Scielo RSS <![CDATA[Galáxia (São Paulo)]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=1982-255320160001&lang=pt vol. num. 31 lang. pt <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[A arte do corpo relacional: do espelho-tátil ao corpo virtual]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-25532016000100005&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo Os neurônios-espelho são neurônios especializados, capazes de ecoar no corpo de alguém movimentos percebidos no corpo de outra pessoa, através de algo que se assemelha a uma empatia sinestésica involuntária. A descoberta desses neurônios provocou uma reavaliação de grande envergadura, a respeito do papel da empatia e das relações Eu-Outro na construção do sentido do self nas ciências cognitivas, artes e ciências humanas. A sinestesia espelho-tátil (quando a percepção de um toque no corpo de outra pessoa induz naquele que a observou a sensação de ter sido tocado da mesma maneira) é uma das formas que essa “empatia” assume. Este artigo toma a sinestesia espelho-tátil como um ponto de partida para a reconsideração do conceito de sinestesia como um todo, e particularmente sua relação com a empatia, e por sua vez, a relação da empatia com o movimento. Argumentamos que o vocabulário costumeiramente utilizado para analisar essas questões – identificação, imagem do corpo, defeito, ou “confusão” no esquema espacial do corpo – estão desgastados por um viés cognitivista, que carrega consigo pressuposições que eclipsam a complexidade da organização emergente da experiência. Para corrigir os rumos, faz-se necessária uma reorganização filosófica. Este artigo busca encaminhar esse projeto com o auxílio da filosofia orientada ao processo de C.S. Peirce, Henri Bergson e A.N. Whitehead, propondo um quadro conceitual centrado na noção de “corpo virtual”, composto pela inclusão integral mútua das qualidades potenciais da experiência, seletivamente “compostas” no movimento. A ênfase na auto-composição performativa da experiência envolve a substituição do atual modelo de cognição em favor de um modelo fundamentalmente estético.<hr/>Abstract Mirror neurons are specialized neurons which echo the movements perceived in another's body in incipient movements in one's own body, in a kind of involuntary kinesthetic empathy. Their discovery has given rise to a far-reaching reassessment in cognitive science, the arts, and the humanities of the role of empathy and the self-other relation in the constitution of the sense of self. Mirror-touch synesthesia (when a perceived touch to another's body elicits in the perceiver the sensation of being similarly touched) is one of the forms this "empathy" takes. This article takes mirror-touch synesthesia as a jumping-off point to reconsider synesthesia as a whole, and in particular its relation to empathy, and the relation of empathy to movement. It is argued that the usual vocabulary used to analyze these issues -- identification, body image, defect or "confusion" in the body's spatial schema -- are vitiated by a cognitivist bias which carries presuppositions that obscure the complexity of the emergent organization of experience. A philosophical rethinking is necessary as a corrective. The article undertakes this project with the aid of process-oriented philosophers C.S. Peirce, Henri Bergson, and A.N. Whitehead, proposing a framework centering on the notion of a "virtual body" composed of the integral mutual inclusion of potential qualities of experience which are selectively "composed" in movement. The emphasis on the performative self-composition of experience involves replacing the prevailing model of cognition with a fundamentally aesthetic model. <![CDATA[Por uma pragmática da inutilidade, ou o valor do inframince]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-25532016000100022&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo Duchamp descreve o inframince2 como “o mais ínfimo dos intervalos, ou a mínima das diferenças” (DUCHAMP apud PERLOFF, 2002, p. 101). Tomando o trabalho e a proposição de Duchamp no sentido de que o inframince não pode ser descrito como tal – “dele só é possível dar exemplos” (DUCHAMP apud DE DUVE, 1991, p. 160) –, este artigo explora como ele chega à expressão e pergunta como seria uma política do inframince. Ponto chave dessa exploração é saber de que outra forma pode o valor ser definido e como repensar esse conceito compõe com a noção de pragmática especulativa.<hr/>Abstract Marcel Duchamp describes the infrathin as “the most minute of intervals, or the slightest of differences” (DUCHAMP apud PERLOFF, 2002, p. 101). Working through Duchamp’s proposition, and taking him at his work that the infrathin cannot be defined as such – “One can only give examples of it” (DUCHAMP apud DE DUVE, 1991, p. 160) – this paper explores how the infrathin comes to expression and asks what a politics of the infrathin might look like. Key to the exploration is the question of how else value can be defined and how this rethinking of the concept of value might compose with the concept of a pragmatics of the useless. <![CDATA[Eduardo Coutinho, linguista selvagem do documentário brasileiro]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-25532016000100041&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo Dos seus documentários em locações reais aos filmados em ambientes fechados, o cineasta Eduardo Coutinho investigou incansavelmente os modos de falar de seus personagens, suas “invenções verbais”, suas possibilidades de fabular, captando nesse movimento a complexidade e as modulações da língua portuguesa de camadas diversas da população brasileira. Este artigo revê essa dimensão fundamental do cinema de Coutinho à luz de Últimas conversas (2015), documentário editado postumamente por Jordana Berg, concluído por João Salles, a partir do material audiovisual daquele que seria o último filme do diretor. Em continuidade com essas preocupações, Eduardo Coutinho expressa em Últimas conversas um desejo de filmar crianças, por identificar nelas um momento originário da experiência da linguagem, em que palavras e sentidos ainda não estão cristalizados.<hr/>Abstract The filmmaker Eduardo Coutinho inquired tirelessly the way his characters talk, their “verbal inventions” and possibilities of fabulation, grasping in this movement the complexities and modulations of Portuguese language used by several segments of the Brazilian population, present in his documentaries filmed both at open-air and studio locations. This article reviews that fundamental dimension of Coutinho’s filmwork in the light of Últimas Conversas (2015), posthumously edited by Jordana Berg, and concluded by João Salles, working from the director’s unfinished materials. Going further in his concerns about cinema, Coutinho utters in his last film the desire for recording children, identifying in them an originary moment in which words and meanings are not yet fully crystallized. <![CDATA[Entre agora e outrora: a escrita da história no cinema de Eduardo Coutinho]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-25532016000100054&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo A cinematografia contemporânea de Eduardo Coutinho é marcada pela centralidade da entrevista como forma dramática e pelo registro do encontro presente entre o diretor e os sujeitos filmados. “Arte do presente”, na expressão de Consuelo Lins (2002), esse cinema abriga, entretanto, um projeto mais raro, mas muito denso, de escrita da história. Propomos investigá-lo a partir do cotejo entre dois documentários separados por 20 anos – Cabra marcado para morrer (1984) e Peões (2004). Eles nos permitem, em suas semelhanças e diferenças, observar as iluminações recíprocas (entre passado e presente) ensejadas pela diacronia de Coutinho, que em nossa hipótese elabora “o presente como história” (YSHAGPOUR, 2000, p. 110).<hr/>Abstract Eduardo Coutinho’s contemporary cinema is marked by the interview as a dramatic form, as well as the register of the ongoing encounter between the director and his interviewees. However, this “art of the present”, as called by Consuelo Lins, implies a rarer, denser history-writing project. This paper explores this dimension of his work by comparing two films that are 20 years apart in their making: Twenty years later (1984) and Metalworkers(2004). Their similarities and differences allow us to note, between past and present, mutual insights that Coutinho’s diachronic gesture brings about, which hypothetically constitutes “the present as history”. <![CDATA[Faces do comum na comunicação: da partilha à disjunção]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-25532016000100066&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo Uma definição recorrente de comunicação invoca a raiz etimológica do termo, que, de procedência no latim, designa uma atividade realizada conjuntamente, proveniente de uma situação de encontro social. Esse sentido originário da palavra se difundiu em uma parcela significativa dos estudos da área, indicando que a comunicação seria produto de uma ação em comum. Nesse artigo, as implicações dessa forma de apreensão das práticas interacionais serão contrastadas com outra maneira de perceber a partilha inerente à comunicação, acionada através de uma fonte etimológica distinta, ligada à disjunção e aos riscos e entraves que permeiam os processos de coordenação conjunta de ações. Argumenta-se que essa abordagem pode enriquecer uma visada crítica no âmbito dos estudos em Comunicação.<hr/>Abstract A recurrent definition of communication relies on the etymological root of the term, whose origin in Latin means an activity accomplished together, from a situation of social meeting. This original meaning of the word has spread in a significant parcel of studies in this area, indicating that communication would be the product of a common action. In this paper, the implications of this form of grasping the interactional practices will be contrasted with another way to realize the sharing inherent in communication, driven by a distinct etymological root, linked to the disjunction and to the risks and obstacles that permeate the processes of joint coordination of actions. It is argued that this approach can enrich a critical perception in the field of communication studies. <![CDATA[O idadismo como viés cultural: refletindo sobre a produção de sentidos para a velhice em nossos dias]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-25532016000100079&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo Este trabalho propõe uma reflexão sobre o tema da velhice no enquadramento das mídias audiovisuais, especialmente o cinema. Muitas vezes acionado no inconsciente, o idadismo é o preconceito baseado na idade que ocasiona diferentes formas de discriminação. Essa forma de opressão emerge como problemática das relações entre velhice e subjetividade. A Comunicação diz respeito à vinculação social em um contexto de renhidas disputas em torno da produção de significados. Nessa reflexão sobre a construção sociocultural da velhice como desprezível e sobre o ostracismo dos mais velhos no contemporâneo, apostase na capacidade de resistir aos padrões vigentes e de inventar outros modos de ser, viver e valorizar a vida na maturidade.<hr/>Abstract This paper aims to reflect upon the topic of ageing from the standpoint of audio-visual media, especially the cinema. Very often triggered unconsciously, ageism is a type of prejudice that renders social discrimination based on a person’s age. This form of oppression takes part in the social debate concerning ageing and the formation of subjectivities. Communication fosters social bonding in a context of fierce struggles around the production of meanings. By reflecting upon the social construction of older age as despicable and older people as social outcasts, we bet on our capacity to resist ongoing trends and invent alternative modes of being, living and cherishing longer life. <![CDATA[Narrar o outro: notas sobre a centralidade do testemunho para as narrativas jornalísticas]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-25532016000100092&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo Em sua dimensão contemporânea, o testemunho assume lugar central para as narrativas midiáticas, particularmente para o jornalismo. Este artigo propõe uma discussão em torno da narrativa de teor testemunhal em relatos jornalísticos que se insurgem pelo viés da subjetividade e dos afetos, contrariando a lógica de uma imprensa hegemônica pautada pela objetividade. Toma como ponto de partida uma reportagem onde a jornalista testemunha a morte da sua entrevistada. Essa narrativa nos permite elaborar pistas para pensar acerca do papel do testemunho e seus limites, reconhecendo que, quando valorizado no percurso da narrativa não apenas como procedimento de uma rotina jornalística mas enquanto experiência vivida e narrada, pode oferecer uma chave para colocar sujeitos em relação.<hr/>Abstract In its contemporary dimension, the testimony assumes a central place for media narratives, particularly for journalism. This paper proposes a discussion about the testimonial narrative in journalistic accounts that emerges from the perspective of subjectivity and affections, against the hegemonic logic of a kind of media marked by objectivity. Its starting point is an article where a journalist witnesses the death of his interviewee. This sort of narrative allows us to elaborate clues to think the role of testimonies and its limits, recognizing that, if considered in the narrative flow, not only as a journalistic routine procedure but also as a lived, narrated experience, it could offer a key to putting individuals into a relationship. <![CDATA[Modalidades e derivações da comunicação no mundo da vida: sentidos, experiência e interação]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-25532016000100105&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo Este trabalho delineia algumas perspectivas do conceito de comunicação a partir da noção fenomenológica de “mundo da vida”, procurando destacar sua natureza ontologicamente comunicacional deste último. A partir de uma discussão teórico-crítica dos conceitos, busca-se indicar algumas articulações possíveis. O argumento se desdobra em três principais direções: (1) são discutidos alguns aspectos do conceito de “mundo da vida”, sublinhando seu aspecto relacional-comunicativo; (2) a partir daí, destaca-se o conceito de “comunicação” pautado nessa noção fenomenológica e (3) são delineadas algumas das relações entre essa abordagem fenomenológica e alguns aspectos do pensamento comunicacional. Finalmente, são discutidos alguns problemas e limites dessa perspectiva de formulação de um conceito de comunicação.<hr/>Abstract This paper addresses some phenomenological frames to the concept of ‘communication’, drawing mainly on the notion “life-world”, and highlighting the later’s ontology as a communication-grounded idea. The goal is to draw some articulations between them to the study of Communication from a theoretical and critical point of view. The argument is three-folded: (1) it presents and discusses the concept of ‘life-world’, stating its relational and communicative aspects; (2) it discusses a concept of ‘communication’ grounded on this phenomenological notion; (3) it draws some relationships between this phenomenological approach and some existing communication theories. Finally, it discusses some problems and limits of this approach. <![CDATA[Numa cama, numa greve, numa festa, numa revolução: notas sobre materialidades de uma experiência estética]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-25532016000100117&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo Este artigo aborda o filme A Idade da Terra (Glauber Rocha, 1980), segundo uma abordagem teórico-metodológica que destaca as materialidades da imagem e do som. Existem aqui dois gestos: um de caráter analítico, que tenta efetuar um contato material com a obra destacada; e um segundo gesto, de tonalidade conceitual, que consiste em situar a discussão sobre as materialidades dos objetos da comunicação. No caminho por essa pesquisa de conceitos, encontramos uma vinculação fundamental entre a dimensão temporal das formas e a materialidade da experiência estética.<hr/>Abstract This paper discusses the film A idade da terra (Glauber Rocha, 1980), according to a theoretical-methodological approach that highlights the materiality of picture and sound. There are two gestures here: an analytical gesture, which tries to establish a material contact to the film in question; and the other one, of conceptual tone, which consists in situating the debate on the materiality of communication objects. Through the path of this research for concepts, we have found a fundamental bind between the temporal dimension of forms and the materiality of the aesthetic experience. <![CDATA[Remitologização contemporânea: a (re)conciliação da ciência e da magia em “Guerra nas Estrelas”]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-25532016000100130&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo Gilbert Durand identificou um processo de retorno do mito a um primeiro plano cultural no Ocidente. A popularidade de algumas produções cinematográficas e televisivas nas últimas décadas parece confirmar que essa remitologização está em andamento e alcançou novos patamares em uma era em que a linguagem audiovisual se sobrepõe. Fundamentado no conceito durandiano de imaginário como trajeto antropológico, este artigo analisa como a série “Guerra nas Estrelas” tem contribuído para essa remitologização contemporânea. A tese aqui explorada é de que ao fazer a atualização de mitos e arquétipos fundadores para construir sua própria mitologia, “Guerra nas Estrelas” reconcilia elementos científico-tecnológicos, que ocuparam progressivamente o imaginário ocidental desde o Iluminismo, com os elementos do fantástico e do mágico, que foram relegados a um segundo plano e desvalorizados desde então.<hr/>Abstract Gilbert Durand has identified that there is a process of return of the myths to a first cultural plan in the West, at least since the late 19th century. The popularity of some film and television productions released over the last four decades seems to confirm that this remythologizing process is not only underway but has already reached new levels in an era in which audiovisual media are in evidence. Based in Durand’s concept of imaginary, seen as an anthropological path, this article analyzes how the film series “Star Wars” has contributed to this contemporary remythologizing process. The thesis hence explored is that, by upgrading the founding myths and archetypes in order to build its own mythology, “Star Wars” has tied up again some scientific-technological elements, which gradually took part in the Western imaginary since the Age of Enlightenment, with some fantastic and magical ones, which were relegated to the underground and devalued ever since. <![CDATA[Como ler imagens? A lição de Roland Barthes]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-25532016000100144&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo Este artigo visa aproximar o conceito de mito, como definido por Roland Barthes em sua obra Mitologias, da noção de studiumestabelecida em seu outro livro, A câmara clara, uma vez que essa noção barthesiana acena com a possibilidade de compreensão a partir de uma espécie de remanejamento daquele conceito de mito para o campo do fotográfico. Trabalhamos com a hipótese de que esses operadores barthesianos podem ainda ser úteis para pensar as imagens na contemporaneidade dos estudos de visualidade.<hr/>Abstract This paper aims to bring together the concept of myth as Roland Barthes has defined it in his work Mythologies; as well as the notion of studium established in another of his books, The camera lucida, since this Barthesian notion beckons with the possibility to be understood as a sort of rehandling of this concept of myth to the field of photography. We work with the hypothesis that these Barthes’s operators can still be useful in the analysis of images in the contemporary studies of visuality. <![CDATA[Invisibilidade, superficialidade e plasticidade: três hipóteses sobre as câmeras inteligentes]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-25532016000100156&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo O presente artigo propõe três hipóteses concernentes às câmeras inteligentes: 1) que há uma tendência dos diagramas que se inscrevem algoritmicamente na superfície da imagem a se invisibilizarem; 2) que a ênfase na superficialidade das condutas vincula-se ao deslocamento para superfície dos corpos do locus privilegiado de subjetivação a partir da segunda metade do século XX e a uma ênfase contemporânea na ação; 3) que o caráter preditivo e antecipador dos dispositivos inteligentes de visibilidade é um sinalizador importante de uma crise contemporânea aqui formulada como uma crise da plasticidade e do hábito.<hr/>Abstract This paper proposes three hypotheses concerning the smart cameras: 1) there is a tendency of the algorithmically inscribed diagrams on the surface of the image in order to make themselves invisible; 2) the emphasis on superficiality of conducts is linked to the replacement of the privileged locusof subjectivity towards the surface of the bodies in the second half of the twentieth century and to a contemporary emphasis on action; 3) the predictive and anticipatory nature of intelligent devices of visibility is an important indicator of a contemporary crisis here formulated as a crisis of plasticity and habit. <![CDATA[Alejandra Pizarnik e a Condessa Sangrenta: uma análise do simbólico nas ilustrações góticas de Santiago Caruso]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-25532016000100168&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo O presente trabalho se volta para a análise das representações imagéticas que o ilustrador Santiago Caruso faz dos símbolos góticos da obra A Condessa Sangrenta, da escritora Alejandra Pizarnik. Considerando a importância de se analisar as peculiaridades das linguagens envolvidas e como se relacionam na construção dos significados da obra em estudo, investigamos como Caruso, utilizando técnicas que incluem o esgrafiado, representou os símbolos da morte, do sangue, do espelho e do vermelho, que interagem no conto para conferir-lhe um caráter gótico.<hr/>Abstract This paper focuses on the analysis of imagetic depictions made by the illustrator Santiago Caruso based on The Bloody Countess’ gothic symbols, written by Alejandra Pizarnik. It inquires how Caruso has depicted, using techniques that includes graffito, the symbols of death, blood, mirror and redness that interact to give the tale its gothic aspect, by considering important peculiarities of the language involved and how they relate to each other in the meaning construction of the artwork here studied. <![CDATA[Imaginários midiáticos: uma reflexão a partir de narrativas intertextuais e imagens híbridas]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-25532016000100182&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo O presente trabalho, no âmbito da semiologia da imagem, observa a recorrente adoção da iconicidade de signos culturais na construção de imaginários midiáticos. O artigo trata de narrativas contemporâneas que buscam o efeito de conotação veridictória, o que conduz os produtores da imagem às relatividades culturais de discursos-signos para interpretação, reconhecimento e engajamento do público com o qual dialogam. Instigada por exemplos atuais de estimado valor criativo e consciente da constituição da comunicação contemporânea também a partir das relações simbólicas culturais – alimentadoras de imaginários midiáticos, a pesquisa propõe uma reflexão teórica sobre o objeto e a leitura descritiva de exemplos que se enquadram em narrativas intertextuais e contemplam imagens híbridas. Referenciase teoricamente em processos de hibridização, intersecções entre artes e comunicação, no processo criativo da publicidade e na intertextualidade em conteúdos midiáticos.<hr/>Abstract Within the context of the semiology of image, this article investigates the recurrent adoption of the iconicity of cultural signs for the construction of media imaginary. It deals with contemporary narratives that seek to produce veridical connotation, which drives the image producers to the cultural relativism of discourses – signs for interpretation, recognition and stimulation of the public they dialogue with. Excited by current examples of creative, conscious, estimated value of the constitution of contemporary communication, also from the cultural symbolic relations – feeders of media imaginary, the research proposes a theoretical reflection on the object and the descriptive reading of examples that fall into intertextual narratives and contemplate hybrid images. Its references are theoretically based on processes of hybridization, intersections between art and communication in the creative process of advertising, and intertextuality in media content. <![CDATA[De influências e sobrevivências: a transposição de uma memória de imagens por entre movimentos artísticos-culturais]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-25532016000100196&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo A coletânea de ensaios de Aby Warburg colabora para concretizar sua vontade de construir uma biblioteca de referências capaz de demonstrar como imagens sobrevivem e ajudam a transportar memórias ao longo da história. Partindo sempre das imagens e das referências da Antiguidade pagã, o autor verifica a força de sua influência sobre a produção artística do Renascimento, de releituras cosmológicas e de simbolismos religiosos.<hr/>Abstract This Aby Warburg’s essay collection comes to make real his will to raise a library as international reference on how images can survive and convey memory throughout history. The author reinforces the influence of pagan ancient images all over the artistic production of Renaissance, since cosmological interpretations to religious symbolisms. <![CDATA[A lanterna de Diógenes de Sinope: Metáporo e o infinito debate da Comunicação]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-25532016000100201&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo Das Coisas que nos fazem pensar: O debate sobre a Nova Teoria da Comunicação é o livro que descreve os primeiros momentos de debate e divulgação, por Ciro Marcondes Filho, da Nova Teoria da Comunicação e do metáporo. O objetivo da presente resenha é demonstrar como o livro se caracteriza enquanto um percurso feito pelo autor de disseminação e defesa de sua construção ontológica, epistemológica e metodológica da Comunicação em sua busca para transformá-la de ciência aplicada para ciência pura.<hr/>Abstract On the things that make us think: A debate on the New Theory of Communication is a book that describes the first moments of the debates and disclosures on the new theory of communication and its metaporal method, proposed by Ciro Marcondes Filho. This review aims to characterize the book as the author’s journey to spread and support his ontological, epistemological and methodological construction of the communication during his quest to transform it from an applied science into a pure science. <![CDATA[Práticas midiáticas de (i)migrantes latino-americanos pelo mundo: pela promoção de cidadanias e sociabilidades]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-25532016000100206&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo O livro é resultado de uma pesquisa promovida entre os anos de 2007 e 2009 por meio do “Grupo de Pesquisa Mídia, Cultura e Cidadania”, vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Unisinos. A proposta foi realizar um mapeamento sobre as práticas de produção midiáticas, feitas por indivíduos ligados ou não a grupos e demais associações de imigrantes latino-americanos, além das organizações que também observam esse fluxo migratório em particular. Tais práticas se referem aos espaços de informação disponíveis na internet, como blogs, sites e demais redes sociais, e por meios impressos como jornais e revistas, locais considerados pela autora como “espaços midiáticos multiterritoriais” (COGO, 2012, p. 15), através dos quais os imigrantes podem estabelecer conexões com suas redes de sociabilidade, bem como promover informações sobre suas comunidades, levando informações que ultrapassam as barreiras transnacionais.<hr/>Abstract The book is an investigation outcome developed from 2007 to 2009 by the research group Mídia, Cultura e Cidadania, linked to the Post-graduation program in Communication Sciences, at UNISINOS. It aims to map the media production practices of persons involved or not with Latin American immigrant associations, in addition to independent migration organizations. Such practices are related to information spaces made available by the internet, like blogs, websites, and social networks, as well as printed media like newspapers and magazines, which are considered by the author as "multi-territorial media spaces". Through the latter, the immigrants are able to establish connections with their net of sociabilities, and promote information on their communities, broadcasting knowledge that overcomes transnational barriers. <![CDATA[Telenovelas Brasileiras e Portuguesas: padrões de audiência e consumo]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-25532016000100209&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo A autora apresenta nesse livro sua pesquisa sobre a audiência das telenovelas em Portugal, focando nas razões da superação da teledramaturgia portuguesa sobre a brasileira a partir de 2008. Para tal, apoiou-se na abordagem da “Teoria Fundamentada em Dados”, em sua investigação, para prover um “modelo da audiência das telenovelas” tomando por base quarenta e nove receptores entrevistados.<hr/>Abstract This book presents the author’s research results about soap operas audiences in Portugal, focusing on the reasons that made the Portuguese teledrama overcome the Brazilian one from 2008 on. The Grounded Data Theory has supported the investigation to provide a “model of soap operas audience” drawn from the forty-nine interviewed receivers. <![CDATA[A cultura pop na contemporaneidade]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-25532016000100212&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo O livro de ensaios Cultura Pop é uma contribuição importante para descobrir e entender a cultura pop como um universo simbólico composto por relações e sentidos fundamentais para pesquisas atuais sobre comunicação e mídia.<hr/>Abstract Cultura Pop is an essay collection that brings an important contribution to the discovery and understanding of the pop culture as a symbolic universe composed by relations and meanings that are fundamental to current researches on communication and media.