SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.39 issue5Intraoperative ultrasonographic evaluation of insulinomas: an updateSpatio-temporal image correlation (STIC): a new technique for fetal heart evaluation author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Radiologia Brasileira

Print version ISSN 0100-3984

Radiol Bras vol.39 no.5 São Paulo Sept./Oct. 2006

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-39842006000500013 

ARTIGO DE REVISÃO

 

Complexo nasossinusal: anatomia radiológica*

 

 

Ricardo Pires de SouzaI; Joel Pinheiro de Brito JúniorII; Olger de Souza TorninIII; Ademar José de Oliveira Paes JuniorIV; Cristiano Ventorim de BarrosV; Felipe Amstalden TrevisanVI; Carlos Neutzling LehnVII

IRadiologista, Coordenador da Residência Médica em Diagnóstico por Imagem do Hospital Heliópolis, Doutor pela Universidade de São Paulo
IIRadiologista, Mestre em Ciências da Saúde pelo Hospital Heliópolis
IIIRadiologista, Mestre em Ciências da Saúde pelo Hospital Heliópolis, Prática Profissionalizante em Ressonância Magnética pela Universidade de São Paulo
IVRadiologista, Doutor pela Universidade de São Paulo
VRadiologista, Doutorando pela Universidade de São Paulo
VIRadioterapeuta, Médico Assistente da Clínica Radium em Campinas e do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto – Universidade de São Paulo
VIIChefe do Serviço de Cabeça e Pescoço do Hospital Heliópolis, Doutor pela Universidade Federal de São Paulo

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

Este estudo propõe-se a avaliar o complexo nasossinusal, a fim de identificar os principais achados e determinar as doenças desta área. A análise precisa da extensão local e disseminação tumoral, dada pela tomografia computadorizada e ressonância magnética, desempenha papel importante no planejamento terapêutico, influenciando também o prognóstico.

Unitermos: Nasossinusal; Tomografia computadorizada; Ressonância magnética.


 

 

INTRODUÇÃO

Os achados clínicos nas afecções da cavidade nasal e dos seios paranasais podem, muitas vezes, ser inespecíficos, sendo, dessa forma, essencial a avaliação radiológica no seu diagnóstico(1,2).

Embora as radiografias simples possam retratar as mudanças por doenças inflamatórias nos seios paranasais, a tomografia computadorizada (TC), em particular, avalia melhor a cavidade nasal, os seios paranasais e estruturas adjacentes, permitindo a visualização dos canais óstio-meatais e facilitando a percepção da morfologia dessa região, característica que tem sido bastante explorada nos últimos anos em função do uso crescente de técnicas de cirurgia endoscópica nasossinusal(1–11). A ressonância magnética (RM) permite melhor visualização dos tecidos moles do que a TC, porém não representa adequadamente as paredes ósseas e os óstios dos seios paranasais(1–3,12–15).

Este trabalho visa a descrever a anatomia da cavidade nasal e seios paranasais, que é fundamental para o diagnóstico e programação do tratamento das afecções dessa região, possibilitando assegurar uma melhor qualidade de assistência ao paciente, bem como discorre sobre as variações anatômicas mais freqüentes dessa área(1–3).

 

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO COMPLEXO NASOSSINUSAL

Balanço mucociliar – O revestimento mucoso dos seios paranasais é feito por epitélio colunar pseudo-estratificado ciliar, estando os cílios em constante movimento e propulsionando o muco em direção aos óstios sinusais(1,2,16). O padrão de fluxo é específico para cada seio e persiste mesmo que sejam feitas algumas aberturas alternativas(1,2,8,9). Isto é observado nitidamente no seio maxilar, onde o fluxo mucoso é deslocado em direção ao óstio primário, de onde é transportado através do infundíbulo para o hiato semilunar e dali para o meato médio. A partir do meato médio, as secreções dos seios maxilares, frontais e etmoidais seguem para a nasofaringe(1,2).

A cavidade nasal é formada pelos ossos nasais e dividida pelo septo nasal em metades direita e esquerda(17,18). O septo nasal, facilmente identificável tanto nos cortes tomográficos coronais quanto nos cortes axiais, estende-se por toda a cavidade nasal. Sua porção anterior é composta por cartilagem e sua porção posterior é óssea, constituída principalmente pelo vômer e pela lâmina perpendicular do etmóide(3,17) (Figura 1).

 

 

A parede lateral da cavidade nasal apresenta vários marcos anatômicos, tais como as conchas nasais superior, média e inferior, que dividem a cavidade nasal em três passagens de ar distintas: os meatos superior, médio e inferior(1,2,8,9) (Figura 2A).

 

 

A concha nasal superior é a menor das três, abaixo da qual se situa o meato superior, por onde drenam as células etmoidais posteriores através de vários óstios (Figura 2A). Póstero-superiormente à concha superior, entre a parede anterior do seio esfenoidal e a parede posterior do seio etmoidal, localiza-se o recesso esfenoetmoidal, por onde drena o seio esfenoidal(2,3,8,9) (Figura 5).

 

 

 

 

 

 

A concha nasal média cobre o meato médio, onde se localiza a unidade óstio-meatal, a mais complexa região da parede nasal lateral, e que drena os seios nasais frontais, maxilares e etmoidais anteriores e médios(1–9,17,19) (Figuras 2A e 2B).

Anteriormente, a concha nasal média prende-se à parede medial das células de agger e à extremidade superior do processo uncinado. Superiormente, adere-se à lâmina cribriforme e, posteriormente, fixa-se à parede nasal lateral pela lamela basal (Figura 5). A lamela basal é um prolongamento ósseo lateral da concha média, que se funde à lâmina papirácea – estrutura que separa as células etmoidais da órbita posteriormente à bulla etmoidal(2,3,8,9).

O processo uncinado, uma fina proeminência óssea revestida por mucosa, possui uma extremidade livre em sua porção súpero-posterior. Anteriormente, origina a margem póstero-medial do ducto nasolacrimal. Lateralmente ao processo uncinado, situa-se o infundíbulo, que conecta o óstio dos seios maxilares e dos seios etmoidais ao hiato semilunar. A borda ínfero-medial da órbita define o limite lateral do infundíbulo(1–8) (Figura 2B).

O hiato semilunar é envolvido superiormente pela bulla etmoidal, lateralmente pela órbita, inferiormente pelo processo uncinado e medialmente comunica-se com o meato médio. Lateral e inferiormente, o hiato semilunar comunica-se com o infundíbulo. A bulla etmoidal, geralmente consiste de uma única célula aerada, que se projeta ínfero-medialmente sobre o hiato semilunar(1–8) (Figuras 2A e 2B).

Abaixo da concha nasal inferior, a maior das três, situa-se o meato inferior, que recebe a drenagem do ducto nasolacrimal, que é visto em cortes axiais de TC(1–3).

Há dois canais principais de drenagem dos seios paranasais:

1. A unidade óstio-meatal, sistema que drena os seios frontal, maxilar e etmoidais anterior e médio, e que inclui o óstio do seio frontal, o recesso frontal, o óstio do seio maxilar, o infundíbulo, o processo uncinado, a bulla etmoidal, o hiato semilunar, a concha nasal e o meato médios (Figuras 2A e 2B).

2. O recesso esfenoetmoidal, que drena apenas as células etmoidais posteriores e os seios esfenoidais(1–9,17,18) (Figura 5).

O ciclo nasal é um fenômeno fisiológico que descreve a abertura e o fechamento, de maneira alternada, dos lados da cavidade nasal. Este ciclo dura de 20 minutos a seis horas, e os fatores que o controlam ainda são desconhecidos(1,16,20,21) (Figuras 3A e 3B).

A RM demonstra tais alterações pelo aumento da intensidade do sinal do revestimento mucoso durante a fase edematosa do ciclo nasal, porém tal aumento é bastante similar à aparência da inflamação mucosa, que costuma ter intensidade de sinal muito brilhante nas seqüências T2. Já as neoplasias geralmente apresentam sinal de intensidade intermediária e as afecções fúngicas têm sinal de intensidade bem baixa nas seqüências T2(1,12–14,22–24).

As células etmoidais estão presentes ao nascimento e continuam a crescer até a puberdade, sendo geralmente divididas em três grupos: o anterior, o médio e o posterior. As células etmoidais anteriores costumam drenar por óstios individuais que se abrem no infundíbulo. As células etmoidais médias usualmente drenam via bulla etmoidal, ou drenam diretamente no hiato semilunar, ou através do infundíbulo, e dali para o meato médio pelo hiato semilunar. As células etmoidais posteriores são as localizadas entre a lamela basal e o seio esfenoidal e drenam no meato superior e, subseqüentemente, no recesso esfenoetmoidal(1,15,17,19,25) (Figura 5).

Os seios frontais podem ter tamanhos variados, sendo, em geral, divididos por um septo principal em lados direito e esquerdo, porém pode haver outros septos adicionais. Eles drenam pelo ducto nasofrontal para o recesso frontal, um estreitamento entre o seio frontal e o meato médio anterior, geralmente localizado na porção ântero-superior do infundíbulo, e prosseguem através do hiato semilunar para a porção anterior do meato médio, onde se junta ao fluxo do seio maxilar ipsilateral (Figura 4). Podem ainda drenar diretamente no meato médio, acima do infundíbulo(1,2,15,17,19,25).

Os seios esfenoidais são os mais posteriores dos seios paranasais. Eles são geralmente "embebidos" no clivo e limitados póstero-superiormente pela sela turca. Seus óstios são localizados medialmente na porção ântero-superior da parede anterior de cada seio, que se comunicam com o recesso esfenoetmoidal na porção posterior do meato superior. O recesso esfenoetmoidal situa-se bem lateralmente ao septo nasal e pode às vezes ser visto nos cortes coronais, mas é mais bem visualizado nos cortes sagitais ou axiais (1,15,17,19,25) (Figura 5).

Os seios maxilares são os primeiros seios paranasais a se formar e comunicam-se com o meato médio através do óstio maxilar e, subseqüentemente, pelo infundíbulo e hiato semilunar. Podem se estender lateralmente para dentro do zigoma e/ou ínfero-medialmente para o palato duro. É comum encontrarmos assimetria nos tamanhos ou nos formatos dos seios(1,15,17,19,25).

Anatomicamente, os seios paranasais estão em íntimo contato com a fossa craniana anterior, o platô cribriforme, as artérias carótidas internas, os seios cavernosos, as órbitas e os nervos ópticos na sua saída das órbitas(1).

 

VARIAÇÕES ANATÔMICAS E ANORMALIDADES CONGÊNITAS

Embora a anatomia nasal apresente muitas diferenças de um indivíduo para outro, certas variações anatômicas são observadas comumente na população geral e são vistas mais freqüentemente em pacientes com doença inflamatória crônica. A importância de uma determinada variação anatômica é determinada por seu relacionamento com os canais óstio-meatais e passagens nasais aéreas. As principais variações são as seguintes:

Variações da concha nasal média

• Concha bolhosa – É uma aeração da concha nasal, que pode ser uni ou bilateral. A concha média é a mais freqüentemente acometida, podendo obstruir o meato médio ou o infundíbulo. Menos freqüentemente, pode ocorrer aeração da concha superior, enquanto a aeração da concha inferior é infreqüente. A concha bolhosa pode ainda conter pólipos, cistos, pioceles ou mucoceles (Figura 6A).

 

 

• Concha média paradoxal – Geralmente, a concha média curva-se medialmente em direção ao septo nasal, mas sua maior curvatura pode projetar-se lateralmente, em direção à parede lateral do seio, estreitando o meato médio e o infundíbulo – tal variação é chamada de concha média paradoxal (Figura 6B).

Variações do processo uncinado

• Pode desviar-se medialmente, comprometendo o meato médio, ou desviar-se lateralmente, obstruindo o hiato semilunar e/ou o infundíbulo.

• Menos freqüentemente, encontramos o espiralamento do processo uncinado, que pode obstruir o meato médio.

• A extremidade do processo uncinado pode aderir ao soalho orbital ou porção inferior da lâmina papirácea, o que é conhecido como processo uncinado atelectásico – essa variação é geralmente associada a seio maxilar hipoplásico, usualmente opacificado, ipsilateralmente, devido ao fechamento do infundíbulo.

• Aeração do uncinado – Esta anomalia expande a largura do uncinado, comprometendo, dessa forma, potencialmente o infundíbulo. Funcionalmente, ele age como uma concha bolhosa ou uma bulla etmoidal aumentada. É infreqüente.

Variações etmoidais

• Células de Haller – Estas são células etmoidais aeradas que se projetam inferiormente no soalho da órbita, na região dos óstios dos seios maxilares. Elas podem ter aspecto e tamanho variáveis e causar estreitamento do infundíbulo quando estão aumentadas.

• Bulla etmoidal gigante – A bulla etmoidal gigante pode encontrar-se extremamente pneumatizada e estreitar ou obstruir o meato médio e/ou o infundíbulo.

• Células nasais de agger – São as células etmoidais aeradas mais constantes, situam-se abaixo do seio frontal, ínfero-lateralmente ao seio lacrimal e representam pneumatização do osso lacrimal por extensão das células etmoidais anteriores (Figura 4). Estão localizadas anterior e superiormente à inserção da concha nasal média, acompanhando a parede nasal lateral.

Extensa pneumatização do seio esfenoidal – A pneumatização do seio esfenoidal pode se estender para o processo clinóide anterior e para o clivus, envolvendo os nervos ópticos. Quando isso ocorre, os nervos ópticos têm risco aumentado de dano à exploração cirúrgica (Figura 7).

 

 

Desvio medial da lâmina papirácea – Pode ser achado congênito ou o resultado de um trauma facial prévio. Neste caso, o conteúdo intra-orbital tem risco durante o ato cirúrgico.

Desvio do septo nasal – É uma curva assimétrica do septo nasal que pode comprimir a concha nasal média ipsilateralmente, estreitando o meato médio, podendo evoluir ainda para inflamação secundária e infecção(1–4) (Figura 8).

 

 

MÉTODOS DE IMAGEM

O propósito da avaliação radiológica dos seios paranasais e estruturas relacionadas a eles é fornecer uma descrição o mais precisa possível da anatomia regional e estabelecer a presença e a extensão de doenças(1,22).

As radiografias simples são amplamente disponíveis, no entanto, fornecem detalhes insuficientes para permitir o planejamento cirúrgico(1,3,22).

A RM permite excelente visualização de partes moles, porém não representa adequadamente as paredes ósseas e os óstios dos seios paranasais(11,12,22).

A TC fornece muitas informações, tanto a respeito da parte óssea quanto das partes moles, permanecendo como técnica de escolha na avaliação da presença e extensão da doença nos seios paranasais. Os cortes coronais, perpendiculares ao palato duro e com espessura de 3 a 5 mm, permitem ótima visualização do complexo óstio-meatal, além de simular o plano visto pelo endoscopista. Eles são realizados com o paciente em prono e com a cabeça hiperestendida, a fim de assegurar que o nível líquido se deposite no soalho do seio maxilar e não cause "falsa" obliteração do complexo óstio-meatal(1,3,6,22).

 

REFERÊNCIAS

1. Zinreich SJ. Functional anatomy and computed tomography imaging of the paranasal sinuses. Am J Med Sci 1998;361:2–12.         [ Links ]

2. Mafee MF. Endoscopic sinus surgery: role of the radiologist. AJNR Am J Neuroradiol 1991;12: 855–860.         [ Links ]

3. Laine FJ, Smoker WRK. Osteomeatal unit and endoscopic surgery: anatomy, variations, and imaging findings in inflammatory diseases. AJR Am J Roentgenol 1992;159:849–857.         [ Links ]

4. Bolger WE, Butzin CA, Parsons DS. Paranasal sinus bony anatomic variations and mucosal abnormalities: CT analysis for endoscopic sinus surgery. Laryngoscope 1991;101:56–64.         [ Links ]

5. Kennedy DW, Zinreich J, Rosenbaum AE, Johns ME. Functional endoscopic sinus surgery. Arch Otolaryngol 1985;111:576–582.        [ Links ]

6. Babbel R, Harnsberger HR, Nelson B, Sonkens J, Hunt S. Optimization of techniques in screening CT of the sinuses. AJNR Am J Neuroradiol 1991;12:849–854.         [ Links ]

7. Zinreich SJ, Kennedy DW, Rosenbaum AE, Gayler BW, Kumar AJ, Stammberger H. Paranasal sinuses: CT imaging requirements for endoscopic surgery. Radiology 1987;163:769–775.         [ Links ]

8. Nayak SR, Kirtane MV, Ingle MV. Functional endoscopic surgery – I (anatomy, diagnosis, evaluation and technique). J Postgrad Med 1990; 37:27–30.         [ Links ]

9. Nayak SR, Kirtane MV, Ingle MV. Functional endoscopic surgery – II (a preliminary study). J Postgrad Med 1990;37:31–34.        [ Links ]

10. Babbel RW, Harnsberger HR, Sonkens J, Hunt S. Recurring patterns of inflammatory sinonasal disease demonstrated on screening sinus CT. AJNR Am J Neuroradiol 1992;13:903–912.         [ Links ]

11. Shapiro MD, Som PM. MRI of the paranasal sinuses and nasal cavity. Radiol Clin North Am 1989;27:447–475.         [ Links ]

12. Som PM, Shapiro MD, Biller HF, Sasaki C, Lawson W. Sinonasal tumors and inflammatory tissues: differentiation with MR imaging. Radiology 1988;167:803–808.         [ Links ]

13. Dillon WP, Som PM, Fullerton GD. Hypointense MR signal in chronically inspissated sinonasal secretions. Radiology 1990;174:73–78.        [ Links ]

14. Som PM, Dillon WP, Fullerton GD, Zimmerman RA, Rajagopalan B, Maron Z. Chronically obstructed sinonasal secretions: observations on T1 and T2 shortening. Radiology 1989;172:515–520.         [ Links ]

15. Scuderi AJ, Harnsberger HR, Boyer RS. Pneumatization of the paranasal sinuses: normal features of the importance to the accurate interpretation of the CT scans and MR images. AJR Am J Roentgenol 1993;160:1101–1104.        [ Links ]

16. Shankar L, Evans K, Halwke M, Stammberger H. An atlas of imaging of the paranasal sinuses. Philadelphia: JB Lippincott, 1995.         [ Links ]

17. Babbel RW, Harnsberger HR. A contemporary look at the imaging issues of sinusitis: sinonasal anatomy, physiology, and computed tomography techniques. Semin Ultrasound CT MR 1991;12: 526–540.         [ Links ]

18. Osborn AG, McIff EB. Computed tomography of the nose. Head Neck Surg 1982;4:182–199.         [ Links ]

19. Harnsberger HR, Babbel RW, Davis WL. The major obstructive inflammatory patterns of the sinonasal region seen on screening sinus computed tomography. Semin Ultrasound CT MR 1991;12:541–560.         [ Links ]

20. Silva MB. L'imagerie IRM des pathologies inflammatoires et infectieuses des sinus de la face. Paris: Université Paris-SUD, 1992.        [ Links ]

21. Doyon D. Pathologie des sinus de la face. Polycopie D. U. Maxillo-facial 1992;10–18.         [ Links ]

22. Mafee MF. Modern imaging of paranasal sinuses and the role of limited sinus computerized tomography; considerations of time, cost and radiation. Ear Nose Throat J 1994;73: 532–542.         [ Links ]

23. Zinreich SJ, Kennedy DW, Kumar AJ, et al. MR imaging of the normal nasal cycle: comparison with sinus pathology. J Comput Assist Tomogr 1988;12:1014–1019.         [ Links ]

24. Terrier F, Weber W, Ruefenacht D, Porcellini B. Anatomy of the ethmoid: CT, endoscopic, and macroscopic. AJR Am J Roentgenol 1985;144: 493–500.         [ Links ]

25. Aoki S, Dillon WP, Barkovich AJJ, Norman D. Marrow conversion before pneumatization of the sphenoid sinus: assessment with MR imaging. Radiology 1989;172:373–375.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Dr. Ricardo Pires de Souza
Rua Cônego Xavier, 276, 10º andar, Bairro Sacomã
São Paulo, SP, 04231-010
E-mail: ricapires@ig. com.br

Recebido para publicação em 28/10/2004.
Aceito, após revisão, em 15/12/2004.

 

 

* Trabalho realizado no Serviço de Diagnóstico por Imagem do Hospital Heliópolis, São Paulo, SP.