Scielo RSS <![CDATA[Trends in Psychiatry and Psychotherapy]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=2237-608920140002&lang=es vol. 36 num. 2 lang. es <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[Development across the life cycle]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2237-60892014000200059&lng=es&nrm=iso&tlng=es <![CDATA[Risk factors of suicide attempts by poisoning: review]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2237-60892014000200063&lng=es&nrm=iso&tlng=es Introduction: Suicide, a complex and universal human phenomenon, is a major public health problem. This study reviewed the literature about the major risk factors associated with suicide attempts by poisoning. Methods: An integrative review of the literature was performed in databases (LILACS, PubMed and MEDLINE) to search for studies published between 2003 and 2013, using the following keywords: suicide, attempted; poisoning; risk factors. Inclusion criteria were: original study with abstract, sample of adults, and attempted suicide by poisoning in at least 50% of the study population. Results: Two hundred and nineteen studies were retrieved and read by two independent examiners, and 22 were included in the study. The main risk factors for suicide attempts by poisoning were female sex, age 15-40 years, single status, little education, unemployment, drug or alcohol abuse or addiction, psychiatric disorder and psychiatric treatment using antidepressants. Conclusion: Further prospective studies should be conducted to confirm these risk factors or identify others, and their findings should contribute to planning measures to prevent suicide attempts. <hr/> Introdução: O suicídio é um fenômeno humano complexo, universal e que representa um grande problema de saúde pública. Diante disso, o presente estudo tem por objetivo revisar a literatura acerca dos principais fatores de risco associados à tentativa de suicídio por envenenamento. Método: Foi realizada uma revisão integrativa em bases de dados (LILACS, PubMed e MEDLINE). A pesquisa focou artigos publicados entre os anos de 2003 a 2013, utilizando os seguintes descritores: suicide, attempted; poisoning; risk factors. Foram considerados os seguintes critérios de inclusão: ser artigo original, com resumo disponível, amostra composta por adultos, e que pelo menos 50% da população do estudo tenham tentado o suicídio por envenenamento. Resultados: Foram selecionados 219 artigos. Após a leitura por dois pesquisadores independentes, 22 foram incluídos na revisão. Os principais fatores de risco encontrados para a tentativa de suicídio por envenenamento foram: gênero feminino, idade entre 15 a 40 anos, estado civil solteiro, baixa escolaridade, desemprego, abuso/dependência de substancias e/ou álcool, ser acometido por transtorno psiquiátrico e estar em tratamento psiquiátrico com uso de antidepressivo. Conclusão: Considera-se que pesquisas adicionais, bem como a ampliação de estudos prospectivos, deverão ser realizadas para a confirmação ou identificação de novos fatores de risco. Estas medidas objetivam contribuir para o planejamento e prevenção da tentativa e do suicídio. <![CDATA[Como déficits semânticos na esquizotipia auxiliam a compreender transtornos da linguagem e do pensamento na esquizofrenia: uma revisão sistemática e integrativa]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2237-60892014000200075&lng=es&nrm=iso&tlng=es Introduction: Disorders of thought are psychopathological phenomena commonly present in schizophrenia and seem to result from deficits of semantic processing. Schizotypal personality traits consist of tendencies to think and behave that are qualitatively similar to schizophrenia, with greater vulnerability to such disorder. This study reviewed the literature about semantic processing deficits in samples of individuals with schizotypal traits and discussed the impact of current knowledge upon the comprehension of schizophrenic thought disorders. Studies about the cognitive performance of healthy individuals with schizotypal traits help understand the semantic deficits underlying psychotic thought disorders with the advantage of avoiding confounding factors usually found in samples of individuals with schizophrenia, such as the use of antipsychotics and hospitalizations. Methods: A search for articles published in Portuguese or English within the last 10 years on the databases MEDLINE, Web of Science, PsycInfo, LILACS and Biological Abstracts was conducted, using the keywords semantic processing, schizotypy and schizotypal personality disorder. Results: The search retrieved 44 manuscripts, out of which 11 were firstly chosen. Seven manuscripts were additionally included after reading these papers. Conclusion: The great majority of the included studies showed that schizotypal subjects might exhibit semantic processing deficits. They help clarify about the interfaces between cognitive, neurophysiological and neurochemical mechanisms underlying not only thought disorders, but also healthy human mind's creativity. <hr/> Introdução: Transtornos do pensamento são fenômenos psicopatológicos comumente presentes na esquizofrenia e parecem resultar de déficits do processamento semântico. Traços esquizotípicos de personalidade consistem de tendências de pensamento e comportamento qualitativamente semelhantes às observadas na esquizofrenia, além de uma maior vulnerabilidade para esse transtorno. O presente trabalho teve como objetivo revisar a literatura sobre déficits de processamento semântico em amostras de indivíduos com traços esquizotípicos, discutindo o impacto desse conjunto de conhecimentos sobre a compreensão dos transtornos de pensamento na esquizofrenia. Estudos sobre o desempenho cognitivo de indivíduos saudáveis que apresentam traços esquizotípicos são úteis na elucidação dos déficits semânticos subjacentes aos transtornos psicóticos do pensamento, com a vantagem adicional de evitar fatores confundidores normalmente presentes em amostras clínicas de indivíduos esquizofrênicos, tais como uso de antipsicóticos e hospitalizações. Métodos: Foi realizada uma busca por artigos publicados em português ou inglês nos últimos 10 anos nas bases de dados MEDLINE, Web of Science, PsycINFO, LILACS e Biological Abstracts, utilizando-se as palavras-chave semantic processing, schizotypy e schizotypal personality disorder. Resultados: A pesquisa resultou em 44 manuscritos, dos quais 11 foram inicialmente selecionados. A partir da leitura desses artigos, outros sete foram adicionalmente incluídos. Conclusão: A grande maioria dos estudos incluídos mostrou que indivíduos esquizotípicos podem apresentar déficits de processamento semântico, auxiliando a compreender as interfaces cognitiva, neurofisiológica e neuroquímica subjacentes não só aos distúrbios pensamento, mas também à criatividade na mente humana saudável. <![CDATA[The Peer Aggressive and Reactive Behaviors Questionnaire (PARB-Q): evidence of validity in the Brazilian context]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2237-60892014000200089&lng=es&nrm=iso&tlng=es Objective: To evaluate the psychometric properties of the Brazilian version of the Peer Aggressive and Reactive Behaviors Questionnaire (PARB-Q), a self-report instrument comprising two independent scales that assess aggressive behavior and reactions to peer aggression. Method: A total of 727 elementary schoolchildren aged 8-13 years (52% boys) were included. Exploratory and confirmatory factor analyses were used to evaluate the factor structure. Results: The Brazilian version of the PARB-Q was consistent with the original version. The results of the exploratory factor analyses (EFA) indicated a one-factor solution for the first scale (Peer Aggression Scale) and a three-factor solution (Reactive Aggression, Seeking Teacher Support, and Internalizing Reaction) for the Reaction to Peer Aggression Scale. The confirmatory analyses for both scales yielded good fit indices. Conclusion: The results of the statistical analyses suggested adequate psychometric properties and satisfactory validity and reliability of the Brazilian version of the PARB-Q, making it a useful tool for assessing aggressive behavior as well as children's reactions to aggression by their peers. <hr/> Objetivo: Avaliar as propriedades psicométricas do Questionário de Comportamentos Agressivos e Reativos entre Pares (Q-CARP), versão brasileira, instrumento de autorrelato composto por duas escalas independentes que avaliam os comportamentos agressivos e as reações das crianças frente à agressão dos seus pares. Método: Participaram do estudo 727 crianças com idade entre 8 e 13 anos, estudantes do ensino fundamental (52% meninos). Análises fatoriais exploratórias e confirmatórias foram realizadas com o objetivo de avaliar a estrutura fatorial do instrumento. Resultados: O Q-CARP foi consistente com a versão original. Os resultados das análises fatoriais exploratórias indicaram solução de um fator para a primeira escala (Escala de Comportamentos Agressivos) e de três fatores (Reação Agressiva, Busca de Apoio e Reação Internalizada) para a Escala de Reação à Agressão. As análises fatoriais confirmatórias revelaram bons índices para ambas as escalas. Conclusão: Os resultados das análises estatísticas sugeriram adequadas propriedades psicométricas e satisfatórios índices de validade e fidedignidade para a versão brasileira do Q-CARP, configurando-se como uma ferramenta útil para avaliar os comportamentos agressivos de crianças e, também, suas reações frente à agressão de seus pares. <![CDATA[Patterns of non-medical use of methylphenidate among 5th and 6th year students in a medical school in southern Brazil]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2237-60892014000200101&lng=es&nrm=iso&tlng=es Objectives: To evaluate the prevalence of methylphenidate (MPH) use among 5th and 6th year medical students, to discriminate MPH use with and without medical indication, and to correlate MPH use with alcohol intake. Methods: This is a cross-sectional study in which medical students were invited to answer a questionnaire to evaluate academic and socioeconomic status, MPH use patterns, and attitudes towards neuroenhancing drugs. The Alcohol Use Disorders Identification Test (AUDIT) was used to assess alcohol intake; a score ≥ 8 suggests potentially hazardous alcohol use. Results: Fifty-two participants (34.2%) had already used MPH, of which 35 (23.02%) had used it without medical indication. The number of 6th year students who had used MPH was more than twice higher than that of their 5th year counterparts (32.89 vs. 13.15%, respectively; p = 0.004). Also, 43.6% (p = 0.031) of the users of MPH had an AUDIT score ≥ 8; 33.3% (p = 0.029) of non-medical users of MPH had an AUDIT score ≥ 8. Conclusions: In this study, the use of MPH without medical indication was prevalent. Our findings also confirmed the association between non-medical use of MPH and potentially hazardous alcohol use. <hr/> Objetivos: Avaliar a prevalência do uso do metilfenidato entre estudantes do 5º e do 6º ano de uma faculdade de medicina, discriminar o uso com ou sem indicação médica e correlacionar o uso de metilfenidato com a ingestão de álcool. Métodos: Este é um estudo transversal, em que os alunos de medicina foram convidados a responder um questionário para avaliação do status socioeconômico e acadêmico, padrões do uso do metilfenidato e atitude em relação a drogas potencializadoras da cognição. Também foi aplicado o questionário The Alcohol Use Disorder Identification Test (AUDIT), que avalia o consumo de bebidas alcoólicas, onde um score ≥ 8 significa ingestão potencialmente perigosa de álcool. Resultados: Cinquenta e dois participantes (34,2%) já haviam usado metilfenidato, sendo que 35 destes (23,02%) haviam usado a substância sem indicação médica. O número de estudantes do 6º ano que fizeram uso não médico de metilfenidato foi mais de duas vezes maior do que o número de estudantes do 5º ano (32,89 versus 13,15%, respectivamente; p = 0,004). Em relação ao AUDIT, 43,6% (p = 0,031) dos usuários de metilfenidato tiveram escores ≥ 8; 33,3% (p = 0,029) dos usuários não médicos de metilfenidato tiveram escores ≥ 8 no AUDIT. Conclusões: Neste estudo, o uso de metilfenidato sem indicação médica foi prevalente. Os achados também evidenciaram a associação entre o uso não médico de metilfenidato e o uso potencialmente perigoso de álcool. <![CDATA[Translation and adaptation of the Child Posttraumatic Cognitions Inventory (cPTCI) to Brazilian Portuguese]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2237-60892014000200107&lng=es&nrm=iso&tlng=es Introduction: Experiencing a traumatic event is a risk factor for the development of mental illness, especially posttraumatic stress disorder. A child's appraisals of a traumatic event may play a prominent role in the development or maintenance of the disorder. Therefore, subjective responses should be evaluated to understand the impact of a traumatic event on a child's life. This study translated and adapted the Child Posttraumatic Cognitions Inventory (cPTCI) for use in linguistic and cultural contexts in Brazil. Methods: The process included translation, back-translation, language expert evaluation and expert committee's evaluation. Results: Content validity index scores were good for all dimensions after evaluation by two judges and one reformulation. The back-translation of the final version also showed that the cPTCI items in Brazilian Portuguese maintained the same meanings of the original in English. This version was tested in a sample of the target population, and all the items were above the cut-off point (minimum = 3.6; maximum = 4.0). Conclusions: This study was successful in producing a Brazilian version of the cPTCI. Further studies are underway to examine the reliability and the factorial and concurrent validity of cPTCI subscales. <hr/> Introdução: Eventos traumáticos são fator de risco para o desenvolvimento de transtornos mentais, especialmente o transtorno do estresse pós-traumático. As avaliações que a criança faz do evento traumático podem ter um papel importante no desenvolvimento ou manutenção desse transtorno, e as respostas subjetivas dadas pela criança devem ser avaliadas para que se possa entender o impacto de tal evento em sua vida. Este estudo traduziu e adaptou o Child Posttraumatic Cognitions Inventory (cPTCI) para uso em contextos linguísticos e culturais brasileiros. Método: Os procedimentos incluíram a tradução, retrotradução, avaliação por especialista em linguística e avaliação por uma comissão de especialistas. Resultados: Os resultados do índice de validade de conteúdo foram bons para todas as dimensões após a avaliação de dois especialistas e uma reformulação. A retrotradução da versão final também demonstrou que a versão em português brasileiro do cPTCI manteve os mesmos significados da versão original em inglês. A versão final foi testada na população alvo, e todos os itens ficaram acima do ponto de corte (mínimo = 3,6; máximo = 4,0). Conclusões: Este estudo produziu uma versão brasileira do cPTCI. A confiabilidade, a validade fatorial e validade concorrente das subescalas do cPTCI estão sendo avaliadas por estudos em desenvolvimento. <![CDATA[Panic disorder and psychoactive substance use in primary care]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2237-60892014000200113&lng=es&nrm=iso&tlng=es Objective: To identify the association between panic disorder and licit and illicit substance use in the population provided with primary care in the southern Brazil. Methods: This is a cross-sectional study with patients from three primary care centers. We used the Alcohol, Smoking and Substance Involvement Screening Test (ASSIST) to evaluate substance use and the Mini International Neuropsychiatric Interview (MINI) to diagnose panic disorder. Results: A total of 1,081 subjects were evaluated. The prevalence of panic disorder was 5.6%. Panic disorder was associated with using marijuana (p = 0.001), tobacco (p = 0.001), cocaine (p &lt; 0.001), and other illicit substances (p &lt; 0.001). Conclusion: A significant association is noticed between panic disorder and licit and illicit substance use, thus, it is interesting to rethink the approach to treatment/intervention in patients with dual diagnosis. <hr/> Objetivo: Identificar a associação entre transtorno do pânico e uso de substâncias lícitas e ilícitas na população atendida na atenção primária no sul do Brasil. Métodos: Este é um estudo transversal com pacientes de três centros de cuidados primários. Foi usado o Teste de Triagem do Envolvimento com Álcool, Tabaco e Outras Substâncias (ASSIST) para avaliar o uso de substâncias e a Mini International Neuropsychiatric Interview (MINI) para diagnosticar o transtorno do pânico. Resultados: Um total de 1.081 pacientes foram avaliados. A prevalência de transtorno do pânico foi de 5,6%. O transtorno do pânico foi associado com o uso de maconha (p = 0,001), tabaco (p = 0,001), cocaína (p &lt; 0,001) e outras substâncias ilícitas (p &lt; 0,001). Conclusão: Foi observada uma associação significativa entre transtorno do pânico e uso de substâncias lícitas e ilícitas. Por este motivo, é interessante repensar a abordagem de tratamento/ intervenção em pacientes com duplo diagnóstico. <![CDATA[Mothers who were sexually abused during childhood are more likely to have a child victim of sexual violence]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2237-60892014000200119&lng=es&nrm=iso&tlng=es Introduction: Recurrent exposure to childhood sexual abuse (CSA) seems to be higher among victims of sexual abuse. In this sense, experiences related to sexual violence can perpetuate within the family context itself in various ways. Here, we investigate the association between being exposed to CSA and having a child victim of sexual abuse. Method: We used a sample with 123 mothers, who were divided into 2 groups: one consisting of 41 mothers of sexually abused children and another consisting of 82 mothers of non-sexually abused children. History of exposure to CSA was evaluated by means of the Childhood Trauma Questionnaire - Short Form (CTQ) and we used a logistic regression model to estimate the prediction values regarding having or not a child exposed to sexual violence. Results: Mothers of sexually abused children had significantly higher scores on CTQ, especially on the sexual abuse subscale (SA). According to our logistic regression model, higher scores on the CTQ significantly predicted the status of being a mother of children exposed to sexual violence in our sample (Wald = 7.074; p = 0.008; Exp(B) = 1.681). Years of formal education reduced the likelihood of having a child victim of sexual violence (Wald = 18.994; p = 0.001; Exp(B) = 0.497). Conclusion: Our findings highlight the importance of a possible intergenerational effect of sexual abuse. Family intervention and prevention against childhood maltreatment should take this issue in account. <hr/> Introdução: A recorrência da exposição ao abuso sexual na infância (ASI) parece ser maior entre vítimas de abuso sexual. Nesse sentido, experiências relacionadas à violência sexual podem perpetuar-se dentro do próprio contexto familiar por diversas maneiras. Aqui, investigamos a associação entre ser exposto a ASI e ter um filho vítima de abuso sexual. Método: Usamos uma amostra com 123 mães, que foram divididas em 2 grupos: um composto por 41 mães de filhos abusados sexualmente e outro composto por 82 mães de filhos não abusados. O histórico da exposição à ASI foi avaliado por meio do Childhood Trauma Questionnaire - Short Form (CTQ) e usamos um modelo de regressão logística para estimar os valores preditivos em relação a ter ou não um filho exposto a violência sexual. Resultados: Mães de crianças vítimas de abuso sexual obtiveram maiores escores no CTQ, especialmente na subescala de abuso sexual (SA). Segundo nosso modelo de regressão logística, escores maiores no CTQ foram capazes de predizer significativamente a categoria de ser ou não mãe de uma criança vítima de violência sexual em nossa amostra (Wald = 7,074; p = 0,008; Exp(B) = 1,681). O número de anos de escolaridade reduziu a chance de ter um filho vítima de violência sexual (Wald = 18,994; p = 0,001; Exp(B) = 0,497). Conclusão: Nossos achados ressaltam a importância de um possível efeito intergeracional do abuso sexual. Intervenções familiares e preventivas contra maus-tratos na infância deveriam levar em consideração essa problemática.