Scielo RSS <![CDATA[Jornal da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=2179-649120120002&lang=pt vol. 24 num. 2 lang. pt <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<b>Editorial</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2179-64912012000200001&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <![CDATA[<b>Editorial</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2179-64912012000200002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <![CDATA[<b>Vogais sustentadas e fala encadeada na avaliação perceptivo-auditiva da intensidade da disfonia</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2179-64912012000200003&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt PURPOSE: Auditory-perceptual evaluation of dysphonia may be influenced by the type of speech/voice task used to render judgements during the clinical evaluation, i.e., sustained vowels versus continuous speech. This study explored (a) differences in listener dysphonia severity ratings on the basis of speech/voice tasks, (b) the influence of speech/voice task on dysphonia severity ratings of stimuli that combined sustained vowels and continuous speech, and (c) the differences in inter-rater reliability of dysphonia severity ratings between both speech tasks. METHODS: Five experienced listeners rated overall dysphonia severity in sustained vowels, continuous speech and concatenated speech samples elicited by 39 subjects with various voice disorders and degrees of hoarseness. RESULTS: Data confirmed that sustained vowels are rated significantly more dysphonic than continuous speech. Furthermore, dysphonia severity in concatenated speech samples is least determined by the sustained vowel. Finally, no significant difference was found in inter-rater reliability between dysphonia severity ratings of sustained vowels versus continuous speech. CONCLUSION: Based upon the results, both types of speech/voice tasks (i.e., sustained vowel and continuous speech) should be elicited and judged by clinicians in the auditory-perceptual rating of dysphonia severity.<hr/>OBJETIVO: A avaliação perceptivo-auditiva da disfonia pode ser influenciada pelo tipo de tarefa utilizada para eliciar o julgamento clínico, como vogais sustentadas versus fala. Este estudo explorou a classificação da intensidade de disfonia, analisando (a) as diferenças encontradas entre os resultados das tarefas de voz e fala, (b) a influência da tarefa usando estímulos combinados de vogais sustentadas e fala, e (c) as diferenças na confiabilidade interavaliadores de acordo com as tarefas analisadas. MÉTODOS: Cinco avaliadores experientes classificaram a intensidade da disfonia em amostras de vogais sustentadas e fala encadeada de 39 sujeitos com vários distúrbios vocais e diferentes graus de alteração. RESULTADOS: Os dados confirmaram que as vogais sustentadas foram avaliadas como mais desviadas em relação às tarefas de fala. Além disso, a intensidade da disfonia em amostras de fala concatenada é menos influenciada pela vogal sustentada. Finalmente, não houve diferenças na confiabilidade interavaliadores entre as classificações da intensidade da disfonia quando comparados os resultados da análise de vogais sustentadas e fala. CONCLUSÃO: Com base nos resultados, os dois tipos de tarefas (vogal sustentada e fala) devem ser utilizados para o julgamento clínico na avaliação perceptivo-auditiva da intensidade da disfonia. <![CDATA[<b>Disfonia na percepção do clínico e do paciente</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2179-64912012000200004&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt PURPOSE: To verify the relationship between the clinician's vocal evaluation and vocal self-assessment and voice-related quality of life. METHODS: Participants were 96 individuals: 48 with vocal complaints and voice deviation (VCG), mean age of 51 years, with diagnosis and indication of voice therapy; and 48 with no vocal complaints and healthy voices (NVCG), mean age of 46 years. All participants answered the Voice-Related Quality of Life (V-RQOL) questionnaire, performed a vocal self-assessment and were submitted to auditory-perceptual analysis of voice. RESULTS: Mean V-RQOL scores were different between groups for all domains. Self-assessment results also showed differences between groups, which was not the case in the auditory-perceptual analysis of sustained vowel and connected speech, showing that the patient's perception was worse than the clinician's. There was correlation between the V-RQOL domains (Socio-emotional and Physical: 76.8%; Socio-emotional and Total: 90.8%; Physical and Total: 95.8%), as well as between the Socio-emotional (-52.9%), Physical (-43.1%) and Total (-52.2%) domains and the self-assessment. However, no correlation was found between auditory-perceptual analysis and self-assessment measures, except for a weak correlation between vocal self-assessment and auditory-perceptual analysis of the sustained vowel (33.3%). CONCLUSION: The clinician's perception does correspond to the individual's self-perception of his/her vocal quality and the impact of a voice deviation on his/her quality of life, but not directly. The individual's perception about his/her vocal quality and voice-related quality of life complements the clinician's perception regarding the overall degree of the voice deviation.<hr/>OBJETIVO: Verificar a relação entre a avaliação do fonoaudiólogo e a autoavaliação vocal e o impacto da disfonia na qualidade de vida do paciente. MÉTODOS: Participaram 96 indivíduos, 48 com queixa e alteração vocal (GQ), média de idade de 51 anos, com diagnóstico e indicação de fonoterapia, e 48 sem queixa vocal e voz saudável (GSQ), média de idade de 46 anos. Todos responderam ao protocolo Qualidade de Vida em Voz (QVV), realizaram autoavaliação e foram submetidos à avaliação perceptivo-auditiva da voz. RESULTADOS: Os escores médios do QVV dos grupos foram diferentes para todos os domínios. A autoavaliação mostrou valores bem distintos para os grupos, diferentemente dos obtidos na perceptivo-auditiva da vogal sustentada e da fala encadeada, mostrando que a percepção do paciente foi pior que a do clínico. Observou-se correlação entre os domínios do protocolo QVV (Sócio-emocional e Físico: 76,8%; Sócio-emocional e Total: 90,8%; Físico e Total: 95,8%), assim como entre os domínios Sócio-emocional (-52,9%), físico (-43,1%) e total (-52,2%) com a autoavaliação. Entretanto, não se observou correlação entre a análise perceptivo-auditiva e as medidas de autoavaliação, com exceção de uma baixa correlação entre autoavaliação vocal e a análise perceptivo-auditiva da vogal sustentada (33,3%). CONCLUSÃO: A percepção do clínico corresponde à percepção que o indivíduo tem da sua qualidade vocal e do impacto da alteração de voz na sua qualidade de vida, contudo não de forma direta. A percepção do indivíduo sobre a própria voz e sobre o impacto da disfonia na sua qualidade de vida complementa a percepção do clínico quanto ao grau geral desta alteração. <![CDATA[<b>Avaliação das funções orofaciais do sistema estomatognático nos níveis de gravidade de asma</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2179-64912012000200005&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt PURPOSE: To compare the orofacial functions (chewing, swallowing and speech) in children with asthma and healthy children. METHODS: A cross sectional study including 54 children of both genders with ages between 7 and 10 years was conducted. Twenty-seven of these subjects composed the experimental group, and were subdivided into two severity levels of asthma: Group I - mild intermittent and persistent asthma; Group II - persistent moderate to severe asthma. Twenty-seven healthy children were included in the control group (Group III). Speech-language pathology evaluation used the adapted Orofacial Myofunctional Assessment Protocol. Adaptation consisted in the exclusion of the structural part of the test, since this was not the aim of the study. The structural part was excluded because it was not the aim of this study. RESULTS: It was found alterations in oral functions, with significant differences between the three groups. These alterations showed no correlation with asthma severity, since the highest rate of alterations was found in Group I (mild asthma). CONCLUSION: Regardless of the severity level, children with asthma have altered patterns of chewing, swallowing and speech.<hr/>OBJETIVO: Avaliar as funções orofaciais de mastigação, deglutição e fala em crianças asmáticas e crianças saudáveis. MÉTODOS: Estudo de corte transversal com 54 crianças, com idades entre 7 e 10 anos completos, de ambos os gêneros. Do total, 27 compuseram o grupo experimental e foram subdivididas em dois níveis de gravidade de asma: Grupo I - asma intermitente ou persistente leve; Grupo II - asma persistente moderada ou grave. Fizeram parte do grupo controle (Grupo III) 27 crianças saudáveis. Para a avaliação fonoaudiológica foi utilizado o Protocolo de Avaliação Miofuncional Orofacial adaptado. A adaptação constituiu na exclusão da parte estrutural, já que esta não fazia parte do objetivo do estudo. RESULTADOS: Alterações nas funções orofaciais foram encontradas, com diferenças entre os três grupos estudados. Essas alterações não tiveram relação com a gravidade da asma, visto que o maior índice de alterações foi encontrado no Grupo I (asma leve). CONCLUSÃO: Independentemente do nível de gravidade da doença, crianças asmáticas apresentam padrões alterados de mastigação, deglutição e fala. <![CDATA[<b>Avaliação postural em crianças com deglutição atípica</b>: <b>estudo radiográfico</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2179-64912012000200006&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt PURPOSE: To evaluate the cranial posture on lateral teleradiographs of children with atypical swallowing in mixed dentition. METHODS: By using cephalometric analysis on lateral teleradiographs, the angles between the odontoid process and cranial base (CC1) and the odontoid process and Frankfurt plane (CC2) were measured in two groups: 55 teleradiographs from the experimental group (with atypical swallowing), and 55 lateral teleradiographs from the control group (normal swallowing). These angular measurements were subjected to statistical analysis. RESULTS: The means of the variable CC1 were 99.95 degrees in the experimental group and 96.42 degrees in the control group, with significant difference between them. The means of the variable CC2 were 90.60 degrees in the experimental group and 86.35 degrees in the control group, which was also statistically significant. CONCLUSION: The angles CC1 and CC2 are increased in the group with atypical swallowing.<hr/>OBJETIVO: Avaliar a postura craniana em telerradiografias laterais de crianças com deglutição atípica em dentição mista. MÉTODOS: Por meio de análise cefalométrica em telerradiografias laterais, foram mensurados os ângulos entre processo odontóide e base do crânio (CC1) e processo odontóide e plano de Frankfurt (CC2) em dois grupos: 55 telerradiografias do grupo experimental (com deglutição atípica) e 55 telerradiografias do grupo controle (deglutição normal). Tais medidas angulares foram submetidas a análise estatística. RESULTADOS: As médias da variável CC1 foram de 99,95 graus no grupo experimental e de 96,42 graus no grupo controle, havendo diferença entre elas. As médias da variável CC2 foram de 90,60 graus no grupo experimental e de 86,35 graus no grupo controle, também com diferença. CONCLUSÃO: Os ângulos CC1 e CC2 estão aumentados no grupo de deglutição atípica. <![CDATA[<b>Tempo e golpes mastigatórios nas diferentes deformidades dentofaciais</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2179-64912012000200007&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt PURPOSE: To verify whether the number of chewing strokes and the chewing time are influenced by dentofacial deformities in habitual free mastication. METHODS: Participants were 15 patients with diagnosis of class II dentofacial deformity (GII), 15 with class III (GIII), and 15 healthy control individuals with no deformity (CG). Free habitual mastication of a cornstarch cookie was analyzed, considering the number of chewing strokes and the time needed to complete two mastications. Strokes were counted by considering the opening and closing movements of the mandible. The time needed to consume each bite was determined using a digital chronometer, started after the placement of the food in the oral cavity and stopped when each portion was swallowed. RESULTS: There were no differences between groups regarding both the number of strokes and the chewing time. However, with regards to the number of strokes, CG and GII presented a significant concordance between the first and the second chewing situation, which was not observed in GIII. The analysis of time showed significant concordance between the first and second chewing situation in CG, reasonable concordance in GII, and discordance in GIII. CONCLUSION: Dentofacial deformities do not influence the number of chewing strokes or the chewing time. However, class III individuals do not show uniformity regarding these aspects.<hr/>OBJETIVO: Verificar se o número de golpes e o tempo mastigatório são influenciados pela deformidade dentofacial, na mastigação habitual livre. MÉTODOS: Participaram 15 pacientes com deformidade dentofacial classe II (GII), 15 com classe III (GIII) e 15 indivíduos sem a deformidade (GC). Foi analisada a mastigação habitual livre de um biscoito de maisena, considerando o tempo e o número de golpes mastigatórios apresentados durante duas mastigações. A contagem dos golpes foi feita considerando os movimentos mandibulares de abertura e fechamento da mandíbula. O tempo para o consumo de cada mordida do alimento foi investigado por meio de um cronômetro digital, acionado após a colocação do alimento na cavidade oral e paralisado no momento da deglutição final de cada porção. RESULTADOS: Não houve diferenças entre os grupos, tanto para a variável referente ao número de golpes, quanto para a relacionada ao tempo. Entretanto, quanto ao número de golpes, observou-se que os grupos GC e GII apresentaram uma concordância significativa entre a primeira e a segunda situação de mastigação, o que não ocorreu com o GIII. Na análise do tempo, houve uma concordância significativa no GC entre a primeira e a segunda situação de mastigação; o GII apresentou uma concordância razoável entre as duas situações de mastigação e o GIII apresentou discordância entre as duas mastigações. CONCLUSÃO: As deformidades dentofaciais não influenciam no número de golpes mastigatórios e no tempo da mastigação. Entretanto, os indivíduos classe III não apresentam uma uniformidade nesses aspectos. <![CDATA[<b>Frequência de sinais e sintomas de disfunção cervical em indivíduos com disfunção temporomandibular</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2179-64912012000200008&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt PURPOSE: To study the frequency of cervical spine dysfunction (CCD) signs and symptoms in subjects with and without temporomandibular disorder (TMD) and to assess the craniocervical posture influence on TMD and CCD coexistence. METHODS: Participants were 71 women (19 to 35 years), assessed about TMD presence; 34 constituted the TMD group (G1) and 37 comprised the group without TMD (G2). The CCD was evaluated through the Craniocervical Dysfunction Index and the Cervical Mobility Index. Subjects were also questioned about cervical pain. Craniocervical posture was assessed by cephalometric analysis. RESULTS: There was no difference in the craniocervical posture between groups. G2 presented more mild CCD frequency and less moderate and severe CCD frequency (p=0.01). G1 presented higher percentage of pain during movements (p=0.03) and pain during cervical muscles palpation (p=0.01) compared to G2. Most of the TMD patients (88.24%) related cervical pain with significant difference when compared to G2 (p=0.00). CONCLUSION: Craniocervical posture assessment showed no difference between groups, suggesting that postural alterations could be more related to the CCD. Presence of TMD resulted in higher frequency of cervical pain symptom. Thus the coexistence of CCD and TMD signs and symptoms appear to be more related to the common innervations of the trigeminocervical complex and hyperalgesia of the TMD patients than to craniocervical posture deviations.<hr/>OBJETIVOS: Investigar a frequência de sinais e sintomas de disfunção da coluna cervical (DCC) em indivíduos com e sem disfunção temporomandibular (DTM) e avaliar a influência da postura craniocervical sobre a coexistência da DTM e da DCC. MÉTODOS: Participaram 71 mulheres, com idades entre 19 e 35 anos, que foram avaliadas quanto à presença de DTM. Destas, 34 constituíram o grupo com DTM (G1) e 37 participaram compuseram o grupo sem DTM (G2). A DCC foi avaliada pelo Índice de Disfunção Clínica Craniocervical e pelo Índice de Mobilidade Cervical. Questionou-se, ainda, a queixa de dor cervical. A postura craniocervical foi aferida por meio do traçado cefalométrico. RESULTADOS: Não houve diferença na entre os grupos quanto à postura craniocervical. O G2 apresentou maior frequência de DCC leve e menor frequência de DCC moderada ou grave (0,01). O G1 apresentou maiores percentuais de frequência de dor durante a execução do movimento e dor à palpação dos músculos cervicais. No G1, a maioria (88,24%) das participantes relatou dor cervical, com diferença em relação ao G2. CONCLUSÃO: Não houve diferença na postura craniocervical entre os grupos, o que sugere que as alterações posturais estejam mais relacionadas à ocorrência de DCC. A presença de DTM resultou em maior frequência de sintomas dolorosos na região cervical. Assim, a coexistência de sinais e sintomas de DCC e DTM parece estar mais relacionada à inervação comum do complexo trigêmino-cervical e à hiperalgesia de indivíduos com DTM do que à alteração postural craniocervical. <![CDATA[<b>Desempenho sócio-cognitivo e diferentes situações comunicativas em grupos de crianças com diagnósticos distintos</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2179-64912012000200009&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt PURPOSE: To investigate the social-cognitive performance of children with diagnostics of autism spectrum disorder (ASD), mental disability (MD) and hearing impairment (HI) in two different communicative situations. METHODS: Participated in this study 30 children ages between 3 and 12 years starting speech language therapy processes, divided in three groups: Group 1 - ten children with diagnoses included in the Autism Spectrum Disorders (ASD); Group 2: ten children diagnosed with mental disabilities (MD) and Group 3: ten children diagnosed with hearing impairment (HI). The subjects were assessed in two different communicative situations (group and individual therapy situation) for 12 months. RESULTS: Data regarding the performance of the three groups in the two situations show that G3 had better absolute performance when compared with other groups, with the variable symbolic play as an important differential criterion for the three groups. CONCLUSION: We conclude that the social-cognitive performance can be used as an auxiliary tool for intervention, helping the identification of variables that could interfere in the communicative performance.<hr/>OBJETIVO: Verificar o desempenho sócio-cognitivo de crianças com diagnósticos inseridos nos distúrbios do espectro do autismo (DEA), deficiência mental (DM) e deficiência auditiva (DA) em duas diferentes situações comunicativas. MÉTODOS: Participaram desta pesquisa 30 crianças, entre 3 e 12 anos de idade, em início de atendimento fonoaudiológico, que foram divididas em três grupos: Grupo 1: dez crianças com diagnóstico inserido nos distúrbios do espectro do autismo (DEA); Grupo 2: dez crianças com diagnóstico de deficiência mental (DM); Grupo 3: dez crianças com diagnóstico dentro do grupo de deficiência auditiva (DA). Os sujeitos foram analisados em duas situações comunicativas distintas (situação em grupo e situação individual de terapia), durante 12 meses. RESULTADOS: O grupo composto por crianças e adolescentes com diagnóstico de deficiência auditiva apresentou melhor desempenho absoluto quando comparado com os outros grupos, sendo a variável jogo simbólico um importante critério diferencial nos três grupos. CONCLUSÃO: O desempenho sócio-cognitivo pode ser utilizado como instrumento auxiliar no planejamento terapêutico, facilitando a identificação de variáveis que possam interferir no desempenho comunicativo. <![CDATA[<b>Versão brasileira do protocolo <i>Overall Assessment of the Speaker's Experience of Stuttering</i> - <i>Adults</i> (OASES-A)</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2179-64912012000200010&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt PURPOSE: To verify the applicability of the protocol Overall Assessment of the Speaker's Experience of Stuttering - Adults (OASES-A), translated into Brazilian Portuguese, in a sample of adults who stutter. METHODS: The Brazilian Portuguese version of the OASES-A protocol was individually applied to 18 people who stutter. The classification of stuttering severity was based on the Stuttering Severity Instrument for Children and Adults (SSI-3) protocol. Translation and back-translation processes were carried out by specialists, considering semantic, conceptual, cultural, and idiomatic equivalences. RESULTS: There was no correlation between the severity degrees of stuttering assessed by the SSI-3 protocol and the self-assessment performed using the OASES-A. Subjects reported impairments in perceived fluency; speech ability; level of knowledge about stuttering and treatment options; use of confrontational techniques; quality of life. They also mentioned having difficulty coping with emotional states such as anxiety and embarrassment, and with communication in daily situations. CONCLUSION: The OASES-A protocol is useful in the assessment and treatment of stutterers, as it provides specialized speech-language pathologists with sutterers' self-perception regarding their communication difficulties and the impact of stuttering on their quality of life.<hr/>OBJETIVO: Verificar a aplicabilidade do instrumento Overall Assessment of the Speaker's Experience of Stuttering - Adults (OASES-A), traduzido para o Português Brasileiro, em uma amostra de pessoas que gaguejam. MÉTODOS: Foi realizada a aplicação individual do instrumento OASES-A, traduzido para o Português Brasileiro, a 18 pessoas que gaguejam. A classificação da severidade da gagueira foi feita baseada no protocolo Stuttering Severity Instrument for Children and Adults (SSI-3). Os processos de tradução e tradução reversa foram realizados por especialistas, considerando-se as equivalências semântica, conceitual, cultural e idiomática. RESULTADOS: Não houve correlação entre os níveis de severidade da gagueira avaliados por meio do protocolo SSI-3 e os da auto-avaliação mensurados pelo OASES-A. Houve prejuízo relatado quanto à autopercepção da fluência; à habilidade de fala; ao nível de conhecimento da gagueira e opções de tratamento; ao uso de técnicas de enfrentamento; à qualidade de vida. Também foi referida dificuldade em relação aos estados emocionais, como ansiedade e constrangimento, e na comunicação em situações da vida diária. CONCLUSÃO: A aplicação do OASES-A mostrou-se útil para avaliar e tratar pessoas que gaguejam, pois fornece subsídios ao profissional fonoaudiólogo especializado no que se refere à autopercepção destas pessoas sobre as dificuldades na comunicação e o impacto da gagueira sobre a qualidade de vida. <![CDATA[<b>A complexidade da narrativa interfere no uso de conjunções em crianças com distúrbio específico de linguagem</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2179-64912012000200011&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt PURPOSE: To verify the use of conjunctions in narratives, and to investigate the influence of stimuli's complexity over the type of conjunctions used by children with specific language impairment (SLI) and children with typical language development. METHODS: Participants were 40 children (20 with typical language development and 20 with SLI) with ages between 7 and 10 years, paired by age range. Fifteen stories with increasing of complexity were used to obtain the narratives; stories were classified into mechanical, behavioral and intentional, and each of them was represented by four scenes. Narratives were analyzed according to occurrence and classification of conjunctions. RESULTS: Both groups used more coordinative than subordinate conjunctions, with significant decrease in the use of conjunctions in the discourse of SLI children. The use of conjunctions varied according to the type of narrative: for coordinative conjunctions, both groups differed only between intentional and behavioral narratives, with higher occurrence in behavioral ones; for subordinate conjunctions, typically developing children's performance did not show differences between narratives, while SLI children presented fewer occurrences in intentional narratives, which was different from other narratives. CONCLUSION: Both groups used more coordinative than subordinate conjunctions; however, typically developing children presented more conjunctions than SLI children. The production of children with SLI was influenced by stimulus, since more complex narratives has less use of subordinate conjunctions.<hr/>OBJETIVO: Verificar o uso de conjunções em narrativas e investigar a influência da complexidade dos estímulos sobre o tipo de conjunção utilizada, tanto em indivíduos com distúrbio específico de linguagem (DEL) quanto em sujeitos com desenvolvimento típico de linguagem. MÉTODOS: Participaram da pesquisa 40 sujeitos (20 em desenvolvimento típico de linguagem e 20 com DEL), com idades variando entre 7 e 10 anos, pareados por faixa etária. Para obter as narrativas foram utilizadas 15 sequências lógico-temporais de complexidade crescente, classificadas em mecânicas, comportamentais e intencionais, representadas por quatro cenas cada uma. As narrativas foram analisadas quanto à ocorrência e à classificação das conjunções. RESULTADOS: Ambos os grupos utilizaram mais conjunções coordenativas do que subordinativas, com significativa redução do emprego de conjunções no discurso das crianças com DEL. A utilização das conjunções variou quanto ao tipo de narrativa, sendo que para as conjunções coordenativas, ambos os grupos diferiram apenas entre as narrativas intencionais e as comportamentais, com maior ocorrência nas comportamentais. Para as conjunções subordinativas, o desempenho das crianças em desenvolvimento normal não diferiu entre as narrativas, enquanto, no grupo com DEL nas intencionais houve menor ocorrência, diferindo das outras narrativas. CONCLUSÃO: Ambos os grupos apresentaram maior uso de conjunções coordenativas do que subordinativas, porém, os sujeitos em desenvolvimento normal apresentaram mais conjunções do que os indivíduos com DEL. A produção das crianças com DEL sofreu influência do estímulo, uma vez que em narrativas mais complexas houve menor uso de conjunções subordinativas. <![CDATA[<b>A relação entre a discriminação auditiva e o desvio fonológico</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2179-64912012000200012&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt PURPOSE: To determine the most frequent errors of children with phonological disorders in an auditory discrimination test, and to correlate their performance with age, gender and severity of phonological disorder. METHODS: The sample consisted of 82 children with phonological disorders, of both gender, with ages between 4 years and 7 years and 11 months. All subjects were submitted to the Phonological Assessment of Child (Avaliação Fonológica da Criança) in order to establish the severity of phonological disorder, and to the auditory discrimination test. Data were statistically analyzed. RESULTS: It was found that 38% of the subjects had poor results on the test, and the most frequent errors were: posteriorization, devoicing of stops, and semivocalization of liquid consonants. Moreover, it was observed that auditory discrimination difficulties were less frequent in older subjects, and more severe according to the severity of the phonological disorder. CONCLUSION: Great part of the children with phonological disorders has difficulties in auditory discrimination. However, these difficulties were less frequent in older subjects and more severe according to the severity of the disorder. Male subjects seem to have more difficulty in discriminating speech sounds.<hr/>OBJETIVO: Verificar os erros mais frequentes cometidos por crianças com desvio fonológico em um teste de discriminação auditiva, e relacionar o desempenho no teste com a idade, o gênero e a gravidade do desvio fonológico. MÉTODOS: A amostra constituiu-se por 82 crianças com desvio fonológico, de ambos os gêneros, com idades entre 4 anos e 7 anos e 11 meses. Todos os sujeitos foram submetidos à Avaliação Fonológica da Criança para estabelecer o grau do desvio fonológico, e ao teste de discriminação auditiva. Os resultados foram analisados estatisticamente. RESULTADOS: Verificou-se que 38% das crianças apresentaram resultados insatisfatórios no teste, sendo os erros mais frequentes: posteriorização, dessonorização de plosiva, e semivocalização de líquida. Além disso, observou-se que as dificuldades na discriminação auditiva tiveram menor ocorrência em sujeitos mais velhos e foram mais comprometidas de acordo com a gravidade do desvio fonológico. CONCLUSÃO: Grande parte das crianças com desvio fonológico apresenta dificuldades na discriminação auditiva. Entretanto, tais dificuldades tiveram menor ocorrência em sujeitos mais velhos e foram mais comprometidas conforme a gravidade do desvio fonológico. Os meninos parecem ter maiores dificuldades para discriminar os sons da fala. <![CDATA[<b>Estudo eletrofisiológico da audição em recém-nascidos a termo pequenos para a idade gestacional</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2179-64912012000200013&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt PURPOSE: To describe the Brainstem Auditory Evoked Potential (BAEP) results of full-term small-for-gestational-age newborns, comparing them to the results of full-term appropriate-for-gestational-age newborns, in order to verify whether the small-for-gestational-age condition is a risk indicator for retrocochlear hearing impairment. METHODS: This multicentric prospective cross-sectional study assessed 86 full-term newborns - 47 small- (Study Group) and 39 appropriate-for-gestational-age (Control Group - of both genders, with ages between 2 and 12 days. Newborns with presence of transient evoked otoacoustic emissions and type A tympanometry were included in the study. Quantitative analysis was based on the mean and standard deviation of the absolute latencies of waves I, III and V and interpeak intervals I-III, III-V and I-V, for each group. For qualitative analysis, the BAEP results were classified as normal or altered by analyzing these data considering the age range of the newborn at the time of testing. RESULTS: In the Study Group, nine of the 18 (38%) subjects with altered BAEP results had the condition of small-for-gestational-age as the only risk factor for hearing impairments. In the Control Group, seven (18%) had altered results. Female subjects from the Study Group tended to present more central alterations. In the Control Group, the male group tended to have more alterations. CONCLUSION: Full-term children born small or appropriate for gestational age might present transitory or permanent central hearing impairments, regardless of the presence of risk indicators.<hr/>OBJETIVO: Caracterizar as respostas do Potencial Evocado Auditivo de Tronco Encefálico de recém-nascidos a termo pequenos para idade gestacional, comparando-as às de recém-nascidos a termo adequados para idade gestacional, verificando se a condição de pequeno para a idade gestacional é indicador de risco para alteração auditiva retrococlear. MÉTODOS: Este estudo multicêntrico transversal prospectivo avaliou 86 recém-nascidos a termo, sendo 47 pequenos (Grupo Estudo) e 39 adequados para idade gestacional (Grupo Controle), de ambos os gêneros, com idades entre 2 e 12 dias de vida. Foram incluídos os recém-nascidos com presença de emissões otoacústicas evocadas por estímulo transiente e timpanometria tipo A. A análise quantitativa dos dados foi feita baseada na média e desvio-padrão das latências das ondas I, III, V e interpicos I-III, III-V, I-V para cada grupo. Para análise qualitativa, os resultados dos potenciais evocados auditivos foram classificados em alterados ou normais mediante essas análises, considerando-se a faixa etária do recém-nascido no momento do exame. RESULTADOS: No Grupo Estudo, dos 18 (38%) que apresentaram potencial evocado auditivo alterado, nove tiveram como risco auditivo apenas o fato de ser pequeno para a idade gestacional. No Grupo Controle, sete (18%) tiveram alteração. Encontrou-se tendência a alterações centrais no Grupo Estudo do gênero feminino. No Grupo Controle, houve tendência a alterações no gênero masculino. CONCLUSÃO: Crianças a termo, nascidas com peso adequado ou pequenas para a idade gestacional, podem apresentar alterações auditivas de caráter central, transitórias ou permanentes, independente da presença de indicadores de risco auditivo. <![CDATA[<b>Resolução temporal com estímulos clique e tom puro em jovens com sensibilidade auditiva normal</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2179-64912012000200014&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt PURPOSE: To assess the auditory ability of temporal resolution and to compare the random gap detection test (RGDT) versions with pure tone and clicks stimuli. METHODS: Participants were 40 young individuals of both genders with ages between 18 and 25 years, and normal hearing thresholds for the sound frequencies of 250 Hz to 8 kHz. Initially, participants were submitted to the basic audiological evaluation. Then they underwent the RGDT with pure tone and clicks stimuli. Finally, we obtained the temporal acuity threshold, which corresponds to the shorter silence interval in which the patient perceives two sounds, for each type of stimulus, called final temporal acuity threshold for pure tones (mean of the thresholds obtained for 500 Hz, 1k, 2k and 4 kHz), and temporal acuity threshold for clicks. RESULTS: The mean temporal acuity threshold for the sound frequency of 500 Hz was 7.25 ms; for the frequency of 1 kHz was 7.25 ms; for 2 kHz was 6.73 ms; for the frequency of 4 kHz was 6.03 ms. The final temporal acuity threshold was 6.72 ms. The mean temporal acuity threshold for clicks was 6.43 ms. No difference was found between the temporal acuity thresholds obtained with pure tone and clicks stimuli. CONCLUSION: There is no difference in the performance of individuals on the auditory ability of temporal resolution, regardless of the auditory stimulus used.<hr/>OBJETIVO: Avaliar a habilidade auditiva de resolução temporal e comparar as versões do teste de detecção de intervalos aleatórios (RGDT) com estímulos do tipo tom puro e clique. MÉTODOS: Participaram deste estudo 40 indivíduos jovens com idades entre 18 e 25 anos, de ambos os gêneros e limiares auditivos normais para as frequências sonoras de 250 Hz a 8 kHz. Inicialmente, os participantes foram submetidos à avaliação audiológica básica. Posteriormente, foram submetidos ao teste RGDT com estímulos auditivos do tipo tom puro e clique. Ao final obteve-se o limiar de acuidade temporal, que corresponde ao menor intervalo de silêncio no qual o paciente percebe que está ouvindo dois sons, para cada tipo de estímulo, denominados limiar de acuidade temporal final para tons puros (média dos limiares obtidos para 500 Hz, 1k, 2k e 4 kHz), e o limiar de acuidade temporal para clique. RESULTADOS: A média do limiar de acuidade temporal para a frequência sonora de 500 Hz foi de 7,25 ms; para a frequência de 1 kHz foi de 7,25 ms; para a frequência de 2 kHz foi de 6,73 ms; para a frequência de 4 kHz foi de 6,03 ms. O limiar de acuidade temporal final foi de 6,72 ms. A média do limiar de acuidade temporal para clique foi de 6,43 ms. Não foi encontrada diferença quanto aos limiares de acuidade temporal ao comparar estímulos dos tipos tom puro e clique. CONCLUSÃO: Não há diferença no desempenho dos indivíduos para a habilidade auditiva de resolução temporal, independente do estímulo auditivo utilizado. <![CDATA[<b>Processamento auditivo temporal de trabalhadores rurais expostos a agrotóxico</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2179-64912012000200015&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt PURPOSE: The objective of this research was to assess the ordering and temporal resolution auditory abilities in rural workers exposed to pesticides and compare them with laborers exposure index. METHODS: A sectional study assessed 33 individuals of both genders, aged 18-59 years, who were exposed to pesticides during their daily routine. The procedures were: questionnaire, meatoscopy, basic audiological evaluation and Temporal Auditory Processing tests: pattern test duration and Gaps-in-Noise. In order to analyse the results, a variable called 'index of exposure' was set up through a simple sum of variables present in the questionnaire. The tests' results on Temporal Auditory Processing were categorized according to the tercis of distribution, based on the results observed - in this study, tertile 1, tertile 2, and tertile 3 - and then compared with the exposure index. RESULTS: Difference was verified in all tertiles, with a dose-response relationship, i.e. increased average exposure was associated to worse performance on pattern test duration (p=0.001) and Gaps-in-Noise (p=0.001) in all tertiles. The highest correlation was observed between tertiles 3 and 1. CONCLUSION: Workers exposed to pesticide performed bellow average on Temporal Auditory Processing tests. There was association between the index of exposure to pesticides and worse performance in Temporal Auditory Processing tests, suggesting that the pesticides may be harmful to central auditory pathways.<hr/>OBJETIVO: Investigar as habilidades auditivas de ordenação e resolução temporal, em trabalhadores rurais expostos ocupacionalmente a agrotóxicos, e correlacionar estes resultados com o grau de exposição dos laboriosos a estas substâncias. MÉTODOS: Foi realizado um estudo seccional, por meio da avaliação de 33 indivíduos de ambos os gêneros, com idades entre 18 e 59 anos, expostos ocupacionalmente a agrotóxicos. Aplicou-se os seguintes procedimentos: questionário, meatoscopia, audiometria, imitanciometria e testes do Processamento Auditivo Temporal: Teste de Padrão de Duração e Gaps-in-Noise. Para análise dos resultados criou-se uma variável denominada índice de exposição, por meio de um somatório de variáveis presentes no questionário. Os resultados dos testes de Processamento Auditivo Temporal aplicados foram categorizados segundo os tercis de distribuição, de acordo com o resultado observado - sendo neste estudo denominado de Tercil 1, Tercil 2 e Tercil 3 - e então, comparado com o índice de exposição. RESULTADOS: Verificou-se diferença em todos os tercis, havendo relação dose-resposta: conforme foi aumentada a média de exposição, pior foi o desempenho no Teste de Padrão de Duração (p=0,001) e no Gaps-in-Noise (p=0,001), em todos os tercis. A maior correlação foi observada entre o Tercil 3 e o Tercil 1. CONCLUSÃO: Os trabalhadores expostos ao agrotóxico apresentaram desempenho inferior ao esperado para os padrões de normalidade nos testes de Processamento Auditivo Temporal. Houve associação entre o índice de exposição a agrotóxico e pior desempenho nos testes de Processamento Auditivo Temporal, sugerindo que o agrotóxico pode ser uma substância nociva às vias auditivas centrais. <![CDATA[<b>Habilidades auditivas e comunicativas no espectro da neuropatia auditiva e mutação no gene Otoferlin</b>: <b>estudo de casos</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2179-64912012000200016&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt This study had the aim to investigate the auditory and communicative abilities of children diagnosed with Auditory Neuropathy Spectrum Disorder due to mutation in the Otoferlin gene. It is a descriptive and qualitative study in which two siblings with this diagnosis were assessed. The procedures conducted were: speech perception tests for children with profound hearing loss, and assessment of communication abilities using the Behavioral Observation Protocol. Because they were siblings, the subjects in the study shared family and communicative context. However, they developed different communication abilities, especially regarding the use of oral language. The study showed that the Auditory Neuropathy Spectrum Disorder is a heterogeneous condition in all its aspects, and it is not possible to make generalizations or assume that cases with similar clinical features will develop similar auditory and communicative abilities, even when they are siblings. It is concluded that the acquisition of communicative abilities involves subjective factors, which should be investigated based on the uniqueness of each case.<hr/>Este estudo teve como objetivo investigar as habilidades auditivas e comunicativas de crianças diagnosticadas com Espectro da Neuropatia Auditiva, sendo a etiologia definida como mutação no gene Otoferlin. Trata-se de uma pesquisa descritivo-qualitativa, na qual foram avaliados dois irmãos que se enquadram no quadro clínico descrito. Os procedimentos realizados foram: testes de percepção de fala voltados a crianças deficientes auditivas profundas e avaliação das habilidades comunicativas por meio do Protocolo de Observação Comportamental. Por serem irmãos, as crianças voluntárias neste estudo partilham o mesmo ambiente familiar e contexto comunicativo. Apesar disso, desenvolveram habilidades comunicativas distintas, principalmente quanto ao uso da linguagem oral. O estudo mostrou que o Espectro da Neuropatia Auditiva é uma patologia muito heterogênea em todos os aspectos, não sendo possível fazer generalizações ou supor que casos com características clínicas similares desenvolverão as mesmas habilidades auditivas e comunicativas, mesmo no caso de irmãos. Conclui-se que a aquisição dessas habilidades envolve fatores subjetivos, que devem ser investigados a partir da singularidade de cada caso. <![CDATA[<b>Perda auditiva e síndrome da imunodeficiência adquirida</b>: <b>revisão sistemática</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2179-64912012000200017&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt PURPOSE: To investigate the occurrence of hearing loss in individuals with HIV/AIDS and their characterization regarding type and degree. RESEARCH STRATEGY: It was conducted a systematic review of the literature found on the electronic databases PubMed, EMBASE, ADOLEC, IBECS, Web of Science, Scopus, Lilacs and SciELO. SELECTION CRITERIA: The search strategy was directed by a specific question: "Is hearing loss part of the framework of HIV/AIDS manifestations?", and the selection criteria of the studies involved coherence with the proposed theme, evidence levels 1, 2 or 3, and language (Portuguese, English and Spanish). DATA ANALYSIS: We found 698 studies. After an analysis of the title and abstract, 91 were selected for full reading. Out of these, 38 met the proposed criteria and were included on the review. RESULTS: The studies reported presence of conductive, sensorineural, and mixed hearing loss, of variable degrees and audiometric configurations, in addition to tinnitus and vestibular disorders. The etiology can be attributed to opportunistic infections, ototoxic drugs or to the action of virus itself. The auditory evoked potentials have been used as markers of neurological alterations, even in patients with normal hearing. CONCLUSION: HIV/AIDS patients may present hearing loss. Thus, programs for prevention and treatment of AIDS must involve actions aimed at auditory health.<hr/>OBJETIVO: Investigar a ocorrência de perda auditiva em indivíduos com HIV/AIDS e sua caracterização quanto ao tipo e grau. ESTRATÉGIA DE PESQUISA: Foi realizada uma revisão sistemática da literatura nas bases de dados eletrônicas PubMed, EMBASE, ADOLEC, IBECS, Web of Science, Scopus, Lilacs e SciELO. CRITÉRIOS DE SELEÇÃO: A estratégia de busca foi direcionada por uma questão específica "A perda auditiva faz parte do quadro de manifestações do HIV/AIDS?", e os critérios de seleção dos estudos envolveram a coerência com o tema proposto, os níveis de evidência 1, 2 ou 3 e o idioma (Português, Inglês e Espanhol). ANÁLISE DOS DADOS: Foram localizados 698 estudos. Após análise do título e resumo, selecionaram-se 91 para leitura completa. Destes, apenas 38 atenderam aos critérios propostos e foram incluídos na revisão. RESULTADOS: Os estudos relataram a presença de perda auditiva condutiva, sensorioneural e mista, de grau e configuração audiométrica variáveis, além de zumbido e distúrbios vestibulares. A etiologia pode ser atribuída às infecções oportunistas, medicamentos ototóxicos ou à ação do próprio vírus. Os potenciais evocados auditivos têm sido utilizados como marcadores de alteração neurológica, mesmo em pacientes com audição normal. CONCLUSÃO: Pacientes portadores de HIV/AIDS podem apresentar perda auditiva. Sendo assim, programas de prevenção e tratamento da AIDS devem envolver ações voltadas à saúde auditiva. <![CDATA[<b>Estímulos visuais e produção escrita de surdos sinalizadores</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2179-64912012000200018&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt PURPOSE: To verify the interference of visual stimuli in written production of deaf signers with no complaints regarding reading and writing. METHODS: The research group consisted of 12 students with education between the 4th and 5th grade of elementary school, with severe or profound sensorineural hearing loss, users of LIBRAS and with alphabetical writing level. The evaluation was performed with pictures in a logical sequence and an action picture. The analysis used the communicative competence criteria. RESULTS: There were no differences in the writing production of the subjects for both stimuli. In all texts there was no title and punctuation, verbs were in the infinitive mode, there was lack of cohesive links and inclusion of created words. CONCLUSION: The different visual stimuli did not affect the production of texts.<hr/>OBJETIVO: Verificar a interferência de estímulos visuais na escrita de surdos sinalizadores sem queixas de leitura e escrita. MÉTODOS: O grupo de pesquisa foi composto por 12 alunos com escolaridade entre o quarto e o quinto ano do ensino fundamental, com perda neurossensorial de grau severo ou profundo, usuários de Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) e com nível alfabético de escrita. Os sujeitos foram orientados a elaborar um texto para cada estímulo visual apresentado: figuras de sequência lógica e uma figura de ação. A análise foi realizada seguindo-se os critérios das competências comunicativas. RESULTADOS: Não foram observadas diferenças na produção escrita dos sujeitos da pesquisa para ambos os estímulos. Observou-se ausência de título e pontuação, verbos no modo infinitivo, ausência de elos coesivos e inclusão de palavras inventadas. CONCLUSÃO: Os diferentes estímulos visuais não interferem na produção textual dos sujeitos.