SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.77 issue6Palpebral position interdependence in blepharoptosis: comparison of the effect of instillation of 10% phenylephrine drop and digital liftingEvaluation of the safety of intracameral trypan blue injection on corneal tissue using oxidative stress parameters and apoptotic activity: an experimental study author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivos Brasileiros de Oftalmologia

Print version ISSN 0004-2749

Abstract

PARIS, Fabiana dos Santos et al. Biomicroscopia ultrassônica após procedimentos cirúrgicos paliativos na ceratopatia bolhosa: estudo comparativo descritivo. Arq. Bras. Oftalmol. [online]. 2014, vol.77, n.6, pp.382-387. ISSN 0004-2749.  https://doi.org/10.5935/0004-2749.20140095.

Objetivo:

Descrever as características quantitativas e qualitativas da biomicroscopia ultrassônica (UBM) em olhos com ceratopatia bolhosa avançada, antes e após os procedimentos de punção estromal anterior (ASP) ou transplante de membrana amniótica (AMT) para alívio de dor crônica.

Métodos:

Estudo comparativo descritivo incluindo 40 olhos de 40 pacientes com dor crônica intermitente devido a ceratopatia bolhosa, randomizados em duas modalidades de tratamento (AMT e ASP). Biomicroscopia ultrassônica (Humphrey, UBM 840, transdutor de 50 MHz, técnica de imersão) foi utilizada, e um questionário de avaliação da intensidade da dor foi aplicado no pré-operatório, e após 90 e 180 dias de pós-operatório. Critérios de exclusão foram: idade abaixo de 18 anos, presença de infecção, hipertensão ocular, e ausência de dor.

Resultados:

No seguimento de 180 dias, o grupo Transplante de membrana amniótica apresentou: média da espessura corneana central (CCT): 899,4 µm (pré), 1.122,5 µm (pós-operatório) (p<0,001); média da espessura epitelial (ET): 156,4 µm (pré), 247,8 µm (pós-operatório) (p<0,001); média da espessura estromal (ST): 742,9 µm (pré), 826,3 µm (pós-operatório) (p=0,005), e, grupo ASP apresentou: CCT média: 756.7 µm (pré), 914,8µm (pós-operatório) (p<0,001); ET média: 102,1 µm (pré), 245,2 µm (pós-operatório) (p<0,001); ST média: 654,6 µm (pré), 681.5 µm (pós-operatório) (p<0,999). A correlação entre intensidade da dor e espessura corneana central no grupo AMT (p=0,209 pré e pós-operatórios) e no grupo ASP (p=0,157 pré-operatório e p=0,426 aos 180 dias de seguimento) não foi significativa. Edema epitelial e estromal, dobras na membrana de Descemet, bolhas epiteliais, e presença de fluido na interface foram características qualitativas frequentemente observadas.

Conclusão:

A espessura corneana central aumentou ao longo do tempo em ambos os grupos. A magnitude da espessura corneana central não interfere na intensidade da dor na amostra estudada. Presença de fluido na interface foi uma característica qualitativa especificamente encontrada em alguns pacientes submetidos a transplante de membraa amniótica.

Keywords : Edema da córnea; Perda de células endoteliais da córnea; Paquimetria corneana; Córnea/ultrassonografia; Amnio/transplante; Curativos biológicos; Cuidados paliativos.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )