 2º e 10º dias. A cicatrização da mucosa foi melhor no lado do NasoPore, mas no 10º e 30º dias os resultados foram comparáveis com os do lado de controle. Conclusão O conforto geral do paciente é maior com o uso de NasoPore vs. tamponamento tradicional com gaze besuntada não reabsorvível. O uso vigoroso de jatos de solução salina aplicados 3-4 vezes ao dia é um procedimento obrigatório após a cirurgia, para evitar a formação de sinequias e para uma absorção natural do tampão. <![CDATA[Prevalence of dizziness in the population of Minas Gerais, Brazil, and its association with demographic and socioeconomic characteristics and health status]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-86942017000100029&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract Introduction The state of Minas Gerais, Brazil has no data on the prevalence of dizziness in the population and this information can be fundamental as the basis of public health policies, promotion, prevention and rehabilitation campaigns. Objective Investigate the prevalence of the symptom of dizziness in the population of Minas Gerais according to Sample Survey of Households, as well as describe the profile of interviewed individuals and the association between dizziness and socioeconomic, demographic features and health status. Methods This was a cross-sectional observational study that analyzed individuals with dizziness symptom reported in the previous month. The data entered in the Sample Survey of Households of 2011 were analyzed. An independent statistical association was determined between the selected variables and dizziness through multivariate analysis. Results Dizziness was the third major complaint among individuals who mentioned any health problems in the previous month, with an estimated population of 209,025 individuals and reported by 6.7% of symptomatic ones, with higher prevalence values only reported for the symptoms of fever and headache. Among individuals who reported dizziness, 94% were adults or elderly (p ≤ 0.001) and 63% were females (p = 0.003). A statistically significant association (p &lt; 0.001) was observed between the response variable and the variables: self-perceived health, hypertension, heart disease, diabetes, depression, seeking or requiring medical or health care in the previous month and private health care plan or insurance. Among individuals with dizziness, 84.2% sought or required medical or health care and 80.1% did not have a private health plan or insurance in the assessed period. Conclusion The dizziness symptom was highly prevalent in the population of Minas Gerais during the assessed month of the investigation. Dizziness was prevalent in adults and the elderly and showed a statistical association with socioeconomic and demographic characteristics, as well as the assessed health status.<hr/>Resumo Introdução O Estado de Minas Gerais, Brasil, não tem dados sobre a prevalência de tontura na população e essas informações podem ser fundamentais para basear políticas de saúde pública, campanhas de promoção e prevenção e a reabilitação. Objetivo Investigar a prevalência do sintoma de tontura na população do Estado de Minas Gerais segundo a Pesquisa por Amostra de Domicílio (PAD-MG), assim como descrever o perfil dos indivíduos entrevistados e as relações entre tontura e características socioeconômicas, demográfica e condições de saúde. Método Estudo de caráter observacional transversal com análise dos indivíduos com relato de sintoma de tontura no último mês. Foram analisados os dados inseridos na PAD-MG de 2011. Determinou-se associação estatística independente entre as variáveis selecionadas e a tontura por intermédio de análise multivariada. Resultados A tontura foi a terceira queixa principal entre os indivíduos que mencionaram algum problema de saúde no último mês, com estimativa populacional de 209.025 indivíduos e relatada por 6,7% dos sintomáticos, com valores inferiores somente aos sintomas de febre e dores de cabeça, respectivamente. Dentre indivíduos com relato de tontura, 94% são adultos ou idosos (p ≤ 0,001) e 63% do sexo feminino (p = 0,003). Foi encontrada associação estatisticamente significante (p &lt; 0,001) entre a variável resposta e as variáveis autopercepção de saúde, hipertensão, doenças cardíacas, diabetes, depressão, procura ou necessidade de atendimento médico ou de saúde no último mês e presença de cobertura de plano ou seguro-saúde. Dentre os indivíduos com tontura, 84,2% procuraram ou precisaram de atendimento médico ou de saúde e 80,1% não tinham cobertura de plano ou seguro-saúde no período pesquisado. Conclusão O sintoma de tontura se mostrou altamente prevalente na população de Minas Gerais no mês de referência da pesquisa. A tontura foi prevalente nos indivíduos adultos e idosos e apresentou associação estatística com as características socioeconômicas, demográficas e condições de saúde estudadas. <![CDATA[Human papillomavirus in oral cavity and oropharynx carcinomas in the central region of Brazil]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-86942017000100038&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract Introduction Molecular studies about carcinomas of the oral cavity and oropharynx demonstrate the presence of human papilomavirus genome in these tumors, reinforcing the participation of human papilomavirus in oral carcinogenesis. Objectives This study aimed to determine the prevalence of human papilomavirus and genotype distribution of HPV16 and HPV18 in oral cavity and oropharynx carcinomas, as well as their association with clinical characteristics of the tumors. Methods This is a retrospective study, with clinical data collected from 82 patients. Human papilomavirus detection was conducted on specimens of oral cavity and oropharynx carcinomas included in paraffin blocks. Patients were assisted in a cancer reference center, in the central region of Brazil, between 2005 and 2007. Polymerase chain reaction was used for the detection and genotyping of human papilomavirus. Results Among the patients evaluated, 78% were male. The average age of the group was about 58 years. Risk factors, such as smoking (78%) and alcohol consumption (70.8%) were recorded for the group. HPV DNA was detected in 21 cases (25.6%; 95% confidence interval 16.9–36.6) of which 33.3% were HPV16 and 14.3% were HPV18. The presence of lymph node metastases and registered deaths were less frequent in human papilomavirus positive tumors, suggesting a better prognosis for these cases; however, the differences between the groups were not statistically significant. Conclusion The results obtained in the present study, with respect to the presence of the high-risk HPV16 and HPV18 genotypes, highlight the importance of human papilomavirus vaccination in the control of oral cavity and oropharynx carcinomas.<hr/>Resumo Introdução Estudos moleculares sobre carcinomas da cavidade oral e orofaringe demonstram a presença do genoma do papilomavírus humano (HPV) nesses tumores, o que enfatiza a participação do HPV na carcinogênese oral. Objetivos Determinar a prevalência de HPV e a distribuição genotípica de HPV16 e HPV18 nos carcinomas de cavidade oral e orofaringe, bem como sua associação com as características clínicas dos tumores. Método Estudo retrospectivo, com dados clínicos coletados de 82 pacientes. A detecção de HPV foi feita em amostras de carcinomas de cavidade oral e orofaringe incluídos em blocos de parafina. Os pacientes foram atendidos em um centro de referência para tratamento do câncer, na região central do Brasil, entre 2005 e 2007. Foi usada a reação em cadeia de polimerase (PCR) para a detecção e genotipagem do HPV. Resultados Entre os pacientes avaliados, 78% eram homens. A média de idade do grupo era de 58 anos. Fatores de risco como o tabagismo (78%) e consumo de álcool (70,8%) foram registrados para o grupo. HPV DNA foi detectado em 21 casos (25,6%; IC de 95%, 16,9-36,6), dos quais 33,3% eram HPV16 e 14,3% eram HPV18. A presença de metástases em linfonodos e os óbitos registrados foram menos frequentes em tumores positivos para HPV, o que sugere melhor prognóstico para esses casos; contudo, as diferenças entre os grupos não foram estatisticamente significantes. Conclusão Os resultados obtidos no presente estudo, com respeito à presença de genótipos de alto risco de HPV16 e HPV18, destacam a importância da vacinação para HPV no controle dos carcinomas de cavidade oral e orofaringe. <![CDATA[A possible cause of epistaxis: increased masked hypertension prevalence in patients with epistaxis]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-86942017000100045&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract Introduction Epistaxis and hypertension are frequent conditions in the adult population. Masked hypertension is defined as a clinical condition in which a patient's office blood pressure level is &lt;140/90 mmHg, but the ambulatory or home blood pressure readings are in the hypertensive range. Many studies have proved that hypertension is one of the most important causes of epistaxis. The prevalence of this condition in patients with epistaxis is not well defined. Objective This study aimed to evaluate the prevalence of masked hypertension using the results of office blood pressure measurement compared with the results of ambulatory blood pressure monitoring. Methods Sixty patients with epistaxis and 60 control subjects were enrolled in the study. All patients with epistaxis and controls without history of hypertension underwent physical examination, including office blood pressure measurement, ambulatory or home blood pressure, and measurement of anthropometric parameters. Results Mean age was similar between the epistaxis group and the controls – 21–68 years (mean 42.9) for the epistaxis group and 18–71 years (mean 42.2) for the control group. A total of 20 patients (33.3%) in the epistaxis group and 7 patients (11.7%) in the control group (p = 0.004) had masked hypertension. Night-time systolic blood pressure was significantly higher in patients with epistaxis than in the control group (p &lt; 0.005). However, no significant difference was found in daytime systolic blood pressure between the control group and the patients with epistaxis (p = 0.517). Conclusion This study demonstrates increased masked hypertension prevalence in patients with epistaxis. We suggest that all patients with epistaxis should undergo ambulatory or home blood pressure to detect masked hypertension, which could be a possible cause of epistaxis.<hr/>Resumo Introdução Epistaxe e hipertensão são condições frequentes na população adulta. Hipertensão mascarada é definida como uma condição clínica em que o nível da pressão arterial do paciente no consultório é &lt; 140/90 mm Hg, mas as leituras da pressão arterial ambulatorial ou em casa se encontram na faixa hipertensiva. Muitos estudos demonstraram que a hipertensão é uma das causas mais importantes de epistaxe. Ainda não está devidamente definida a prevalência dessa condição em pacientes com epistaxe. Objetivo Avaliar a prevalência de HM com o uso dos resultados de mensurações da pressão arterial no consultório, em comparação com os resultados da MAPA. Método Foram recrutados 60 pacientes com epistaxe e 60 indivíduos para controle. Todos os pacientes com epistaxe e os controles sem histórico de hipertensão passaram por exame físico, inclusive determinação da pressão arterial no consultório, MAPA e mensuração dos parâmetros antropométricos. Resultados A média de idade foi similar entre o grupo com epistaxe e os controles: de 21 a 68 (média 42,9) anos para o grupo com epistaxe e de 18 a 71 (média 42,2) anos para o grupo controle. No total, 20 pacientes (33,3%) no grupo com epistaxe e sete (11,7%) no grupo controle (p = 0,004) apresentaram hipertensão mascarada. A pressão arterial sistólica noturna foi significantemente mais alta em pacientes com epistaxe, em comparação com o grupo controle (p &lt; 0,005). No entanto, não foi observada diferença significante na pressão arterial sistólica obtida durante o dia entre o grupo controle e os pacientes com epistaxe (p = 0,517). Conclusão O presente estudo demonstra maior prevalência de hipertensão mascarada em pacientes com epistaxe. Sugerimos que todos os pacientes com epistaxe devam ser submetidos à monitoração da pressão arterial caseira ou em consultório com o objetivo de detectar hipertensão mascarada, que pode ser uma causa possível de epistaxe. <![CDATA[Assessment of Eustachian tube function in patients with tympanic membrane retraction and in normal subjects<sup>,</sup>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-86942017000100050&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract Introduction The diagnosis of Eustachian tube dysfunctions is essential for better understanding of the pathogenesis of chronic otitis media. A series of tests to assess tube function are described in the literature; however, they are methodologically heterogeneous, with differences ranging from application protocols to standardization of tests and their results. Objective To evaluate the variation in middle ear pressure in patients with tympanic membrane retraction and in normal patients during tube function tests, as well as to evaluate intra-individual variation between these tests. Methods An observational, contemporary, cross-sectional study was conducted, in which the factor under study was the variation in middle ear pressure during tube function tests (Valsalva maneuver, sniff test, Toynbee maneuver) in healthy patients and in patients with mild and moderate/severe tympanic retraction. A total of 38 patients (76 ears) were included in the study. Patients underwent tube function tests at two different time points to determine pressure measurements after each maneuver. Statistical analysis was performed using SPSS software, version 18.0, considering p-values &lt;0.05 as statistically significant. Results Mean (standard deviation) age was 11 (2.72) years; 55.3% of patients were male and 44.7% female. The prevalence of type A tympanogram was higher among participants with healthy ears and those with mild retraction, whereas type C tympanograms were more frequent in the moderate/severe retraction group. An increase in middle ear pressure was observed during the Valsalva maneuver at the first time point evaluated in all three groups of ears (p = 0.012). The variation in pressure was not significant either for the sniff test or for the Toynbee maneuver at the two time points evaluated (p ≥ 0.05). Agreement between measurements obtained at the two different time points was weak to moderate for all tests in all three groups of ears, and the variations in discrepancy between measurements were higher in ears with moderate/severe tympanic retraction. Conclusion In this study population, the mean pressure in the middle ear showed significant variation only during the Valsalva maneuver at the first time point evaluated in the three groups of ears. Normal ears and those with mild retraction behaved similarly in all tests. The tested maneuvers exhibited weak to moderate intra-individual variation, with the greatest variation occurring in ears with moderate/severe retraction.<hr/>Resumo Introdução O diagnóstico das disfunções da tuba auditiva é essencial para o melhor entendimento da patogênese da otite média crônica. A literatura descreve uma série de testes que avaliam a função tubária; contudo, tais exames são metodologicamente heterogêneos, com diferenças que variam desde os protocolos de aplicação até a padronização dos exames e seus resultados. Objetivo Avaliar a variação na pressão na orelha média em pacientes com retração da membrana timpânica e em indivíduos normais durante os testes de função tubária e também avaliar a variação intraindividual desses testes. Método Estudo observacional do tipo transversal e contemporâneo, no qual o fator em estudo foi a variação na pressão na orelha média durante os testes de função tubária (manobra de Valsalva, Sniff Test e manobra de Toynbee) em indivíduos normais e em pacientes com retrações timpânicas leves e moderadas/graves. Foram incluídos 38 pacientes (76 orelhas). Os pacientes foram submetidos, em dois momentos diferentes, a testes de função tubária para determinar as medidas de pressão após cada manobra. A análise estatística foi feita com o programa SPSS, versão 18.0, e consideramos como estatisticamente significativos os valores de p &lt; 0,05. Resultados A média ± desvio padrão da idade foi de 11 ± 2,72 anos; 55,3% dos pacientes eram do gênero masculino e 44,7% do feminino. A prevalência de curvas timpanométricas do tipo A foi mais alta entre os participantes com orelhas normais e naqueles com retrações leves, enquanto as curvas timpanométricas do tipo C foram mais frequentes no grupo com retrações moderadas/graves. Observamos pressões aumentadas na orelha média durante a manobra de Valsalva no primeiro momento da avaliação nos três grupos de orelhas (p = 0,012). A variação na pressão não foi significativa para o Sniff Test, nem para a manobra de Toynbee nos dois momentos de avaliação (p ≥ 0,05). Consideramos que a concordância entre as determinações obtidas nos dois momentos diferentes foi fraca a moderada para todos os testes nos três grupos de orelhas e as variações em termos de discrepância entre as medidas foram maiores nas orelhas com retrações timpânicas moderadas/graves. Conclusão Na população estudada, a média das pressões na orelha média apresentou variação significante apenas durante a manobra de Valsalva no primeiro momento de avaliação, nos três grupos de orelhas. As orelhas normais e aquelas que apresentavam retração leve se comportaram de maneira similar nos testes. As manobras testadas exibiram uma variação intraindividual fraca a moderada e a maior variação ocorreu nas orelhas com retrações moderadas/graves. <![CDATA[Effectiveness of caudal septal extension graft application in endonasal septoplasty]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-86942017000100059&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract Introduction Septal deviation is a common disease seen in daily otorhinolaryngology practice and septoplasty is a commonly performed surgical procedure. Caudal septum deviation is also a challenging pathology for ear, nose, and throat specialists. Many techniques are defined for caudal septal deviation. Objective To evaluate the effectiveness of caudal septal extension graft (CSEG) application in patients who underwent endonasal septoplasty for a short and deviated nasal septum. Methods Forty patients with nasal septal deviation, short nasal septum, and weak nasal tip support who underwent endonasal septoplasty with or without CSEG placement between August 2012 and June 2013 were enrolled in this study. Twenty patients underwent endonasal septoplasty with CSEG placement. The rest of the group, who rejected auricular or costal cartilage harvest for CSEG placement, underwent only endonasal septoplasty without any additional intervention. Using the Nasal Obstruction Symptom Evaluation (NOSE) and Rhinoplasty Outcome Evaluation (ROE) questionnaires, pre- and post-operative acoustic rhinometer measurements were evaluated to assess the effect of CESG placement on nasal obstruction. Results In the control group, preoperative and postoperative minimal cross-sectional areas (MCA1) were 0.44 ± 0.10 cm2 and 0.60 ± 0.11 cm2, respectively (p &lt; 0.001). In the study group, pre- and postoperative MCA1 values were 0.45 ± 0.16 cm2 and 0.67 ± 0.16 cm2, respectively (p &lt; 0.01). In the control group, the nasal cavity volume (VOL1) value was 1.71 ± 0.21 mL preoperatively and 1.94 ± 0.17 mL postoperatively (p &lt; 0.001). In the study group, pre- and postoperative VOL1s were 1.72 ± 0.15 mL and 1.97 ± 0.12 mL, respectively (p &lt; 0.001). Statistical analysis of postoperative MCA1 and VOL1 values in the study and the control groups could not detect any significant intergroup difference (p = 0.093 and 0.432, respectively). In the study group, mean nasolabial angles were 78.15 ± 4.26º and 90.70 ± 2.38º, respectively (p &lt; 0.001). Conclusion Endonasal septoplasty with CESG placement is an effective surgical procedure with minimal complication rate for subjects who have a deviated, short nasal septum and weak nasal tip support.<hr/>Resumo Introdução Desvio septal é doença comum no cotidiano da prática otorrinolaringológica e a septoplastia é procedimento cirúrgico comum. Desvio caudal do septo nasal é também uma condição desafiadora para os otorrinolaringologistas. São muitas as técnicas definidas para desvio caudal do septo nasal. Objetivo Avaliar a eficácia da aplicação de enxerto de extensão septal caudal (EESC) em pacientes que passaram por septoplastia endonasal devido a septo nasal curto e com desvio. Método Foram recrutados para o estudo 40 pacientes com desvio de septo nasal, septo nasal curto e fraca sustentação da ponta do nariz, tratados com septoplastia endonasal com ou sem a aplicação de EESC, entre agosto de 2012 e junho de 2013. Ao todo, 20 pacientes foram tratados com septoplastia endonasal com aplicação de EESC. O restante do grupo, que rejeitou coleta de cartilagem auricular ou costal para a aplicação de EESC, foi tratado apenas com septoplastia endonasal. Com a aplicação dos questionários Nose (Nasal Obstruction Symptom Evaluation, Avaliação dos Sintomas de Obstrução Nasal) e ROE (Rhinoplasty Outcome Evaluation, Avaliação dos Desfechos da Rinoplastia), as mensurações pré e pós-operatórias com o rinômetro acústico foram obtidas com o objetivo de avaliar o efeito da aplicação de EESC na obstrução nasal. Resultados No grupo controle, as áreas de secção transversal mínima (ASTM1) antes e depois da operação foram 0,44 ± 0,10 cm2 e 0,60 ± 0,11 cm2, respectivamente (p &lt; 0,001). No grupo de estudo, os valores antes e depois da operação para ASTM1 foram 0,45 ± 0,16 cm2 e 0,67 ± 0,16 cm2, respectivamente (p &lt; 0,01). No grupo controle, o valor para os volumes da cavidade nasal (VOL1) foi 1,71 ± 0,21 mL no pré-operatório e 1,94 ± 0,17 mL no pós-operatório (p &lt; 0,001). No grupo de estudo, os VOL1 antes e depois da operação foram 1,72 ± 0,15 mL e 1,97 ± 0,12 mL, respectivamente (p &lt; 0,001). A análise estatística dos valores pós-operatórios para ASTM1 e VOL1 nos grupos de estudo e controle não permitiu a detecção de qualquer diferença intergrupos (p = 0,093 e 0,432, respectivamente). No grupo de estudo e no grupo controle, os ângulos nasolabiais médios foram 78,15 ± 4,26º e 90,70 ± 2,38º, respectivamente (p &lt; 0,001). Conclusão A septoplastia endonasal com aplicação de EESC é um procedimento cirúrgico efetivo, com mínimo percentual de complicações para pacientes que se apresentam com septo nasal curto e com desvio e com fraca sustentação da ponta do nariz. <![CDATA[Distinct characteristics of nasal polyps with and without eosinophilia]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-86942017000100066&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract Introduction Eosinophilic and noneosinophilic Nasal polyps (NPs) are different subtypes of NPs and require different treatment methods. Objective To compare the histologic characteristics, mRNA and protein expression between Nasal Polyps with and without eosinophilia. Methods NPs tissues were obtained from eighty-six NPs patients during surgery. Eosinophilic and noneosinophilic NPs were distinguished according to immunochemical results of the specimen. The histological, mRNA and protein expression features were compared between the two groups. Results In eosinophilic NPs, we observed a significantly higher GATA-3, IL-5, IL-4, IL-13 mRNA and protein expression. In noneosinophilic NPs, IL-17, IL-23 and RORc mRNA and protein expression were increased. Immunohistochemistry tests showed, more mast cells and less neutrophils in eosinophilic NPs compared with noneosinophilic NPs. Eosinophilic NPs patient presented more severe symptom scores when compared to noneosinophilic NPs. Conclusion We demonstrate for the first time that Th2 is the predominant reaction in eosinophilic NPs while Th17 is the predominant reaction in noneosinophilic NPs. Our study may provide new treatment strategy for NPs.<hr/>Resumo Introdução Pólipos nasais (PNs) eosinofílicos e não eosinofílicos são diferentes subtipos de PNs e requerem diferentes métodos de tratamento. Objetivo Comparar as características histológicas e a expressão de mRNAs e proteínas entre PNs com e sem eosinofilia. Método Amostras de PNs foram obtidos de 86 pacientes durante a cirurgia. PNs eosinofílicos e não eosinofílicos foram diferenciados segundo os resultados imunoistoquímicos de cada amostra. As características histológicas e de expressão de mRNAs e de proteínas foram comparadas entre os dois grupos. Resultados Em PNs eosinofílicos, observamos uma expressão significativamente maior dos mRNAs e proteínas GATA-3, IL-5, IL-4 e IL-13. Nos PNs não eosinofílicos, aumentou a expressão dos mRNAs e das proteínas IL-17, IL-23 e RORc. Nos testes imunoistoquímicos, observamos maior número de mastócitos e menor número de neutrófilos nos PNs eosinofílicos, em comparação com PNs não eosinofílicos. Os pacientes com PNs eosinofílicos obtiveram escores de sintomas mais graves vs. PNs não eosinofílicos. Conclusão Demonstramos, pela primeira vez, uma reação Th2 predominante em PNs eosinofílicos e uma reação Th17 predominante em PNs não eosinofílicos. Nosso estudo pode proporcionar novas estratégias terapêuticas para a rinossinusite crônica. <![CDATA[Sonographic scoring of solid thyroid nodules: effects of nodule size and suspicious cervical lymph node]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-86942017000100073&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract Introduction Ultrasound is the most frequently used imaging method to evaluate thyroid nodules. Sonographic characteristics of thyroid nodules which are concerning for malignancy are important to define the need for fine needle aspiration biopsy or open surgery. Objective To evaluate malignancy risk of solid thyroid nodules through sonographic scoring. The effects of nodule size ≥2 cm and associated pathologic cervical lymph node in scoring were examined in addition to generally excepted suspicious features. Methods Medical data of 123 patients underwent thyroid surgery were reviewed, and 89 patients (58 females, 31 males) were included in the study. The presence and absence of each suspicious sonographic feature of thyroid nodules were scored as 1 and 0, respectively. Total ultrasound score was obtained by adding the positive ultrasound findings. Differently from the literature, nodule size ≥2 cm and associated pathologic cervical node were added in scoring criteria. The diagnostic performance of nodule characteristics for malignancy and the effect of total US score to discriminate malignant and benign disease were calculated. Results A significant relationship was found between malignancy and hypoechogenity, border irregularity, intranodular vascularity, and microcalcification (p &lt; 0.05). Pathologic cervical node was observed predominantly in association with malignant nodules. Positive predictive value of suspicious cervical node for malignancy was 67%, similar to microcalcification. Nodule size ≥2 cm was not distinctive for diagnosis of malignancy. The number of suspicious sonographic features obtained with receiver operating characteristic analysis to discriminate between malignant and benign disease was three. Conclusion Sonographic scoring of thyroid nodules is an effective method for predicting malignancy. The authors suggest including associated pathologic node in the scoring criteria. Further studies with larger cohorts will provide more evidence about its importance in sonographic scoring.<hr/>Resumo Introdução A ultrassonografia é o método imagiológico mais frequentemente usado na avaliação de nódulos tireoidianos. As características ultrassonográficas dos nódulos tireoidianos que dizem respeito à malignidade são importantes para a definição da necessidade de uma biópsia por aspiração com agulha fina ou uma cirurgia aberta. Objetivo Avaliar o risco de malignidade de nódulos tireoidianos sólidos por meio de escore ultrassonográfico, verificar os efeitos de nódulos ≥ 2 cm, em associação com linfonodo cervical patológico, além de características suspeitas geralmente omitidas. Método Foram revisados dados médicos de 123 pacientes tratados com cirurgia da tireoide. Foram incluídos no estudo 89 pacientes (58 mulheres, 31 homens). Presença e ausência de cada característica ultrassonográfica suspeita de nódulo tireoidiano receberam pontuações de 1 e 0, respectivamente. O escore ultrassonográfico total foi obtido pela soma dos achados ultrassonográficos positivos. Diferentemente da literatura, nódulos ≥ 2 cm e nodo cervical patológico associado foram acrescentados nos critérios de pontuação. Foram calculados o valor diagnóstico das características dos nódulos para malignidade e o efeito do escore ultrassonográfico total na diferenciação entre doença maligna vs. benigna. Resultados Foi encontrada uma associação significante entre malignidade e hipoecogenicidade, irregularidade das margens, vascularidade intranodular e microcalcificação (p &lt; 0,05). Nodo cervical patológico foi observado predominantemente em associação com nódulos malignos. O valor preditivo positivo de nodo cervical suspeito para malignidade foi de 67%, similar ao achado para microcalcificação. Diâmetro de nódulo ≥ 2 cm não foi fator diferenciador para diagnóstico de malignidade. O número de características ultrassonográficas suspeitas obtido com a análise da curva de características de operação do receptor (receiver operating characteristic, ROC) para discriminação entre doença maligna vs. benigna foi igual a 3. Conclusão O escore ultrassonográfico dos nódulos tireoidianos é método efetivo para predição de malignidade. Sugerimos a inclusão de nódulo patológico associado aos critérios de pontuação. Futuros estudos com coortes maiores proporcionarão mais evidências sobre sua importância no escore ultrassonográfico. <![CDATA[Association of the C47T polymorphism in superoxide dismutase gene 2 with noise-induced hearing loss: a meta-analysis]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-86942017000100080&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract Introduction Currently, there is limited information about the relationship between manganese superoxide dismutase (sod2) c47t polymorphism and susceptibility to noise-induced hearing loss (NIHL). Objective The aim of this meta-analysis was to clarify the association between SOD2 C47T polymorphism and NIHL. Methods A search in PubMed and Web of Science was performed to collect data. All full-text, English-written studies containing sufficient and complete case-and-control data about the relationship between SOD2 C47T polymorphism and NIHL were included. Three eligible studies, comprising 1094 subjects, were identified. pooled odds ratios (ORs) and 95% confidence intervals (CI) were calculated to evaluate the strength of the association between SOD2 C47T polymorphism and NIHL. Results No significant association between C47T polymorphism and risk of NIHL was found with the following combinations: T vs. C (OR = 0.83; 95% CI = 0.63–1.09); TT vs. CC (OR = 0.49; 95% CI = 0.22–1.09); CT vs. CC (OR = 0.54; 95% CI = 0.25–1.17); TT vs. CC + CT (OR = 0.82; 95% CI = 0.50–1.32); CC vs. TT + TC (OR = 0.49; 95% CI = 0.23–1.04). However, in subgroup analysis, a significant association was found for TT vs. CC + CT (OR = 0.77; 95% CI = 0.42–1.41) in the Chinese population. Conclusion The present meta-analysis suggests that SOD2 C47T polymorphism is significantly associated with increased risk of NIHL in the Chinese population. Further large and well-designed studies are needed to confirm this association.<hr/>Resumo Introdução Atualmente, são limitadas as informações acerca da relação entre o polimorfismo C47T de superóxido dismutase 2 (SOD2) dependente de manganês e suscetibilidade à perda auditiva induzida pelo ruído (PAIR). Objetivo O objetivo desta metanálise foi esclarecer a associação entre o polimorfismo C47T de SOD2 e PAIR. Método Foram feitas buscas no PubMed e Web of Science para coleta de dados. Foram incluídos todos os estudos no idioma inglês, com dados suficientes e completos de casos e controles sobre a relação entre o polimorfismo C47T de SOD2 e PAIR. Foram identificados três estudos qualificados, que abrangeram 1.094 indivíduos. Foram calculadas as razões das chances (odds ratio, OR) acumuladas e intervalos de confiança (IC) de 95% para que fosse avaliada a potência da associação entre o polimorfismo C47T de SOD2 e PAIR. Resultados Não foi encontrada uma associação significativa entre o polimorfismo C47T de SOD2 e risco de PAIR com as seguintes combinações: T vs. C (OR = 0,83, IC 95% = 0,63-1,09); TT vs. CC (OR = 0,49, IC 95% = 0,22-1,09); CT vs. CC (OR = 0,54, IC 95% = 0,25-1,17); TT vs. CC + CT (OR = 0,82, IC 95% = 0,50-1,32); CC vs. TT + TC (OR = 0,49, IC 95% = 0,23-1,04). Contudo, na análise de subgrupo, foi encontrada uma associação significativa para TT vs. CC + CT (OR = 0,77, 95% CI = 0,42-1.41) na população chinesa. Conclusão A presente metanálise sugere que o polimorfismo C47T de SOD2 demonstra associação significativa com maior risco de PAIR na população chinesa. Há necessidade de novos estudos de grande porte bem concebidos, para confirmação dessa associação. <![CDATA[The role of Onodi cells in sphenoiditis: results of multiplanar reconstruction of computed tomography scanning<sup>,</sup>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-86942017000100088&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract Introduction Onodi cells are the most posterior ethmoid air cells and extend superolateral to the sphenoid sinus. These cells are also intimately related with the sphenoid sinus, optic nerve, and carotid artery. Radiologic evaluation is mandatory to assess for anatomic variations before any treatment modalities related to the sphenoid sinus. Objective To evaluate the effect of Onodi cells on the frequency of sphenoiditis. Methods A retrospective analysis was performed in 618 adult patients who underwent high-resolution computed tomography between January 2013 and January 2015. The prevalence of Onodi cells and sphenoiditis was evaluated. Whether the presence of Onodi cells leads to an increase in the prevalence of sphenoiditis was investigated. Results Onodi cell positivity was observed in 326 of 618 patients and its prevalence was found to be 52.7%. In the study group, 60.3% (n = 73) were ipsilaterally (n = 21) or bilaterally (n = 52) Onodi-positive, whereas 39.7% (n = 48) were Onodi-negative (n = 35) or only contralaterally Onodi-positive (n = 13). Of the control group, 48.3% (n = 240) were Onodi-positive and 51.7% (n = 257) were Onodi negative. The co-existence of Onodi cells ipsilaterally was observed to increase the identification of sphenoiditis 1.5-fold, and this finding was statistically significant (p &lt; 0.05). Conclusion The prevalence of sphenoiditis appears to be higher in patients with Onodi cells. However, it is not possible to state that Onodi cells are the single factor that causes this disease. Further studies are needed to investigate contributing factors related to sphenoiditis.<hr/>Resumo Introdução As células de Onodi são as células etmoidais mais posteriores, que se prolongam superolateralmente ao seio esfenoidal. Essas células também se encontram em íntima relação com o seio esfenoidal, o nervo óptico e a artéria carótida. Para análise de variações anatômicas antes da implantação de qualquer modalidade terapêutica relacionada ao seio esfenoidal, a avaliação radiológica é obrigatória, Objetivo Nosso objetivo foi avaliar o papel das células de Onodi na frequência de esfenoidite. Método Em nosso estudo, foi feita uma análise retrospectiva em 618 pacientes adultos que se submeteram à tomografia computadorizada de alta resolução entre janeiro de 2013 e janeiro de 2015. Avaliamos a prevalência de células de Onodi e de esfenoidite. Investigamos se a presença de células de Onodi leva a um aumento na prevalência de esfenoidite. Resultados A positividade para células de Onodi foi observada em 326 de 618 pacientes e sua prevalência foi de 52,7%. No grupo de estudo, 60,3% (n = 73) eram CO-positivas: ipsilateral (n = 21) ou bilateralmente (n = 52); e 39,7% (n = 48) eram CO-negativas (n = 35) ou apenas contralateralmente CO-positivas (n = 13). No grupo de controle, 48,3% (n = 240) eram CO-positivas; e 51,7% (n = 257) eram CO-negativas. Observamos que a coexistência de CO ipsilateralmente aumentava em 1,5 vez a associação com esfenoidite e esse achado foi estatisticamente significante (p &lt; 0,05). Conclusão A prevalência de esfenoidite parece ser maior em pacientes com células de Onodi, mas não é possível afirmar que elas são isoladamente o fator causador dessa doença. Novos estudos precisam ser feitos para uma investigação dos fatores contributivos relacionados à esfenoidite. <![CDATA[Which features of advanced head and neck basal cell carcinoma are associated with perineural invasion?]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-86942017000100094&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract Introduction Perineural invasion is a unique route for tumor dissemination. In basal cell carcinomas, the incidence is low, but increases in advanced cases. Its importance is recognized but not fully understood. Objective To compare head and neck basal cell carcinomas with and without perineural invasion. Methods A retrospective medical chart review of multidisciplinary surgeries for basal cell carcinomas that required a head and neck surgery specialist in a tertiary referral center was performed. Clinical-demographics and histopathological features were analyzed. Results Of 354 cases, perineural invasion was present in 23.1%. Larger tumors and morpheaform subtype were statistically related to perineural invasion. Nodular and superficial subtypes were less frequent in positive cases. No significant difference was found in gender, age, ulceration, location, and mixed histology. Conclusion In this series of selected patients with basal cell carcinomas submitted to major resections, perineural invasion was clearly related to morpheaform subtype and to larger tumors. Other classically associated features, such as location in high-risk mask zone of the face, male gender and mixed histology, were not so strongly linked to perineural invasion.<hr/>Resumo Introdução A invasão perineural é uma via independente de disseminação tumoral. Em carcinomas basocelulares, a incidência é baixa, mas aumenta em casos avançados. Sua importância é reconhecida, mas não completamente compreendida. Objetivo Comparar os carcinomas basocelulares com e sem invasão perineural. Método Estudo retrospectivo de revisão de prontuários de pacientes submetidos a cirurgias de grande porte, conduzido por equipes multidisciplinares em centro terciário de referência de câncer. Características demográficas e histopatológicas foram analisadas. Resultados De 354 casos, 23,1% apresentaram invasão perineural. Tumores com dimensão maior e subtipo esclerodermiforme foram significativamente mais associados a invasão perineural. Os subtipos nodular e superficial foram menos frequentes em casos positivos. Não houve diferença relacionada a sexo, idade, ulceração, localização e histologia mista. Conclusão Nesta série de casos selecionados de carcinomas basocelulares submetidos a grandes ressecções, a invasão perineural foi claramente relacionada ao subtipo esclerodermiforme e tumores de maior dimensão. Outros fatores classicamente associados, como localização em zona de alto risco, sexo masculino e histologia mista, não apresentaram essa associação de modo significativo. <![CDATA[Obstructive sleep apnea and oral language disorders]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-86942017000100098&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract Introduction Children and adolescents with obstructive sleep apnea (OSA) may have consequences, such as daytime sleepiness and learning, memory, and attention disorders, that may interfere in oral language. Objective To verify, based on the literature, whether OSA in children was correlated to oral language disorders. Methods A literature review was carried out in the Lilacs, PubMed, Scopus, and Web of Science databases using the descriptors “Child Language” AND “Obstructive Sleep Apnea”. Articles that did not discuss the topic and included children with other comorbidities rather than OSA were excluded. Results In total, no articles were found at Lilacs, 37 at PubMed, 47 at Scopus, and 38 at Web of Science databases. Based on the inclusion and exclusion criteria, six studies were selected, all published from 2004 to 2014. Four articles demonstrated an association between primary snoring/OSA and receptive language and four articles showed an association with expressive language. It is noteworthy that the articles used different tools and considered different levels of language. Conclusion The late diagnosis and treatment of obstructive sleep apnea is associated with a delay in verbal skill acquisition. The professionals who work with children should be alert, as most of the phonetic sounds are acquired during ages 3–7 years, which is also the peak age for hypertrophy of the tonsils and childhood OSA.<hr/>Resumo Introdução Crianças e adolescentes com Apneia Obstrutiva do Sono (AOS) podem apresentar sonolência diurna, alterações de aprendizado, memória e atenção, que podem interferir na linguagem oral. Objetivo Verificar, com base na literatura, se a AOS apresenta correlação com alterações da linguagem oral. Método Foi feita revisão bibliográfica nas bases de dados Lilacs, Pubmed, Scopus e Web of Science, a partir das palavras-chaves “Linguagem Infantil” AND “Apneia do Sono Tipo Obstrutiva”. Os artigos que não se relacionavam ao tema foram excluídos, bem como estudos com crianças que apresentassem outras comorbidades, além da AOS. Resultados Foram localizados 37 artigos na Pubmed, 47 na Scopus e 38 na Web of Science e nenhum na Lilacs. A partir dos critérios de inclusão e exclusão, foram selecionados seis estudos, publicados de 2004 a 2014. Dos artigos incluídos, observou-se em quatro artigos a relação do grupo com ronco primário/SAOS com a Linguagem Receptiva e em quatro artigos a relação dessa população com a Linguagem Expressiva. Ressalta-se que os artigos usaram instrumentos diferentes e consideraram níveis diversificados da Linguagem. Conclusão O diagnóstico e o tratamento tardio de AOS resultam em alterações significantes na qualidade da aquisição verbal. Torna-se imprescindível a atenção dos profissionais que atuam com a população infantil para esse aspecto, uma vez que grande parte dos sons da fala são adquiridos entre 3–7 anos, que corresponde ao período de pico de ocorrência de hipertrofia adenoamigdaliana e AOS na infância. <![CDATA[Sinusitis in patients undergoing allogeneic bone marrow transplantation – a review]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-86942017000100105&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract Introduction Sinusitis is a common morbidity in general population, however little is known about its occurrence in severely immunocompromised patients undergoing allogeneic hematopoietic stem cell transplantation. Objective The aim of the study was to analyze the literature concerning sinusitis in patients undergoing allogeneic bone marrow transplantation. Methods An electronic database search was performed with the objective of identifying all original trials examining sinusitis in allogeneic hematopoietic stem cell transplant recipients. The search was limited to English-language publications. Results Twenty five studies, published between 1985 and 2015 were identified, none of them being a randomized clinical trial. They reported on 31–955 patients, discussing different issues i.e. value of pretransplant sinonasal evaluation and its impact on post-transplant morbidity and mortality, treatment, risk factors analysis. Conclusion Results from analyzed studies yielded inconsistent results. Nevertheless, some recommendations for good practice could be made. First, it seems advisable to screen all patients undergoing allogeneic hematopoietic stem cell transplantation with Computed Tomography (CT) prior to procedure. Second, patients with symptoms of sinusitis should be treated before hematopoietic stem cell transplantation (HSCT), preferably with conservative medical approach. Third, patients who have undergone hematopoietic stem cell transplantation should be monitored closely for sinusitis, especially in the early period after transplantation.<hr/>Resumo Introdução A sinusite é uma doença comum na população em geral, porém pouco se sabe sobre a sua ocorrência em pacientes gravemente imunocomprometidos submetidos a transplante alogênico de células-tronco hematopoiéticas. Objetivo O objetivo do estudo foi analisar a literatura sobre sinusite em pacientes submetidos a transplante alogênico de medula óssea. Método Uma busca na base de dados eletrônica foi realizada com o objetivo de identificar todos os artigos originais que investigaram sinusite em receptores de transplante alogênico de células-tronco hematopoiéticas. A busca foi limitada a publicações em língua inglesa. Resultados Foram identificados 25 estudos, publicados entre 1985 e 2015, sendo que nenhum deles era um ensaio clínico randomizado. Eles incluíram 31-955 pacientes, discutindo diferentes questões, ou seja, valor da avaliação sinonasal pré-transplante e seu impacto na morbidade e mortalidade pós-transplante, tratamento, análise de fatores de risco. Conclusão Os resultados dos estudos analisados produziram resultados inconsistentes. No entanto, algumas recomendações para boas práticas poderiam ser feitas. Em primeiro lugar, parece aconselhável avaliar todos os pacientes submetidos a transplante alogênico de hematopoiéticas com tomografia computadorizada (TC) antes do procedimento. Em segundo lugar, os pacientes com sintomas de sinusite devem ser tratados antes de um Transplante de Células-Tronco Hematopoiéticas (TCTH), de preferência com abordagem clínica conservadora. Em terceiro lugar, os pacientes que se submeteram a TCTH devem ser cuidadosamente monitorizados para sinusite, especialmente no período inicial após o transplante. <![CDATA[Speech auditory brainstem response (speech ABR) in the differential diagnosis of scholastic difficulties]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-86942017000100112&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract Introduction Sinusitis is a common morbidity in general population, however little is known about its occurrence in severely immunocompromised patients undergoing allogeneic hematopoietic stem cell transplantation. Objective The aim of the study was to analyze the literature concerning sinusitis in patients undergoing allogeneic bone marrow transplantation. Methods An electronic database search was performed with the objective of identifying all original trials examining sinusitis in allogeneic hematopoietic stem cell transplant recipients. The search was limited to English-language publications. Results Twenty five studies, published between 1985 and 2015 were identified, none of them being a randomized clinical trial. They reported on 31–955 patients, discussing different issues i.e. value of pretransplant sinonasal evaluation and its impact on post-transplant morbidity and mortality, treatment, risk factors analysis. Conclusion Results from analyzed studies yielded inconsistent results. Nevertheless, some recommendations for good practice could be made. First, it seems advisable to screen all patients undergoing allogeneic hematopoietic stem cell transplantation with Computed Tomography (CT) prior to procedure. Second, patients with symptoms of sinusitis should be treated before hematopoietic stem cell transplantation (HSCT), preferably with conservative medical approach. Third, patients who have undergone hematopoietic stem cell transplantation should be monitored closely for sinusitis, especially in the early period after transplantation.<hr/>Resumo Introdução A sinusite é uma doença comum na população em geral, porém pouco se sabe sobre a sua ocorrência em pacientes gravemente imunocomprometidos submetidos a transplante alogênico de células-tronco hematopoiéticas. Objetivo O objetivo do estudo foi analisar a literatura sobre sinusite em pacientes submetidos a transplante alogênico de medula óssea. Método Uma busca na base de dados eletrônica foi realizada com o objetivo de identificar todos os artigos originais que investigaram sinusite em receptores de transplante alogênico de células-tronco hematopoiéticas. A busca foi limitada a publicações em língua inglesa. Resultados Foram identificados 25 estudos, publicados entre 1985 e 2015, sendo que nenhum deles era um ensaio clínico randomizado. Eles incluíram 31-955 pacientes, discutindo diferentes questões, ou seja, valor da avaliação sinonasal pré-transplante e seu impacto na morbidade e mortalidade pós-transplante, tratamento, análise de fatores de risco. Conclusão Os resultados dos estudos analisados produziram resultados inconsistentes. No entanto, algumas recomendações para boas práticas poderiam ser feitas. Em primeiro lugar, parece aconselhável avaliar todos os pacientes submetidos a transplante alogênico de hematopoiéticas com tomografia computadorizada (TC) antes do procedimento. Em segundo lugar, os pacientes com sintomas de sinusite devem ser tratados antes de um Transplante de Células-Tronco Hematopoiéticas (TCTH), de preferência com abordagem clínica conservadora. Em terceiro lugar, os pacientes que se submeteram a TCTH devem ser cuidadosamente monitorizados para sinusite, especialmente no período inicial após o transplante. <![CDATA[Bilateral oropharyngeal hairy polyps: a rare cause of dyspnea in newborns]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-86942017000100117&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract Introduction Sinusitis is a common morbidity in general population, however little is known about its occurrence in severely immunocompromised patients undergoing allogeneic hematopoietic stem cell transplantation. Objective The aim of the study was to analyze the literature concerning sinusitis in patients undergoing allogeneic bone marrow transplantation. Methods An electronic database search was performed with the objective of identifying all original trials examining sinusitis in allogeneic hematopoietic stem cell transplant recipients. The search was limited to English-language publications. Results Twenty five studies, published between 1985 and 2015 were identified, none of them being a randomized clinical trial. They reported on 31–955 patients, discussing different issues i.e. value of pretransplant sinonasal evaluation and its impact on post-transplant morbidity and mortality, treatment, risk factors analysis. Conclusion Results from analyzed studies yielded inconsistent results. Nevertheless, some recommendations for good practice could be made. First, it seems advisable to screen all patients undergoing allogeneic hematopoietic stem cell transplantation with Computed Tomography (CT) prior to procedure. Second, patients with symptoms of sinusitis should be treated before hematopoietic stem cell transplantation (HSCT), preferably with conservative medical approach. Third, patients who have undergone hematopoietic stem cell transplantation should be monitored closely for sinusitis, especially in the early period after transplantation.<hr/>Resumo Introdução A sinusite é uma doença comum na população em geral, porém pouco se sabe sobre a sua ocorrência em pacientes gravemente imunocomprometidos submetidos a transplante alogênico de células-tronco hematopoiéticas. Objetivo O objetivo do estudo foi analisar a literatura sobre sinusite em pacientes submetidos a transplante alogênico de medula óssea. Método Uma busca na base de dados eletrônica foi realizada com o objetivo de identificar todos os artigos originais que investigaram sinusite em receptores de transplante alogênico de células-tronco hematopoiéticas. A busca foi limitada a publicações em língua inglesa. Resultados Foram identificados 25 estudos, publicados entre 1985 e 2015, sendo que nenhum deles era um ensaio clínico randomizado. Eles incluíram 31-955 pacientes, discutindo diferentes questões, ou seja, valor da avaliação sinonasal pré-transplante e seu impacto na morbidade e mortalidade pós-transplante, tratamento, análise de fatores de risco. Conclusão Os resultados dos estudos analisados produziram resultados inconsistentes. No entanto, algumas recomendações para boas práticas poderiam ser feitas. Em primeiro lugar, parece aconselhável avaliar todos os pacientes submetidos a transplante alogênico de hematopoiéticas com tomografia computadorizada (TC) antes do procedimento. Em segundo lugar, os pacientes com sintomas de sinusite devem ser tratados antes de um Transplante de Células-Tronco Hematopoiéticas (TCTH), de preferência com abordagem clínica conservadora. Em terceiro lugar, os pacientes que se submeteram a TCTH devem ser cuidadosamente monitorizados para sinusite, especialmente no período inicial após o transplante.