Scielo RSS <![CDATA[Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=1981-812220120001&lang=es vol. 7 num. 1 lang. es <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222012000100001&lng=es&nrm=iso&tlng=es <![CDATA[<b>Museologia</b><b> e patrimônio</b>: <b>uma introdução</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222012000100002&lng=es&nrm=iso&tlng=es <![CDATA[<b>Rethinking the total museum</b>: <b>from concept to practice</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222012000100003&lng=es&nrm=iso&tlng=es O trabalho analisa o Museu Integral (ou Museu Total) como questão no campo da Museologia, bem como as diferentes abordagens e os discursos que sobre ele se desenvolvem. Partindo da ideia de Museu como fenômeno, estabelece as convergências e divergências entre as matrizes teóricas que fundamentam os conceitos de 'museu integral', 'museu comunitário' e 'ecomuseu', e as propostas e realizações de uma prática museológica voltada para o social. Comenta sobre a tendência à mitificação da Carta de Santiago como matriz ideológica e propõe uma revisão do papel e do significado da Mesa de Santiago e das recomendações nela consignadas para a teoria e a prática da Museologia, analisando o seu desdobramento e a sua aplicabilidade nas políticas e diretrizes da Museologia - em âmbito mundial e, especialmente, na América Latina. Recomenda que se desenvolvam pesquisas e análises mais aprofundadas sobre as relações entre teoria e prática museológica na América Latina, recolocando os mencionados conceitos à luz da epistème contemporânea e das diretrizes mundiais para a cultura, o patrimônio e o desenvolvimento. Finalmente, apresenta o conceito de Museu Inclusivo - matriz teórica sintonizada com o pensamento e a ética de museus na atualidade.<hr/>The paper analyzes the Total Museum (Museu Integral - Musée Integral) as a core question for debate in the field of Museology, as well as the different approaches and narratives developed around this concept. Starting from the idea of Museum as phenomenon, it unveils convergences and divergences between the theoretical matrixes that found the concepts of 'total museum', 'community museum' and 'ecomuseum', and the proposals and realizations of a museum practice devoted to the social sphere. It comments the tendency to consider the Declaration of Santiago as a myth and as an ideological matrix; and proposes a revision of the role and significance of the Santiago Roundtable, as well as of the recommendations consigned in it, for the development of museum theory and practice - analyzing their consequences and applicability in the policies and goals of Museology at global level, specially in Latin America. It emphasizes the need of research and deeper analyses of the relationships between museum theory and practice in Latin America, which may update the mentioned concepts under the light of the contemporary epistème and according to the world key strategies for culture, heritage and development. Finally, it presents the concept of Inclusive Museum - theoretical matrix, synchronized with the ethics and thoughts of Museology in the present days. <![CDATA[<b>Museology-Museum and heritage, patrimonialization and musealization</b>: <b>environment of communion</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222012000100004&lng=es&nrm=iso&tlng=es O artigo focaliza um recorte da pesquisa "Termos e Conceitos da Museologia", âmbito da Linguagem de Especialidade, representando teoria e prática de um conhecimento que se expressa sob a forma de comunicação científica (contexto informacional/comunicacional). Sob perspectiva histórica, enfoca o entrelace Museologia-Museu e Patrimônio a partir dos fundamentos da formação do Museu, campo museológico e Patrimônio. Destaca processos de institucionalização de bens culturais (bens simbólicos), isto é, Patrimonialização e Musealização, e as significações construídas, ao longo do tempo, legitimando ações de 'apropriação' por instâncias culturais. O respaldo teórico envolveu estudos da Museologia, teoria comunicativa da terminologia, socioterminologia, teoria da economia dos campos e poder simbólico, Direito e Ciência da Informação. Os objetivos incluíram a identificação e análise das dinâmicas de criação, ressignificação, variação de termos/conceitos, com resultados que também servem à linguagem documentária. A metodologia desenvolveu análise comparada de fontes ligadas às representações e práticas dos cenários museológico, patrimonial e terminológico. Os resultados apontaram uma base comum para a interação entre Museologia e Patrimônio: a imagem divulgando a necessidade de salvaguardar os bens para transmissão às gerações futuras - preservação, consubstanciada no sentido emprestado de ato social ligado à questão das identidades, mas cuja face real é a prática do poder simbólico.<hr/>The article presents a part of the research "Terms and Concepts of Museology", subject of Specialty Language, addressing the theory and practice that represent an area of knowledge, and which is expressed by the scientific communication (context of information/communication). In historical perspective, focuses on the intertwining Museology-Museum and Heritage from the training grounds of the Museum, museological field, and Heritage. Highlights processes of institutionalization of cultural objects (symbolic goods), namely Patrimonialization and Musealization, and its constructed meanings, over time, legitimizing the actions of 'ownership' of cultural bodies. The theoretical support has involved theoretical studies of Museology, communicative theory of terminology, socioterminology, economic theory of fields and symbolic power, Law, and Information Science. The objectives included analyzing the dynamics of creation, redefinition, change of terms/concepts, with results that provide subsidies for documentary language. The methodology developed comparative analysis of sources relating to representations and practices of the museological, heritage and terminological scenarios. The results showed one common basis for interaction between Museology and Heritage: the image publicizing the need to safeguard the assets for transmission to future generations - preservation, embodied in the sense borrowed from social act on the issue of identity, but whose real face is the practice of symbolic power. <![CDATA[<b>Is the ethnographic object indomitable? Some thoughts on new meanings and analysis</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222012000100005&lng=es&nrm=iso&tlng=es Determinados artefatos depositados em museus são conhecidos como objetos etnográficos. Representam importantes fontes de consulta para um amplo leque de estudos interpretativos na área das ciências humanas: cultura material, tecnologias tradicionais, antropologia da arte, etno-história e história da arte, processos migratórios, trocas e apropriações culturais como resultado das situações de contato. Cabe, então, perguntar por que as reservas técnicas dos museus etnográficos não estão abarrotadas de pesquisadores debruçados sobre tais fontes de informação? A irredutibilidade mesma do objeto etnográfico pode constituir um empecilho, mas o que mais pode ser dito? O artigo pretende enfocar o objeto etnográfico e o estudo de coleções etnográficas, nem tanto formulando novos conceitos, mas transladando sentidos e interpretações que contribuem para a redefinição dessa classe de objetos. A partir dessa discussão e com objetivos exploratórios, são abordadas as potencialidades do estudo de coleções etnográficas no contexto das redes de troca ameríndias.<hr/>Certain artifacts placed in museums are known as ethnographic objects. They represent important sources of advice to a wide range of interpretive studies in the field of human sciences: material culture, traditional technologies, anthropology, art, art history and ethnohistory, migratory processes, cultural exchanges, and appropriations as a result of contact situations. It should then ask why the technical reserves of ethnographic museums are not crowded with researchers poring over such sources of information? The irreducibility of the same ethnographic objects can be an impediment, but what else can be said? The article intends to focus the ethnographic object and the study of ethnographic collections, not properly formulating new concepts, but transposing the meanings and interactions that contributed to the redefinition of this class of objects. From this discussion, areas for explorations are addressed to study the potential of ethnographic collections in the context of Amerindian exchange networks. <![CDATA[<b>The art museum facing the memory challenge</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222012000100006&lng=es&nrm=iso&tlng=es Os museus surgiram como síntese representativa de uma realidade, impondo questões sobre a preservação das memórias inerentes à função e à simbologia dos objetos. No caso dos museus de arte, o objetivo era constituir um repositório patrimonial que contribuísse para a criação de uma identidade cultural, pelo que os objetos eram avaliados sobretudo em função da excelência dos seus parâmetros estéticos, em detrimento de outras significações; também a historiografia da arte privilegiava os aspectos formais, estabelecendo atribuições e estilos. Essas circunstâncias determinaram a descontextualização do objeto no espaço museológico. Porém, a partir de meados do século XX, os estudos sobre o público, enquanto entidade plural e diversificada, e os debates teóricos em torno da significação do objeto contribuíram para uma redefinição do discurso museológico. O museu passou a compensar as perdas inerentes ao processo de musealização por meio de um conjunto de procedimentos e ferramentas que recontextualizam os significados do objeto nas suas múltiplas valências. Entre ambos os vetores, de descontextualização e de recontextualização, o museu desafia a nossa memória pessoal e coletiva.<hr/>Museums have emerged as a representative synthesis of a reality, so a question rises about the preservation of the memories inherent to the functional and symbolic objects. In the particular case of art museums, the goal was to build a heritage repository which would contribute to the creation of a cultural identity. So, the objects were mainly evaluated in terms of aesthetic excellence of its parameters, to the detriment of other meanings. On the other hand, also the historiography of art favored formal aspects, establishing authorities and styles. These circumstances determined the decontextualization of the object in the museum. In return, from mid-twentieth century onwards, the studies of the public, as a plural and diversified entity, and the theoretical debates around the meaning of the object, contributed to a redefinition of the museological speech. The museum had to offset losses due to the musealisation through a set of procedures and tools that recontextualize the meanings of the object in their multiple valences. Between the two vectors, decontextualization and recontextualization, the museum challenges our personal and collective memory. <![CDATA[<b>Museology and heritage in contemporary cities</b>: <b>a thesis on city management from the perspective of culture and memory preservation</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222012000100007&lng=es&nrm=iso&tlng=es Essencialmente consideradas como um espaço para viver, as cidades contemporâneas são complexos territórios onde a memória e o patrimônio não têm efetiva função representativa. O objetivo principal deste trabalho é analisar o surgimento do conceito de 'saúde cultural', suportado pela relação entre museologia, patrimônio e cidadania. A pesquisa foi baseada na experiência de campo e em estudos de memória de adultos e idosos que vivem em áreas urbanas, onde eles podem observar o significado simbólico dos monumentos e de objetos similares nas cidades-museus e nas paisagens culturais. A maneira com que os museus e monumentos estão inseridos na sociedade civil e seu poder de produzir códigos e valores culturais fazem deles parte integrante do processo de promoção das identidades e da cidadania. Além disso, esse processo pode melhorar a saúde cultural, a autoestima e a qualidade de interação social. Esses elementos são indispensáveis à construção de cidades saudáveis.<hr/>Essentialy considered a space to live, the contemporary cities are complexes territories where memory and heritage have no effective representative function. The main objective of this paper is to analyze the emergence of the 'cultural health', a new concept supported by the relationship between museology, heritage and citizenship. The research was based on fieldwork experience and on memory studies of adults and elderly people that live in urban areas, where they can observe the symbolic meaning of the monuments and similars objects within the museum cities and the cultural landscapes. The way that museums and monuments are inserted in civil society and their power to produce values and cultural codes make them part of the process to promote identities and citizenship. Also, this process can improve the cultural health, the self-esteem and the quality of social interaction. These elements are essential for the building of healthy cities. <![CDATA[<b>Museology</b><b> and heritage</b>: <b>agreements</b><b> and disagreements</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222012000100008&lng=es&nrm=iso&tlng=es Ao direcionarmos o olhar para as décadas de 1920 e 1930, podemos verificar os diferentes projetos, apresentados por parte da intelectualidade brasileira, para a área do patrimônio e dos museus. Esta assertiva poder ser confirmada por meio da análise dos diversos projetos e anteprojetos que buscavam normalizá-la. Nesse período, é posta em curso a ideia da construção de um Estado onde as elites têm papel de destaque no encaminhamento da questão política e cultural. Assim, são criados importantes instituições e órgãos, tais como o Museu Histórico Nacional (1922), o Curso de Museus (1932) e a Inspetoria de Monumentos Nacionais (1934). Tanto o Curso de Museus como a Inspetoria de Monumentos Nacionais são considerados marcos. O primeiro na institucionalização da Museologia e dos estudos de museus no Brasil. O segundo foi um dos principais antecedentes do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (SPHAN), atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), criado em 1937. O presente artigo pretende lançar luzes nessa discussão ao analisar e problematizar o papel desempenhado por diferentes atores no processo de formação e configuração das áreas da Museologia e do Patrimônio, enfatizando as convergências e divergências existentes em suas trajetórias.<hr/>By directing our gaze to the 20s and 30s of last century, we can verify the different projects presented by Brazilian intellectuals to the areas of heritage and museums. This assertion can be confirmed through analysis of various projects and draft bills that sought to regulate both. During this period puts into practice the idea of ​​building a state where the elites have a prominent role in the delivery of cultural and political issue. In this context the following institutions are created: the National History Museum (1922), Course of Museums (1932) and National Monuments Inspectorate (1934). Both the course of Museums such as the National Monuments Inspectorate, are considered landmarks. The first in the institutionalization of museology and museum studies in Brazil. The second was a main background of the Department of Historical and Artistic Heritage (SPHAN) Current IPHAN, created in 1937. This article aims to examine and discuss the role played by different actors in the process of formation and configuration of these two areas, museums and heritage, emphasizing aspects of convergence and divergence in their paths. <![CDATA[<b>Symbolic courses of cultural objects</b>: <b>collecting, exhibition and the counter metaphor</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222012000100009&lng=es&nrm=iso&tlng=es Com base em conceitos relacionados ao consumo, à cadeia produtiva (contexto de produção/produto, circulação, consumo) e à discursividade, são analisados aspectos do percurso simbólico de um objeto, desde seu contexto de produção, passando pela musealização, até sua apropriação por um consumidor. Neste percurso, tratamos de noções como valor de uso/valor de troca, que se referem aos diferentes investimentos simbólicos feitos em objetos filiados a diversas redes discursivas. São enfocados diferentes referenciais culturais presentes no manejo do patrimônio, especialmente no que concerne à produção e apresentação museográfica do objeto dirigida ao consumidor, entendendo que, nessa forma de produção e circulação cultural, atuam processos discursivos de ressignificação. Assim, importam as relações que se estabelecem entre um objeto cultural, o produtor, o mediador e o consumidor; bem como o modo pelo qual o objeto sofre interferências ao ser ressignificado. Adota-se o pressuposto segundo o qual as referências culturais do objeto musealizado são discursivamente afetadas ao longo da cadeia que vai do contexto cultural de sua produção ao consumidor. Para fins de análise, é enfocada, principalmente, a exposição "A ciência dos Mebêngôkre: alternativas contra a destruição", versão de 1989, particularmente no que se refere à tradução do sistema de conhecimento Kayapó para uma linguagem acadêmica.<hr/>Based on concepts related to consumption, productive chain (production context, product, circulation, consumption), and discursivity, we propose to analyze various aspects of the symbolic path an object goes through since its context of production, its musealization until its appropriation by a consumer. In this passage, we deal with some notions such as value of use/value of exchange which refer to different symbolic investments made on objects affiliated to various discursive networks. We focus on different cultural frames present in the management of heritage, with especial regard to the museographic production and presentation of the object towards a consumer, taking into account that, in this kind of cultural production and circulation, several discursive processes of re-signification take place. Thus, what matter are the relations established among a cultural object, the producer, the mediator and the consumer; as well as how the object suffers some discursive modalization when it's re-signified. We assume that musealized object's cultural references are modified throughout the chain that runs from its cultural context of production until the consumer. For the purposes of this analysis, we primarily focus the exhibition "The Mebêngôkre's science: alternatives to destruction", version of 1989, particularly concerning the translation of the Kayapó knowledge system into academic language. <![CDATA[<b>The amerindian perspectivism and the idea of an american aesthetics</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222012000100010&lng=es&nrm=iso&tlng=es O artigo discute a ideia de existência de uma estética pré-colonial própria do território americano, tendo por base a ampla distribuição geográfica de um mesmo fundo cosmológico, cuja expressão material seria as diversas classes de objetos arqueológicos envolvidos na ação ritual. O conceito que orienta esta discussão é o perspectivismo ameríndio. Formulado originalmente para dar conta da singularidade do pensamento indígena amazônico, abordando as relações simbólicas entre os homens e outros seres, este conceito, que possui uma amplitude pan-americana, é reconhecível não só a partir das etnografias, dos mitos, mas também por meio das representações presentes na iconografia dos artefatos revelados pela Arqueologia, sobretudo aqueles que exibem corpos em estado de transformação. Vistas como parte de sistemas de pensamento e organização social, as representações artísticas contidas em objetos pré-coloniais amazônicos, andinos e da costa noroeste da América do Norte indicam uma unidade mitológica e cosmológica do mundo ameríndio, que ultrapassa distintas morfologias sociais e estruturas políticas.<hr/>The article discusses the idea of the existence of a pre-colonial aesthetics of the American territory, based on the great geographic distribution of a same cosmological substrate. Its material expression would be the different classes of archaeological objects involved in ritual. The concept that guides this discussion is the Amerindian perspectivism. Originally formulated to deal with the singularity of the Amazonian indigenous thought, working on the symbolic relationship between the humanity and other beings, this concept with a Pan-American distribution is recognized by the ethnographies, the myths, and the representations in the iconography of artifacts revealed by Archaeology, particularly those that shows bodies in the state of transformation. These artistic representations of Amazonian, Andean and the North American Northwestern Coast pre-colonial objects are considered part of the systems of thought and social organization. They make it possible to recognize a mythological and cosmological unity in Amerindian world that goes beyond social morphologies and political structures. <![CDATA[<b>La metáfora como principio estético en el arte prehispánico del noroeste argentino</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222012000100011&lng=es&nrm=iso&tlng=es En el presente trabajo se plantean una serie de hipótesis respecto a la metáfora como principio estético que rige el funcionamiento simbólico de un tipo específico de piezas que corresponden al Período Medio del noroeste argentino (400-900 d.C.). Consideramos que el funcionamiento metafórico no se restringe a la configuración icónica sino a la experiencia que se tiene de los objetos en determinados contextos. Se analiza el caso de procesos metafóricos que involucran la relación hombre-felinos en objetos poco trabajados hasta el presente y de los que se conservan pocos ejemplares: se trata de vasos de piedra y de un mango de hacha de madera, que por sus características suponemos que eran utilizados en rituales en los que los hombres se sacralizaban en función del poder político religioso.<hr/>The paper proposes a series of hypothesis about metaphor as an aesthetic principle that underlies the symbolic functioning of a specific kind of objects during the Middle Period of the Argentine Northwest (400-900 B.C.). It is considered that metaphors exist not only in the iconic configuration but in the way that the objects are perceived in certain contexts. In this sense, the metaphor is constructed throughout the ritual while the object is being experienced. Metaphoric processes that involve the relation between man and feline are analyzed in very few objects that have not been deeply studied yet: stone vases and a wood ax handle. These objects might have been used in rituals in which men became sacred depending on the politic and religious authority. <![CDATA[<b>Cuckoos, ants, bees and the evolution of instincts</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222012000100012&lng=es&nrm=iso&tlng=es Neste artigo, abordo o capítulo VII de "A Origem das Espécies" (Instinto), no qual Charles Darwin efetua uma aplicação da teoria da evolução por seleção natural ao domínio dos instintos, inaugurando a análise biológica do comportamento. Darwin pretendeu mostrar a possibilidade de uma evolução gradual no caso de exemplos complexos como o parasitismo de ninhada do cuco, o hábito escravagista de formigas e a construção das células do favo de abelhas melíferas. Atribuiu ao comportamento um caráter funcional, comparou espécies próximas para reconstituir etapas evolucionárias, colocou os cálculos de custo e benefício e de otimização subjacentes à seleção do comportamento, indicou aspectos de competição entre espécies e de manipulação de umas por outras, e utilizou o pensamento da seleção de grupo para dar conta da presença de indivíduos estéreis em insetos eusociais. Mais do que soluções e resultados, Darwin traz, no capítulo Instinto, argumentos e uma proposta paradigmática para a análise dos comportamentos típicos da espécie, verdadeiro ponto de partida para as abordagens atuais da etologia e da ecologia comportamental.<hr/>In this paper, I examine Chapter VII of "The Origin of Species" (Instinct), in which Charles Darwin applies evolutionary theory by natural selection to the instinct domain and lays the foundations of a biological analysis of behavior. Darwin intended to show the possibility of gradual evolution in the case of complex behaviors such as brood parasitism in cuckoos, slave-making habits in ants and geometrical cell building in honey bees. Darwin attributed functional value to behavioral characters, used the comparision of related species' behavior as a way to infer evolutionary stages, gave cost-and-benefit and optimization processes a role as selection criteria, took into account aspects of behavioral competition and manipulation and gave a group selection approach to the question of sterile castes of eusocial insects. More than results and solutions, Darwin offered, in his chapter about Instinct, a paradigm for the analysis of species typical behaviors, a true starting point for modern approaches such as ethology and behavioral ecology. <![CDATA[<b>Documents for the history of the oldest Brazilian zoological park</b>: <b>the Goeldi Museum zoobotanical park</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222012000100013&lng=es&nrm=iso&tlng=es O trabalho contextualiza a criação do Parque Zoobotânico do Museu Paraense Emílio Goeldi, em Belém (PA), no ano de 1895, considerado o mais antigo zoológico brasileiro. Apresenta duas raras fontes históricas sobre o Parque, um artigo de 1897 do zoólogo alemão Hermann Meerwarth (1870-1943), Auxiliar Científico de Zoologia e Inspetor do Jardim Zoológico do Museu Goeldi entre agosto de 1895 e abril de 1899; e um livro de 1901 do zoólogo suíço Gottfried Hagmann (1874-1946), que ocupou os mesmos cargos entre novembro de 1899 e meados de 1904. Ambos os textos são relatórios técnicos originalmente publicados em alemão, foram traduzidos para o português e atualizados do ponto de vista taxonômico. Eles permitem não apenas a realização de estudos sobre o Parque Zoobotânico do Museu Goeldi, como também sobre os jardins zoológicos em geral, além de leituras específicas nas áreas de história da ciência, história ambiental, museologia, arquitetura, educação ambiental e comunicação científica.<hr/>The paper contextualizes the creation of the Goeldi Museum Zoobotanical Park, in Belém, State of Pará, in 1895, considered the oldest zoo in Brazil. It features two rare historical sources on the Park, a 1897 article by the German zoologist Hermann Meerwarth (1870-1943), Scientific Assistant of Zoology and Inspector of the Goeldi Museum's Zoo between August 1895 and April 1899; and a 1901 book of the Swiss zoologist Gottfried Hagmann (1874-1946), who held the same positions between November 1899 and mid 1904. Both texts are technical reports originally published in German, were translated into Portuguese and updated in a taxonomic viewpoint. They allow not only studies on the Goeldi Museum Zoobotanical Park, as well as about zoos in general, and specific readings in the areas of history of science, environmental history, museology, architecture, environmental education and science communication. <![CDATA[<b>Da freguesia de Ossela ao seringal Paraíso</b>: <b>a trajetória de um jovem imigrante português no mundo da borracha amazônica</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222012000100014&lng=es&nrm=iso&tlng=es O trabalho contextualiza a criação do Parque Zoobotânico do Museu Paraense Emílio Goeldi, em Belém (PA), no ano de 1895, considerado o mais antigo zoológico brasileiro. Apresenta duas raras fontes históricas sobre o Parque, um artigo de 1897 do zoólogo alemão Hermann Meerwarth (1870-1943), Auxiliar Científico de Zoologia e Inspetor do Jardim Zoológico do Museu Goeldi entre agosto de 1895 e abril de 1899; e um livro de 1901 do zoólogo suíço Gottfried Hagmann (1874-1946), que ocupou os mesmos cargos entre novembro de 1899 e meados de 1904. Ambos os textos são relatórios técnicos originalmente publicados em alemão, foram traduzidos para o português e atualizados do ponto de vista taxonômico. Eles permitem não apenas a realização de estudos sobre o Parque Zoobotânico do Museu Goeldi, como também sobre os jardins zoológicos em geral, além de leituras específicas nas áreas de história da ciência, história ambiental, museologia, arquitetura, educação ambiental e comunicação científica.<hr/>The paper contextualizes the creation of the Goeldi Museum Zoobotanical Park, in Belém, State of Pará, in 1895, considered the oldest zoo in Brazil. It features two rare historical sources on the Park, a 1897 article by the German zoologist Hermann Meerwarth (1870-1943), Scientific Assistant of Zoology and Inspector of the Goeldi Museum's Zoo between August 1895 and April 1899; and a 1901 book of the Swiss zoologist Gottfried Hagmann (1874-1946), who held the same positions between November 1899 and mid 1904. Both texts are technical reports originally published in German, were translated into Portuguese and updated in a taxonomic viewpoint. They allow not only studies on the Goeldi Museum Zoobotanical Park, as well as about zoos in general, and specific readings in the areas of history of science, environmental history, museology, architecture, environmental education and science communication. <![CDATA[<b>Under</b><b> the sign of modern cultivation</b>: <b>imperial state and agriculture in the Amazon</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222012000100015&lng=es&nrm=iso&tlng=es O trabalho contextualiza a criação do Parque Zoobotânico do Museu Paraense Emílio Goeldi, em Belém (PA), no ano de 1895, considerado o mais antigo zoológico brasileiro. Apresenta duas raras fontes históricas sobre o Parque, um artigo de 1897 do zoólogo alemão Hermann Meerwarth (1870-1943), Auxiliar Científico de Zoologia e Inspetor do Jardim Zoológico do Museu Goeldi entre agosto de 1895 e abril de 1899; e um livro de 1901 do zoólogo suíço Gottfried Hagmann (1874-1946), que ocupou os mesmos cargos entre novembro de 1899 e meados de 1904. Ambos os textos são relatórios técnicos originalmente publicados em alemão, foram traduzidos para o português e atualizados do ponto de vista taxonômico. Eles permitem não apenas a realização de estudos sobre o Parque Zoobotânico do Museu Goeldi, como também sobre os jardins zoológicos em geral, além de leituras específicas nas áreas de história da ciência, história ambiental, museologia, arquitetura, educação ambiental e comunicação científica.<hr/>The paper contextualizes the creation of the Goeldi Museum Zoobotanical Park, in Belém, State of Pará, in 1895, considered the oldest zoo in Brazil. It features two rare historical sources on the Park, a 1897 article by the German zoologist Hermann Meerwarth (1870-1943), Scientific Assistant of Zoology and Inspector of the Goeldi Museum's Zoo between August 1895 and April 1899; and a 1901 book of the Swiss zoologist Gottfried Hagmann (1874-1946), who held the same positions between November 1899 and mid 1904. Both texts are technical reports originally published in German, were translated into Portuguese and updated in a taxonomic viewpoint. They allow not only studies on the Goeldi Museum Zoobotanical Park, as well as about zoos in general, and specific readings in the areas of history of science, environmental history, museology, architecture, environmental education and science communication. <![CDATA[Bases para o espírito: Ferreira Penna, ciência e educação na província do Grão-Pará (1866-1891)]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222012000100016&lng=es&nrm=iso&tlng=es O trabalho contextualiza a criação do Parque Zoobotânico do Museu Paraense Emílio Goeldi, em Belém (PA), no ano de 1895, considerado o mais antigo zoológico brasileiro. Apresenta duas raras fontes históricas sobre o Parque, um artigo de 1897 do zoólogo alemão Hermann Meerwarth (1870-1943), Auxiliar Científico de Zoologia e Inspetor do Jardim Zoológico do Museu Goeldi entre agosto de 1895 e abril de 1899; e um livro de 1901 do zoólogo suíço Gottfried Hagmann (1874-1946), que ocupou os mesmos cargos entre novembro de 1899 e meados de 1904. Ambos os textos são relatórios técnicos originalmente publicados em alemão, foram traduzidos para o português e atualizados do ponto de vista taxonômico. Eles permitem não apenas a realização de estudos sobre o Parque Zoobotânico do Museu Goeldi, como também sobre os jardins zoológicos em geral, além de leituras específicas nas áreas de história da ciência, história ambiental, museologia, arquitetura, educação ambiental e comunicação científica.<hr/>The paper contextualizes the creation of the Goeldi Museum Zoobotanical Park, in Belém, State of Pará, in 1895, considered the oldest zoo in Brazil. It features two rare historical sources on the Park, a 1897 article by the German zoologist Hermann Meerwarth (1870-1943), Scientific Assistant of Zoology and Inspector of the Goeldi Museum's Zoo between August 1895 and April 1899; and a 1901 book of the Swiss zoologist Gottfried Hagmann (1874-1946), who held the same positions between November 1899 and mid 1904. Both texts are technical reports originally published in German, were translated into Portuguese and updated in a taxonomic viewpoint. They allow not only studies on the Goeldi Museum Zoobotanical Park, as well as about zoos in general, and specific readings in the areas of history of science, environmental history, museology, architecture, environmental education and science communication.