Scielo RSS <![CDATA[Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=1981-812220160003&lang=es vol. 11 num. 3 lang. es <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[CARTA DA EDITORA]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222016000300557&lng=es&nrm=iso&tlng=es <![CDATA[Racial segregation in Belém waterfront: the public ports of Estrada Nova and of Ver-o-Peso]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222016000300563&lng=es&nrm=iso&tlng=es Resumo Em Belém, intervenções urbanísticas na orla da cidade, conduzidas pela prefeitura com recursos do Banco Mundial, projetam a requalificação dos espaços públicos no sentido de transformá-los em ambientes de consumo. Gentrificação é o caso, e significa retirar pessoas e com elas sociabilidades que dão identidade aos lugares. Os portos da Palha e do Açaí e o Ver-o-Peso são espaços públicos de grande relevância para a cidade e, principalmente, para a população de pretos e pardos, os negros e os indígenas mestiços que transitam e fazem transitar mercadorias entre as ilhas e o continente. Milhares de pessoas cruzam rotineiramente entre esses lugares no continente e as várias ilhas do outro lado do rio. Contudo, quem promove as intervenções urbanísticas quer remover a vida popular dos seus lugares. Como se costuma dizer, a pobreza tem cor. Eles resistem à remoção, mas a questão racial não está posta nesses lugares. Reconhece-se a segregação social, entretanto ela não é vista também como racial. A gramática racial não está presente na resistência contra os projetos excludentes. Somadas aos interesses de classe, a dimensão cultural e a luta pelo reconhecimento racial acrescentariam um conteúdo significativo na capacidade de resistência e insurgência dessas populações. O presente artigo levanta essa questão.<hr/>Abstract The municipal government, through urban developments, plans to gentrify public spaces in Belém´s waterfront. Gentrification here means to transform public spaces into consumption places, leading to the removal of people and, with them, the sociability that gives identity to these places. Public spaces focused here are the ports of Palha and Açaí and the Ver-o-Peso market. They are important places for popular life in Belém, mostly for the black people who use them. Thousands of people comute daily between these places in the continent and the many islands on the other side of the river. Gentrification tends to remove these people, most of them poor, and their activities to more distant areas. As the popular saying goes, ‘poverty has a color’. People resist urban developments that exclude black people. Nevertheless, racial factor isn’t acknowledged as contributing to segregation nor the racial argument is present in resistance discourse. Put together the cultural dimension and the racial factor recognized they would add significant weight to the capacity of resistance and insurgence among this population affected by the changes. This is a point the article raises. <![CDATA[Pedra do peixe: social networks in circulation of fish from Ver-o-Peso to the city of Belém, Pará]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222016000300581&lng=es&nrm=iso&tlng=es Resumo Este artigo tem por objetivo apresentar uma etnografia sobre a rede social envolvida no processo de circulação do pescado que chega diariamente ao mercado do Ver-o-Peso, principal entreposto pesqueiro da região amazônica, e é distribuído por toda a cidade de Belém do Pará. Diariamente, o pescado in natura, capturado e trazido em embarcações pesqueiras, entra na área urbana pela Pedra do Peixe, marco espacial e simbólico do mercado do Ver-o-Peso,no qual é vendido e distribuído na cidade e para outras praças do estado e do país, para chegar aos consumidores finais, que o encontram nas feiras, mercados, supermercados e outros pontos de venda, assim como nos restaurantes diversificados, em forma de pratos regionais preparados para os muitos apreciadores do produto. Essa extensa rede de comercialização do pescado apresenta aspectos econômicos, sociais, culturais, regras, informalidades e conflitos, que fazem com que a circulação do pescado em Belém permaneça, até a atualidade, com muito vigor, tendo a Pedra do Ver-o-Peso como centralidade do seu fluxo cotidiano, através das redes de relações e das práticas socioculturais incorporadas por trabalhadores e fregueses que circulam diariamente por esse espaço central da cidade.<hr/>Abstract This article aims to present an ethnography on the social network involved in the circulation process of the fish that arrives daily to the market Ver-o-Peso, the main warehouse fishing in the Amazon region, and is distributed throughout the city of Belém, Pará. Every day the fresh fish, captured and brought in fishing vessels, enters the urban area by the Pedra do Peixe, spatial and symbolic milestone in the market Ver-o-Peso, where it is is sold and distributed in the city and other places of the state and country, to reach the final consumers who are at fairs, markets, supermarkets and other retail outlets, as well as the diverse restaurants in the form of prepared regional dishes to the many lovers of the product. This extensive network of marketing of fish has economic, social, cultural, rules, informalities and conflicts that make the circulation of fish in Belém remains, to the present, very powerful, and the Pedra do Peixe at Ver-o-Peso as the centrality of their daily flow through the networks of relationships and sociocultural practices incorporated by workers and customers that circulate daily by this central space of the city. <![CDATA[Women and market: female participation and knowledge in the insertion of new species of fish in the market and in the diet of fishermen RESEX Mãe Grande of Curuçá (PA)]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222016000300601&lng=es&nrm=iso&tlng=es Resumo O artigo descreve como o conhecimento tradicional da mulher marisqueira e pescadora de rio e mar, da localidade de Caratateua, RESEX Marinha Mãe Grande de Curuçá (PA), contribui na inserção e comercialização de novas espécies de pescado. O trabalho utiliza metodologia quali-quantitativa e produz dados que apontam para um quadro de escassez dos pescados mais apreciados no mercado local. Apresenta o conhecimento tradicional feminino sobre as espécies-chave que compõem a dieta dos pescadores, sendo esse uma forma de inserção das mulheres no mercado. A coleta dos dados ocorreu no período de março a agosto de 2012. As técnicas metodológicas utilizadas priorizaram um fazer etnográfico, privilegiando o uso de entrevistas semiestruturadas, realizadas com pescadoras/marisqueiras da comunidade, sendo aplicados, ainda, dez questionários às mesmas e nove questionários no mercado do município de Curuçá, junto aos vendedores de pescado. Nas entrevistas, foi possível observar as mudanças ocorridas ao longo dos anos, evidenciando a escassez das espécies tradicionais, tanto na mesa do pescador quanto no mercado consumidor. Os resultados apontam, especialmente, para o papel da mulher na inserção de novas espécies em ambos os espaços, privado e do mercado, já que o conhecimento feminino evidencia uma maior percepção acerca dos recursos naturais disponíveis para consumo.<hr/>Abstract The article describes how the traditional knowledge of fisherwomen of river and sea in the town of Caratateua, RESEX Marinha Mãe Grande de Curuçá (PA), contributes to the integration of new species of fish in the marketing. The work uses a qualitative and quantitative methodology and produces data that point to a shortage of fish picture of most popular in the local market. It presents the female traditional knowledge on key species that make up the diet of fishermen, and this is a way to insert woman in the market of fishery. Data collection occurred from March to August 2012. The methodological techniques prioritized an ethnographic do, favoring the use of semi-structured interviews with fisherwomen / community seafood restaurants, being applied also 10 questionnaires to them and 9 questionnaires in market Curuçá municipality next to the fish vendors. In the interviews we observed the changes over the years, reflecting the scarcity of traditional species, both in the fisherman diet as the consumer market. The results point especially to the role of women in the insertion of new species in both spaces, private and market, since women’s knowledge means a greater perception of natural resources available for consumption. <![CDATA[From Nazaré to ‘Nazinha’: singularities in the expression of affection of the patron saint of Pará]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222016000300621&lng=es&nrm=iso&tlng=es Resumo Este estudo parte do pressuposto de que existe um modo particular de relação devocional do povo paraense com a figura mítica de Maria de Nazaré, mãe de Jesus. ‘Naza’, ‘Nazica’, ‘Nazinha’ são diminutivos do nome original que comunicam o afeto à Santa, contribuindo para o fortalecimento de laços de identidade e pertencimento evidenciados nas festividades em homenagem à padroeira do Estado do Pará, no Norte do Brasil. Essas manifestações marcadas pela informalidade são continuamente mobilizadas por meio de conexões entre linguagem, religiosidade, cultura e mídia. O percurso teórico toma por referência as concepções de Muniz Sodré (2006), que, ao sinalizar para a urgência de novos mecanismos de interpretação para o campo da comunicação, defende a necessidade de se atentar para “a diversidade da natureza das trocas” e seus “poderosos dispositivos do afeto”. Depoimentos coletados em sites, blogues e redes sociais, além de duas letras de músicas e um videoclipe, compõem o conjunto de objetos analisados pelas autoras.<hr/>Abstract This study stems from the premise that there is a particular mode of devotional relationship for the people of Pará to the mythical figure of Maria de Nazaré, mother of Jesus. Also known as ‘Naza’, ‘Nazica’, ‘Nazinha’, these diminuitives of the original name, express affection for the Saint, and contribute to the strengthening of ties of identity and belonging, evidenced in the many festivals in honor of this Patron Saint of Pará, in the North of Brazil. These manifestations, marked by their informality, are continually mobilized through connections between language, religiosity, culture and media. The theoretical basis for this work relies on the concepts of Muniz Sodré (2006), who, flagging the urgency for adopting new interpretive mechanisms in the field of communication, defends the need to attempt to “the diversity of the nature of exchanges” and their “powerful devices for affection”. Depositions collected on sites, blogs and social network pages, as well as in the lyrics of two songs and a video clip, comprise the set of objects analyzed by the authors. <![CDATA[Urban backyards: functions and roles in the Brazilian and Amazonian home]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222016000300633&lng=es&nrm=iso&tlng=es Resumo Desde os tempos coloniais os quintais estão presentes como elemento tradicional nas casas urbanas amazônicas e brasileiras. Entretanto, atualmente, grande parte das novas moradias construídas, nas grandes cidades da região e do país, prescinde dos espaços contíguos às residências chamados de quintais. O propósito do estudo é analisar, historicamente, a importância e as funções dos quintais nas moradias brasileiras, e amazônicas em particular. O trabalho está dividido em três seções. Na primeira, discute os conceitos de quintais urbanos e de casa; na segunda analisa as transformações nas tipologias de moradias, destacando as permanências e as mudanças na importância e nas funções dos quintais. Por fim, conclui mostrando que, com o crescimento urbano e o desenvolvimento do capitalismo, a emergência de padrões modernos e pós-modernos de morar vem provocando o crescente esvaziamento das funções tradicionais de produção alimentar, de prática de atividades domésticas e de local privilegiado de lazer e convivência familiar. Como consequência, os quintais urbanos tem visto seu conceito e suas funções alterados ou, simplesmente, vêm sendo suprimidos das moradias. Por fim, alerta para as consequências desse processo para a qualidade de vida urbana, especialmente nas cidades amazônicas.<hr/>Abstract Ever since colonial times, backyards have been present as a traditional element in urban houses in the Amazon and in Brazil in general. However, currently, most new homes built in large cities in this region and throughout Brazil forego the spaces contiguous to homes called backyards. The purpose of this study is to conduct a historical analysis of the importance and functions of backyards in Brazilian homes, and in the Amazon in particular. The article is divided into three sections. The first discusses the concepts of urban backyards and houses; the second analyzes the transformations in housing typology, highlighting the continuities and the changes in the importance and functions of backyards. Finally, it concludes by showing that, with urban growth and the development of capitalism, the emergence of modern and post-modern patterns of living has increasingly been prompting the ebbing away of a backyard’s traditional functions of producing food, being a favored locus in which to engage on domestic activities, forms of leisure and of family life. As a result, backyards have seen their concept and functions or have simply disappeared. Consequently, an alert sounds to the consequences of this process for the quality of urban life, especially in Amazonian towns. <![CDATA[Aspectos etnoecológicos de la agricultura entre los Pumé]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222016000300653&lng=es&nrm=iso&tlng=es Resumen En este artículo se presenta una descripción de las formas de manejo agrícola entre los Pumé desde una perspectiva etnoecológica. Los Pumé son un pueblo indígena que habita en la ecorregión de los Llanos (Venezuela). Aunque han sido identificados por algunos etnógrafos como un grupo de cazadores-recolectores, desde hace tiempo se ha señalado que poseen economías mixtas. Basados o no en las descripciones etnográficas, los agentes del Estado también han hecho representaciones de los Pumé como un grupo que carece de conocimientos agrícolas. En este sentido, el enfoque etnoecológico constituye la posibilidad de considerar aspectos cognitivos, perceptuales, cosmológicos y prácticos de la agricultura de este pueblo indígena. A partir de un estudio etnográfico, se describen siete formas de manejo agrícola que difieren en características como nivel de manejo, extensión, organización social del trabajo y propiedad de la cosecha. Por último, se profundiza en la descripción de los aspectos etnoecológicos de la agricultura de tala y quema de este grupo.<hr/>Abstract This article reports on agricultural management techniques among the Pumé from an ethnoecological perspective. The Pumé are an indigenous people that inhabit the Llanos ecoregion in Venezuela. Although some ethnographers consider them to be primarily a hunter-gatherer group, there are also reports going back to the colonial era indicating that they have a mixed farming-foraging economy. Development agents of the nation-state, whether informed or not about these ethnographic accounts, tend to look upon the Pumé similarly as a group lacking in agricultural skill and knowledge. An ethnoecological approach opens up the possibility of considering the cognitive, perceptual, cosmological and practical aspects of agriculture from the perspective of the Pumé themselves. Based on an ethnographic field study, here we describe seven forms of agricultural management that differ in terms of level or intensity of management, managed area extension, social organization of work, and harvest property/rights. Lastly, we provide a detailed description of key ethnoecological aspects of slash and burn cultivation among this group. <![CDATA[<em>Ex situ</em> and on farm conservation of the genetic resources: challenges to promote synergies and complementarities]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222016000300677&lng=es&nrm=iso&tlng=es Resumo Historicamente, o Brasil priorizou o modelo da conservação ex situ, realizada em câmaras frias, em meio de cultura in vitro e em coleções vivas no campo. Esse tipo de conservação capta o momento evolutivo em que a coleta foi realizada, mas as plantas assim conservadas não continuam a evoluir. Tal característica revela parte das limitações desse tipo de conservação para oferecer respostas mais rápidas em um momento de crise relacionado a mudanças ambientais, por exemplo. Atualmente, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) reconhece que a diversidade genética deve ser mantida não só nos bancos de germoplasma, como também nos sistemas agrícolas locais, onde a participação dos agricultores é fundamental. O Tratado Internacional sobre Recursos Fitogenéticos para a Alimentação e a Agricultura (TIRFAA), instrumento vinculante assinado pelo Brasil em 2001, torna obrigatória essa linha de ação e de pesquisa para o país. Mas com implementá-la? Neste artigo, apresentaremos uma reflexão sobre as complementaridades entre os modelos de conservação ex situ e on farm, tomando a proposta de gestão compartilhada das coleções ex situ como exemplo do incipiente processo de construção, no campo científico e institucional, de caminhos que possibilitem novas maneiras de interação entre os agricultores tradicionais e as instituições de pesquisa agrícola, com o objetivo de conservar não apenas o germoplasma, mas também processos que geram a agrobiodiversidade.<hr/>Abstract The Brazil historically prioritized the model of ex situ conservation held in cold storage, in vitro conservation and living collections in the field. This type of conservation captures the evolutionary moment in which the collection was made, but plants not continue the evaluation. This characteristic reveals the limitations of this type of conservation to provide faster answers in a time of crisis related to environmental changes, for example. Currently, FAO recognizes that genetic diversity should be maintained not only in genebanks as well as in local agricultural systems, where the participation of farmers is crucial. The ITPGRFA binding, instrument signed by Brazil in 2001, makes this a line of action and research required for all members. But how to implement it? In this paper, we present a reflection on the complementarities between the models of ex situ conservation and on farm, taking the proposed ‘shared management of ex situ collections’ as example of incipient process of construction, the scientific and institutional paths that enable new ways of interaction between traditional farmers and agricultural research institutions, in order to preserve not only the germplasm, but also processes that generate agrobiodiversity. <![CDATA[Hunting, preparing, and eating the ‘bicho do mato’: feeding practices among quilombolas in the Ipaú-Anilzinho Extractive Reserve (Pará State)]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222016000300691&lng=es&nrm=iso&tlng=es Resumo A caça de animais silvestres tem desempenhado um papel importante para a reprodução física e simbólica de famílias rurais que vivem em diferentes regiões tropicais do planeta. Com efeito, muitas dimensões do uso de recursos cinegéticos como fonte de alimentação ainda não foram suficientemente estudadas, sobretudo dos pontos de vista da Antropologia e da Etnoecologia. Tais dimensões, com frequência, são ignoradas nas intervenções de conservação da biodiversidade. Este artigo tem por objetivo analisar o uso da fauna silvestre em práticas alimentares por famílias da comunidade quilombola de Joana Peres, localizada na Reserva Extrativista Ipaú-Anilzinho, uma unidade de conservação situada no município de Baião, Pará, Amazônia brasileira. Conduzimos o estudo a partir dos pressupostos da Etnoecologia. Destacamos os elementos de ordem social e cultural que norteiam os processos de obtenção, preparo e consumo de alimentos a partir da atividade cinegética. Empregamos os métodos da observação participante e entrevistas abertas e semiestruturadas. Interpretamos os dados tanto de modo qualitativo como quantitativo. Particularmente, para cada uma das espécies citadas procuramos calcular o índice de Valor de Uso (VU), que possibilita demonstrar o grau de importância relativa das espécies conhecidas localmente. O estudo evidenciou que a atividade cinegética envolve tanto aspectos nutricionais como socioculturais, uma vez que os recursos faunísticos fornecem proteína e as práticas alimentares são permeadas por diferentes processos que incluem costumes, imaginários, sociabilidades, tabus e modos de preparo.<hr/>Abstract Hunting of wild animals has played a significant role in the physical and symbolic reproduction of rural families living in various tropical regions of the planet. Indeed, many dimensions of using cynegetic resources as a source of human food have not been sufficiently studied, yet, above all from the viewpoints of Anthropology and Ethnoecology. Such dimensions are often overlooked in biodiversity conservation interventions. This article aims to analyze the use of wild animals in feeding practices among families in the quilombola community of Joana Peres, located in the Extractive Reserve Ipaú-Anilzinho, a conservation unit within the municipality of Baião, Pará, Brazilian Amazon. We conducted the study by using Ethnoecology postulates. We highlight elements having a social and cultural nature that guide the procedures for obtaining, preparing, and eating food through the cynegetic activity. We employed the methods of participant observation and semi-structured and open interviews. We interpret data both qualitatively and quantitatively. Particularly, for each of the species mentioned we seek to calculate the index of Use Value (UV), which allows to demonstrate the degree of relative importance of locally known species. The study has shown that the cynegetic activity involves both nutritional and socio-cultural aspects, since wildlife resources provide protein and the dietary practices are permeated by various processes including habits, imaginary, sociability, taboos, and preparation modes. <![CDATA[Kiju Sakai: the Japanese anthropologist who dedicated his life to study Brazil in the first half of the 20th century]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222016000300715&lng=es&nrm=iso&tlng=es Resumo Kiju Sakai foi um antropólogo e arqueólogo japonês que veio ao Brasil em 1934. Ao longo de sua vida, ele escavou diversos sítios e formou uma importante coleção arqueológica. Até recentemente, essa coleção não estava institucionalizada e a biografia de Sakai era desconhecida. O estudo apresenta a história de constituição desta coleção, a partir da vida do antropólogo, e trazer dados sobre a curadoria do material, seus desdobramentos e contribuições para a história da Arqueologia brasileira no início do século XX e o papel dos ‘amadores’ e de instituições como a Sociedade Archaeológica Brasileira de Amadores (SABA) e o Instituto Kurihara nas pesquisas desenvolvidas no estado de São Paulo. A “Coleção Arqueológica Kiju Sakai” se encontra hoje no Museu Histórico e Arqueológico de Lins, no estado de São Paulo, e conta com os mais distintos tipos de material arqueológico, dentre os quais se destacam: cerâmicas Tupi e Jê; remanescentes humanos, provenientes de sambaquis e de montículos funerários Kaingang; artefatos líticos, lascados e polidos, de sambaquis; pontas feitas de ferro; e medalhas do Serviço Nacional de Proteção ao Índio. Além do material arqueológico, também se encontra no acervo a documentação primária que Sakai produziu, incluindo mapas de dispersão linguística na América do Sul escrito em japonês, diários de campo e aquarelas representando os motivos presentes em cerâmica Tupi.<hr/>Abstract Kiju Sakai was a Japanese anthropologist and archaeologist who came to Brazil in 1934. Throughout his life, he excavated many sites and formed an important archaeological collection. Until recently, however, the collection was not officially recognized and few academics knew of its existence. The very biography of Sakai is still largely unknown. The objectives of this study are to present the academic community with the collection, to introduce Sakai´s biography, to bring information about the curation of the material and its contribution to the history of the Brazilian Archaeology at the beginning of the 19th century as well as the role of the non-professional archaeologists and institutions such as th Sociedade Archaeológica Brasileira de Amadores and the Instituto Kurihara in the research developed in Sao Paulo State. The “Archaeological Collection Kiju Sakai” is now in the newly built Museum of History and Archaeology of Lins, State of São Paulo. The collection includes the most distinct types of archaeological material among which: ceramics of Tupi and Jê groups; human skeletons from riverine shell middens and Kaingang burial mounds, flaked and polished stone artifacts, projectile points made of iron and medals of the Serviço Nacional de Proteção ao Índio (the National Bureau for the Protection of Native Brazilians). In addition to the archaeological items, the collection also includes the primary documentation Sakai produced, including maps of linguistic dispersion in South America written in Japanese, field diaries and watercolors representing the motifs present in Tupi ceramics. <![CDATA[Archaeobotany of the southern Brazilian shellmount: integrating evidences on the paleoenvironment and the use of forest resources]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222016000300727&lng=es&nrm=iso&tlng=es Resumo Madeiras in natura são testemunhos raros em sítios arqueológicos de tipologia sambaqui. A partir da evidência de estacas encharcadas de madeira na base do sítio, objetivou-se conhecer as espécies vegetais e a sua funcionalidade no contexto arqueológico do sambaqui Cubatão I, localizado na região norte de Joinville, Santa Catarina, e com base datada de 3480 ± 60 AP. A caracterização da madeira foi realizada por meio de preparações histológicas e seguiu a terminologia proposta pela International Association of Wood Anatomists (IAWA). A determinação dos táxons deu-se mediante comparação em coleção de referência. Foram reconhecidas diferentes espécies madeiráveis de ocorrência natural nos ambientes de manguezal, floresta de terras baixas e restinga. Destacaram-se os seguintes táxons: Andira sp. (Fabaceae), Avicennia schaueriana (Acanthaceae), Bauhinia sp. (Fabaceae), Buchenavia sp. (Combretaceae), Handroanthus sp. (Bignoniaceae), Laguncularia racemosa (Combretaceae), Ocotea sp. (Lauraceae), Rhizophora mangle (Rhizophoraceae), Schinus sp. (Anacardiaceae) e Xylopia (Annonaceae). Entre as propriedades físicas que conferem qualidade às madeiras identificadas, destaca-se a densidade básica, com valores médios a altos em sua maioria, indicando seu uso potencial em elementos com função estrutural. Dentre as possíveis interpretações, os resultados evidenciam o uso de madeiras para a construção de uma plataforma projetada para dar sustentação ao sítio, possivelmente em função das características plásticas dos solos de manguezal.<hr/>Abstract Woods in nature are rare evidence in archaeological sites sambaqui typology. From the evidence of wood soaked piles at the base of the site, is aimed to know the species and its functionality in the archaeological context of sambaqui Cubatão I, located in the northern region of Joinville, Santa Catarina, and based dated 3480 ± 60 BP. The characterization of the timber was performed by histological preparations and following the terminology proposed by IAWA. The determination of taxa occurred through comparison with wood reference collections. Different timber species were recognized that naturally occur in mangrove environments, lowland rainforest and sand dunes, which included the following taxa: Andira sp. (Fabaceae), Avicennia schaueriana (Acanthaceae), Bauhinia sp. (Fabaceae), Buchenavia sp. (Combretaceae), Handroanthus sp. (Bignoniaceae), Laguncularia racemosa (Combretaceae), Ocotea sp. (Lauraceae), Rhizophora mangle (Rhizophoraceae) Schinus sp. (Anacardiaceae) and Xylopia (Annonaceae). Among the physical properties that confer quality to the identified woods are their high overall basic density, which indicates their potential use as structural elements. Among the possible interpretations, the results suggest the use of wood to construct a platform, possibly designed to increase structural support above the mangrove swamp soils. <![CDATA[‘Chimpanzee Cultures’: a contemporary view of the definitions in use]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222016000300745&lng=es&nrm=iso&tlng=es Resumo As ‘culturas de chimpanzés’ correspondem a uma ideia especialmente importante porque chimpanzés são os animais mais próximos aos humanos em termos genéticos e de complexidade de comportamento. Uma avaliação crítica desses fenômenos irá certamente redefinir as fronteiras entre humanos e não humanos. Além disso, criará novas formas de representação da humanidade e sua alteridade. Consequentemente, é também urgente discutir as definições de cultura porque as concepções de ‘culturas de chimpanzés’ adotadas pelos primatólogos são profundamente distintas das concepções de cultura adotadas pelos antropólogos socioculturais. Há um consenso crescente entre os antropólogos socioculturais de que cultura envolve necessariamente a produção de sentidos e a manipulação de símbolos. O que os primatólogos frequentemente apresentam está muito distante disso. Para os antropólogos, cultura é a expressão plena de representações, mitos, arte, rituais e ciência. Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa bibliográfica feita sobre 24 periódicos representativos da área, de 1999 a 2011. Do material encontrado, 63 artigos que apresentam explícitas ou implícitas definições de ‘culturas de chimpanzés’ foram identificados e analisados. Um dos resultados mais importantes é que a grande maioria dos conceitos apresentados não se sustenta sobre concepções de cultura que envolvam a produção de significados e a manipulação de símbolos.<hr/>Abstract ‘Chimpanzee culture’s’ idea is a very important topic because chimpanzees are, genetically and behaviorally, the closest animals to humans. A critical assessment of these phenomena will certainly redefine the frontiers between humans and non-humans. Likewise, it may create new forms of representing the humanity and its alterity. Consequently, it’s urgent to discuss the definitions of ‘culture’ because the conception of’ ‘chimpanzee cultures’ adopted by primatologists is far from the sociocultural anthropologists’ conception of culture. At the same time, there is a growing consensus among the sociocultural anthropologists that culture necessary involves the production of meanings and the manipulation of symbols. What primatologists frequently present is far from modern sociocultural anthropologists’ conceptions. For the later, culture is the full expression of representations, myths, art, rituals and science. This paper presents the results of a bibliographical research that was carried out in 24 representative journals of the area from 1999 to 2011. From this survey 63 papers presenting explicit or implicit definitions of ‘chimpanzee cultures’ were identified and analyzed. One of most important results is that the great majority does not rely on a concept of culture that involves production of meanings and manipulation of symbols. <![CDATA[Modern agriculture in the Planalto Central: the experience of Colônia Blasiana (1881-1895), in Luziânia, Goiás, Brazil]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222016000300769&lng=es&nrm=iso&tlng=es Resumo A Colônia Blasiana foi uma instituição de ensino criada para acolher crianças negras órfãs, beneficiadas pela lei do Ventre Livre. Funcionava também como escola agrícola. Seu modelo era o Imperial Instituto Fluminense de Agricultura. Foi investigada a hipótese de ela ter sido um referencial na modernização da agropecuária goiana e de ela ser, possivelmente, um espaço de produção científica no Planalto Central. De fato, sua contribuição foi importante, pois instituiu práticas modernizantes no trato das coisas do campo, tais como irrigação, plantação em linha, introdução de novas espécies, aclimatação de espécies vegetais e de animais exóticos ao cerrado, criação de gado em estábulos, cura de moléstias, dentre outras, apoiadas nos conhecimentos científicos de seu diretor, Joseph de Mello Álvares, um autodidata versado sobre os mais diversos assuntos. Não foi possível avaliar o impacto da instituição na agricultura goiana como um todo. Quanto ao fato de ser uma instituição de produção de conhecimentos científicos, a hipótese não se confirmou. Faltavam-lhe pesquisadores capacitados e um guia curricular, com programas claramente definidos para a escola, embora houvesse uma boa biblioteca, com o mais atualizado acervo da produção científica nacional sobre o tema. Também não foi possível apurar se os experimentos com aclimatação eram cientificamente controlados.<hr/>Abstract The Colônia Blasiana was an educational institution created to accommodate orphaned black children freed by the Free Womb Law. It took on the modelo f the Imperial Institute Fluminense of Agriculture. In this study, we investigated the possibility that the colônia Blasiana has been a reference for the modernization of agriculture in Goiás as well as whether it constituted a space for scientific knowledge production in the Brazilian ‘Planalto Central’. Indeed, its contribution was importante because it introduced modern agricultural practices such as irrigation; planting in rows; introduction and acclimatization of plant and domestic animals not native of the savanna; cattle breeding in the stables; disease cure cattle etc., based on scientific knowledge of its director, Joseph de Mello Álvares, a self-taught man versed on various subjects. It has not been possible to evaluate the impact of the institution in agriculture and livestock in the region. The hypothesis that Colônia Blasiana was an establishment producer of scientific knowledge was not proven. Although there was a good library with current scientific literature on the subject, the lack of qualified researchers and curriculum guide with clearly defined programs was an obstacle. It wasn´t possible either to determine if the acclimatization were held with scientifically controlled experiments. <![CDATA[The first list of Malayalam words at the end of 15th century by a Portuguese seaman]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222016000300793&lng=es&nrm=iso&tlng=es Abstract MS-804 from the Municipal Library of Porto, Portugal, is a unique copy of the journal of the first voyage to India under Vasco da Gama’s (ca. 1460–1524) command. It describes the voyage subsequent to the departure from the Tagus River, Portugal, on 8 July 1497 until the return up the shallows of the Grande River de Buba, Guinea, on 25 April 1499. The author of the original of this account is probably Álvaro Velho (fl. 1497/1507), born in Barreiro, but the arguments are still weak, being only achieved by deduction. The copyist is also probably John Theotonius, CRSA. The great merit of this document is the fact that the author was a direct eyewitness of all events. In the last appendix, at folio 45, it has a list of 122 useful daily words and expressions in Portuguese and their translation into Malayalam, a provincial Dravidian language spoken in Kerala State, India. It is a relevant testimony of a variety of Malayalam at the end of the 15th century, despite certain transcription mistakes and the scribe’s censorship of some vulgarisms. In this new semi-diplomatic edition, I applied rigorous transcription criteria and corrected earlier editions, adding English translations and Malayalam equivalences.<hr/>Resumo O manuscrito 804 da Biblioteca Pública Municipal do Porto, Portugal, é uma cópia única do relato da primeira viagem de Vasco da Gama (ca. 1460–1524) à Índia. Descreve a expedição desde a saída do rio Tejo, Portugal, em 8 de julho de 1497, até a chegada, no regresso, ao Rio Grande de Buba, na Guiné-Bissau, em 25 de abril de 1499. O autor do texto original terá sido provavelmente Álvaro Velho (fl. 1497/1507), natural do Barreiro, mas os argumentos não são ainda muito convincentes, tendo sido obtidos somente por dedução. O copista será, também provavelmente, o agostinho João Teotónio, C.R.S.A. O grande mérito deste documento é o fato de o autor ser uma testemunha ocular de todos os eventos. Por outro lado, no último apêndice, no fólio 45, há uma lista com 122 palavras úteis e expressões de uso diário em português e respectiva tradução no malaiala ou malabar, uma língua dravídica falada no estado de Querala (ou Kerala), no extremo sudoeste da Índia. Trata-se de um testemunho relevante de uma variante do Malaiala, no final do século XV, apesar de alguns erros de transcrição e censura de alguns vulgarismos, possivelmente pelo copista. Nesta nova edição semidiplomática, aplicamos rigorosos critérios de transcrição e corrigimos as edições anteriores, bem como adicionamos as traduções em inglês e as respetivas equivalências em malaiala.