SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.49 issue3Semiótica aplicada author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista de Administração de Empresas

Print version ISSN 0034-7590On-line version ISSN 2178-938X

Rev. adm. empres. vol.49 no.3 São Paulo July/Sept. 2009

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-75902009000300012 

INDICAÇÕES BIBLIOGRÁFICAS

 

Comunicação não-verbal

 

 

Para transmitir uma idéia é necessário transformar o pensamento em um ato linguístico por meio de mensagens, constituídas de um ou mais signos. O americano Charles Peirce classificou os signos segundo seu grau de convencionalidade: símbolos (signos impregnados de aspectos culturais), ícones (que lembram aquilo que representam) e índices (naturais e marcados pela não intenção). Alguns autores europeus, como Buyssens, excluem os índices, pois consideram comunicação apenas quando existe intenção; já outros, como Barthes e Thayer, ampliam os fenômenos da significação para tudo aquilo que for relevante para o destinatário, não importando se houve intencionalidade. Os livros selecionados por Roseli Morena Porto - professora da FGV-EAESP - apresentam os estudos dos índices na linguagem não-verbal como um importante recurso na estratégia de comunicação empresarial.

 

A COMUNICAÇÃO NÃO-VERBAL. Flora Davis. São Paulo: Summus, 1979. 196 p.
Em linguagem jornalística, a autora traduz os esforços de inúmeros cientistas sociais que nos anos 1970 concentravam suas pesquisas para romper o código não-verbal. O livro trata a comunicação verbal e a não-verbal como inseparáveis, tecidas juntas pelos seres humanos quando estão face a face. Essa comunicação ocorre em muitos níveis simultâneos, consciente e inconscientemente, usando para isso todos os sentidos. Alguns capítulos descrevem como as partes do corpo e respectivos movimentos integram a mensagem. Ao final, uma ampla bibliografia permite o aprofundamento nos aspectos mais interessantes.

   

O CORPO FALA: a linguagem silenciosa da comunicação não-verbal. Pierre Gilles Weil e Roland Tompakow. São Paulo: Vozes, 1986. 288 p.
Pierre Weil, psicólogo, e Roland Tampakow, artista gráfico, ambos educadores, comparam a esfinge ao corpo humano para decodificar a expressão corporal. Composta por quatro partes, corpo de boi, tórax de leão, asas de águia e cabeça de homem, que corresponderiam, respectivamente, às vidas: instintiva e vegetativa (desejos), emocional (sentimentos) e mental (pensamentos), cabendo ao homem o domínio dos três conscientes anteriores. Partindo das antigas origens dos gestos de hoje, as ilustrações ensinam a observar as partes do corpo para decifrar as mensagens silenciosas.

   

DECIFRAR PESSOAS: Como entender e prever o comportamento humano. Jo-Ellan Dimitrius e Mark Mazarella. São Paulo: Elsevier, 2003. 328 p.
Os autores, com mais de 20 anos de experiência na área jurídica, mostram que em um julgamento a composição dos jurados e a escolha das testemunhas são tão importantes quanto a estratégia de argumentação. O livro leva para o cotidiano a técnica de reconhecimento de padrões na aparência, linguagem corporal, voz e conduta, testada nos tribunais em mais de 10 mil pessoas. Decifrar pessoas não é uma ciência nem um dom inato: é uma questão de saber o que olhar e ouvir, de ter a curiosidade e a paciência para reunir a informação necessária.

   
OF CIGARETTES, HIGH HEELS, AND OTHER INTERESTING THINGS: An introduction to semiotics. Marcel Danesi. New York: St. Martin's Press, 2008. 215 p.
Por que alguns espécimes humanos colocam a vida em risco fumando cigarros? Por que algumas mulheres se sacrificam usando sapatos de salto alto? Em linguagem acessível, o professor da Universidade de Toronto identifica como a utilização de objetos e comportamentos arriscados está relacionada à busca do significado dos signos que compõem uma cultura e sociedade. Para demonstrar como os objetos do dia-a-dia podem ser utilizados como um meio de comunicação não-verbal, o autor faz uma análise semiótica de um casal jantando em um restaurante.
   
THE DEFINITIVE BOOK OF BODY LANGUAGE. Barbara Pease e Allan Pease. New York: Bantam Books, 2006. 386 p.
Os autores são especializados no uso da linguagem corporal nas áreas política e de negócios, utilizando conceitos da biologia, psicologia e medicina em uma perspectiva evolucionista. Para eles, o homem moderno é menos eficiente do que seus ancestrais na decodificação da linguagem corporal, pois as palavras são uma fonte de distração. As ilustrações que acompanham o texto auxiliam o aprendizado do vocabulário básico da comunicação não-verbal, que inclui diferenças culturais de gesticulação; sinais secretos dos óculos; cigarros e maquiagem; mobiliário nos escritórios; territórios e espaços pessoais.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License