Scielo RSS <![CDATA[Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=1981-812220150001&lang=en vol. 10 num. 1 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[CARTA DO EDITOR]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222015000100005&lng=en&nrm=iso&tlng=en <![CDATA[Mortuary rites and ceramic depositions at AM 41 and La Pointe de Balaté: rethinking the Late Ceramic Age of the Western Coastal Plain of French Guiana]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222015000100011&lng=en&nrm=iso&tlng=en Por mais de 20 anos se pensou que o período cerâmico tardio (900-1500 A.D.) das planícies costeiras do oeste da Guiana Francesa e do leste do Suriname teria sido dominado pelo complexo Barbakoeba, conforme definido pelo arqueólogo holandês Arie Boomert (1993). Recentemente, várias escavações permitiram enfatizar numerosas diferenças regionais baseadas na análise cerâmica e deposições funerárias. Este artigo tenta ir além da caracterização geral da cerâmica do complexo Barbakoeba, a fim de discutir a diversidade regional deste complexo amplamente distribuído.<hr/>For over 20 years the Late Ceramic Age (AD 900-1500) of the Western Coastal Plain of French Guiana and Eastern Suriname has been considered as dominated by the Barbakoeba ceramic complex as defined by the Dutch archaeologist Arie Boomert (1993). Recently, however, various excavations permit to emphasize numerous regional differences based on ceramic analysis and funerary depositions. This paper tries to go beyond general ceramic characteristics of the Barbakoeba ceramic complex in order to acknowledge regional diversity within this widely distributed complex. <![CDATA[Between myth and history: the priest who was born Indian and the history of Oriximiná]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222015000100047&lng=en&nrm=iso&tlng=en O padre José Nicolino de Sousa é considerado o fundador do município de Oriximiná, no Pará. Entretanto, ele é cultuado sempre na condição de padre civilizador, sendo sua ascendência indígena quase nunca lembrada ou conhecida. Baseado em documentos do século XIX, tais como notícias de jornais, manuscritos e o diário deixado pelo religioso, este trabalho analisa a experiência histórica e a memória acerca de José Nicolino de Sousa, confrontando os mitos que se criaram em torno dele com o que revelam os documentos históricos. Concluiu-se que o povoado que deu origem a Oriximiná surgiu muito antes da viagem fundadora atribuída ao padre, sendo possível criar uma narrativa histórica mais inclusiva acerca da região, envolvendo sujeitos até então silenciados.<hr/>Father José Nicolino de Sousa is renowned as the founder of the town of Oriximiná, in the state of Pará. Although he is admired as a civilizing priest, his native ancestry is almost never known or remembered. Based on 19th century documents such as newspaper reports, manuscripts and a diary written by the priest himself, this article analyses the historical events and recollections concerning José Nicolino de Sousa, contrasting the myths created about him with what historical sources reveal. One conclusion is that the settlement that became Oriximiná was established long before the founding journey attributed to the priest, and it is possible to create a more inclusive historical narrative about the region that includes the testimony of people who have been silent thus far. <![CDATA[Traditional ecological knowledge of vegetation in the community of Limpo Grande, Várzea Grande, Mato Grosso, Brazil]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222015000100065&lng=en&nrm=iso&tlng=en O estudo foi conduzido na comunidade de Limpo Grande, localizada a 23 km do município de Várzea Grande, Mato Grosso. Para verificar a possibilidade de os informantes organizarem o conhecimento ecológico tradicional da vegetação de acordo com uso o trabalho, buscou-se os seguintes objetivos: i) conhecer as espécies de cada domínio cultural indicado pelos informantes; ii) verificar a existência de consenso cultural para cada domínio cultural; iii) analisar a similaridade das espécies dos domínios culturais. Utilizou-se entrevista estruturada para obtenção dos dados da lista livre e dados socioeconômicos. A lista livre foi analisada por meio do índice de Smith, consenso cultural e escalonamento multidimensional. Os informantes definiram três domínios culturais com base no uso da vegetação: plantas (utilizadas para o cultivo), mato (vegetação nativa que apresenta diversos usos) e plantas medicinais (utilizadas para tratamento de enfermidades). O domínio cultural de plantas foi representado por 107 espécies; mato, por 96; e plantas medicinais, por 99 espécies. Para os três domínios, pode-se verificar a existência de consenso cultural. Verificou-se baixa similaridade entre as espécies dos domínios. Os critérios utilizados pelas comunidades tradicionais para uso e manejo da vegetação podem contribuir para elaboração de políticas públicas destinadas à conservação da biodiversidade ecológica e cultural.<hr/>This study was conducted in the community of Limpo Grande, located 23 km from the city of Várzea Grande, Mato Grosso, Brazil. In order to investigate the way informants organize traditional ecological knowledge of vegetation according to its use, our research had the following objectives: i) to identify the species of each cultural domain indicated by the informants; ii) check for cultural consensus within each cultural domain; iii) to analyze the similarity of the species of the cultural domains. We used structured interviews to obtain socioeconomic data and data from the free list. The free list was analyzed by means of the Smith index, cultural consensus and multidimensional scaling. Informants defined three cultural domains based on the use of vegetation, whether the plants are those used for cultivation, are medicinal plants used to treat diseases, or are considered native vegetation with several different uses. The domain of cultural plants is represented by 107 species, weeds by 96 species and medicinal plants by 99 species. For the three domains, the existence of cultural consensus can be verified. There was little similarity between species from different domains. The criteria used by traditional communities for vegetation management and use may contribute to the development of public policies for the conservation of ecological and cultural biodiversity. <![CDATA[Vellozo’s “Flora Fluminensis”: an interdisciplinary approach]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222015000100085&lng=en&nrm=iso&tlng=en O artigo analisa a obra de Frei Vellozo (1741-1811) intitulada “Flora Fluminensis”, com interpretações dos campos disciplinares da botânica e da história. No período de 1783 a 1790, a equipe liderada por Frei Vellozo percorreu o território do Rio de Janeiro com objetivo de produzir um levantamento detalhado das plantas. Passados 39 anos, o trabalho de Vellozo foi publicado com 1.639 descrições de plantas em latim e 11 volumes in-folio de ilustrações botânicas. Trata-se de uma obra que tem relevância científica, sobretudo se comparada com outros livros e compêndios produzidos na mesma época na Europa. Com o fim de esclarecer as principais características de tal processo de produção e qualidade científica da obra, é feita uma interpretação com foco no modo de como a botânica era realizada no final do século XVIII.<hr/>We analyze the work of Frei Vellozo (1741-1811) entitled “Flora Fluminensis” from both a botanical and an historical standpoint. From 1783 to 1790, a team lead by Frei Vellozo traveled throughout the territory of Rio de Janeiro with the aim of producing a detailed survey of the plants growing in the region. Thirty-nine years later, Vellozo’s work was published with 1,639 descriptions of plants in Latin and 11 volumes in folio of botanical illustrations of these plants. This work is highly relevant scientifically, especially when compared to other books and compendia that were produced at this time in Europe. In order to elucidate the production process and the quality of the “Flora Fluminensis”, we provide an interpretation of the way botany was carried out in the late 18th century. <![CDATA[Medicinal plants consumed in Kochi, in the 16th century and nowadays]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222015000100109&lng=en&nrm=iso&tlng=en O objetivo primacial desta pesquisa é investigar como solucionam os habitantes de Cochim, na Índia, seus problemas de saúde, quando não podem aceder aos sistemas convencionais ou quando optam por aceder a sistemas alternativos, na modernidade. O objetivo específico da pesquisa é compilar as espécies vegetais de uso terapêutico no século XVI e compará-las com as atuais. A flora indiana, em particular as especiarias, tem fascinado a humanidade desde o início dos tempos. Em 1498, os portugueses descobriram o caminho marítimo para a Índia e, durante os dois séculos seguintes, o pequeno país europeu dominou o comércio mundial com o oriente. Seguindo a rota das especiarias, o Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT) organizou, recentemente, uma missão científica a Kerala, a fim de investigar os frutos, os legumes, os condimentos, os tubérculos e as plantas medicinais cultivadas em jardins e pátios traseiros, vendidos em mercados e feiras, e recomendados pela medicina Ayurvédica, na cidade de Cochim. O ponto de partida foi a leitura de quatro manuscritos do século XVI que enumeravam as plantas aromáticas, condimentares e medicinais da Índia renascentista. Os resultados demonstram que um número substancial de plantas colhidas durante a missão do IICT, em 2013, já era usado na Índia, no século XVI.<hr/>The main objective of this research is to investigate how the residents of Kochi manage to solve their health problems, when they cannot access the healthcare system or when they choose to use alternative therapies, in modern times. The specific objective of this work is to compile the therapeutic species used in the 16th century and to compare them with the ones used nowadays. The Indian flora and particularly the spices have been fascinating mankind from the beginning of times. In 1498, the Portuguese discovered the sea route to East Indies and for the next two centuries this small European country has largely dominated the spice trade. Following the spice route the Portuguese Tropical Research Institute (IICT) recently organized a scientific mission to Kerala in order to investigate the fruits, vegetables, spices, tubers, and medicinal plants gardened in front and backyards, traded in fairs and shops, and recommended by Ayurvedic medicine healers in the city of Kochi. We started by reading four 16th century manuscripts where several spices, aromatic and medicinal plant species were enumerated. Results show that a good number of plants collected during the IICT survey, in 2013, were already in use during renaissance. <![CDATA[Apurinã comparative studies based on old documents]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222015000100143&lng=en&nrm=iso&tlng=en O presente trabalho é resultado de uma pesquisa comparativa dos dados da língua Apurinã (Aruák), falada pelo povo Apurinã no sudeste do estado do Amazonas, e com base em dados dessa mesma língua registrados em documentos antigos. A ideia é que, após a etapa de reconstrução interna dessa língua, poderemos reconstruir formas lexicais antigas e depois compará-las a formas cognatas presentes em línguas próximas de Apurinã, neste caso, Piro e Iñapari. Tivemos como principais objetivos: (i) contribuir para a descrição da língua, especialmente em relação ao desenvolvimento dos principais traços ‘dialetais’; e (ii) contribuir para estudos histórico-comparativos aruák, que partem de uma abordagem bottom-up. A aplicabilidade do método histórico-comparativo, principalmente, reconstrução interna, permite determinar a presença de formas lexicais em documentos antigos, os quais corresponderiam a variantes distintas presentes nas variedades atuais do Apurinã moderno. A determinação da presença de tais variações nos permitirá identificar formas mais antigas entre as variantes que existem atualmente na língua. A partir desse conhecimento, poderemos construir hipóteses sobre o desenvolvimento dessa variedade lexical e postular qual entre elas é a mais antiga. Os resultados, portanto, contribuem para o conhecimento do passado da língua e do povo Apurinã e para estudos histórico-comparativos da família aruák.<hr/>The present work is the result of comparative linguistic research on data from the Apurinã language (Arawak) as currently spoken by the Apurinã people in the south-eastern part of the state of Amazonas, and on Apurinã language data registered in old documents. After internal reconstruction of the language, we reconstruct ancient lexical forms and compare them to cognate forms in languages closely related to Apurinã, Piro and Iñapari. We have as main objectives (i) to contribute to the description of the language, especially regarding the development of major dialectic aspects, and (ii) to contribute to historical-comparative studies of Arawak using a ‘bottom-up’ approach. The application of the historical-comparative method, mainly internal reconstruction, allows us to determine which lexical forms in ancient documents could correspond to different variants in modern Apurinã. This helps us to identify older forms among the variants that presently exist in the language. From this knowledge, we build hypotheses regarding the development of this lexical variety and postulate which among them is the most ancient. The results contribute to the knowledge of the past of the Apurinã language and people and to historical-comparative studies of the Arawak family. <![CDATA[Observations about acoustic correlates of stress in Apurinã (Arawak): a case study]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222015000100159&lng=en&nrm=iso&tlng=en O presente artigo investiga a duração como possível correlato acústico do acento em Apurinã, levando-se em consideração as hipóteses levantadas por outros autores. Neste trabalho, investiga-se a duração de vogais em sílabas acentuadas, com acento secundário e sem acento, posto ser um possível correlato acústico que marca o acento em Apurinã, como sugerem outros trabalhos e estudos que afirmam ser esse um correlato recorrente nas línguas do mundo. O objetivo é verificar essas hipóteses, revendo os trabalhos anteriores sobre a língua e analisando novos dados, de modo a produzir resultados com base em informações independentes daquelas investigadas até então. Os resultados sugerem uma correlação apenas entre duração e acento primário e levantam questões sobre a sua natureza fonética, assim como uma questão relevante para a fonologia teórica sobre sílabas com vogais nasais que se comportam como sílabas pesadas ou bimoraicas.<hr/>This article investigates the hypothesis of duration being an acoustic correlate of stress in Apurinã, taking into account the results given by other authors. Cross-linguistic studies have suggested such a correlation. In this study duration is investigated in unstressed syllables, and in ones bearing primary and secondary stress. The article reviews previous work on Apurinã stress and then presents and analyzes new data. These results suggest a correlation between duration and primary stress only, and raise questions about the phonetic nature of such a correlation. The results also raise a theoretical question in phonology, namely the status of syllables with nasal vowels, which seem to behave like heavy or bimoraic syllables. <![CDATA[The taste for authority and the authority of taste: cultural appropriations in the ‘<em>arts prémiers’</em>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222015000100169&lng=en&nrm=iso&tlng=en Os atores responsáveis por introduzir as ‘artes primeiras’ nos museus e no mercado do Ocidente não são, com efeito, os mesmos que as produziram e, com frequência, não falam em nome dos interesses de seus produtores. Na presente análise, investigou-se a primeira exposição do Musée du Quai Branly, inaugurada no ano 2000, em uma ala do Musée du Louvre, em Paris. Na apresentação desses objetos nesse novo contexto, Jacques Kerchache, o principal idealizador do projeto, não deu espaço para visões dissonantes sobre as obras selecionadas. São visíveis, na exposição do Louvre, algumas das mais evidentes contradições sobre as ‘artes primeiras’. Os critérios que presidem a musealização das esculturas primitivas expostas mostraram a impossibilidade de se isolar, no seio dessa estética particular, a conotação antropológica. O artigo aqui proposto não tem como objetivo discutir a inspiração dos primeiros criadores desses objetos no momento em que conceberam e realizaram a sua obra, mas busca questionar se as suas intenções podem ser descartadas impunemente em função da musealização desses objetos no contexto europeu, entendendo como se dá esse processo segundo uma perspectiva sociológica.<hr/>The main actors responsible for the introduction of the arts prémiers into museums and the Western market are not, in fact, the same ones that produced them and, frequently, do not speak in the name of their interests. In the present article I investigate the first exhibition of the Musée du Quai Branly, which opened in the year 2000, in a section of the Musée du Louvre, in Paris. In the presentation of the objects in the new context, Jacques Kerchache, the main visionary behind this project, provided no room for dissonant views on the selection of the pieces. Some of the more obvious contradictions of the arts prémiers are visible in the Louvre exhibition. The criteria that dictated the musealization of the exhibited primitive sculptures reveal the inability to isolate, inside this particular aesthetic, the anthropological perspective. This article does not aim to discuss the inspiration of the first creators of these objects at the moment that they conceived their work. Instead, its goal is to question whether the creators’ intentions can be disregarded without consequences for the musealization of these objects in the European context, helping to understand this process from a sociological perspective.