Scielo RSS <![CDATA[Fractal : Revista de Psicologia]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=1984-029220160002&lang=es vol. 28 num. 2 lang. es <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[Editorial v.28, n.2 (2016)]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-02922016000200170&lng=es&nrm=iso&tlng=es <![CDATA[Nuevas formas de habitar la ciudad: hacia una conceptualización de la ciudadanía biovigilante]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-02922016000200172&lng=es&nrm=iso&tlng=es Resumen El concepto de ciudadanía es seguramente, uno de los más estudiados en la historia desde una perspectiva social: desde Aristóteles y la polis griega hasta la ciudad liberal del siglo XX. En este sentido, posteriormente han emergido una serie de estudios como los de Nikolas Rose o Kezia Barker donde el énfasis es puesto en la biociencia y la biotecnología para entender al ciudadano y donde el apego a un territorio ya no es una característica importante para la ciudadanía. En este trabajo, nos adherimos a esta línea y presentaremos el concepto de ciudadanía biovigilante para enmarcar una serie de políticas, acciones y acontecimientos que rodean a la ciudad actual en un campo donde los estudios sociales no han llegado con intensidad: la biovigilancia y las prácticas de bioseguridad en nuestra vida cotidiana. Mediante un estudio de caso de material documental sobre biovigilancia, presentaremos la novedad de nuestro trabajo frente a otras propuestas como las ya mencionadas utilizando de soporte teórico el concepto de paraskeue (equipamiento) de Michel Foucault. Finalmente, discutiremos acerca de las implicaciones biopolíticas de este nuevo tipo de ciudadanía y resaltaremos la importancia del concepto de escenario en las políticas de biovigilancia.<hr/>Abstract The citizenship concept is probably, one of the most studied along the History from a social perspective: from Aristoteles and the Greek polis until the liberal city of the 20th Century. In this sense, it has been recently emerged several studies such as the Nikolas Rose or Kezia Barker works highlighting key role of bioscience and biotechnology in order to understand the citizen without pointing out the link with a concrete territory. In this paper, we will be linked with this line and we will present the biowatcher concept in order to frame many politics, actions and events around the contemporary city in a field where the social studies has not arrive deeply: biosurveillance and biosecurity practices in our daily life. Through a study case with documentary material about biosurveillance, we will present the difference in our work with the other mentioned proposals using the paraskeue (equipment) concept given by Michel Foucault. Finally, we will discuss about the biopolitics consequences within this new kind of citizenship and we will put forward the value of the scenario concept in the biosurveillance politics. <![CDATA[“Let the Silent History Be Told”: Museums Turn to Narratives]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-02922016000200181&lng=es&nrm=iso&tlng=es Resumo A narração assume um estatuto múltiplo: torna-se uma estrutura empregada para oferecer contextualizações ou um estratagema para superar problemas de comunicação de museu, como por exemplo juntar fontes, temas e, sobretudo, temporalidades heterogêneas. Com a new museology, afirmou-se a ideia de que o museu não pode ser colocado em um empíreo, do qual garante uma visão universal. O museu narrativo nasceu da crise de modelos até então hegemônicos. Em segundo lugar, entraram em crise as modalidades autorreferenciais de comunicação. “Colocar a periferia no centro”, oferecer atenção a quem não teve reconhecimento pela história, que só sofreu a partir da tempestade do moderno, ou seja, fazer falarem sujeitos, territórios, culturas que viram negada a sua voz e a sua identidade. A mostra RISARCIMENTI [Storie di vita e di attesa], 2011, o Museu Etnomuseo Monti Lepini, o Museu do Brigantaggio di Itri e o Museu do Brigantaggio di Cellere falam desta perspectiva. Então, deve-nos convidar a assumir uma dimensão reflexiva, produzir obras não decisivas e monolíticas, mas parciais e também desmontáveis e criticáveis.<hr/>Abstract Narratives perform numerous tasks: they are a structure employed to offer contextualization or a stratagem to overcome museum’s communication problems, for example, a way of linking sources, themes, and particularly, heterogeneous temporalities. The new museology concept, says a museum cannot be empirical, from which a universal vision is guaranteed. This crisis, caused by the hegemonic models of old, gave rise to narratives in museums. Secondly, the auto-referential modalities of communication went into crisis. “Place the periphery in the centre,” to attract attention to those who would not have been recognised via the history itself, an occurrence which has only deteriorated since the modern storm, i.e. make them speak of individuals, territories and cultures whose own voices and identities had been denied. The RISARCIMENTI exposition [Storie di vita e di attesa], 2011, at the Etnomuseo Monti Lepini Museum, Brigantaggio di Itri Museum and the Brigantaggio di Cellere Museum refer to this perspective. So, we must endeavour to undertake a reflexive dimension, and not produce decisive and monolithic exhibitions but partial ones which can be dissected and criticised.<hr/>Riassunto La narrazione assume uno statuto molteplice: diventa una struttura impiegata per offrire contestualizzazioni o uno stratagemma per superare problemi di comunicazione museale quale ad esempio mettere insieme fonti, temi e soprattutto temporalità eterogenee. Con la new museology si è affermata l’idea che il museo non è collocabile in un empireo dal quale garantisce una visione universale. Il museo narrativo nacque dalla crisi di modelli sino allora egemoni. In secondo luogo entrarono in crisi le modalità autoreferenziali di comunicazione. “Mettere la periferia al centro”, offrire attenzione a chi dalla storia non ha avuto riconoscimento, che dalla tempesta del moderno ha solo subito, ovvero far parlare soggetti, territori, culture che hanno visto negata la loro voce e la loro identità. La mostra RISARCIMENTI [Storie di vita e di attesa], 2011, il Museo Etnomuseo Monti Lepini, il Museo del Brigantaggio di Itri e il Museo del Brigantaggio di Cellere parlano di questa prospettiva. Allora, ci deve invitare ad assumere una dimensione riflessiva, a produrre opere non perentorio e monolitiche ma parziali e anche facilmente smontabili e criticabili. <![CDATA[Cities, bodies medicalized and the biocapital: the market health]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-02922016000200187&lng=es&nrm=iso&tlng=es Resumo Este artigo tem o objetivo de colocar em interrogação as práticas de medicalização das cidades e dos corpos por meio do governo da vida, em uma sociedade neoliberal que tornou as populações capitais e os espaços das cidades lugares de empreendimento. Pretende pensar os processos de subjetivação fazendo uma crítica ao investimento das cidades e dos corpos enquanto biocapitais, assegurados por um mercado crescente, em nome da saúde e segurança. Com os estudos de Michel Foucault e algumas de suas ferramentas, efetuou-se uma história breve da medicalização das cidades e dos corpos bem como dos seus efeitos na produção de subjetividades, no contemporâneo.<hr/>Abstract This article aims to put in question the medicalization practices of cities and bodies through the government of life in a neoliberal society that became the capital populations and areas of the city enterprise spaces. Want to think the subjectivity processes making a critical investment of cities and bodies as biocapitais rely on a growing market, in the name of health and safety. With the studies of Michel Foucault and some of its tools made a brief history of the medicalization of cities and bodies. Also well as their effects on the production of subjectivities, in the contemporary. <![CDATA[Waste: other memories of / in the city]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-02922016000200195&lng=es&nrm=iso&tlng=es Resumo Em vários campos do conhecimento o entendimento sobre o lixo vem sendo problematizado. Este estudo tem como objetivo analisar o modo como os restos da cidade são reconfigurados em outros lugares, como em museus, possibilitando a produção de outros sentidos, para problematizar os modos de subjetivação e possibilidades de singularização que podem vir a ser forjados. Elegemos como experiência dois espaços: um deles instalado em Florianópolis e outro em São Francisco do Sul, SC- Brasil. O primeiro fala de hábitos e consumos dos habitantes da cidade com uma intencionalidade pedagógica evidente, enquanto o segundo carrega afetos de uma família movida a tecer relações outras com os objetos despejados nas vias da cidade. Experiências que produzem memórias para além dos valores hegemônicos, que se revelam, pois, como resistentes e rebeldes, podendo contribuir para a problematização dos sentidos da preservação e da construção de patrimônios, convocando sentidos confiscados por práticas institucionalizadas.<hr/>Abstract The understanding about garbage itself has been questioned in many fields of knowledge. This study aims to examine how the city materials are transformed in different places, with other senses, to study subjectivity and singularity that there are – or could be – forged. Two places were selected: one installed in Florianópolis, SC, Brazil, and another in São Francisco do Sul, SC, Brazil. The former is an area about habits and consumption with clear pedagogical intentions, while the second brings the affections of a family moved to create new relations with objects dumped on streets. Experiences that produce memories beyond the hegemonic values; those rebellious and diverse, which may contribute with questions about the way of preserving and building assets, which may call the senses confiscated by institutionalized practices. <![CDATA[Socioeducational Cities: Nietzsche and the issue of responsibility]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-02922016000200204&lng=es&nrm=iso&tlng=es Resumo As Medidas Socioeducativas vêm à tona a partir de 1990 com a promulgação da Lei 8.069. Uma das teses mais aceitas, contemporaneamente, é a de que os preceitos base do Código de Menores cederam espaço aos da garantia de direitos. Já que direitos previstos a mais de um século para população adulta brasileira são conquistados, apenas com o advento do Estatuto da Criança e do Adolescente, pelos adolescentes. Ao serem ampliados a esta população tais direitos trazem consigo um conceito que se torna central em todos os debates sobre infração juvenil: responsabilidade. Numa tentativa de compreender em que medida a responsabilidade abre condições de possibilidade para invenção de territórios geográficos e existenciais – verdadeiras cidades socioeducativas – toma-se como referência a obra de Friedrich Nietzsche. O artigo utiliza o ensaio como estratégia metodológica.<hr/>Abstract The Socio-Educational Measures come to the fore since 1990 with the enactment of Law 8069. One of the most accepted theories, contemporaneously, is that the precepts basis of the Juvenile Code gave way to the guarantee of rights. Since the rights provided for more than a century for Brazilian adults are won, only with the advent of the Children and Adolescents, by adolescents. To be extended to this population such rights carry with them a concept that becomes central in all discussions about juvenile delinquency: responsibility. In an attempt to understand to what extent the responsibility opens possibility of conditions for invention of geographical and existential territories - true socio cities - is taken as reference the work of Friedrich Nietzsche. The article uses the test as a methodological strategy. <![CDATA[Technogeography: rearrangements in cognitive ecologies and politics]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-02922016000200213&lng=es&nrm=iso&tlng=es Resumo Apresentamos uma pesquisa-intervenção concebida para analisar o jogo de localização “Um dia no Jardim Botânico”, projetado para ser jogado por crianças e adolescentes no Jardim Botânico de Porto Alegre. Usando o jogo como instrumento de pesquisa, investigamos as articulações e percepções que ele ofereceu aos jogadores durante a exploração do espaço híbrido Jardim-jogo. Consideramos o campo empírico da pesquisa como um espaço tecnogeográfico que se configura localmente e constitui planos de consistência para a existência de objetos e ações e suas relações que são, ao mesmo tempo, ficcionais e reais. Assim, seguimos os efeitos do jogo tomado como uma experiência programada que participa do modo como percepções e explorações ocorrem nesse espaço público; bem como as modulações nas políticas e ecologias cognitivas que daí emergem. As oficinas nos permitiram acompanhar o processo de reconfiguração da política cognitiva desse espaço e repensar o conceito de experiência programada nos jogos de localização.<hr/>Abstract This is an intervention research intended to analyze a gps-based game named “A day at the Botanical Garden”, designed for children and teenagers at Porto Alegre’s Botanical Garden. By using the game as a research instrument, we meant to investigate the articulations of actions and perceptions it makes possible as players explore the hybrid garden-game space. Such empirical field is herein understood as a technogeographic space, locally arranged and able to offer patterns of consistency to the existence of objects and their relations, being simulteneaously real and fictional. We therefore consider the game as a designed experience that participates in the way perceptions and explorations emerge in a public space; as well as the cognitive ecologies and politics it might enable. By conducting a series of workshops with the game, we could track the rearrangements in players’ cognitive politics and rethink the concept of designed experienced applied to gps-based games. <![CDATA[Tuta and the city: domestic’s archives of urban infamy]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-02922016000200221&lng=es&nrm=iso&tlng=es Resumo O presente ensaio utiliza estratégias biografemáticas para acontecimentalizar nossos arquivos domésticos da infâmia urbana. Não se busca juízo ou verossimilhança. Não se pretende dizer o que o personagem experienciou: seria sufocar mais uma vez sua voz. Pretende-se apenas experimentar ver que cidade se vê ao nos reinventarmos com o contágio-tuta. Que cidade se produz ao nos afundarmos nas heceidades da sua vida ao ponto de repensar as nossas? É deste modo que se busca acontecimentalizar nossa cidade com fragmentos infames em uma heterotopia doméstica que acontecimentalize os arranjos de subjetivação existentes em nossas cidades desde seu surgimento até a atualidade.<hr/>Abstract This essay utilizes biographematics strategies to eventualization ours domestic’s archives of the urban infamy. We do not search for judgment or verisimilitude. We want just an experimental act of assemblage. Which city we can produce when we are infect whit the singularities of other life? What we can see of our habits whit the life of an infamy? In this essay, we want to make an effort to reinvent ours domestic lives beyond the disciplinary and control strategies. Whit the heterotopia of an infamy life, we proposes an eventualization of ours domestic’s archives. <![CDATA[Experimentation-cities: for enrolment in a learning aesthetic as an occurrence]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-02922016000200231&lng=es&nrm=iso&tlng=es Resumo Este texto, ao adentrar os muitos planos traçados por uma história de pesquisa e formação esculpida numa zona de interferência com a filosofia, em especial com Gilles Deleuze, Henri Bergson e Mikhail Bakhtin, discorre sobre como a temática da cidade vai se tornando expressiva em seu devir experimentação, sugerindo um efeito-labirinto de nós em rede-de-nós, que não para de se bifurcar e, paradoxalmente, também não para de, em nós, se condensar como um efeito-cidade-em-nós. Um encontro (est)ético com cidades construídas por crianças no entrelaçamento do currículo programático escolar e a cidade do cotidiano, tecendo-se em composições narrativas.<hr/>Abstract This text, upon entering the various plans traced by a history of research and development and sculpted in a zone of interference with philosophy, specifically with Gilles Deleuze, Henri Bergson and Mikhail Bakhtin, addresses the manner in which the theme of the city becomes expressive in its becoming experimentation, suggesting a knot of maze-effect in a network-of-knots that does not stop splitting, while paradoxically, it also does not stop condensing, in us, as a city-in-us-effect. An aesthetic encounter with cities built by children in the entanglement of the academic curriculum with everyday city life, thus weaving narrative compositions. <![CDATA[Subjectivity, the Outside and the city: rethinking subject, space and materiality]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-02922016000200242&lng=es&nrm=iso&tlng=es Resumo A filosofia Kantiana ao introduzir o tempo como principal operador de subjetivação, concebe o espaço como sendo passivo e mecânico. Propomos pensar uma subjetividade constituída por exterioridades espaciais e materiais ativas e não-lineares. Partindo da ideia do Fora em Deleuze e Foucault, e das teorias da “cognição estendida”, exploramos uma “subjetividade distribuída”, na qual o sujeito não é composto apenas por seu corpo ou interioridade, mas também pela materialidade, espaço e não-humanos. Abordamos processos de externalização formadores da subjetividade para repensar a relação entre cidade e subjetividade distribuída, abandonando a ideia de um espaço de circulação de sujeitos para compor agenciamentos que mesclam subjetividade e cidade e um composto indiscernível.<hr/>Abstract The Kantian philosophy by introducing time as the main operator of subjectivity production, assumes space as passive and mechanical. We propose to think a subject made up of spatial externalities and active and nonlinear materials. Starting from the idea of the Outside in Deleuze and Foucault, and theories of “extended cognition”, we explore “a distributed subjectivity”, in which the subject is not composed only of his own body or interior, but also by the materiality, space and non-humans. We approach the externalization processes that make subjectivity to rethink the relationship between city and distributed subjectivity, abandoning the idea of a circulation space of subjects, to compose assemblages that mix subjectivity and city and indiscernible compound. <![CDATA[(Un)habitual cities: considerations on neoliberalism and resistance]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-02922016000200252&lng=es&nrm=iso&tlng=es Resumo Este texto discute os efeitos do neoliberalismo nos modos de vida urbanos, traçando elementos que permitam experimentar e estranhar a cidade para, assim, resistir à lógica econômica e aos arranjos subjetivos arrimados nos fios do Capitalismo Mundial Integrado. Duas cenas urbanas são apresentadas: em uma delas, tematiza-se a situação que envolve um serviço localizado em uma grande cidade brasileira que acolhe usuários de drogas, em outra, aborda-se uma situação que envolve um morador de rua. São discutidos os códigos capitalísticos que esquadrinham as cidades visando a instauração de resistência às estratégias de capitalização subjetiva e gerando, assim, cidades (in)habituais.<hr/>Abstract This paper discusses the effects of neoliberalism in urban ways of life, tracing elements to experiment and defamiliarize the city in order to resist the economic logic and the subjective arrangements supported on the Integrated World Capitalism wires. Two urban scenes are presented: one of them accounts the situation of a service aimed at drug users that is rejected by the local population in a large Brazilian city. The capitalistic codes that overcodify the cities are discussed, with the aim to establish creative relations on the space of the cities, relations that are able to resist the subjective capitalizing strategies and, thus, to seed unusual (unhabitual) cities. <![CDATA[Childhood and City: inventing spaces and ways of living]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-02922016000200257&lng=es&nrm=iso&tlng=es Resumo Nossa experiência com pesquisa no âmbito do Estatuto da Criança e do Adolescente evidencia práticas institucionais que relacionam o movimento da criança na cidade com práticas de recolher e abrigar em determinados estabelecimentos. Problematizamos como as ligações entre a infância e a cidade vão sendo constituídas na produção das relações de que visam governar a vida, desenvolvendo um estudo genealógico, referenciado em Michel Foucault, com duas linhas de análise: a criação de mecanismos que articulam a infância, a família e o espaço urbano, na sociedade moderna, considerando os estudos de Jacques Donzelot e Philippe Ariès; e os registros das diretrizes de referência na política da infância no Brasil (Código de Menores - 1927 e 1979, Estatuto da Criança e do Adolescente - 1990). Entre os modos de governar e inventar a infância e a cidade no Brasil encontramos o diagrama de um sentimento de sujeito de direito infanto-juvenil.<hr/>Abstract Our researching experience concerning the Child and Adolescent Statute highlights institutional practices that relate the movement of the child in the city with practices of gathering and sheltering in certain establishments. We problematize how the relations between childhood and city are built in power relations aiming governing life, by developing a genealogic study based on Michel Foucault, with two analyses paths: the creation of mechanisms that articulate the childhood, the family and the urban space in modern society, considering Jacques Donzelot and Philippe Ariès’ studies; and the records of the reference guidelines on childhood policy in Brazil (Minors’ Code – 1927 and 1979, Child and Adolescent Statue - 1990). Among the ways of governing and inventing childhood and the city in Brazil, we find the diagram of a sense of subject of children’s rights. <![CDATA[Cities and public policies]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-02922016000200266&lng=es&nrm=iso&tlng=es Resumo O artigo apresenta o tema da cidade no contemporâneo e objetiva discutir e analisar a importância da produção de políticas públicas e, portanto, implicadas com a participação social na elaboração, execução e monitoramento dos espaços urbanos. Afirma a diferença entre estas e as políticas de governo voltadas para conter as insatisfações e tensões urbanas. Destaca também questões e problemas urbanos emergentes na atualidade, tais como a violência, a superpopulação, a escassez de moradias, insistindo no direito à cidade, na produção coletiva de modos de vida e no questionamento dos modos de governamentalização da vida que estão na cena urbana.<hr/>Abstract The article presents the theme concerning the contemporary city and, therefore, aims to discuss and analyze the importance of the production of public policies involved with social participation in the formulation, implementation and monitoring of urban spaces . It states the difference between urban spaces and government policies, which are focused to contain dissatisfactions and urban tensions. It also highlights matters and urban issues emerging today, such as violence, overcrowding and housing shortages, insisting on the right to the city, on the collective production of modes of life and also on questionings about life governmentalisation modes that are in urban scene. <![CDATA[Subjectivity in Psychoanalytic formation: an institutional discourse analysis]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-02922016000200275&lng=es&nrm=iso&tlng=es Resumo Esta pesquisa problematiza os efeitos subjetivos experienciados pelo psicanalista no processo de formação em psicanálise; visando, portanto, a investigar possíveis modos de subjetivação nos discursos sobre este processo. Para isso, foram entrevistados seis psicanalistas: três lacanianos e três vinculados à Associação Internacional de Psicanálise – IPA; as entrevistas foram transcritas e analisadas segundo a metodologia da Análise Institucional do Discurso. Pôde-se delinear como os entrevistados vinculados à IPA subjetivam-se através de uma reafirmação do discurso formador, reconhecendo-se psicanalistas na/pela observância ao modelo de formação da IPA; e os lacanianos através de uma contraposição a outros discursos, reconhecendo-se psicanalistas na/pela diferenciação a termos associados à IPA, à filosofia, à psicologia, etc. Ainda dentre os resultados, a análise pessoal figura, em ambos os grupos, como dispositivo central de produção do psicanalista: uma relação produtora de verdades e saberes de si nos quais os entrevistados encontram condições e limites para se reconhecerem psicanalistas.<hr/>Abstract This research discusses the subjective effects experienced by the psychoanalyst in the process of psychoanalytical formation; intended, therefore, to investigate possible modes of subjectivity in the discourses about this process. For this, have been interviewed six psychoanalysts: three Lacanian and three linked to International Psychoanalytical Association – IPA; the interviews were transcribed and analyzed according to Institutional Discourse Analysis. It was possible to delineate how respondents linked to IPA subjective themselves through a reaffirmation of the trainer discourse, recognizing up as psychoanalysts by the observance of the IPA’s training model; and the Lacanians through a contraposition to other discourses, recognizing up as psychoanalysts by the differentiation to the terms associated with IPA, philosophy, psychology, etc. Still among the results, the personal analysis appeared, in both groups, as the most important production device of the psychoanalyst: a relationship that produces truths and knowledge of self in which respondents find conditions and limitations to recognize themselves as psychoanalysts. <![CDATA[Brazilian highway wanderers and institutional access: thinking about control strategies]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-02922016000200285&lng=es&nrm=iso&tlng=es Resumo Os andarilhos de estrada percorrem longas distâncias a pé pelas rodovias do país e são praticamente esquecidos pelas instituições assistenciais. Esse artigo tem por finalidade apresentar as condições de acesso dos andarilhos a essas instituições e discutir sobre as estratégias de controle utilizadas por elas sob o fluxo da errância no contemporâneo. A pesquisa foi realizada em quatro instituições assistenciais no Estado de São Paulo através de um roteiro de entrevista semi-estruturado na qual participaram sete entrevistados. Os resultados indicaram que as formas de acesso dos andarilhos às instituições assistenciais acontecem de modo espontâneo ou pelas rondas de vigilância comandas pela polícia militar, guarda municipal e concessionárias de pedágios. Essas condições de acesso institucional são estratégias biopolíticas utilizadas pelo Estado que sob os efeitos da sanção normalizadora controla e distribui os andarilhos pelos espaços abertos das rodovias brasileiras.<hr/>Abstract Brazilian highway wanderers are individuals that walk long-distance on foot and practically forgot of assistance institutions. This paper aims to present the access conditions of Brazilian highway wanderers to institutional assistances and discuss about the control strategies used by them under contemporary wandering flow. This research was conducted in four assistance institutions in São Paulo State by means of a semi-structured interview with participation of seven interviewed. The results showed that access conditions to the Brazilian highway wanderers arrive at help institutions happen through spontaneous way or patrol surveillances commanded by military police, municipal guard and tollgates. These institutional access conditions are biopolicies strategies used by State that under the social normalization effects control and distribute these individuals toward opened spaces of brazilian highways. <![CDATA[Errata v. 28, n. 1]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-02922016000200292&lng=es&nrm=iso&tlng=es Resumo Os andarilhos de estrada percorrem longas distâncias a pé pelas rodovias do país e são praticamente esquecidos pelas instituições assistenciais. Esse artigo tem por finalidade apresentar as condições de acesso dos andarilhos a essas instituições e discutir sobre as estratégias de controle utilizadas por elas sob o fluxo da errância no contemporâneo. A pesquisa foi realizada em quatro instituições assistenciais no Estado de São Paulo através de um roteiro de entrevista semi-estruturado na qual participaram sete entrevistados. Os resultados indicaram que as formas de acesso dos andarilhos às instituições assistenciais acontecem de modo espontâneo ou pelas rondas de vigilância comandas pela polícia militar, guarda municipal e concessionárias de pedágios. Essas condições de acesso institucional são estratégias biopolíticas utilizadas pelo Estado que sob os efeitos da sanção normalizadora controla e distribui os andarilhos pelos espaços abertos das rodovias brasileiras.<hr/>Abstract Brazilian highway wanderers are individuals that walk long-distance on foot and practically forgot of assistance institutions. This paper aims to present the access conditions of Brazilian highway wanderers to institutional assistances and discuss about the control strategies used by them under contemporary wandering flow. This research was conducted in four assistance institutions in São Paulo State by means of a semi-structured interview with participation of seven interviewed. The results showed that access conditions to the Brazilian highway wanderers arrive at help institutions happen through spontaneous way or patrol surveillances commanded by military police, municipal guard and tollgates. These institutional access conditions are biopolicies strategies used by State that under the social normalization effects control and distribute these individuals toward opened spaces of brazilian highways.