SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.27 issue5Traffic accidents: characterization accidents and lesions in an urban center of southern BrazilDiastolic blood pressure and its association with cumulative working time among urban bus workers author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Revista de Saúde Pública

Print version ISSN 0034-8910

Rev. Saúde Pública vol.27 no.5 São Paulo Oct. 1993

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101993000500006 

Hipertensão arterial e possíveis fatores de risco

 

Arterial hypertension and possible risk factors

 

 

Cecília Amaro de LolioI; Júlio César Rodrigues PereiraII; Paulo Andrade LotufoIII; José Maria Pacheco de SouzaI

IDepartamento de Epidemiologia da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo - São Paulo, SP - Brasil
IISecretaria da Saúde do Governo do Estado de São Paulo - São Paulo, SP - Brasil
IIIHospital Universitário da Universidade de São Paulo - São Paulo, SP - Brasil

 

 


RESUMO

São apresentados resultados de um estudo de prevalência de hipertensão arterial realizado no Município de Araraquara, SP, Brasil, em 1987, que avaliou 1.199 pessoas, sendo 533 homens e 666 mulheres, de 15-74 anos de idade. Os resultados mostram alta prevalência da doença, maior no sexo masculino (32,0%) do que no feminino (25,3%), com tendência crescente com a idade, até os 49 anos (homens) e até os 59 anos (mulheres). Houve, também, maior percentagem de hipertensos nos grupos étnicos preto e pardo, nos obesos e naqueles de menor renda, menor escolaridade e ocupação em estratos inferiores. No entanto, a regressão logística mostrou "odds ratios" muito pequenos, associados a estes fatores, o que pode decorrer da maneira como os mesmos foram considerados.

Descritores: Hipertensão, epidemiologia. Fatores de risco.


ABSTRACT

The results of a cross-sectional (prevalence) study of high blood pressure, carried out in 1987 in Araraquara County in the north of S. Paulo State, Brazil are presented. The group studies numbered 1,199 people, including 533 men and 666 women, of from 15 to 74 years of age. The results show a high prevalence of the disease (32.0% for men and 25.3% for women), with a tendency to increase with age, up to the 40's (men) and the 50's (women). There was also a greater percentage of hypertensives in the mulatto and black groups, in the obese, and among those of lower family income, with alower level of schooling and with less well remunerated jobs. However, the logistic regression showed very small odds ratios associated with these risk factors, wich could be attributed to the way these factors were considered.

Keywords: Hypertension, epidemiology. Risc factors.


 

 

Introdução

Em artigo publicado anteriormente8, mostrou-se que a prevalência de hipertensão arterial sistêmica (HAS) era extremamente alta em Araraquara, com os mais altos níveis já descritos em estudos de prevalência da doença no Brasil.

Sabe-se que a hipertensão arterial tem maior freqüência de diagnóstico quanto maior a idade do examinando, mas nos grupos etários mais avançados, a prevalência tende a decrescer ou se mantém estável1,11. Isto pode indicar uma seleção da população mais idosa, já tendo morrido a maior parcela dos hipertensos com complicações mais sérias.

Em relação à cor, sabe-se dos estudos de prevalência feitos nos Estados Unidos, que os negros têm maior prevalência de hipertensão arterial do que os brancos1,7,11.

Quanto à ocupação, renda familiar e escolaridade, que podem ser considerados indicadores de classe social, a hipertensão tem se mostrado mais freqüente em trabalhadores situados nas classes mais desfavorecidas e com menor escolaridade2,7.

Por referência à associação com obesidade, tem-se visto relação direta entre o peso excedente ao ideal, relacionado à altura, e uma maior prevalência de hipertensão arterial10.

O objetivo do presente artigo é o de mostrar a distribuição da hipertensão arterial segundo a exposição a possíveis riscos na população adulta, tais como: idade, sexo, cor, ocupação, renda familiar, escolaridade e obesidade, esta medida pelo índice de massa corporal, Além disto, testou-se a possível associação dessas variáveis com a condição de ser hipertenso segundo critério da Organização Mundial da Saúde12.

 

Metodologia

População de Estudo. Delineamento e Amostragem

A população de análise foi constituída pela população civil de 15 a 74 anos residente na zona urbana do Município de Araraquara, Estado de São Paulo, à época do levantamento, que correspondia naquele ano (1987) a 68,4% da população geral.

Foi realizado estudo transversal, tendo sido o procedimento de amostragem equiprobabilístico por conglomerados, o qual foi objeto de publicações anteriores6,7,8.

Variáveis do Estudo

1 - Obesidade - Avaliada pelo índice de massa corporal (Quetelet), peso/altura2, considerando-se obesos os indivíduos com índice de Quetelet maior ou igual a 30 kg/m2 6,9;

2- Idade em anos completos;

3- Sexo

4- Ocupação -Utilizou-se a classificação já empregada por Klein4 e modificada por Klein e col.5, que permite distinguir o ramo da atividade econômica e sua inserção no trabalho. A ocupação do entrevistado foi definida como aquela que habitualmente desempenhou durante o mais longo tempo em sua vida de trabalhador, mesmo se aposentado ou afastado do trabalho no momento da entrevista. Para isto eram perguntados, sob a forma de questões abertas:
a) a ocupação no trabalho principal: descrição detalhada das atividades desenvolvidas;
b) o ramo da atividade principal do estabelecimento, negócio ou setor onde exerce/exercia a ocupação descrita.

Os critérios usados por Klein e col.5 analisam as atividades do trabalho segundo finalidades terminais, e a posição no trabalho, de acordo com o setor econômico. Ao final, as questões abertas relativas à ocupação resultaram numa classificação em 6 categorias, conforme a Tabela 1.

 

 

5- Renda Familiar - Soma dos rendimentos brutos percebidos mensalmente pelo agregado familiar, incluindo-se salários, pensões, aposentadorias, aluguéis e demais rendimentos. Foram especificados em "cruzados" e convertidos em Pisos Nacionais de Salário (PNS) do mês em que a entrevista foi realizada. Os entrevistados foram classificados como pertencendo a classes que correspondem grosseiramente à repartição da população em terços:

- renda familiar baixa - abaixo de 5,00 PNS;
- renda familiar média - de 6,00 a 9,99 PNS;
- renda familiar alta - acima de 10,00 PNS;
- renda familiar ignorada.

Comparando-se com o ganho em dólares, ao câmbio oficial, as categorias formadas corresponderiam à época a abaixo de US$300, de US$300 a US$600, e acima de US$600.

6- Escolaridade - Definida como o maior grau de educação formal completado pelo entrevistado ao momento da entrevista, segundo sua informação. Com base neste dado, os entrevistados foram classificados nos estratos:

- "analfabetos ou com primário incompleto" (menos de 4 anos completos do primeiro grau);
- "primário completo" (4 anos completos do primeiro grau);
- "ginásio completo" (primeiro grau completo, 8 anos);
- "colegial completo" (segundo grau completo, 11 anos);
- "universidade" (terceiro grau completo, 14 anos ou mais).

7- Pressão Arterial, Hipertensão Arterial - A pressão arterial foi medida pelo método indireto, por manômetros aneróides, por duas vezes, usando-se a segunda medida para classificar o indivíduo em hipertenso ou normotenso. O critério para a designação de uma pessoa como hipertensa foi o da Organização Mundial da Saúde: 160 mmHg ou mais a pressão arterial sistólica e/ ou 95 mmHg ou mais a pressão arterial diastólica12. Pormenores da medida de pressão e dos critérios de classificação foram objetos de um outro artigo7.

Análise Descritiva e Inferência Estatística

Foram calculadas as prevalências e os erros-padrão segundo as variáveis especificadas. Foram calculadas tanto as taxas brutas quanto as ajustadas por idade, pelo método direto, usando-se como população-padrão aquela de 15 a 74 anos de ambos os sexos residente no Município em 1.9.19803.

Com vistas à análise de associação de alguns fatores sabidamente relacionados à hipertensão arterial, procedeu-se à regressão logística de hipertensão com a idade, a cor, a ocupação, a renda, a escolaridade e o índice de Quetelet. Entre essas variáveis, as contínuas (idade, renda e índice de Quetelet) foram tomadas sem qualquer transformação. Cor e ocupação foram transformadas em dicotômicas assumindo os valores "negro"/"não negro" e "manual"/"não manual", respectivamente. A variável escolaridade, embora categórica na origem, foi tratada como contínua assumindo-se desta forma que seu reduzido intervalo de valores (l a 5) represente um gradiente de escolaridade mínima a máxima. Como todas as variáveis independentes foram de antemão reconhecidas como relacionadas à presença ou não de hipertensão, todas tiveram sua entrada forçada na equação independentemente de sua significância estatística na amostra estudada. A análise foi executada com auxílio do pacote estatístico SPSS-PC (Statistical Package for Social Sciences, versão para computadores pessoais).

 

Resultados

Na Tabela 2 verifica-se que a prevalência de hipertensão é alta e crescente com a idade.

 

 

A Tabela 3 mostra a prevalência de hipertensão segundo escolaridade e sexo, com prevalências ajustadas que espelham uma relação pouco nítida com a escolaridade.

 

 

A Tabela 4 descreve a prevalência de hipertensão arterial segundo renda familiar, e ao menos para o conjunto da população, a prevalência ajustada é maior para as pessoas de renda mais baixa.

 

 

Na Tabela 5, verifica-se que a prevalência é mais alta para negros, intermediária para pardos e mais baixa para brancos. O número de pessoas de cor amarela foi muito pequeno para uma análise detalhada.

 

 

Já a Tabela 6 evidencia que, dentre os homens, os prestadores de serviços e os em ocupações técnico-científico-administrativas , e aquelas do setor primário, nas mulheres, tinham mais altas prevalências.

A Tabela 7 mostra a relação evidente entre a obesidade e a hipertensão arterial.

 

 

O resultado da análise das variáveis submetidas à regressão logística é apresentado na Tabela 8.

 

 

A confiabilidade dos resultados é expressa por uma medida de ajustamento da equação resultante ("goodness of fit") que apresentou um p= 0,69 e ainda por medidas de sensibilidade e especificidade dessa equação que resultaram em 48,96% e 89,45%, respectivamente.

 

Discussão

Uma das dificuldades encontradas no presente estudo diz respeito à forma de estudar-se cada um dos possíveis fatores de risco, de modo a se ter resultados expressivos. Como exemplo, pode-se tomar o da renda familiar, categorizada em terços da população, mas que não exprimem diferenças maiores já que os níveis apurados da renda familiar chegam para o estrato de renda familiar mais alta a 600 dólares, o que é evidentemente muito pequena. Assim, a análise da renda familiar como fator de risco padece desse tipo de problema, sabendo-se, além disso, de como este fator é de coleta difícil.

Analisando-se os resultados encontrados na regressão logística, tem-se que, na amostra estudada, a renda e a escolaridade não se mostram fatores de risco quando todas as outras variáveis são controladas. Com relação à idade, cor, ocupação e Quetelet, cada acréscimo de uma unidade representa, independentemente de qualquer uma das outras condições, um acréscimo de probabilidade para hipertensão arterial de, respectivamente, 5%, 20%, 25% e 19%. Quando duas ou mais dessas variáveis comparecerem simultaneamente, seus riscos terão efeito multiplicativo no risco final para o desenvolvimento de hipertensão. Desta forma, indivíduo negro de ocupação manual, um ano mais velho, e com um ponto de Quetelet a mais que outro indivíduo branco de ocupação não manual tem 90% a mais de probabilidade de apresentar hipertensão arterial, ou em outras palavras, um risco 1,9 vezes maior de apresentar a doença.

Embora as diferenças entre os diversos estratos analisados não tenham se refletido em "odds ratios" significantes, elas alertam para uma maior freqüência da hipertensão arterial entre os mais obesos, os de cor não-branca, de renda inferior e de ocupação manual. É possível também que fosse necessário estudar cada sexo em separado, mas isto teria demandado um maior tamanho de amostra.

 

Referências Bibliográficas

1. DRIZD, T. et al. Blood pressure levels in persons 18-74 years of age in 1976-80, and trends in blood pressure from 1960 to 1980 in the United States.Vital Health Stat. Ser.11, (234) 1986.         [ Links ]

2. DUNCAN, B.B. As desigualdades sociais na distribuição de fatores de risco para doenças não-transmissíveis. Porto Alegre, 1991. [Tese de Doutorado - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre].         [ Links ]

3. FUNDAÇÃO IBGE. Censo demográfico; dados distritais: São Paulo. Rio de Janeiro, 1982. v.1, t.3, no 17 (9o Recenseamento Geral do Brasil, 1980).         [ Links ]

4. KLEIN, C.H. Hipertensão arterial em estratos geo-econômicos do Rio Grande do Sul. Rio de Janeiro, 1981 [Dissertação de Mestrado - Escola Nacional de Saúde Pública/ FIOCRUZ].        [ Links ]

5. KLEIN, C.H. et al. Inquérito epidemiológico sobre hipertensão arterial em Volta Redonda, RJ. Cad. Saúde Pública, 1:58-70,1985.         [ Links ]

6. LOLIO, C. A. de .Prevalência de hipertensão arterial no Município de Araraquara, SP, Brasil, 1987. São Paulo, 1989. [Tese de Doutorado - Faculdade de Medicina da USP].         [ Links ]

7. LOLIO, C. A. de . Epidemiologia da hipertensão arterial. Rev. Saúde Pública, 24: 425-32, 1990.         [ Links ]

8. LOLIO, C.A. de . Prevalência da hipertensão arterial em Araraquara. Arq. Bras. Cardiol., 55: 167-73, 1990.         [ Links ]

9. LOLIO, C. A. de & LATORRE, M.R.D. de O. Prevalência de obesidade, em localidade do Estado de São Paulo, 1987. Rev. Saúde Pública, 25:33-6,1991.         [ Links ]

10. NEGRI, E. et al. Body weight and the prevalence of chronic diseases. J. Epidemiol. Community Health, 42: 24-9,1988.         [ Links ]

11. ROBERTS, J. Hypertension in adults 25-74 years of age, United States, 1971-1975. Vital Health Statist. Ser, 11 (221), 1981.         [ Links ]

12. WORLD HEALTH ORGANIZATION. EXPERT COMMITTEE ON ARTERIAL HYPERTENSION, Geneva, 1978. Report. Geneva, 1978. (WHO - Technical Reports Series, 628).         [ Links ]

 

 

Recebido para publicação em 15.12.1992
Reapresentado em 28.7.1993
Aprovado para publicação em 3.8.1993

 

 

Separatas/Reprints: C. A. de Lolio - Av. Dr. Arnaldo, 715 - 01246-904 - São Paulo, SP - Brasil
Edição subconvencionada pela FAPESP. Processo Medicina 93/0208-5