Scielo RSS <![CDATA[Vibrant: Virtual Brazilian Anthropology]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=1809-434120150002&lang=en vol. 12 num. 2 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[Antiracism and the uses of science in the post-World War II: An analysis of UNESCO's first statements on race (1950 and 1951)]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-43412015000200001&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract As part of its antiracist agenda under the impact of the World War II, UNESCO tried to negate the scientific value of the race concept based on meetings and statements engaging natural and social scientists. It is our interpretation that, contrary to what UNESCO had expected, the Nazi Genocide had not led scientists to a meeting of the minds about a scientific corpus that radically questioned the concept of race. A range of positions could be heard in the discussions by the panel of experts (1949) who produced the First Statement on Race (1950). Our argument is that UNESCO was influenced by a perspective centered on the assumption that amassing scientific data would be the best way to sustain a political agenda that sought to negate the concept of race as well as to fight racism. Reactions to the First Statement were quick in coming and UNESCO called another meeting to debate race in 1951.<hr/>Resumo Como parte de sua agenda antirracista e sob o impacto da Segunda Guerra Mundial, a UNESCO buscou negar o valor científico do conceito de raça a partir de reuniões e declarações envolvendo cientistas sociais e naturais. Consideramos que, ao contrário da expectativa da UNESCO, o genocídio nazista não levou os cientistas a um consenso sobre um conhecimento científico que questionasse radicalmente o conceito de raça. Um leque de posições foi observado nas discussões do painel de especialistas (1949) produzindo a primeira Declaração sobre Raça (1950). Nosso argumento é que a UNESCO foi influenciada por uma perspectiva centrada no pressuposto de que a acumulação de dados científicos seria o melhor caminho para sustentar uma agenda política que procurasse negar o conceito de raça bem como combater o racismo. Reações à Primeira Declaração surgiram de imediato levando a UNESCO a convocar uma nova reunião para debater o conceito de raça em 1951. <![CDATA[Biosocial Activism, Identities and Citizenship: Making up 'people living with HIV and AIDS' in Brazil.]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-43412015000200027&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract This article discusses how Brazilian AIDS activism has emerged and been reconfigured over the last 25 years. I analyze how societal forms were created and particular problems emerged in a specific context affected by the AIDS epidemic. Based on ethnographic research in concrete contexts in Brazil, I follow the ways by which people have united around various ideas and practices related to life, health and illness, morality and politics. People affected by the epidemic were engaged in sociality, identity formation and the definition of a wide range of health, political and judicial demands, which take a particular biosocial activism as their main form of collective mobilization. My main aim is to reflect, therefore, on the formation of particular biosocial worlds, socialities, collectivities and identities related to specific modes of subjectification surrounding life and death, biomedicine and biotechnologies, politics and citizenship.<hr/>Resumo Este artigo discute como o ativismo brasileiro de AIDS emergiu e foi sendo reconfigurado nos últimos 25 anos. Analiso como formas societárias têm sido criadas e problemas particulares emergiram em um contexto específico afetado pela epidemia da AIDS. Apoiado em pesquisa etnográfica em contextos concretos do Brasil, investiguei os modos através dos quais pessoas se reuniram em termos de várias ideias e práticas relacionadas à vida, saúde e doença, moralidade e política. As pessoas afetadas pela epidemia engajaram-se em socialidade, formação identitária e na definição de amplas demandas judiciais, políticas e de saúde, que tiveram um ativismo biossocial particular como sua principal forma de mobilização coletiva. Meu principal objetivo é refletir, portanto, sobre a formação de mundos biossociais particulares, socialidades, coletividades e identidades relacionadas a modos de subjetivação específicos envolvendo vida e morte, biomedicina e biotecnologias, política e cidadania. <![CDATA[Introduction]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-43412015000200071&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract This article discusses how Brazilian AIDS activism has emerged and been reconfigured over the last 25 years. I analyze how societal forms were created and particular problems emerged in a specific context affected by the AIDS epidemic. Based on ethnographic research in concrete contexts in Brazil, I follow the ways by which people have united around various ideas and practices related to life, health and illness, morality and politics. People affected by the epidemic were engaged in sociality, identity formation and the definition of a wide range of health, political and judicial demands, which take a particular biosocial activism as their main form of collective mobilization. My main aim is to reflect, therefore, on the formation of particular biosocial worlds, socialities, collectivities and identities related to specific modes of subjectification surrounding life and death, biomedicine and biotechnologies, politics and citizenship.<hr/>Resumo Este artigo discute como o ativismo brasileiro de AIDS emergiu e foi sendo reconfigurado nos últimos 25 anos. Analiso como formas societárias têm sido criadas e problemas particulares emergiram em um contexto específico afetado pela epidemia da AIDS. Apoiado em pesquisa etnográfica em contextos concretos do Brasil, investiguei os modos através dos quais pessoas se reuniram em termos de várias ideias e práticas relacionadas à vida, saúde e doença, moralidade e política. As pessoas afetadas pela epidemia engajaram-se em socialidade, formação identitária e na definição de amplas demandas judiciais, políticas e de saúde, que tiveram um ativismo biossocial particular como sua principal forma de mobilização coletiva. Meu principal objetivo é refletir, portanto, sobre a formação de mundos biossociais particulares, socialidades, coletividades e identidades relacionadas a modos de subjetivação específicos envolvendo vida e morte, biomedicina e biotecnologias, política e cidadania. <![CDATA[Developing subalternity: side effects of the expansion of formal education and mass media in Guaribas]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-43412015000200079&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract This article investigates the social impact of the Zero-Hunger Program (Programa Fome Zero) in its pilot-community, the village of Guaribas in Northeast Brazil, particularly with respect to the expansion of public education and mass media. I attempt to show how the PFZ development project went beyond the delivery of financial aid, basic infrastructure, and economic technology in Guaribas, and sought to reform its beneficiaries' conducts, capacities, aspirations, and psychological dispositions. To that end, PFZ's concerted effort included workshops, the extension of public schooling, as well as increased exposure to mass media artefacts and pedagogical soap-operas. This enterprise, however, generated adverse "side-effects" such as the devaluation of local knowledge, the decline of farming, the aggravation of intergenerational conflict, the substantial emigration of the younger generations, and Guaribanos' increasing internalization of subaltern status in relation to other national communities.<hr/>Resumo Este artigo analisa o impacto social do Programa Fome Zero em sua comunidade piloto, o vilarejo de Guaribas, no sertão sul do Piauí, especialmente no que tange a expansão da educação pública e da mídia de massa. Em Guaribas, o Programa Fome Zero foi muito além do provimento de recursos financeiros, infraestrutura básica e tecnologia econômica, e objetivou reformar as condutas, capacidades, aspirações e disposições psicológicas de seus beneficiários. Para atingir tal fim, as ações do programa incluíram oficinas (workshops), a extensão da educação formal e o aumento da exposição a artefatos da mídia de massa. Essas iniciativas, entretanto, geraram efeitos colaterais adversos tais como a desvalorização dos saberes tradicionais locais, o declínio do trabalho agrícola, o agravamento do conflito intergeracional, a expressiva emigração das gerações mais jovens e a crescente internalização de status subalterno por parte dos guaribanos em relação a outras comunidades nacionais. <![CDATA[Old and new visions of Brazilianness: the vagaries of equality, difference and 'race' in history textbooks]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-43412015000200118&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract In this paper I discuss the changes in Brazilian history textbooks brought about by the National Textbook Program (PNLD) during the 1980s, to put greater emphasis on the value of democracy and questions of inequality, including those inequalities related to cultural differences, often in terms of "race". The analysis reveals a major paradigmatic shift from the notions of a nation built on "racial mixture" to one based on the tense and often conflictive relations between distinct racial and ethnic groups.<hr/>Resumo Neste artigo irei me debruçar sobre as alterações observadas nos livros escolares brasileiros, em particular a partir do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD), consolidado nos anos 1980 e sobre sua ênfase na valorização dos princípios democráticos e sua focalização nas desigualdades incluindo aquelas relacionadas às diferenças culturais, não raro tomadas em termos de "raça". A análise revela a transição de um paradigma de nação construído sobre a ideia de mistura racial para outro centrado na ideia de tensão e das relações de conflito entre grupos étnicos distintos. <![CDATA[Socialization among peers: a study on racial relations among Brazilian children]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-43412015000200163&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract The theme of racial relations presented in this article is based on the results of a sociological observation which occurred in two groups of children, from distinct socioeconomic backgrounds, studying at two public schools in the city of Belo Horizonte, Brazil. This study adopts the methodological perspective of the discovery of grounded theory formulated by Glaser &amp; Strauss (1970). The analysis of the empirical data intended to sociologically reconstruct the constitution of a prejudiced reality that emerges from the inter-subjective relationships established by children. While experimenting with a set of values, attitudes, behavior, beliefs and racial notions learned in other settings in their relationships, children learn what it means to be of one racial category or another, creating and re-creating the meaning of race and of prejudice. This article makes some concluding remarks highlighting the implications of the findings for an anti-racist policy in Brazil.<hr/>Resumo O tema das relações raciais apresentado nesse artigo baseia-se nos resultados de uma observação sociológica realizada em dois grupos socioeconômicos diferentes de crianças inseridas em duas escolas públicas de Belo Horizonte, Brasil. O estudo adota a perspectiva metodológica da descoberta da teoria fundamentada nos dados formulada por Glaser &amp; Strauss (1970). A análise dos dados empíricos pretendeu reconstruir sociologicamente a constituição de uma realidade preconceituosa que emerge das relações intersubjetivas estabelecidas pelas crianças. Enquanto experimentando um conjunto de valores, atitudes, comportamentos, crenças e noções raciais aprendidos em outros ambientes em seus relacionamentos entre si, crianças aprendem o que significa ser de uma categoria racial ou de outra, criando e recriando o significado de raça e do preconceito. Esse artigo conclui com algumas observações sobre as implicações dos achados para uma política anti-racista no Brasil. <![CDATA[The institutional life of rules and regulations: ten years of affirmative action policies at the Federal University of Paraná, Brazil]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-43412015000200193&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract This paper focuses on the ten-year experience of the Plano de Metas de Inclusão Racial e Social (Action Plan for Racial and Social Inclusion), an affirmative action policy through which places were reserved for black students and for students coming from public schools in the Federal University of Parana's annual selection processes. The ethnographic description highlights three significant moments in a continuous process of producing rules and the means to put them in practice, which retroactively transform the initial formulations. These are: a) the reconfiguration of the Action Plan in the period immediately following its coming into force; b) the confluence between the university's own selection process and the Unified Selection System established by the Ministry of Education in 2010; and c) the local enforcement of Law 12.711/2012, which determined the reservation of places for students coming from public schools in all federal higher education institutions. More than presenting results accomplished by the Action Plan, the analysis envisages the Plan itself as an outcome of, on one hand, practices performed by an array of institutional actors, and, on the other, the intersection of different policies, rules and regulations. Among other aspects, the paper aims to understand how a mutually generative interplay between politics and bureaucracy (or between what situationally counts as one or the other), local and supra-local processes, has had negative effects on black students' access to the University despite the intended goals of its policies.<hr/>Resumo O propósito deste artigo é refletir sobre os dez anos de vigência do Plano de Metas de Inclusão Racial e Social na Universidade Federal do Paraná, que estabeleceu a reserva de vagas para estudantes negros e para egressos de escolas públicas nos processos seletivos da instituição. A descrição destaca três marcos de um movimento contínuo de produção de normas e, simultaneamente, de modos de colocá-las em operação que incidem retroativamente sobre os enunciados iniciais: (a) a reconfiguração da política de cotas no período imediatamente posterior a sua aprovação; (b) a confluência entre o processo seletivo próprio e o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) criado pelo Ministério da Educação em 2010; e (c) o processo de efetivação local das disposições da Lei nº 12.711/12 sobre a reserva de vagas nas instituições federais de educação superior. Mais que apresentar resultados do Plano de Metas, trata-se de compreendê-lo como um resultado das práticas de diferentes atores institucionais e da interseção entre políticas públicas e dinâmicas de produção normativa diversas. Desde seus primeiros passos, esse movimento mutuamente generativo entre aquilo que, em situações determinadas, conta como político ou como burocrático, instituinte ou operacional, tem afetado negativamente as condições de acesso de estudantes negros à universidade. <![CDATA[Informational Capital and sens du jeu: Identifying the Quality of Higher Education]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-43412015000200233&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract This article investigates the significance of access to higher education for a group of beneficiaries of a governmental scholarship scheme (ProUni) studying at the Catholic University of Rio (PUC-Rio). It investigates the different senses of access to higher education for these scholars, the different meanings of the ProUni in their educational careers, and how their motivations are related to their decision to carry out their studies at PUC-Rio. The analysis is carried out in dialogue with Bourdieu's concept of symbolic capital and informational capital. Using questionnaires and interviews, the article indicates how scholars guide and direct their access to higher education, in some cases changing institutions in order to guarantee the quality of their education and to increase their chances of upward mobility.<hr/>Resumo A partir de questionários e entrevistas com bolsistas do ProUni da PUC-Rio, o presente artigo investiga, à luz dos conceitos de capital simbólico e capital informacional de Bourdieu, qual o sentido dado ao ingresso no ensino superior por esses bolsistas, os diferentes significados assumidos pelo ProUni em suas trajetórias e como suas motivações se relacionam com a escolha da PUC-Rio. O trabalho indica como os bolsistas orientaram seu ingresso no ensino superior e, alguns casos, mudaram de instituição de forma a garantir a qualidade de sua formação e aumentar as possibilidades de ascensão social. <![CDATA[The school as a project for the future: a case study of a new Pataxó Village School in Minas Gerais]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-43412015000200273&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract This article presents reflections of indigenous teachers about the role of the school in a new Pataxó indigenous community settlement in the state of Minas Gerais. The data was collected in "narrative interviews" with teachers from this community who attended the first Intercultural Education for Indigenous Educators (FIEI) course offered by the Federal University at Minas Gerais. In these narratives, both the indigenous school and FIEI are seen as a collective project of and for the community. The school occupies a central position in the articulation between traditional ways of producing knowledge and the formulation of projects for the future.<hr/>Resumo O texto apresenta reflexões de professores/as indígenas sobre o papel da escola, numa nova aldeia Pataxó em Minas Gerais. Os dados foram coletados por meio de "entrevistas narrativas" com professores/as dessa aldeia que participaram do primeiro curso de Formação Intercultural de Educadores Indígenas (FIEI), oferecido pela Universidade Federal de Minas Gerais. Nessas narrativas, a escola e a formação são apresentadas como um projeto coletivo, da e para a comunidade e voltados para a realização de seus projetos de futuro. A escola aparece como central na articulação entre modos tradicionais de produzir conhecimento e a formulação de alternativas para projetos futuros. <![CDATA[Challenges and limits of an education for all]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-43412015000200310&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract This paper aims to demonstrate the existence of two different types of school management culture. Data was collected during fieldwork over the academic years 2008 and 2009 in two public high schools in Rio de Janeiro where we observed administrative and pedagogical meetings, classrooms and the everyday life of the schools. From an analysis of the practices and conceptions of management staff, we describe the unconscious grammatical principles that govern the running of the two schools. These becomes particularly clear in the different selection procedures in the two schools, one of them conducting severe criteria for entrance and the other allowing all to enter but few to reach the end of the course. These two recruitment selection practices reveal distinct expectations and beliefs on students' ability (or inability) to learn.<hr/>Resumo Neste artigo pretendemos demonstrar a existência de tipos distintos de culturas de gestão nos dois colégios pesquisados. Partimos dos dados coletados durante o trabalho de campo realizado ao longo dos anos letivos 2008 e 2009, quando observamos as reuniões administrativas e pedagógicas, as salas de aula e o cotidiano de dois colégios públicos estaduais, de ensino médio, localizados no Rio de Janeiro. Para argumentar nossa hipótese, descreveremos os princípios gramaticais inconscientes dos dois colégios a partir das práticas e das concepções das direções, agentes centrais na produção da gestão e qualidade da organização escolar. Esses princípios de tornam mais claros nos distintos processos de seleção nas duas escolas, uma delas adotando severos critérios para admissão, a outra deixando todos entrarem mas permitindo que poucos terminem o curso. Essas duas práticas de seleção revelam distintas expectativas e crenças na capacidade dos alunos em aprender. <![CDATA[Classifications and moral values in student evaluation boards]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-43412015000200351&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract This article is an analysis of student evaluation board meetings as a space that reveals the classification systems and mechanisms present in the school and which underpin its moral order. Through field work in a federal school in Rio de Janeiro we aimed to understand how these moral criteria form hierarchies which produce different ways of evaluating students, and as a consequence, inequality.<hr/>Resumo Este artigo apresenta uma análise dos conselhos de classe como espaços que revelam os sistemas e mecanismos de classificação presentes na escola e que sustentam sua ordem moral. Por meio do trabalho de campo em uma escola federal do Rio de Janeiro, buscou-se compreender como os critérios morais se hierarquizam produzindo avaliações diferenciadas entre os alunos e, como consequência, desigualdade. <![CDATA[Choice and access to the best schools of Rio de Janeiro: a rite of passage]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-43412015000200380&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract Each year in the city of Rio de Janeiro a ritual takes place for selecting and distributing groups of pupils among schools providing the second phase of primary education. Called remanejamento or reallocation, this process involves school directors, education coordinators and the families of pupils. Since part of the process is protected by secrecy, complete access to the rite proved impossible. However it was possible to analyse what happens through the dialogues of the professionals involved and from the viewpoint of the family members who took part in the process. The article demonstrates that the transfer system tends to separate the pupils based on family background and the relations that their parents have to the networks of solidarity that connect families and the management body of the schools. These multiple belongings separate the pupils who will gain places at the best schools from those who will be enrolled in mid-level or low-quality schools.<hr/>Resumo Todo o ano ocorre, na cidade do Rio de Janeiro, um ritual de seleção e distribuição de grupos de estudantes entre escolas de segundo segmento do ensino fundamental. Batizado como remanejamento, esse processo envolve diretores de escolas, coordenadorias de educação e familiares de estudantes. Por ser, em parte, secreto e protegido, não tivemos total acesso ao cerimonial, mas é possível analisá-lo com base nas falas dos profissionais envolvidos e no ponto de vista dos familiares que participaram do processo. Demonstraremos que o remanejamento tende a separar os estudantes com base em seu pertencimento familiar e no tipo de inserção que os pais possuem nos circuitos de solidariedade que envolvem famílias e corpo de gestão das escolas. Esses múltiplos pertencimentos separam os alunos que terão acesso às melhores escolas e aqueles que serão matriculados em escolas medianas ou de baixa qualidade. <![CDATA[Clocks, calendars and cell phones: An ethnography on time in a high school]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-43412015000200417&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract Considering that time is an important dimension in anthropological discourse and a key element of the "hidden curriculum" of school, this paper presents the results of an ethnography on time in a high school in João Pessoa, Paraíba, Brazil. We discuss how teaching/learning processes are organized and experienced in time, paying close attention to the limitations and possibilities revealed by interactions between teachers and students. We first identify the pedagogical temporal units that compose the dimension of structural time at the school, and then identify aspects of time in practice (experiences and strategies). We argue that school time is both a constraint and an opportunity, unfolding in a series of metaphors ("save time," "waste time," "kill time", "fill time", "pass the time"), which enable ways of thinking about the conflicts present in daily school life.<hr/>Resumo Considerando que o tempo é uma importante dimensão para a reflexão antropológica, e um elemento fundamental no "currículo oculto" da instituição escolar, este artigo apresenta alguns resultados de uma etnografia com foco nos tempos numa escola de ensino médio em João Pessoa (Paraíba, Brasil). Nosso foco consiste em pensar o modo como os processos de ensino/aprendizagem são organizados e vivenciados temporalmente, dando atenção aos limites e possibilidades que se revelam nas interações entre professores e alunos. Para isso, identificamos, em primeiro lugar, as unidades temporais pedagógicas, que compõem a dimensão do tempo estrutural da escola pesquisada para em seguida identificar aspectos do tempo na prática (experiências e estratégias). Defendemos que o tempo escolar emerge simultaneamente como constrangimento e como oportunidade, se desdobrando em uma série de metáforas ("ganhar tempo", "perder tempo", "matar o tempo", "preencher o tempo", "passar o tempo"), que permitem pensar alguns impasses presentes no cotidiano escolar. <![CDATA[An interdisciplinary experience in anthropology and education: memory, academic project and political background]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-43412015000200454&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract This article constructs the trajectory of the introduction of the discipline Anthropology and Education in the Graduate Program in Education (PPGE) at PUC-Rio. The author introduced the course at the end of the 1980s. The text presents several considerations concerning the field of anthropology, defending anthropological studies as an approach to interdisciplinarity between this discipline and numerous others, particularly education. It then emphasizes the political and academic framework in which pedagogy graduate courses were created, such as the Institute of Advanced Studies in Education (IESAE) of the Getúlio Vargas Foundation (FGV), and the PPGE/PUC-Rio. Finally, it reports the experiences lived by the author and her peers that helped construct the memory of the PPGE/PUC-Rio, focusing on both the relationship between anthropology and education and the research and production experiences of the program.<hr/>Resumo O presente artigo relata a trajetória da introdução da disciplina Antropologia e Educação no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da PUC-Rio. A disciplina foi introduzida pela autora, em fins dos anos 1980. O texto apresenta diversas considerações a respeito do campo da antropologia, defendendo os estudos antropológicos como porta de acesso à interdisciplinaridade entre essa disciplina e tantas outras, com destaque para a área de educação. Destaca-se, também, o contexto político e acadêmico da criação de cursos de pós-graduação em educação, como o Instituto de Estudos Avançados em Educação (Iesae) na Fundação Getúlio Vargas e o PPGE na PUC-Rio. Por fim, apresenta-se um relato de experiência que constrói a memória do PPGE/PUC-Rio, com ênfase na relação entre antropologia e educação e as experiências de pesquisa e produção desse programa. <![CDATA[Prejudice of Mark in the Middle Classes: Text and Context of Oracy Nogueira's "Pretos and Mulatos"]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-43412015000200497&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract This article constructs the trajectory of the introduction of the discipline Anthropology and Education in the Graduate Program in Education (PPGE) at PUC-Rio. The author introduced the course at the end of the 1980s. The text presents several considerations concerning the field of anthropology, defending anthropological studies as an approach to interdisciplinarity between this discipline and numerous others, particularly education. It then emphasizes the political and academic framework in which pedagogy graduate courses were created, such as the Institute of Advanced Studies in Education (IESAE) of the Getúlio Vargas Foundation (FGV), and the PPGE/PUC-Rio. Finally, it reports the experiences lived by the author and her peers that helped construct the memory of the PPGE/PUC-Rio, focusing on both the relationship between anthropology and education and the research and production experiences of the program.<hr/>Resumo O presente artigo relata a trajetória da introdução da disciplina Antropologia e Educação no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da PUC-Rio. A disciplina foi introduzida pela autora, em fins dos anos 1980. O texto apresenta diversas considerações a respeito do campo da antropologia, defendendo os estudos antropológicos como porta de acesso à interdisciplinaridade entre essa disciplina e tantas outras, com destaque para a área de educação. Destaca-se, também, o contexto político e acadêmico da criação de cursos de pós-graduação em educação, como o Instituto de Estudos Avançados em Educação (Iesae) na Fundação Getúlio Vargas e o PPGE na PUC-Rio. Por fim, apresenta-se um relato de experiência que constrói a memória do PPGE/PUC-Rio, com ênfase na relação entre antropologia e educação e as experiências de pesquisa e produção desse programa. <![CDATA[Pretos (Blacks) and Mulatos (Mulattos) Among the Middle Classes. São Paulo, 1983-1984]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-43412015000200513&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract This article constructs the trajectory of the introduction of the discipline Anthropology and Education in the Graduate Program in Education (PPGE) at PUC-Rio. The author introduced the course at the end of the 1980s. The text presents several considerations concerning the field of anthropology, defending anthropological studies as an approach to interdisciplinarity between this discipline and numerous others, particularly education. It then emphasizes the political and academic framework in which pedagogy graduate courses were created, such as the Institute of Advanced Studies in Education (IESAE) of the Getúlio Vargas Foundation (FGV), and the PPGE/PUC-Rio. Finally, it reports the experiences lived by the author and her peers that helped construct the memory of the PPGE/PUC-Rio, focusing on both the relationship between anthropology and education and the research and production experiences of the program.<hr/>Resumo O presente artigo relata a trajetória da introdução da disciplina Antropologia e Educação no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da PUC-Rio. A disciplina foi introduzida pela autora, em fins dos anos 1980. O texto apresenta diversas considerações a respeito do campo da antropologia, defendendo os estudos antropológicos como porta de acesso à interdisciplinaridade entre essa disciplina e tantas outras, com destaque para a área de educação. Destaca-se, também, o contexto político e acadêmico da criação de cursos de pós-graduação em educação, como o Instituto de Estudos Avançados em Educação (Iesae) na Fundação Getúlio Vargas e o PPGE na PUC-Rio. Por fim, apresenta-se um relato de experiência que constrói a memória do PPGE/PUC-Rio, com ênfase na relação entre antropologia e educação e as experiências de pesquisa e produção desse programa. <![CDATA[Reflection and activism: Aracy Lopes da Silva and the National Education Plan]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-43412015000200572&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract This article constructs the trajectory of the introduction of the discipline Anthropology and Education in the Graduate Program in Education (PPGE) at PUC-Rio. The author introduced the course at the end of the 1980s. The text presents several considerations concerning the field of anthropology, defending anthropological studies as an approach to interdisciplinarity between this discipline and numerous others, particularly education. It then emphasizes the political and academic framework in which pedagogy graduate courses were created, such as the Institute of Advanced Studies in Education (IESAE) of the Getúlio Vargas Foundation (FGV), and the PPGE/PUC-Rio. Finally, it reports the experiences lived by the author and her peers that helped construct the memory of the PPGE/PUC-Rio, focusing on both the relationship between anthropology and education and the research and production experiences of the program.<hr/>Resumo O presente artigo relata a trajetória da introdução da disciplina Antropologia e Educação no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da PUC-Rio. A disciplina foi introduzida pela autora, em fins dos anos 1980. O texto apresenta diversas considerações a respeito do campo da antropologia, defendendo os estudos antropológicos como porta de acesso à interdisciplinaridade entre essa disciplina e tantas outras, com destaque para a área de educação. Destaca-se, também, o contexto político e acadêmico da criação de cursos de pós-graduação em educação, como o Instituto de Estudos Avançados em Educação (Iesae) na Fundação Getúlio Vargas e o PPGE na PUC-Rio. Por fim, apresenta-se um relato de experiência que constrói a memória do PPGE/PUC-Rio, com ênfase na relação entre antropologia e educação e as experiências de pesquisa e produção desse programa. <![CDATA[National Education Plan: Indigenous School Education]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-43412015000200579&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract This article constructs the trajectory of the introduction of the discipline Anthropology and Education in the Graduate Program in Education (PPGE) at PUC-Rio. The author introduced the course at the end of the 1980s. The text presents several considerations concerning the field of anthropology, defending anthropological studies as an approach to interdisciplinarity between this discipline and numerous others, particularly education. It then emphasizes the political and academic framework in which pedagogy graduate courses were created, such as the Institute of Advanced Studies in Education (IESAE) of the Getúlio Vargas Foundation (FGV), and the PPGE/PUC-Rio. Finally, it reports the experiences lived by the author and her peers that helped construct the memory of the PPGE/PUC-Rio, focusing on both the relationship between anthropology and education and the research and production experiences of the program.<hr/>Resumo O presente artigo relata a trajetória da introdução da disciplina Antropologia e Educação no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da PUC-Rio. A disciplina foi introduzida pela autora, em fins dos anos 1980. O texto apresenta diversas considerações a respeito do campo da antropologia, defendendo os estudos antropológicos como porta de acesso à interdisciplinaridade entre essa disciplina e tantas outras, com destaque para a área de educação. Destaca-se, também, o contexto político e acadêmico da criação de cursos de pós-graduação em educação, como o Instituto de Estudos Avançados em Educação (Iesae) na Fundação Getúlio Vargas e o PPGE na PUC-Rio. Por fim, apresenta-se um relato de experiência que constrói a memória do PPGE/PUC-Rio, com ênfase na relação entre antropologia e educação e as experiências de pesquisa e produção desse programa. <![CDATA[Rita de Cássia Fazzi. 2004 (new ed. 2012). O drama racial de crianças brasileiras: socialização entre pares e preconceito. Belo Horizonte: Autêntico.]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-43412015000200588&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract This article constructs the trajectory of the introduction of the discipline Anthropology and Education in the Graduate Program in Education (PPGE) at PUC-Rio. The author introduced the course at the end of the 1980s. The text presents several considerations concerning the field of anthropology, defending anthropological studies as an approach to interdisciplinarity between this discipline and numerous others, particularly education. It then emphasizes the political and academic framework in which pedagogy graduate courses were created, such as the Institute of Advanced Studies in Education (IESAE) of the Getúlio Vargas Foundation (FGV), and the PPGE/PUC-Rio. Finally, it reports the experiences lived by the author and her peers that helped construct the memory of the PPGE/PUC-Rio, focusing on both the relationship between anthropology and education and the research and production experiences of the program.<hr/>Resumo O presente artigo relata a trajetória da introdução da disciplina Antropologia e Educação no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da PUC-Rio. A disciplina foi introduzida pela autora, em fins dos anos 1980. O texto apresenta diversas considerações a respeito do campo da antropologia, defendendo os estudos antropológicos como porta de acesso à interdisciplinaridade entre essa disciplina e tantas outras, com destaque para a área de educação. Destaca-se, também, o contexto político e acadêmico da criação de cursos de pós-graduação em educação, como o Instituto de Estudos Avançados em Educação (Iesae) na Fundação Getúlio Vargas e o PPGE na PUC-Rio. Por fim, apresenta-se um relato de experiência que constrói a memória do PPGE/PUC-Rio, com ênfase na relação entre antropologia e educação e as experiências de pesquisa e produção desse programa. <![CDATA[MACAGNO, Lorenzo. 2014. <em>O Dilema Multicultural</em> , Curitiba: Editora UFPR/Rio de Janeiro: GRAPHIA, 303p.]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-43412015000200591&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract This article constructs the trajectory of the introduction of the discipline Anthropology and Education in the Graduate Program in Education (PPGE) at PUC-Rio. The author introduced the course at the end of the 1980s. The text presents several considerations concerning the field of anthropology, defending anthropological studies as an approach to interdisciplinarity between this discipline and numerous others, particularly education. It then emphasizes the political and academic framework in which pedagogy graduate courses were created, such as the Institute of Advanced Studies in Education (IESAE) of the Getúlio Vargas Foundation (FGV), and the PPGE/PUC-Rio. Finally, it reports the experiences lived by the author and her peers that helped construct the memory of the PPGE/PUC-Rio, focusing on both the relationship between anthropology and education and the research and production experiences of the program.<hr/>Resumo O presente artigo relata a trajetória da introdução da disciplina Antropologia e Educação no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da PUC-Rio. A disciplina foi introduzida pela autora, em fins dos anos 1980. O texto apresenta diversas considerações a respeito do campo da antropologia, defendendo os estudos antropológicos como porta de acesso à interdisciplinaridade entre essa disciplina e tantas outras, com destaque para a área de educação. Destaca-se, também, o contexto político e acadêmico da criação de cursos de pós-graduação em educação, como o Instituto de Estudos Avançados em Educação (Iesae) na Fundação Getúlio Vargas e o PPGE na PUC-Rio. Por fim, apresenta-se um relato de experiência que constrói a memória do PPGE/PUC-Rio, com ênfase na relação entre antropologia e educação e as experiências de pesquisa e produção desse programa. <![CDATA[Viveiros de Castro, Eduardo. 2015. Metafísicas Canibais. São Paulo: Cosac Naify. 280 p.]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-43412015000200594&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract This article constructs the trajectory of the introduction of the discipline Anthropology and Education in the Graduate Program in Education (PPGE) at PUC-Rio. The author introduced the course at the end of the 1980s. The text presents several considerations concerning the field of anthropology, defending anthropological studies as an approach to interdisciplinarity between this discipline and numerous others, particularly education. It then emphasizes the political and academic framework in which pedagogy graduate courses were created, such as the Institute of Advanced Studies in Education (IESAE) of the Getúlio Vargas Foundation (FGV), and the PPGE/PUC-Rio. Finally, it reports the experiences lived by the author and her peers that helped construct the memory of the PPGE/PUC-Rio, focusing on both the relationship between anthropology and education and the research and production experiences of the program.<hr/>Resumo O presente artigo relata a trajetória da introdução da disciplina Antropologia e Educação no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da PUC-Rio. A disciplina foi introduzida pela autora, em fins dos anos 1980. O texto apresenta diversas considerações a respeito do campo da antropologia, defendendo os estudos antropológicos como porta de acesso à interdisciplinaridade entre essa disciplina e tantas outras, com destaque para a área de educação. Destaca-se, também, o contexto político e acadêmico da criação de cursos de pós-graduação em educação, como o Instituto de Estudos Avançados em Educação (Iesae) na Fundação Getúlio Vargas e o PPGE na PUC-Rio. Por fim, apresenta-se um relato de experiência que constrói a memória do PPGE/PUC-Rio, com ênfase na relação entre antropologia e educação e as experiências de pesquisa e produção desse programa. <![CDATA[Acuña, Mauricio. 2015. A Ginga da Nação: Intelectuais na Capoeira e Capoeiristas Intelectuais (1930-1969). São Paulo: Editora Alameda. 280 p.]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-43412015000200597&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract This article constructs the trajectory of the introduction of the discipline Anthropology and Education in the Graduate Program in Education (PPGE) at PUC-Rio. The author introduced the course at the end of the 1980s. The text presents several considerations concerning the field of anthropology, defending anthropological studies as an approach to interdisciplinarity between this discipline and numerous others, particularly education. It then emphasizes the political and academic framework in which pedagogy graduate courses were created, such as the Institute of Advanced Studies in Education (IESAE) of the Getúlio Vargas Foundation (FGV), and the PPGE/PUC-Rio. Finally, it reports the experiences lived by the author and her peers that helped construct the memory of the PPGE/PUC-Rio, focusing on both the relationship between anthropology and education and the research and production experiences of the program.<hr/>Resumo O presente artigo relata a trajetória da introdução da disciplina Antropologia e Educação no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da PUC-Rio. A disciplina foi introduzida pela autora, em fins dos anos 1980. O texto apresenta diversas considerações a respeito do campo da antropologia, defendendo os estudos antropológicos como porta de acesso à interdisciplinaridade entre essa disciplina e tantas outras, com destaque para a área de educação. Destaca-se, também, o contexto político e acadêmico da criação de cursos de pós-graduação em educação, como o Instituto de Estudos Avançados em Educação (Iesae) na Fundação Getúlio Vargas e o PPGE na PUC-Rio. Por fim, apresenta-se um relato de experiência que constrói a memória do PPGE/PUC-Rio, com ênfase na relação entre antropologia e educação e as experiências de pesquisa e produção desse programa.