SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.60 issue4Worsening of autosomal dominant restless legs syndrome after use of mirtazapine: case reportImmunocompetent patient with spontaneous cervical spondylodiscitis caused by Salmonella typhi author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivos de Neuro-Psiquiatria

Print version ISSN 0004-282XOn-line version ISSN 1678-4227

Arq. Neuro-Psiquiatr. vol.60 no.4 São Paulo Dec. 2002

http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2002000600028 

MIELINÓLISE PONTINA CENTRAL E EXTRA-PONTINA EM PACIENTE ALCOOLISTA SEM DISTÚRBIOS HIDRO-ELETROLÍTICOS

Relato de caso

 

Francisco Manoel B. Germiniani1, Mauricio Roriz1, Samir K. Nabhan2,
Helio A.G. Teive3, Lineu C. Werneck4

 

 

RESUMO - A mielinólise pontina central (MPC) e extra-pontina (MEP) é enfermidade desmielinizante do encéfalo associada principalmente com a correção rápida da hiponatremia, que se manifesta principalmente por tetraparesia espástica e paralisia pseudo-bulbar. Existem na literatura poucos relatos de MPC/MEP em pacientes sem evidências de distúrbios hidro-eletrolíticos. Relatamos o caso de um paciente de 39 anos de idade, com história de alcoolismo intenso, com quadro de rápida evolução com tetraparesia espástica associada a paresia de diversos nervos cranianos, com exame de ressonância magnética demonstrando lesões compatíveis com MPC/MEP. Houve boa evolução clínica após tratamento com costicosteróide.

PALAVRAS-CHAVE: mielinólise pontina central, mielinólise extra-pontina, alcoolismo.

 

Central pontine and extra-pontine myelinolysis in an alcoholic patient without electrolyte disturbances: case report

ABSTRACT - Central pontine myelinolysis (CPM) and extra-pontine myelinolysis (EPM) are different presentations of a demyelinating disorder of the brain more commonly associated with rapid correction of hyponatremia, spastic tetraparesia and pseudo-bulbar palsy. There are in the literature a few cases of CPM/EPM in patients without electrolyte disturbances. We report the case of a 39 year-old man with severe alcoholism, who presented with spastic tetraparesis and palsy of several cranial nerves, associated with lesions in the magnetic resonance compatible with CPM/EPM. The patient had a good follow-up after pulse therapy with corticosteroids.

KEY WORDS: central pontine myelinolysis, extra-pontine myelinolysis, alcoholism.

 

 

Mielinólise pontina central (MPC) é enfermidade desmielinizante do encéfalo que compromete principalmente a região da ponte, mas que pode atingir também regiões extra-pontinas, caracterizando então a mielinolise extra-pontina (MEP)1. Apesar da importância de sua associação com distúrbios metabólicos, particularmente a correção rápida de hiponatremia, a MPC e a MEP podem ocorrer em pacientes sem evidência de distúrbios hidro-eletroliticos. Quando não há evidência de distúrbios hidro-eletroliticos, os pacientes geralmente apresentam outros fatores de risco como antecedentes de abuso de álcool ou drogas, bem como desnutrição, doença hepática, cancer e doença de Addison.

O objetivo deste estudo é de descrever um caso de MPC e MEP em um paciente etilista, sem evidencias de distrubios hidro-eletroliticos.

 

CASO

Homem, de 39 anos de idade, com quadro de inicio há 10 dias com dificuldade progressiva para deglutir alimentos, odinofagia, sialorréia, disartria e fraqueza muscular nos 4 membros, com dificuldade para a marcha. Negava diplopia, não havia história de episódios de vômitos ou intoxicação alcoólica recente. Não havia história familiar de doença neurológica. O paciente referia antecedente de etilismo pesado (1L de destilado/ dia há 10 anos) com internamento por alcoolismo há 2 anos devido a crises convulsivas, provavelmente devido à abstinência. Antecedente de tabagismo de 5 cigarros/dia por 10 anos e até há 5 anos atrás trabalhava com agrotóxicos. Ao exame de admissão não havia particularidades no exame segmentar. O paciente não apresentava sinais de desnutrição. O exame neurológico revelava disartria, oftalmoparesia bilateral, diparesia facial, paralisia bilateral de pálato e dificuldade para a protusão da língua. Trofismo e tonus muscular estavam normais e havia tetraparesia assimetrica, com forca grau IV+ em membros superiores e variando de III (proximal) até IV+ (distal) em membros inferiores. Havia hiperreflexia profunda global, com clônus esgotável em membros inferiores, sinal de Babinski e sinal de Hoffman presentes bilateralmente. Testes de coordenação demonstraram dismetria e disdiadococinesia, não relacionadas ao déficit motor. A marcha era paraparética e atáxica. Sinais meningo-radiculares estavam ausentes e as sensibilidades superficial e profunda estavam preservadas.

Exames de rotina incluindo hemograma completo, VDRL, VHS, glicemia de jejum, dosagens de sódio, potássio, cálcio, fosforo, uréia, creatinina, transaminases e bilirrubinas, tempo de protrombina ativado, foram todos normais. Pesquisa de fator reumatóide, anti-nuclear, dosagens de anticorpo anti-HIV e anti-fosfolipídeo foram normais. O estudo liquórico revelou líquor límpido, incolor 1,0 leucócito,glicose de 55 mg, proteína de 44 mg e eletroforese de proteinas normal.

O exame tomográfico do crânio revelou lesão hipodensa na ponte. Posteriormente o exame de ressonância magnética do encéfalo mostrou lesões compatíveis com mielinólise pontina e extra-pontina (Fig 1,2 e 3).

 

 

 

 

 

 

Foi iniciada pulsoterapia com metilprednisolona 1 grama/dia por 3 dias e iniciado tratamento fisioterápico e fonoaudiológico. O paciente evoluiu com melhora parcial dos sintomas após a pulsoterapia e recebeu alta com suplementação vitamínica (complexo B) e tratamento fisioterápico e fonoterápico.

 

DISCUSSÃO

Segundo Laureno e Karpa1, Victor e Adams relataram em 1949 o caso de um paciente que apresentava quadriplegia, fraqueza facial, mutismo e sinal de Babinski bilateral, levantando a suspeita de lesão localizada na base da ponte com comprometimento de ambos os tratos córtico-espinhal e córtico-bulbar. Tal suspeita foi confirmada pelo estudo de necrópsia que revelou a presença de uma lesão simétrica bilateral da base da ponte. O exame microscópico demonstrou a presença de destruição da mielina, com neurônios e axônios relativamente preservados. Em 1959 Adams et al.2 foram os responsáveis pela descrição de tal condição como uma entidade clínico-patológica, dando-lhe o nome de mielinólise pontina central. Através do estudo de quatro casos de pacientes alcoolistas e mal-nutridos definiu-se a localização invariável da lesão na linha média da base da ponte e a simetria da lesão, bem como foi sugerida uma causa metabólica. Mais tarde, com a descrição de vários casos de MPC, observou-se que 10% deles apresentavam concomitantemente áreas de mielinólise fora da ponte, caracterizando, portanto, a mielinólise extra-pontina3. Já nos anos 70 se estabeleceu uma forte correlação de MPC e MEP com a presença de hiponatremia e a rápida correção deste distúrbio4,5.

MPC/MEP são enfermidades descritas tanto em crianças como em adultos de todas as idades, cuja incidência é de difícil precisão. Entre os diferentes autores, Wright et al., em 1979, relataram a incidência de 1:300 através da análise de uma série de 3500 necrópsias de adultos3, enquanto Sterns et al.6, relataram a presença de complicações neurológicas em 25% dos pacientes após a correção de estado hiponatrêmico grave. MPC/MEP também são complicações comuns em pacientes submetidos a transplante de fígado, tendo sido detectada tal condição em 13-29% das necropsias de pacientes submetidos a transplante hepático7-11.

Os primeiros sintomas são geralmente o mutismo e a disartria. Alterações como letargia e mudanças afetivas são também comuns e podem ser confundidas com transtornos psquiátricos. Entretanto, os sintomas clássicos da mielinólise são a tetraparesia espástica e a paralisia pseudo-bulbar, que refletem o comprometimento dos tratos córtico-espinhal e córtico-bulbar na base da ponte e estão presentes em mais de 90% dos casos12. Dependendo da extensão das lesões, outros sintomas podem estar presentes. O comprometimento do mesencéfalo pode ser caracterizado pela presença de alterações pupilares e oculomotoras, ao passo que a diminuição do nível de consciência e os sinais de lesão em nervos cranianos, indicam injúria localizada no tegmento pontino. A mielinólise extra-pontina por sua vez, atinge mais comumente os gânglios da base, o tálamo e o cerebelo, manifestando-se com sintomas de ataxia, movimentos coreoatetóticos, parkinsonismo e distonia12-15.

Nos casos em que a MPC/MEP resulta da correção rápida da hiponatremia, a doença apresenta caráter bifásico. Inicialmente prevalecem os sintomas próprios da encefalopatia causada pela hiponatremia em si, os quais melhoram com a correção dos níveis de sódio. Na chamada segunda fase, há o estabelecimento da síndrome neurológica descrita acima, 2 a 3 dias após a correção destes níveis. Porém, pode ser difícil a identificação destas duas fases quando não há melhora completa dos sintomas da primeira fase antes do início da segunda6,12.

Os exames de neuroimagem, particularmente a ressonância magnética, são imprescindíveis para a confirmação diagnóstica dos casos de MPC/MEP. A tomogragia computadorizada é capaz de demonstrar áreas simétricas de hipodensidade na ponte ou ainda extrapontinas; as lesões podem ser grandes e em geral comprometem a base da ponte com preservação da sua porção ventral16-17. A ressonância magnética é o exame de maior sensibilidade, e é considerado o melhor exame para identificação destas lesões, demonstrando uma área de sinal hipointenso nas sequências ponderadas em T1. Nas sequências ponderadas em T2, o sinal hiperintenso adquire formatos diferentes de acordo com o corte: triangular em cortes axiais, ovais nos sagitais e em forma de asa de morcego nos coronais18.

É importante ressaltar que as lesões podem ser demonstradas num intervalo de semanas a meses após a resolução do quadro agudo. Portanto, exames normais nos primeiros dias não excluem o diagnóstico de mielinólise12.

Entretanto, alguns outros exames podem ser utilizados para diferenciar um quadro de encefalopatia por hiponatremia e MPC/MEP; são eles o potencial evocado auditivo que evidencia uma condução diminuída, o eletrencefalograma (lentificação) e o aumento dos níveis de proteínas e proteína básica da mielina na análise do líquor12,19-20.

Nos estudos anátomo-patológicos se observa desmielinizaçãoda ponte, a partir da rafe mediana, poupando fibras longitudinais ventro-laterais e o tectum. A análise macroscópica da lesão mostra a descoloração da parte central da ponte e, raramente a presença de necrose. A microscopia revela uma lesão triangular caracterizada pela destruição da mielina, enquanto neurônios, cilindros axiais e vasos sanguíneos são relativamente poupados. Ocasionalmente pode haver morte neuronal, decréscimo de oligodendrócitos e aumento de astrócitos21.

A MPC/MEP é enfermidade que não tem um tratamento específico; entretanto, recentemente, o uso de corticosteróides já foi utilizado com sucesso.

A evolução destes pacientes é variável desde a sua recuperação total sem sequelas até o óbito. Em geral, a recuperação é lenta e gradativa. Em 1993, Karp e Laureno12descreveram a persistência dos sintomas de disfunção bulbar e tetraparesia espástica como sequelas frequentes. A longo prazo, alguns pacientes apresentaram mudanças de comportamento, alterações cognitivas e distúrbios do movimento 22. O presente relato mostra um paciente com MPC/MEP com boa recuperação clínica, não se podendo fazer qualquer ilação acerca do uso de pulsoterapia com corticosteróides.

Inicialmente, os relatos de mielinólise sempre envolviam pacientes alcoolistas e hepatopatas. Posteriormente, houve a associação com casos de desnutrição, malignidades, doença de Addison, insuficiência renal, uso de diuréticos e em pacientes submetidos a transplante hepático21.

Sterns et al.23, em 1986, ressaltaram a correlação entre MPC/MEP e a rápida correção da hiponatremia. Sabe-se que o cérebro possui vários mecanismos de adaptação para evitar o edema no estado hiponatrêmico e que, após estabelecido um estado de adaptação, o estresse oxidativo ocasionado pela correção rápida desta condição aliado às mudanças osmóticas no microambiente cerebral, responsabilizariam-se pelo dano aos oligodendrócitos e o dano provocado à mielina. Tais mudanças podem também favorecer a quebra da barreira hemato-encefálica, resultando assim em sofrimento vascular e consequente edema e desmielinização24-28. Entretanto, não existe ainda uma explicação que justifique a vulnerabilidade de algumas regiões do encéfalo ao processo de mielinólise1.

Torna-se importante a prevenção desta complicação através da conduta adequada frente a pacientes hiponatrêmicos. Alguns autores consideram impossível estabelecer um nível de correção completamente livre de risco, contudo, em casos de hiponatremia sintomática, a reposição de sódio não deve ultrapassar 10-12mEq em 24h.

O presente relato mostra o caso de um paciente alcoolista, sem evidências de quaisquer distúrbios hidro-eletroliticos, que apresentou quadro clínico neurológico e confirmado por neuroimagem, característico de MPC/MEP.

Considerando-se os relatos de casos de mielinólise pontina central sem evidências de hiponatremia, foram sugeridas hipóteses que não consideram a reposição de sódio como um fator fundamental neste processo de desmielinização seletiva. Estas hipóteses ressaltam a natureza multifatorial da doença devido à presença de outros fatores de risco como estágio terminal de doença hepática, história de abuso de álcool e desnutrição29-33. No caso aqui relatado o único fator predisponente encontrado foi o alcoolismo importante.

 

REFERÊNCIAS

1. Laureno R, Karp BI. Myelinolysis after correction of hyponatremia. Ann Intern Med 1997;126: 57-62.         [ Links ]

2. Adams RA, Victor M, Mancall EL. Central pontine myelinolysis: a hitherto undescribed disease ocurring in alcoholics and malnourished patients. Arch Neurol Psychiatry 1959;8:154-72.         [ Links ]

3. Wright DG, Laureno R, Victor M. Pontine and extrapontine myelinolisis. Brain 1979;102:361-385.         [ Links ]

4. Burcar PJ, Norenberg MD, Yarnell PR. Hyponatremia and central pontine myelinolysis. Neurology 1977;27:223-226.         [ Links ]

5. Tomlinson BE, Pierides AM, Bradley WG. Central pontine myelinolisis: two cases with associated electrolyte disturbance. QJMed 1976;45:373-386.         [ Links ]

6. Sterns RH, Cappuccio JD, Silver SM, Cohen EP. Neurologic sequelae after treatment of severe hyponatremia: a multicenter perspective. J Am Soc Nephrol 1994;4:1522-1530.         [ Links ]

7. Adams DH, Ponsford S, Gunson B, et al. Neurological complications following liver transplantation. Lancet 1987;1:949-951.         [ Links ]

8. Estol CJ, Faris AA, Martinez AJ, Ahdab-Barmada M. Central pontine myelinolysis after liver transplantation. Neurology 1989;39:493-498.         [ Links ]

9. Ferreiro JA, Robert MA, Townsend J, Vinters HV. Neuropathologic findings after liver transplantation. Acta Neuropathol (Berl) 1992;84:1-14.         [ Links ]

10. Singh N, Yu VL, Gayowski T. Central nervous system lesions in adult liver transplant recipients: clinical review with implications for management. Medicine (Baltimore) 1994;73:110-118.         [ Links ]

11. Wszolek ZK, McComb RD, Pfeiffer RF, Steg RE, Wood RP, Shaw BW Jr. Pontine and extrapontine myelinolysis following liver transplantation. Relationship to serum sodium. Transplantation 1989;48:1006-1012.         [ Links ]

12. Karp BI, Laureno R. Pontine and extrapontine myelinolysis: a neurological disorder following rapid correction of hyponatremia. Mecidine (Baltimore) 1993;72:359-373.         [ Links ]

13. Grafton ST, Bahls FH, Bell KR. Acquired focal dystonia following recovery from central pontine myelinolysis. J Neurol Neurosurg Psychiatry 1988;51:1354-1355.         [ Links ]

14. Wu CL, Lu CS. Delayed-onset dystonia following recovery from central pontine myelinolysis. J Formos Med Assoc 1992;91:1013-1016.         [ Links ]

15. Ellis SJ. Extrapontine myelinolysis after correction of chronic hyponatremia with isotonic saline. BJCP 1995;49:49-50.         [ Links ]

16. Rosenbloom S, Buchholz D, Kumar AJ, Kaplan RA, Moses H, Rosenbaum AE. Evolution of central pontine myelinolysis on CT. AJNR AM J Neuroradio 1984;5:110-112.         [ Links ]

17. Schroth G. Clinical and CT confirmed recovery from central pontine myelinolysis. Neuroradiology 1984;26:149-152.         [ Links ]

18. Thompson PD, Miller D,Celedttil RF, Rossor MN. Magnetic resonance imaging in central pontine myelinolysis. J Neurol Neurosurg Psychiatry 1989;52:675-677.         [ Links ]

19. Ingram DA, Traub M, Kopelman PG, Summers BA, Swash M. Brainstem auditory evoked responses in diagnosis of central pontine myelinolysis. J Neurol 1986;233:23-24.         [ Links ]

20. Treig T, Schuirer G, Erbguth F, Druschky KF, Huk W, Neundorfer B. Central pontine myelinolysis: comparison of clinical course, BAEP, and neuroimaging. Neurology 1988;38(Suppl 1):333.         [ Links ]

21. Adams RD. Pontine myelinolysis, In Principles of neurology Ed.6. New York, McGraw-Hill, 1997:1125-1128.         [ Links ]

22. Seiser A, Schwarz S, Aichinger Steiner MM, Funk G, Schnider P, Brainin M. Parkinsonism and dystonia in central pontine and extrapontine myelinolysis. J Neurol Neurosurg Psychiatry 1998;65:119-121.         [ Links ]

23. Sterns RH, Riggs JE, Schochet SS Jr. Osmotic demyelination syndrome following correction of hyponatremia. N Engl J Med 1986;314:1535-1542.         [ Links ]

24. Verbalis JG, Gullans SR. Rapid correction of hyponatremia produces differential effects on brain osmolyte and electrolyte reaccumulation in rats. Brain Res 1993;606:19-27.         [ Links ]

25. Adler S, Verbalis J, Williams D. Relantionship between correction of hyponatremia, blood brain barrier disruption and brain demyelination in rats (Abstract). J Am Soc Nephrol 1994;5:935.         [ Links ]

26. Riggs J, Schochet SS Jr. Osmotic stress, osmotic myelinolysis, and oligodendrocyte topography. Arch Pathol Lab Med 1989;113:1386-1388.         [ Links ]

27. Mickel HS, Oliver CN, Starke-Reed PE. Protein oxidation and myelinolysis occur in brain following rapid correction of hyponatremia. Biochem Biophys Res Commun 1990;172:92-97.         [ Links ]

28. Salvezen R. Extrapontine myelinolysis after surgical removal of a pituitary tumour. Acta Neurol Scand 1998;98:213-215.         [ Links ]

29. Mast H, Gondon PH, Mohr JP, Tatemichi TK. Central pontine myelinolysis: clinical syndrome with normal serum sodium. Eur J Med Res 1995;1:168-170.         [ Links ]

30. Mundoch M, Chang M, McVitar J. Central pontine myelinolysis after liver transplantation: a case report. Transpl Int 1995;8:399-402.         [ Links ]

31. Kato T, Hattori H, Nagato M, et al. Subclinical central pontine myelinolysis following liver transplantation. Brain Dev 2002; 24:179-182.         [ Links ]

32. Shibolet O, Safadi R, Ashur Y, Eid A, Ilan Y. Neurologic complications following liver transplantation. Harefuah 2002;141:30-33.         [ Links ]

33. Valiulis B, Kelley RE, Hardjasudarma M, London S. Magnetic ressonance imaging detection of a lesion compatible with central pontine myelinolysis in a pregnant patient with recurrent vomiting and confusion. J Neuroimaging 2001;11:441-443.         [ Links ]

 

 

Serviço de Neurologia, Departamento de Clinica Medica, Hospital de Clinicas da Universidade Federal do Parana (UFPR), Curitiba PR, Brasil: 1Médico-Residente de Neurologia; 2Acadêmico de Medicina; 3Professor Assistente de Neurologia; 4Professor Titular de Neurologia.

Recebido 1 Abril 2002, recebido na forma final 24 Junho 2002. Aceito 13 Julho 2002.

Dr. Helio A.G. Teive - Rua General Carneiro 1103/102 - 80060-150 Curitiba PR - Brasil. FAX: 41 244 5060. E-mail: hagteive@mps.com.br

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License