SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.42 issue8 author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Papéis Avulsos de Zoologia

Print version ISSN 0031-1049On-line version ISSN 1807-0205

Pap. Avulsos Zool. (São Paulo) vol.42 no.8 São Paulo June 2002

http://dx.doi.org/10.1590/S0031-10492002000800001 

Descrição de uma nova espécie de Micrurus do Estado de Roraima, Brasil (Serpentes, Elapidae)

 

Celso Morato de Carvalho

Departamento de Biologia, Universidade Federal de Sergipe e Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia. E-mail: cmorato@bol.com.br

 

 


ABSTRACT

Micrurus pacaraimae, sp. n., from Vila Pacaraima, Roraima, Brasil/Venezuela border (04°31'N, 61°09'W), is characterized by: 201 ventrals; 43 subcaudals; no supra-anal tubercles; anal divided; black cephalic cap in contact with the nuchal black ring on the posterior margin of the parietals; throat white; black and red single rings on body and tail.

KEYWORDS: Micrurus, Brasil.


 

 

Introdução

Entre as espécies de cobras coletadas em Roraima pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia e Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo, em projetos conjuntos sobre a herpetofauna da região, realizados entre 1986 e 1991, um exemplar de cobra coral procedente da fronteira com a Venezuela parece-me novo.

 

Micrurus pacaraimae, sp. n.
(Figs 1-4)

 

 

 

Holótipo: MZUSP 8565, macho, 313 + 42 mm. Brasil: Vila Pacaraima: Rodovia BR – 174 na fronteira com a Venezuela (04°31'N, 61°09'W), 10.i.85, coletada pelo Pelotão Especial de Fronteira para C.M.Carvalho.

Etimologia. Do nome da localidade, Vila Pacaraima.

Diagnose. Colorido dorsal e ventral vermelho e negro no corpo e cauda, garganta branca. Capuz cefálico negro em contato com o anel nucal negro. Anéis negros 23, simples; anéis vermelhos cerca de quatro vezes mais largos que os negros. Ventrais 201, subcaudais 43, anal dividida, tubérculos supra-anais ausentes.

Descrição. Rostral mais larga que alta, pouco visível de cima. Nasal grande, a narina localizada na depressão mediana, voltada para trás. Internasal poligonal, com aproximadamente a metade do tamanho da prefrontal. Frontal pouco mais alta que larga, maior que a sua distância à ponta do focinho e pouco menor que a parietal. Uma preocular grande e visível de cima, sua margem posterior perpendicular à porção mediana do olho. Duas post-oculares pequenas, irregulares, oblíquas. Temporais 1 + 1, a anterior oblíqua, estreita e alongada, a posterior menor, poligonal. Supralabiais 7, 3ª e 4ª em contato com o olho, a 3ª mais alta, em contato com a preocular e com o quadrante antero-inferior; 5ª supralabial separada do olho pela post-ocular inferior. Infralabiais 7, as três anteriores e a borda da quarta em contato com as post-mentais anteriores, que são menores que as posteriores.

Dorsais 15-15-15, lisas sem fossetas apicais. Ventrais 201, subcaudais 43. Anal dividida. A escama ventral que antecede a anal também dividida. Tubérculos supra-anais ausentes.

Cabeça com capuz negro cobrindo o terço superior das primeiras supralabiais, parte das post-oculares e das parietais, unindo-se ao anel nucal negro na primeira escama dorsal mediana. Rostral e nasal marmoreadas. Cinco pequenas manchas claras no topo da cabeça: uma em cada internasal, preenchendo quase toda a escama; uma pequena na borda de cada prefrontal; uma irregular na metade posterior da frontal. O anel nucal negro estende-se ventralmente um pouco para a frente, tocando a margem posterior do segundo par de post-mentais; demais partes ventrais da cabeça brancas, as infralabiais anteriores salpicadas de preto.

Corpo com 23 anéis negros (além do anel nucal), simples, completos, com 2 escamas dorsais de largura, separados por anéis vermelhos completos, com 7 a 8 escamas de largura. As escamas dorsais vermelhas têm pequenas manchas negras apicais que ocupam até 1/4 de escama. Margens brancas ausentes nos anéis negros.

Cauda com 9 anéis negros e vermelhos alternados, os últimos levemente salpicados de branco; a escama da extremidade é negra.

 

Discussão

A nova espécie pode ser reconhecida pelo padrão bicolor dos anéis corporais, os negros sem formarem tríades e cerca de quatro vezes mais estreitos que os vermelhos, pela ausência de tubérculos supra-anais e pela disposição do capuz negro cefálico, unido ao anel nucal preto atrás das parietais. Entre as Micrurus de ocorrência na região, com padrão de anéis negros e vermelhos simples e escamas supra-anais lisas, são relevantes no presente contexto as espécies geograficamente próximas M. circinalis e M. psyches, da Venezuela e regiões vizinhas; M. remotus, M. langsdorffi e M. ornatissimus, do oeste da Amazônia; e M. paraensis, do Pará e Maranhão (Vanzolini, 1986; Peters & Orejas-Miranda, 1986).

Micrurus circinalis Duméril, Bibron & Duméril, 1854, (MZUSP 8651-52, Trinidad), ocorre em Trinidad, noroeste da Venezuela e norte da Guyana (Roze, 1996: 149). Os caracteres merísticos de M. circinalis são semelhantes aos da espécie nova; as principais diferenças estão no padrão de colorido, aliás regra geral para a maioria das espécies do gênero. O capuz negro de M. circinalis cobre todo o focinho e as parietais; uma faixa branca nucal está presente; a garganta é negra, com estreita faixa branca cobrindo as infralabiais intermediárias e parte das post-mentais posteriores. O capuz negro de M. pacaraimae cobre somente parte da cabeça; faixa branca nucal ausente e a garganta é branca. Os anéis negros de M. circinalis (22-31), com 2-3 escamas de largura, são delimitados por anéis brancos ou amarelos no corpo, seguidos por anel negro estreito; cauda com anéis brancos e vermelhos (somente anéis negros e vermelhos em M. pacaraimae).

Micrurus psyches (Daudin, 1803), ocorre no sudeste da Venezuela, Guianas e Suriname (Roze, 1996:210). A cabeça é toda negra, com um anel branco na porção posterior das parietais. A coloração do corpo consiste de anéis vermelhos e negros, ambos estreitos, aproximadamente da mesma largura, os vermelhos tão melânicos que parecem roxos. Os anéis negros, 27 a 41 em M. psyches (23 em M. pacaraimae), são delimitados por anéis brancos ou amarelos; a cauda tem anéis negros, vermelhos irregulares e brancos.

Micrurus remotus Roze, 1987, é conhecida do sul da Venezuela, leste da Colômbia e oeste do Amazonas (Roze, 1996:213). O capuz negro de M. remotus (Roze, 1987) cobre todo o focinho e as parietais (apenas parcialmente a cabeça em M. pacaraimae); as manchas cefálicas são azuis; a garganta é negra com faixa branca irregular que se estende às infralabiais. Os anéis negros em remotus (25-40), 2-3 escamas dorsais de largura, são delimitados por anéis brancos; os anéis vermelhos têm 4-5 escamas dorsais de largura (7-8 dorsais em M. pacaraimae); 6-11 anéis negros na cauda, separados por anéis vermelhos e pontuações brancas.

Micrurus langsdorffi Wagler, 1868 (MZUSP 8331, Ecuador) (revisão em Cunha & Nascimento, 1982; Vanzolini, 1986; Roze, 1996:185) tem focinho marrom, negro ou amarelo; temporais e parte das supralabiais vermelhas; infralabiais geralmente negras. Cabeça ventralmente negra, marrom ou amarela, geralmente vermelha na porção posterior. Os anéis negros (36-91) são em maior número que em M. pacaraimae (23). Em M. langsdorffi os anéis são negros, amarelos ou marrons, separados por anéis vermelhos; os anéis negros são delimitados por anéis brancos interrompidos ventralmente; faixas brancas ventrais presentes; a cauda é negra com anéis brancos.

Micrurus ornatissimus (Jan, 1858) (revisão em Cunha & Nascimento, 1982; Vanzolini, 1986; Roze, 1996:206) tem a cabeça negra com pontuações claras e garganta negra com manchas brancas. Os anéis negros (38-67), 2-3 escamas de largura, são delimitados por anéis brancos; os anéis vermelhos são aproximadamente da mesma largura que os negros (cerca de quatro vezes mais largos que os negros em M. pacaraimae); a cauda é intensamente melânica.

Finalmente, Micrurus paraensis Cunha & Nascimento, 1973 (MZUSP 8047, Pratinha, Pará – parátipo) (revisão e comentários em Cunha & Nascimento, 1973, 1982; Hoge & Romano-Hoge, 1978; Vanzolini, 1986; Roze 1996:207) tem a cabeça negra com pequena faixa branca interrompida nas parietais, estendendo-se nas temporais, supralabiais posteriores, infralabiais intermediárias e parte das post-mentais posteriores. Os anéis vermelhos de M. paraensis são cerca de seis vezes maiores que os negros (mais largos que os de M. pacaraimae) e separados deles por anéis brancos; a cauda é negra com anéis brancos.

Cinco outras espécies de Micrurus ocorrem na área geral de Roraima, com diversos padrões de colorido: M. hemprichii (Jan, 1858), M. surinamensis (Cuvier, 1817) e M. lemniscatus (Lineu, 1758) apresentam os anéis negros dispostos em tríades; M. karlschmidti Romano, 1972 (Roze, 1996:135) tem colorido dorsal marrom-escuro uniforme; M. averyi Schmidt, 1939 (redescrição em Vanzolini, 1985) tem a cabeça negra e vermelha, anel nucal negro ausente e os anéis corporais (8-13) são simples e delimitados por anéis brancos.

 

Distribuição

A localidade-tipo de M. pacaraimae, Vila Pacaraima, está no marco de fronteira número oito entre o Brasil e a Venezuela (BV-8). É uma região de formações montanhosas (altitude 920 metros) composta por rochas sedimentares do Grupo Roraima, que se estende de sudeste para noroeste até a Guyana e corresponde à unidade morfoclimática do platô interfluvial Amazonas-Orinoco (Radambrasil, 1975:155). A mais conhecida unidade da Serra Pacaraima é o Monte Roraima, um complexo sedimentar (altitude 2850 metros) com o relevo tabular característico dos tepuis, situado no extremo nordeste daquela Serra, na fronteira entre Brasil, Venezuela e Guyana (Tate, 1932). Aproximadamente 20 quilômetros ao norte da Vila Pacaraima situam-se os tepuis da Gran Sabana venezuelana. Cerca de 50 quilômetros para o sul, descendo a serra através da BR-174, encontra-se a unidade morfoclimática brasileira conhecida como pediplano dos rios Branco e Negro, formada em grande parte pelo lavrado da bacia de Boa Vista (descrição da região em Vanzolini & Carvalho, 1991).

A vegetação da região inclui áreas florestadas, com raras árvores emergentes, sub-bosque bem estruturado, com muitas palmeiras no primeiro estrato; as capoeiras têm as costumeiras características estruturais e fisionômicas desorganizadas, com plantas pioneiras (as embaúbas, diversas espécies de Cecropia são as mais comuns). Há áreas abertas recobertas por gramíneas e ciperáceas (várias espécies de Bulbostylis), arbustos esparsos ou agrupados (o mais freqüente é o caimbé, Curatella americana) e rochas expostas de diversas maneiras e fragmentações. Alguns rios que recortam o lavrado de Roraima têm suas origens na Serra Pacaraima; correm para o sul e deságuam nos rios Surumu, Miang, Tacutu e Uraricoera; os dois últimos formam o rio Branco.

Micrurus pacaraimae foi coletada nas margens de um pequeno igarapé que percorre um vale de 30-40 metros, em área de mata, com muita rocha exposta. Este pequeno igarapé é um dos formadores do rio Miang (Heyer, 1994), o principal formador do rio Surumu, que deságua no rio Tacutu.

O clima da região (Radambrasil, 1975) é caracterizado por chuvas de maio a setembro. A precipitação anual varia em torno de 1500-1800 mm; o mês mais seco é janeiro (aproximadamente 30 mm). A temperatura anual oscila entre 22°C a 30°C; junho e julho são os meses com temperaturas mais baixas.

 

Agradecimentos

P. E. Vanzolini revisou criticamente o manuscrito e deu sugestões, Jeane Carvalho Vilar revisou as primeiras versões, as ilustrações são de Francisca Carolina do Val e Sergioberto Gomes.

 

Referências

Cunha, O. R & F. P. Nascimento, 1973. Ofídios da Amazônia. IV. As cobras corais (gênero Micrurus) da região leste do Pará (Ophidia:Elapidae). Nota preliminar. Publ. Avuls. Mus. Para. Emílio Goeldi, Belém, 20:273-286.         [ Links ]

Cunha, O. R. & F. P. Nascimento, 1982. Ofídios da Amazônia. XVII. Revalidação de M.langsdorffi (Wagler, 1824) e distribuição geográfica das duas espécies (Ophidia:Elapidae). Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi (Nova Série, Zoologia), Belém, 116:1-17.         [ Links ]

Cunha, O. R. & F. P. Nascimento, 1982. Ofídios da Amazônia. XIV. As espécies de Micrurus, Bothrops, Lachesis e Crotalus do sul do Pará e oeste do Maranhão, incluindo áreas de cerrado desse Estado (Ophidia: Elapidae e Viperidae). Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi (Nova Série, Zoologia), Belém, 112:1-58.         [ Links ]

Cunha, O. R. & F. P. Nascimento, 1993. Ofídios da Amazônia. As cobras da região leste do Pará. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi (Série Zoologia), Belém, 9(1):1-191.         [ Links ]

Heyer, W. R. 1994. Hyla benitzi (Amphibia, Anura:Hylidae): first record for Brazil and its biogeographical significance. J. Herp. 28(4):497-499.         [ Links ]

Hoge, A. R. & S. A. R. W. L. Romano-Hoge, 1981. Sinopse das serpentes peçonhentas do Brasil (2ª ed.). Mem. Inst. Butantan 42/43 (1978/1979):373-349.         [ Links ]

Peters, J.A. & B. Orejas-Miranda, 1986. Catalogue of the Neotropical Squamata: Part I, Snakes. Revised edition (originally published 1970), addenda and corrigenda by P.E.Vanzolini. Washington, D.C.: Smithsonian Institution. 347 p.         [ Links ]

Radambrasil, 1975. Folha NA. 20 Boa Vista e parte de NA. 21 Tumucumaque, NB. 20 Roraima e NB. 21; geologia, geomorfologia, pedologia, vegetação e uso potencial da terra. Rio de Janeiro: Departamento Nacional de Produção Mineral (Levantamentos de Recursos Naturais 8): 428 p., 6 mapas. Apêndice: Análise estatística de dados (Vegetação). 260 p.         [ Links ]

Roze, J. A., 1987. Summary of coral snakes (Elapidae) from Cerro da La Neblina, Venezuela, with description of a new subspecies. Rev. Franç. Aquariol. 14(3):109-112.         [ Links ]

Roze, J. A., 1996. Coral snakes of the Americas: Biology, identification and venoms. Malabar, Florida. Krieger Publishing Company. xii + 328 p.         [ Links ]

Tate, G. H. H., 1932. Life zones at Mount Roraima. Ecology 13(3):225-257.         [ Links ]

Vanzolini, P. E., 1985. Micrurus averyi Scmidt, 1939, in Central Amazonia (Serpentes, Elapidae). Papéis Avuls. Zool., São Paulo, 36(8):77-85.         [ Links ]

Vanzolini, P. E., 1986. Addenda and corrigenda to Part I Snakes, pp. 1-26, In: Peters, J.A. & B.Orejas-Miranda, Catalogue of the Neotropical Squamata. Part I, Snakes. Washington, D.C. : Smithsonian Institution. 347 p.         [ Links ]

Vanzolini, P. E. & C. M.Carvalho, 1991. Two sibling and sympatric species of Gymnophthalmus in Roraima, Brasil (Sauria:Teiidae). Papéis Avuls. Zool., S. Paulo, 37(12):173-226.         [ Links ]

 

 

Trabalho recebido para publicação em 16.III.2000 e aceito em 16.VII.2001.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License