Scielo RSS <![CDATA[Audiology - Communication Research]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=2317-643120150001&lang=pt vol. 20 num. 1 lang. pt <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[Editorial]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2317-64312015000100001&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <![CDATA[Impacto do uso do <em>SpeechEasy</em>® nos parâmetros acústicos e motores da fala de indivíduos com gagueira]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2317-64312015000100002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Objetivo Investigar variações nas habilidades motoras da fala em adultos com e sem gagueira, utilizando o dispositivo de alteração do feedback auditivo SpeechEasy®. Métodos Participaram 20 adultos, dez com gagueira (nove do gênero masculino e um do feminino – média 30,9 anos) e dez controles fluentes (nove do gênero masculino e um do feminino – média 25,2 anos). O estudo comparou o desempenho dos participantes em quatro tarefas: fala espontânea, diadococinesia alternada, diadococinesia sequencial e emissão de frase alvo, com e sem o dispositivo. Os aspectos analisados acusticamente foram: (1) tarefas de diadococinesia: duração das sílabas, período médio entre as sílabas, pico de intensidade e taxa de diadococinesia; (2) tarefa de emissão da frase alvo: tempo de reação, duração do voice onset time, duração total da emissão, frequência fundamental e intensidade. Resultados Tanto na comparação intragrupos quanto intergrupos, apenas a tarefa de fala espontânea apresentou diferenças significativas. Nesta tarefa, o uso do SpeechEasy® resultou em melhora significativa da fluência de fala, medida pela porcentagem de sílabas gaguejadas, para o grupo com gagueira. Para o grupo fluente, o dispositivo produziu o efeito oposto (aumento significativo na frequência de rupturas gagas com o dispositivo). Os resultados encontrados quanto aos aspectos acústicos das tarefas de diadococinesia e emissão da frase alvo não indicaram diferença significativa nas comparações intragrupos e intergrupos. Conclusão Os resultados indicaram que o uso do SpeechEasy® melhorou a fluência dos participantes com gagueira, sem parecer interferir na naturalidade de fala. <hr/> Purpose To investigate variations in speech motor skills in adults who stutter and those who do not, using the SpeechEasy® altered auditory feedback device. Methods 1 2 Results The spontaneous speech task was the only task to show significant differences in both the intragroup and intergroup comparisons. In this task, the use of SpeechEasy® resulted in significant improvement in speech fluency, as measured by the percentage of stuttered syllables, for the group who stuttered. For the fluent group, the device produced the opposite effect: a significant increase in the frequency of stuttered disfluencies was observed with the device. No significant differences were found in either intragroup or intergroup comparisons relating to the acoustic aspects of the diadochokinesis and target phrase production tasks. Conclusion The results indicated that the use of SpeechEasy® improved the fluency of participants who stutter, without appearing to interfere with speech naturalness. <![CDATA[O impacto do contexto da disfluência na organização temporal de consoantes na gagueira]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2317-64312015000100003&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Objetivo Analisar e comparar o voice onset time (VOT) em falantes do português brasileiro com e sem gagueira, com foco em três momentos diferentes de discurso: fala fluente, pré-disfluência e pós-disfluência. Métodos Foram feitas gravações da fala de 20 participantes (n=10 com gagueira e n=10 sem gagueira). Os dados foram transcritos e segmentados para análise acústica e segmentos de oclusivas não vozeadas do Português Brasileiro, /p/, /t/ e /k/ foram extraídos. Os segmentos foram classificados por grupo - se foram produzidos por pessoas que gaguejam (PG) ou por pessoas que não gaguejam (PnG) - e de acordo com o contexto/ambiente de fala (ou seja, na fala fluente, na pré-disfluência, e na pós-disfluência). Os testes Friedman e Wilcoxon foram utilizados para comparação dentro dos grupos e o teste de Mann-Whitney, em comparações intergrupos. As análises estatísticas foram executadas usando SPSS 14.0, com nível de significância de α=0,05. Resultados O VOT de falantes com e sem gagueira diferiu mais no ambiente de pré-disfluência, durante o qual, falantes com gagueira apresentaram VOT significativamente mais longo do que falantes que não gaguejavam. Depois de passar por um momento de disfluência, no entanto, o VOT dos participantes com gagueira retornou a medidas semelhantes às pessoas que não gaguejavam. Conclusão Nos ambientes de pré-disfluência e pós-disfluência, as PG produzem VOT mais longos do que as PnG. Já no discurso fluente de PG, as oclusivas se comportam de forma diferente. São discutidas as implicações desses resultados para o controle motor da fala. <hr/> Purpose To analyze and compare the voice onset time (VOT) in Brazilian Portuguese speakers who stutter and those who do not, focusing on three different moments of speech: fluent, pre-dysfluent and post-dysfluent environments. Methods Twenty participants (n=10 with stuttering and n=10 without stuttering) were recorded. The data were transcribed and segmented for acoustic analysis, and it was extracted tokens of Brazilian Portuguese voiceless stops /p/, /t/ and /k/. Tokens were classified according to whether they were produced by people who stutter (PWS) or by people who do not stutter (PWnS), and according to their environment in speech (i.e., in fluent speech, pre-dysfluency, and post-dysfluency). For comparisons within groups it were used the Friedman and Wilcoxon tests, and the Mann-Whitney test was used in intergroup comparisons. Statistical analyses were executed using SPSS 14.0 with the significance level set at α=0.05. Results VOT in stuttering and non-stuttering speakers differed most in the environment of pre-dysfluencies, during which stuttering speakers show significantly longer VOT than speakers who do not stutter. After passing through a moment of dysfluency, however, stuttering speakers’ VOT returns to measures similar to non-stuttering speakers’. Conclusion In pre-dysfluent and post-dysfluent speech, PWS produces longer VOT than PWnS. In the fluent speech of PWS, the stops behave differently. The implications of these results for speech motor control are discussed. <![CDATA[Relações entre pausas e constituintes prosódicos na fala de crianças com desenvolvimento típico de linguagem]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2317-64312015000100004&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Objetivo (1) Verificar a distribuição de pausas não hesitativas e hesitativas em entrevistas com crianças em desenvolvimento típico de linguagem; (2) verificar, nas pausas não hesitativas, sua relação com limites de enunciados fonológicos e de frases entonacionais; (3) verificar, nas pausas hesitativas, sua distribuição entre início e interior de enunciados. Métodos As pausas foram extraídas de amostras de fala de quatro crianças com desenvolvimento típico de linguagem e idades entre quatro e cinco anos que, em 2011, frequentavam o nível Infantil II de uma Escola Municipal de Educação Infantil de Marília. As amostras de fala versavam sobre temas trabalhados em dez propostas pedagógicas desenvolvidas na sala de aula das crianças. Posteriormente, foi realizada, pela pesquisadora, uma inspeção de outiva (complementada pelo julgamento perceptual-auditivo de um grupo de cinco juízes) de cada um dos arquivos, a fim de se identificar os pontos de pausas. Resultados Não foi verificada diferença estatística na distribuição entre pausas hesitativas e não hesitativas; foi verificada tendência marginal de maior ocorrência de pausas em limites de frases entonacionais, do que em limites de enunciados fonológicos; não houve diferença estatística na distribuição entre pausas hesitativas em início e em interior de enunciados. Conclusão A instabilidade na distribuição das pausas é um importante recurso linguístico de observação dos domínios prosódicos que se mostram como mais, ou menos, dominados pelas crianças na aquisição da linguagem. <hr/> Purpose (1)To verify distribution of non-hesitation and hesitation pauses during interviews with children who presented typical language development; (2) To verify, in non-hesitation pauses, its relation with phonological utterance and intonational phrase boundaries; (3) To verify, in hesitation pauses, its distribution along the beginning and ending of utterances. Methods Pauses have been extracted from speech samples of four children with typical language development, aged between four and five years old, who attended Preschool at a Municipal Preschool in Marília, in 2011. Speech samples covered topics developed within ten pedagogical proposals carried out in the classroom. Subsequently, hearing inspection of every file was performed by the researcher (complemented by auditory-perceptual judgment from a group of five judges) to identify pause points. Results Statistical differences weren’t found in distribution between hesitation and non-hesitation pauses; marginal tendency for higher rate of pauses in intonational phrases boundaries than in phonological utterance boundaries was detected; there wasn’t statistical difference in distribution between hesitation pauses in the beginning and in the middle of utterances. Conclusion Instability in pause distribution is an important linguistic resource for observing prosodic domains, which are more or less mastered by children during language acquisition. <![CDATA[Ordenação temporal simples e localização sonora: associação com fatores ambientais e desenvolvimento de linguagem]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2317-64312015000100005&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Objetivo Investigar ordenação temporal simples e localização sonora de crianças, associação com recursos do ambiente familiar e desenvolvimento da linguagem. Métodos Foram avaliadas 96 crianças, sendo 42 com 4 anos e 54 com 5 anos, utilizando-se como instrumentos o Inventário de Recursos do Ambiente Familiar, provas de fonologia e vocabulário do Teste de Linguagem Infantil e Avaliação Simplificada do Processamento Auditivo. Resultados Ao associar idade ao processamento auditivo e suas habilidades, observou-se adequação em ambas as idades, sendo que crianças do gênero masculino apresentaram melhor desempenho. Os indivíduos com resultados inadequados nas habilidades do processamento auditivo apresentaram, também, inadequação nos domínios do Recurso do Ambiente Familiar. Na maior parte das crianças que apresentaram as habilidades de processamento auditivo adequadas, a fonologia também estava adequada, mas o vocabulário era inadequado. Crianças com processamento auditivo alterado tem três vezes mais chances de apresentarem alteração no vocabulário. Conclusão A maior parte das crianças que apresentou adequação das habilidades de ordenação temporal simples e localização sonora demonstrou também fonologia adequada. <hr/> Purpose To investigate the simple temporal ordering and sonorous localization of children and the association with family environment resources and language development. Methods Ninety-six children, 42 aged 4 years and 54 aged 5 years and 11 months, were assessed using the Inventory of Resources of the Family Environment, phonological and vocabulary tests, Child Language Test and Simplified Evaluation of Auditory Processing. Results When age was associated to auditory processing skills, it was observed adequacy in both ages, being that male children showed better performance. Individuals who showed poor results in auditory processing skills also showed inadequacy in the areas of Family Environment Resources. Most children who showed adequate auditory processing skills, also showed adequate phonology, but inadequate vocabulary. Children with auditory processing disorders have three times more chance to show changes in vocabulary. Conclusion Most children who had adequate skills in a simple temporal ordering and sound localization also demonstrated adequate phonology. <![CDATA[A influência da proporcionalidade corporal em crianças nascidas pequenas para a idade gestacional: estudo da maturação da via auditiva]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2317-64312015000100006&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Objetivo Acompanhar a maturação da via auditiva de lactentes nascidos pequenos para a idade gestacional (PIG), de acordo com a proporcionalidade corporal, nos primeiros seis meses de vida. Métodos Potencial Evocado Auditivo de Tronco Encefálico (PEATE) realizado no período neonatal e aos seis meses de vida, em 59 lactentes, sendo 35 nascidos pequenos para a idade gestacional e assimétricos (PIG-A) e 24 simétricos (PIG-S), comparados a 59 lactentes nascidos com peso adequado (AIG), considerando a idade gestacional. Resultados Os lactentes PIG-A e PIG-S a termo e pré-termo evidenciaram processo maturacional auditivo (diminuição progressiva das latências do PEATE) significativo, do período neonatal aos seis meses de vida, o mesmo ocorrendo em relação aos AIG. Os grupos AIG a termo e pré-termo, bem como os grupos PIG-S e PIG-A não se diferenciaram do ponto de vista auditivo durante os seis meses, quando comparados entre si. Conclusão Os lactentes PIG com padrão simétrico e assimétrico evidenciaram maturação auditiva, sugerindo que o tempo de permanência no agravo intrauterino não representou risco auditivo maior. <hr/> Purpose To monitor the auditory pathway maturation of infants born small for gestational age (SGA), according to body proportionality, in the first six months of life. Methods Brainstem auditory-evoked potential (BAEP) was performed during the neonatal period and at six months of life in 59 infants born small for gestational age; among them, 35 were born asymmetrical (SGA-A), and 24 were born symmetrical (SGA-S). The results were compared to those of 59 infants considered appropriate for gestational age (AGA). Results The term and pre-term SGA-A and SGA-S infants showed a significant auditory maturation process (progressive decrease of BAEP latencies) from the neonatal period to six months of life. A similar result was observed with the AGA infants. The term and pre-term AGA infants and the SGA-S and SGA-A infants did not differ from each other from an auditory perspective during the six-month period. Conclusion The SGA infants with symmetrical and asymmetrical patterns showed auditory maturation, suggesting that the duration of intrauterine injury did not represent a greater risk to hearing. <![CDATA[As repercussões sociais em indivíduos com distúrbios da comunicação associados às fissuras labiopalatinas com e sem perda auditiva]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2317-64312015000100007&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Objetivo Identificar as repercussões sociais em indivíduos com distúrbios da comunicação associados às fissuras labiopalatinas com e sem perda auditiva. Métodos Participaram crianças e adolescentes de 7 anos a 15 anos e 11 meses de idade, de ambos os gêneros, com fissuras de lábio e palato ou de palato isolado, com e sem perda auditiva associada. A pesquisa foi composta por 52 participantes, divididos em dois grupos: um constituído por 36 crianças e adolescentes com fissuras labiopalatinas e sem perda auditiva e outro, por 16 sujeitos com fissuras labiopalatinas e com perda auditiva associada. Resultados Constatou-se que as repercussões socioeconômicas, familiares, educacionais e sociais são comuns aos grupos. Conclusão As crianças e adolescentes com perda auditiva associada à fissura labiopalatina não estão em “desvantagem” no que se refere às repercussões econômicas, familiares, escolares e sociais, em relação às que não têm o distúrbio de audição. Ambos os grupos vivenciam o acirramento de conviver com o comprometimento estético e funcional causado pela anomalia e de viver em uma sociedade totalmente preocupada com a imagem e julgadora das diferenças. <hr/> Purpose To identify the social impact on individuals with communication disorders associated with cleft lip and palate with and without hearing loss. Methods Participation by children and adolescents from 7 years to 15 years and 11 months old, of both genders, with cleft lip and palate or isolated cleft palate, with and without associated hearing loss. The survey consisted of 52 participants, divided into two groups: one consisting of 36 children and adolescents with cleft lip and palate without hearing loss and the other, 16 subjects with cleft lip and palate with associated hearing loss. Results It was found that the socio-economic, family, educational and social effects are common to both groups. Conclusion Children and adolescents with hearing loss associated with cleft lip and palate are not “disadvantaged” when referring to economic, family, school and social repercussions in relation to those who do not have hearing disorders. Both groups experience the worsening of living with the aesthetic and functional impairment caused by the anomaly and living in a society entirely concerned with the image and judging differences. <![CDATA[Avaliação da nasalidade de fala na fissura labiopalatina]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2317-64312015000100008&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Objetivo Descrever os resultados da nasalidade de fala de indivíduos com fissura labiopalatina e comparar os achados de nasalidade estabelecidos por meio do julgamento perceptivo-auditivo realizado ao vivo com os achados estabelecidos por análise de gravações por juízes, em dois tipos de amostras de fala. Métodos O estudo envolveu a análise retrospectiva dos resultados de avaliações perceptivo-auditivas da nasalidade de fala realizadas ao vivo por uma fonoaudióloga e o julgamento prospectivo, por consenso de juízas de 100 gravações de amostras de fala, obtidas durante a produção de dois conjuntos de estímulos de fala: um com consoantes de alta pressão (CAP, n=100) e outro com consoantes de baixa pressão (CBP, n=100). Os dados pertenciam a pacientes de ambos os gêneros, com idades entre 5 e 12 anos, que tiveram a fissura labiopalatina operada por um mesmo cirurgião. Resultados A ausência de hipernasalidade foi constatada em 69% dos julgamentos ao vivo. Quando presente, a hipernasalidade leve foi constatada em 23% dos casos, enquanto a hipernasalidade moderada em 8%. Para os julgamentos das amostras gravadas, 50% foram identificadas com hipernasalidade durante a produção das amostras CAP e 62% durante a das amostras CBP. Diferença significativa foi encontrada entre o resultado do julgamento ao vivo e o julgamento pelas juízas nas amostras CAP. A concordância entre as modalidades de avaliação variou de 79% para as amostras CAP e 80% para as amostras CBP, sendo considerada moderada. Conclusão O julgamento perceptivo ao vivo da nasalidade de fala pode detectar melhor a ausência de hipernasalidade, seguida pela hipernasalidade de grau leve, em comparação com o julgamento realizado por juízes múltiplos, a partir de amostras gravadas. Contudo, tem a desvantagem de os dados não poderem ser reproduzidos, nem quantificados, nem compartilhados por outros membros da equipe. <hr/> Purpose To describe the results of speech nasality of individuals with cleft lip and palate, and to compare auditory-perceptual judgments of nasality between live ratings and multiple judges ratings of recorded speech, for two sets of speech stimuli. Methods The study involved the retrospective analysis of the results of auditory-perceptual assessments of speech nasality performed live by a single speech-language pathologist and a prospective judgment of 100 recordings of speech samples obtained during production of two sets of speech stimuli: one with high pressure consonants (HPC, n=100) and another with low pressure consonants (LPC, n=100). The data belonged to patients, of both genders, with ages between 5 and 12 years, with cleft lip and palate operated by the same surgeon. Results The absence of hypernasality was found for 69% of the patients during live assessment. When present, mild hypernasality was found for 23% and moderate for 8% of the patients. For judge ratings of recorded samples, 50% was identified as hypernasal during production of samples with high pressure consonants, and 62% for the samples with low pressure consonants. A statistically significant difference was found between the live perceptual judgments and judges’ ratings of the recorded samples only for the stimuli with high pressure consonants. The agreement between the methods of assessment was 79% for HPC samples and 80% for LPC samples, within the moderate range. Conclusion Live perceptual judgment of speech nasality revealed higher occurrence of absence of hypernasality followed by presence of mild hypernasality, when compared to multiple judges of recorded samples. The live clinical assessment of speech, however, has the disadvantage that the data may not be reproduced, quantified or shared by other team members. <![CDATA[Diadococinesia oral em crianças com fissura labiopalatina operadas e presença de ceceio na produção da fala]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2317-64312015000100009&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Objetivo Correlacionar o desempenho motor oral nas tarefas de diadococinesia, de acordo com o tipo de fissura e com a presença de ceceio na fala, em crianças com fissura labiopalatina, operadas. Métodos Foram estudadas 30 crianças com fissura completa unilateral de lábio e palato e 30 com fissura isolada de palato, operadas, com idade entre 9 e 12 anos. Dois fonoaudiólogos analisaram a repetição de frases com os fones [s] e [z] para identificar a presença de ceceio e a análise da diadococinesia ocorreu a partir do registro da repetição das sílabas “ta” e “ca” e da sequência “pataca”. Na análise, o teste Kappa verificou a concordância entre os avaliadores, o teste Qui-quadrado a frequência de ceceio entre os grupos e o teste t os valores da diadococinesia, segundo o tipo de fissura e a presença de ceceio. Resultados O número de emissões por segundo e os tempos médios entre as emissões não demonstraram diferença significativa entre os grupos. Houve boa concordância entre os avaliadores quanto à presença de ceceio, com maior frequência nos casos com fissura completa unilateral de lábio e palato. A comparação entre os valores da diadococinesia e a presença de ceceio não evidenciou diferença significativa. Conclusão O desempenho nas tarefas da diadococinesia não sofreu alteração segundo o tipo de fissura labiopalatina. A presença de ceceio na fala foi maior no grupo com fissura completa unilateral de lábio e palato, sem modificação, porém, no desempenho das tarefas da diadococinesia. <hr/> Purpose To correlate the performance of the oral motor tasks of diadochokinesis in children with repaired cleft lip and palate to the type of cleft and to the presence of lisp. Methods We studied 30 children, aged 9 to 12 years, with complete unilateral cleft lip and palate and 30 with isolated cleft palate. Two speech language pathologists analyzed repetition phrases with the phones [s] and [z] to identify the presence of lisp. The analysis of diadochokinesis was performed by registering the repetition of the syllables “ta” and “ka” and the sequence “pataka”. The Kappa test was used to verify agreement between the evaluators, the Chi-square test was used to compare the lisp frequency between the groups, and the t-test was used to compare the diadochokinesis values between the same groups as well as between individuals with and without lisp. Results The mean number of emissions per second and the mean time between emissions were not significantly different between groups. Good agreement was observed between the examiners for the presence of lisp in [s] and [z], with the most evident agreement in the complete unilateral cleft lip and palate group. The comparison between the diadochokinesis values and the presence of lisp revealed no significant difference. Conclusion The performance of diadochokinesis tasks did not change according to the type of cleft. Further, the presence of lisp speech was higher in patients with complete unilateral cleft lip and palate, but this did not affect performance of diadochokinesis tasks. <![CDATA[Alterações estomatognáticas e de fala são comuns entre crianças com incontinência pigmentar]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2317-64312015000100010&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Objetivo Identificar possíveis alterações fonoaudiológicas de crianças com Incontinência Pigmentar (IP), buscando caracterizar o papel da Fonoaudiologia na avaliação e manejo dessa condição genética. Métodos A amostra foi composta por sete crianças do gênero feminino com diagnóstico de IP. Todas foram submetidas aos procedimentos de avaliação nas áreas de motricidade orofacial, deglutição, fala e voz. Resultados Os pacientes que compuseram a amostra tinham média de idade de 6,4 anos. Dentre as principais características clínicas estruturais verificadas, destacaram-se a presença de diastemas não fisiológicos e anormalidades de palato duro, encontradas em 85,7% da amostra, além da agenesia dentária em 71,4% dos casos. Quanto aos achados funcionais, 71,4 % apresentaram alteração de mobilidade da língua e 57,1 %, mastigação inadequada. Em relação às alterações de fala, os principais achados foram alterações fonéticas e/ou fonológicas, verificadas em 85,7% da amostra, sendo mais comum a alteração fonética caracterizada pela distorção na fricativa alveolar [s], presente em 57,1% dos casos. Nenhuma das crianças apresentou alteração de voz e deglutição, de acordo com o protocolo utilizado. Além disso, não se evidenciou anormalidade de audição, de acordo com a queixa familiar ou por meio da observação durante a avaliação. Conclusão Nesta amostra, as alterações fonoaudiológicas mais frequentes entre os pacientes com IP relacionaram-se, principalmente, com as estruturas do sistema estomatognático e com a fala. <hr/> Purpose To identify possible speech-language disorders in children with Incontinentia Pigmenti (IP), seeking to characterize the role of speech therapy in the evaluation and management of this genetic condition. Methods The sample was composed of seven female children diagnosed with IP. Results The patients in the sample had a mean age of 6.4 years. Among the main structural features verified in the patients, highlighted the presence of no physiological diastema and hard palate abnormalities, found both in 85.7 % of the sample, in addition to tooth agenesis in 71.4% of cases. As for functional findings, 71.4 % of the sample had abnormal tongue mobility and 57.1%, inappropriate chewing. As for changes in speech, the main findings consisted of phonetic/phonological alterations, verified in 85.7 % of the sample, being the most common phonetic alteration characterized by distortion of alveolar fricative [s], present in 57.1 % of cases. None of the children had abnormal voice and swallowing according to the used protocol. Furthermore, no detectable hearing abnormality was observed according to claim of the family or by observation during the evaluation. Conclusion In this sample the most frequent speech-language alterations verified among the patients with IP were mainly related to the stomatognathic system structures and speech. <![CDATA[Propriedades clinimétricas da variável eletromiográfica <em>duty factor</em> para desordem temporomandibular]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2317-64312015000100011&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Objetivo Avaliar a confiabilidade e responsividade do duty factor à dor provinda da desordem temporomandibular Métodos Participaram 20 voluntárias, com média de idade de 29 anos e 6 meses (±9,2), portadoras de desordem temporomandibular miogênica, segundo o critério diagnóstico para pesquisa em Desordem Temporomandibular (RDC/TMD). Foram coletados sinais eletromiográficos nas condições de repouso dos músculos mastigatórios, na presença de dor moderada a severa e na diminuição ou eliminação desta dor após aplicação de Estimulação Elétrica Nervosa Transcutânea durante 45 minutos. Os sinais eletromiográficos de repouso foram processados para obtenção dos valores do tempo de ativação muscular acima de 10% do valor da máxima força de apertamento dentário. A confiabilidade foi testada pelo coeficiente de correlação intraclasse em dados repetidos antes da analgesia. Também foi calculado o erro padrão de medida e mínima mudança detectável. A responsividade da variável foi analisada entre as coletas eletromiográficas realizadas antes e após a analgesia pelo tamanho de efeito e média de resposta padronizada. Resultados Duty factor apresentou valores de coeficiente de correlação intraclasse acima de 0,75 para todos os músculos. O erro padrão foi entre 4% e 8% e a mínima mudança detectável entre 5% e 12%. Na responsividade da variável para a dor, o tamanho de efeito obteve valores entre 0,2 e 0,5 e a média da resposta padronizada, valores acima de 0,8. Conclusão O duty factor apresentou confiabilidade excelente e responsividade à dor da desordem temporomandibular baixa para tamanho de efeito e excelente para média da resposta padronizada. <hr/> Purpose To assess the reliability and responsiveness of the duty factor variable for assessing pain originating from temporomandibular disorders. Methods The sample comprised 20 female volunteers, mean age 29 years 6 months (± 9.2), with a diagnosis of myogenic temporomandibular dysfunction according to the Research Diagnostic Criteria for Temporomandibular Disorders. Electromyographic (EMG) signals were collected at three times: during mandibular rest; in the presence of moderate to severe pain; and when pain was reduced to mild or absent after 45 minutes of transcutaneous electrical nerve stimulation (TENS). Electromyographic signals during mandibular rest were processed to obtain values for muscle activation time greater than 10% of maximum bite force. Reliability was tested with intraclass correlation for repeated data before analgesia. Standard error of measurement (SEM) and minimum detectable change (MDC) were also computed to determine reliability. Responsiveness of duty factor was analyzed between EMG recordings, before and after analgesia, by calculating effect size (ES) and standardized response mean (SRM). Results Duty factor presented intraclass correlation coefficient above 0.75 for all muscles. Standard error of measurement ranged from 4% to 8% and minimum detectable change from 5% to 12%. Regarding the responsiveness of duty factor to pain, effect size values fell between 0.2 and 0.5 and SRM values were greater than 0.8. Conclusion Duty factor showed excellent reliability. However, responsiveness to TMD-related pain was low as expressed by effect size and excellent as expressed by standardized response mean. <![CDATA[Controle motor oral e funções orofaciais em indivíduos com deformidade dentofacial]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2317-64312015000100012&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Objetivo Verificar se há relação entre o controle motor oral e as funções orofaciais em indivíduos com deformidade dentofacial (DDF). Métodos Participaram 16 indivíduos entre 18 e 40 anos, média de 28,37 anos, sendo sete indivíduos padrão II (três mulheres e quatro homens) e nove, padrão III (cinco mulheres e quatro homens). Foi realizada avaliação da diadococinesia (DDC) das emissões /pa/, /ta/, /ka/ e /pataka/. As funções de mastigação, deglutição e fala foram analisadas por consenso entre três fonoaudiólogas especialistas na área, a partir da filmagem, utilizando o protocolo MBGR. A correlação entre os resultados da DDC e das funções orofaciais foi obtida por meio do teste de Spearman. Resultados Foi observada correlação positiva entre os parâmetros de instabilidade da DDC na emissão do “pa” e “ka” e a função de mastigação. Houve correlação positiva entre deglutição e DDC para a emissão do “pa” no que se refere à instabilidade das emissões e, quanto à velocidade, houve correlação negativa para a média da taxa da DDC e correlação positiva para a média do período da DDC na emissão do “pa”. Quanto à fala, houve correlação negativa para a emissão do “pa”, para parâmetro de instabilidade. Conclusão O controle motor oral mostrou-se relacionado à gravidade da alteração das funções de mastigação e deglutição, no que se refere aos parâmetros instabilidade e velocidade da DDC. <hr/> Purpose To determine the correlation between oral motor control and orofacial functions in individuals with dentofacial deformity (DFD). Methods Sixteen individuals from 18 to 40 years, (average 28.37 years) participated. Seven individuals were class II (three women and four men) and nine were class III (five women and four men). They were evaluated for diadochokinesis (DDK) using the emissions /pa/, /ta/, /ka/ and /pataka/. The chewing, swallowing, and speech functions were filmed and analyzed by three speech specialists, using the MBGR protocol. The correlation results between DDK and the orofacial functions were obtained through the Spearman test. Results A positive correlation was observed between the DDK instability parameters in issuing the “pa” and “ka” and the chewing function. There was a positive correlation between swallowing and DDK for “pa” emission regarding the instability. As for the speed, there was a negative correlation for the DDK mean rate and a positive correlation for the average DDK period at “pa” emission. As for the speech, there was a negative correlation for “pa” emission for the instability parameter. Conclusion The oral motor control was related to the severity of the change in chewing and swallowing functions regarding the DDK speed and instability paramenters. <![CDATA[Correlação entre sintomas e avaliação perceptivo-auditiva da voz em indivíduos disfônicos]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2317-64312015000100013&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Objetivo Correlacionar os sintomas vocais e os dados da avaliação perceptivo-auditiva da voz de indivíduos disfônicos. Métodos Foram analisados os prontuários de 30 indivíduos com queixas vocais, atendidos em um serviço de Fonoaudiologia, sendo 22 mulheres e oito homens, com média de idade de 51,8 anos (±15,5). Foram coletadas as seguintes informações: resultados da Escala de Sintomas Vocais (ESV) dos domínios Limitação, Emocional, Físico e Total; resultados da avaliação perceptivo-auditiva por meio do protocolo CAPE-V (grau geral do desvio vocal, rugosidade, soprosidade, tensão, pitch, loudness e ressonância). Ambos os procedimentos foram realizados pela fonoaudióloga responsável, na primeira consulta do paciente. Os dados foram analisados estatisticamente. Resultados Houve correlações positivas consideradas boas apenas para os cruzamentos entre as variáveis “Escores totais da ESV” x “Grau geral do desvio vocal” e “Escores Limitação da ESV” x “Grau geral do desvio vocal”. Os escores dos domínios Limitação e Total da ESV tiveram correlação regular com o parâmetro rugosidade. Os demais parâmetros perceptivo-auditivos, de forma isolada, principalmente soprosidade de tensão, não se correlacionaram com os sintomas vocais. Conclusão A relação entre os sintomas vocais e as características perceptivo-auditivas da voz não é direta. No entanto, os sintomas relacionados à funcionalidade, ou seja, às limitações vocais e de comunicação, parecem ter maior correlação com a avaliação clínica, especificamente com o parâmetro “grau geral do desvio vocal”. <hr/> Purpose To determine the correlation between voice symptoms and auditory-perceptual evaluation of voice in dysphonic patients. Methods We analyzed medicals records of 30 dysphonic patients with mean age 51.8±15.5 years, 22 of whom were woman and eight were man. The information collected included the results of the Voice Symptoms Scale (VoiSS) in the Limitation, Emotional and Physical domains and the total score and results of the auditory-perceptual evaluation according to the CAPE-V protocol. Both were evaluated by a speech pathologist on the first appointment. The data were statistically analyzed. Results There were significant positive correlations between “VoiSS total score” and “overall severity of vocal deviance” and “VoiSS Limitation” and “overall severity of vocal deviance”. VoiSS Limitation and Total Scores showed correlation with roughness. In contrast, there was no correlation of breathiness and strain with voice symptoms. Conclusion There is no direct correlation between voice symptoms and auditory-perceptual characteristics of voice. However, symptoms related to functionality, voice and communication limitations seem to have a greater correlation with clinical evaluation, specifically with the overall severity of voice deviance. <![CDATA[Errata]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2317-64312015000100014&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Objetivo Correlacionar os sintomas vocais e os dados da avaliação perceptivo-auditiva da voz de indivíduos disfônicos. Métodos Foram analisados os prontuários de 30 indivíduos com queixas vocais, atendidos em um serviço de Fonoaudiologia, sendo 22 mulheres e oito homens, com média de idade de 51,8 anos (±15,5). Foram coletadas as seguintes informações: resultados da Escala de Sintomas Vocais (ESV) dos domínios Limitação, Emocional, Físico e Total; resultados da avaliação perceptivo-auditiva por meio do protocolo CAPE-V (grau geral do desvio vocal, rugosidade, soprosidade, tensão, pitch, loudness e ressonância). Ambos os procedimentos foram realizados pela fonoaudióloga responsável, na primeira consulta do paciente. Os dados foram analisados estatisticamente. Resultados Houve correlações positivas consideradas boas apenas para os cruzamentos entre as variáveis “Escores totais da ESV” x “Grau geral do desvio vocal” e “Escores Limitação da ESV” x “Grau geral do desvio vocal”. Os escores dos domínios Limitação e Total da ESV tiveram correlação regular com o parâmetro rugosidade. Os demais parâmetros perceptivo-auditivos, de forma isolada, principalmente soprosidade de tensão, não se correlacionaram com os sintomas vocais. Conclusão A relação entre os sintomas vocais e as características perceptivo-auditivas da voz não é direta. No entanto, os sintomas relacionados à funcionalidade, ou seja, às limitações vocais e de comunicação, parecem ter maior correlação com a avaliação clínica, especificamente com o parâmetro “grau geral do desvio vocal”. <hr/> Purpose To determine the correlation between voice symptoms and auditory-perceptual evaluation of voice in dysphonic patients. Methods We analyzed medicals records of 30 dysphonic patients with mean age 51.8±15.5 years, 22 of whom were woman and eight were man. The information collected included the results of the Voice Symptoms Scale (VoiSS) in the Limitation, Emotional and Physical domains and the total score and results of the auditory-perceptual evaluation according to the CAPE-V protocol. Both were evaluated by a speech pathologist on the first appointment. The data were statistically analyzed. Results There were significant positive correlations between “VoiSS total score” and “overall severity of vocal deviance” and “VoiSS Limitation” and “overall severity of vocal deviance”. VoiSS Limitation and Total Scores showed correlation with roughness. In contrast, there was no correlation of breathiness and strain with voice symptoms. Conclusion There is no direct correlation between voice symptoms and auditory-perceptual characteristics of voice. However, symptoms related to functionality, voice and communication limitations seem to have a greater correlation with clinical evaluation, specifically with the overall severity of voice deviance.