SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.28 issue4Estudos de freqüência, morfologia e diagnóstico de Entamoeba gingivalis, Gros, 1849Otimização do emprego de recursos econômicos para vacinação contra hepatite B em profissionais da área de saúde author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

Print version ISSN 0037-8682

Rev. Soc. Bras. Med. Trop. vol.28 no.4 Uberaba Oct./Dec. 1995

https://doi.org/10.1590/S0037-86821995000400013 

ARTIGOS

 

Angiostrongilose abdominal: profilaxia pela destruição das larvas infectantes em alimentos tratados com sal, vinagre ou hipoclorito de sódio

 

 

Graziela Maria Zaniní; Carlos Graeff-Teixeira

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

A infecção acidental humana pelo Angiostrongylus costaricensis ocorre com elevada prevalência em certas áreas do Brasil meridional, eventualmente se manifestando como doença abdominal severa. Profilaxia é importante, pois não hã tratamento medicamentoso. Um dos modos de transmissão é a ingestão de frutas e vegetais contaminados com a mucosidade de moluscos infectados, os hospedeiros intermediários deste parasita. Larvas de terceiro estágio obtidas do ciclo mantido em laboratório foram incubadas a 5°C por 12 horas, em vinagre, solução saturada de cloreto de sódio e hipocloríto de sódio a 1,5%. A viabilidade das lamas tratadas foi testada através da inoculação em camundongos albinos. Os percentuais de larvas que estabeleceram infecção foram: 0% com hipocloríto de sódio, 1,8% com salmora e 2,4% com vinagre. Em conclusão, todas as substâncias - de baixo custo e disponíveis nas áreas endêmicas - reduziram à população de lamas viáveis e podem ser úteis na descontaminação de alimentos para profilaxia da angiostrongilose abdominal.

Palavras-chave: Angiostrongilose abdominal. Contaminação alimentar. Zoonoses por helmintos.


ABSTRACT

There is a high prevalence of accidental human infection with Angiostrongylus costaricensis in some areas in southern Brazil and sometimes it presents as severe intestinal disease. Prophylaxis is important since there is no medical treatment for the disease. The ingestion of fruits and vegetables contaminated with the mucous secretion of infected molluscs (the intermediate hosts) is one of the proposed modes of transmission. Third stage lamae were incubated at 5°C for 12 hours, in solutions of saturated sodium chloride, vinegar and sodium hypochlorite 1.5%. The larvae had their viability tested through inoculation into albino mice. The percentage of larvae that established infection were 0% in the group treated with sodium hypochloride, 1.8% with NaCl and 2.4% with vinegar. In conclusion, all substances tested reduced the population of viable larvae and may be useful in food decontamination, as a prophylactic measure for abdominal angiostrongylosis.

Keyworks: Abdominal angiostrongylosis. Food- borne diseases. Helminthic zoonosis.


 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Graeff-Teixeira C, Avila-Pires FD, Machado RCC, Camillo-Coura L, Lenzi HL. Identificação de roedores silvestres como hospedeiros do Angiostrongylus costaricensis. Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo 32:147-150,1990.         [ Links ]

2. Graeff-Teixeira C, Camilo-Coura L, Lenzi HL. Angiostrongilíase abdominal - uma nova parasitose no sul do Brasil. Revista da AMRIGS, Porto Alegre 35:91-98,1991.         [ Links ]

3. Graeff-Teixeira C, Camilo-Coura L, Lenzi HL. Histopathological criteria for the diagnosis of abdominal angiostrongyliasis. Parasitology Research 77:606-611,1991.         [ Links ]

4. Morera P. Life history and redescription of Angiostrongylus costaricensis (Morera & Céspedes, 1971). The American Journal of Tropical Medicine and Hygiene 22:613-621,1973.         [ Links ]

5. Morera P. Angiostrongiliasis abdominal: Transmision y observaciones sobre su posible control. Control y erradicacion de enfermedades infecciosas. In: Resúmenes del Simposio Internacional OMS/OPS, Série de copublicaciones de la OPS, n 1,1986.         [ Links ]

6. Morera P, Bontempo I. Accion de algunos anthihelminticos sobre Angiostrongylus costaricensis. Revista Medica Hospital Nacional de Ninos de Costa Rica 20:165-174,1986.         [ Links ]

7. Wallace GD, Rosen L. Techniques for recovering and identifying larvae of Angiostrongylus cantonensis from molluscs. Malacologia 7:427- 438,1969.         [ Links ]

8. Zenebon O, Duarte de Maio F, Sakuma AM, Rosa E. Determinação de mercúrio em águas sanitárias comercializadas em região do sudeste do Brasil. Revista de Saúde Pública 28:127-130,1994.         [ Links ]

 

 

Recebido para publicação em 10/02/95.

 

 

Laboratório de Parasitologia, Departamento de Ciências Microbiológicas e Curso de Pós-Graduação em Biociências. Instituto de Biociências/Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS.
Apoio financeiro: bolsas CNPq 500893-92-6 e CAPES.

 

 

Endereço para correspondência:
Dr. Carlos Graeff-Teixeira.
Av. Ipiranga 6681,90619-900
Porto Alegre, RS.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License