SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.4 issue9Um plano diferencial para o BrasilProjeto Floram: estratégias e plano de ação author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Estudos Avançados

Print version ISSN 0103-4014

Estud. av. vol.4 no.9 São Paulo May/Aug. 1990

http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40141990000200005 

DOCUMENTOS: A PLATAFORMA DO PROJETO

 

Identificação de áreas para o florestamento no espaço total do Brasil

 

 

Aziz Ab'Sáber; José Goldemberg; Leopoldo Rodés; Werner Zulauf

 

 

1. Antecedentes — Efeito estufa

Os efeitos de poluição oriunda de diversas fontes vêm sendo estudados intensamente nas últimas décadas. A poluição das águas já chegou a ser reduzida virtualmente em inúmeros casos, no que concerne a sólidos suspensos, demanda bioquímica de oxigênio, pH e um grande rol de substâncias químicas, promovendo um incipiente retorno de determinadas espécies de peixes aos rios, lagos, estuários e mares antes comprometidos. Em relação às áreas excessivamente urbanizadas e industrializadas ainda estamos muito longe de soluções completas: constatação válida do Primeiro ao Terceiro Mundo.

A poluição do ar também tem sido controlada em muitas chaminés e canos de escape, graças a filtros de manga e eletrostáticos para conter poeiras em suspensão, e lavagens químicas e catalisadores para remoção de gases poluentes. Visa-se especialmente reduzir emissões de óxidos de enxofre, óxidos de nitrogênio, hidrocarbonetos, monóxido de carbono, cloro, flúor, amônia, metais pesados e organoclorados, para citar apenas alguns dos parâmetros mais comuns. Entrementes, tem sido muito difícil obter melhorias expressivas na qualidade do ar em determinados bolsões climáticos sujeitos a calmarias persistentes.

As ações de controle da poluição investem agora contra os depósitos de lixo, e os rejeitos industriais e de mineração, que, ao contrário das emissões líquidas e gasosas, não se diluem no meio ambiente, mas se acumulam perigosamente em terrenos que vão sendo ocupados pela urbanização da periferia das cidades, locais onde tem havido sérios problemas de contaminação. As despesas para remoção e limpeza dessas áreas têm sido enormes, tanto por parte das indústrias como por parte dos governos.

Recentemente, novas formas de poluição passaram a desafiar autoridades, técnicos e cientistas, na medida em que substâncias aparentemente inócuas e inertes como o gás carbônico e os clorofluorcarbonetos passaram a se revelar como causadores de efeitos globais, não mais localizados ou regionais, mas ameaçando a biosfera como um todo, particularmente por perturbações na sua parte mais frágil, a atmosfera.

A magnitude dos problemas está a exigir soluções na mesma dimensão. O controle das conseqüências da redução da camada de ozônio da estratosfera, provocada pelos gases CFC , (clorofluorcarbonos), induziu a abertura de novos caminhos para entendimentos de caráter global e assim foi firmado um grande compromisso internacional — Convenção de Viena (1985) e Protocolo de Montreal (1987) — com vigência desde o início de 1989. Tais documentos estabelecem metas físicas para a redução gradativa da produção dos CFC, estimada em mais de um milhão de toneladas anuais, até o final do século.

Apesar da magnitude dos objetivos e das metas físicas estabelecidas, esse problema será resolvido por modificações ou substituições de processos em fábricas dispersas por todo o mundo, mas pertencentes a umas poucas dezenas de empresas, todas empenhadas em encontrar as alternativas brandas — em termos de potencial de redução de ozônio estratosférico — para os produtos que hoje utilizam CFC.

No caso do "efeito estufa", o problema é muito mais complexo na medida em que é maior o número de causas do fenômeno, e principalmente por causa da extensa dispersão das origens pontuais de emissão de CO2 constituindo miríades de pequenas, médias e grandes fontes.

Uma parte significativa do "efeito estufa" será controlada simultaneamente com a substituição dos CFC, já que esses gases são responsáveis por 17% do fenômeno, desde que as alternativas em desenvolvimento sejam menos retentoras de calor do que os CFC.

Outra fração importante na equação responsável pelo "efeito estufa" é a do metano (CH4), que contribui com 19% para o incremento do fenômeno. Como as principais fontes emissoras antropogênicas são agriculturas irrigadas (arroz, por exemplo), torna-se difícil agir no sentido de controlar o problema por esse lado. Outras fontes importantes de CH4 são os manguezais e os banhados, sendo o Pantanal do Mato Grosso uma expressiva área emissora natural.

A maior causa do efeito estufa, entretanto, situa-se nas emissões de CO2 que representam 50% do fenômeno. Entre as formas emissoras antropogênicas destacam-se as queimas de combustíveis fósseis (petróleo, carvão e gás natural) em indústrias, nas termoelétricas, nos automóveis e nas habitações (calefação, no inverno). Têm importância expressiva, também, as queimadas periódicas de fítomassa para preparação do solo para o plantio e as grandes queimadas de florestas nativas.

 

2. Carbono na biosfera

O destino final do excedente de carbono lançado na atmosfera, desde o início da revolução industrial em 1850, é o fundo dos oceanos, onde, sob a forma de carbonatos e bicarbonatos, estão depositados 41.000 Gt (41 x 10l2t) de C (97% do total), enquanto a atmosfera retém 700 Gt (1,6%) e toda a biomassa terrestre, apenas 600 Gt (1,4%) (vide Anexo A).

A transferência do CO2 excedente da atmosfera para os oceanos não se dá na mesma velocidade que as emissões das fontes antropogênicas para a atmosfera. Esse descompasso provocou, desde 1850 até hoje, um incremento de concentração de 290 para 345 ppm, o que significa 115 Gt (115 bilhões de toneladas) de carbono excedente no ar. Nesse ritmo, já podem ser previstas, com um nível de confiabilidade razoável, algumas perturbações climáticas, e uma elevação significativa do nível dos oceanos em decorrência do efeito estufa (vide Anexo B).

A ruptura do equilíbrio climático poderá ser desencadeada por diversos mecanismos. O mais estudado é o efeito da "realimentação positiva" do aquecimento da terra sobre si mesmo.

A reversão desse processo impõe-se com urgência para que não ocorram efeitos sinergéticos capazes de romper a elasticidade dos fenômenos meteorológicos, quebrando bruscamente o equilíbrio climático, com o que seriam provocadas catástrofes em dimensões imprevisíveis.

A ruptura do equilíbrio climático poderá ser desencadeada por diversos mecanismos. O mais estudado é o efeito da " realimentação positiva" do aquecimento da terra sobre si mesma. Sabe-se que a fotossíntese pouco se altera com o aquecimento; sua maior sensibilidade está afeta à luz, à água e aos nutrientes. A respiração, entretanto, e principalmente a decomposição, aumentam sensivelmente com o aquecimento, mormente nas regiões temperadas e frias, no inverno. Esse fenômeno tem conseqüências desastrosas nas latitudes médias e altas do hemisfério norte, onde está a maior massa continental (75%) do planeta e as vastas extensões de florestas caducifólias, de coníferas, de planícies boreais e de tundra.

O desequilíbrio fotossíntese — respiração e o aquecimento progressivo que dele resulta são fenômenos localizados nas regiões temperadas e frias do hemisfério norte, para as quais a elevação da temperatura prevista é o dobro da média global.

Outro efeito sinergético preocupante é a ampliação da evaporação provocada pelo aumento da temperatura. Como o vapor d'água também produz o "efeito estufa"; a maior concentração de umidade no ar tende a aumentar ainda mais a retenção de calor, o que provocará mais evaporação. Neste fenômeno, estuda-se o efeito de "freio" do processo, que pode representar a maior quantidade de nuvens formadas com o aumento da umidade. Resta verificar se as nuvens adicionais irão refletir calor em quantidade equivalente ao que é retido pela umidade adicional, deduzindo-se daí se haverá ou não efeito de causação circular acumulativa de calor.

A ordem de grandeza do tempo disponível para reversão dos níveis de CO2 na atmosfera é de 20 a 30 anos, tempo extremamente escasso para a implantação das transformações energéticas necessárias, diante do vulto, dos custos e demais impactos que tais transformações representam.

Essa premência de tempo torna necessárias, pelo menos, duas ações simultâneas e complementares: por um lado, a fixação de carbono atmosférico na fitomassa através de um megaprograma florestal, assim alongando o tempo disponível para, por outro lado, implantar tecnologias energéticas (como a de hidrogênio, entre outras) visando uma drástica redução das emissões de CO2.

O reflorestamento dá uma resposta rápida em termos de fixação de carbono, mas tem o inconveniente de devolver quantidades expressivas de CO2 à atmosfera a médio prazo, na medida em que a biomassa gerada passa a ser utilizada economicamente ou decomposta biologicamente, até atingir uma situação equilibrada, configurando uma quantidade de Carbono retida por um tempo determinado.

A energia do ciclo do hidrogênio não emite CO², apenas H²O e NOx. Trata-se, portanto, de um combustível ideal para controlar definitivamente o efeito estufa produzido pelo excedente de CO2 na atmosfera. Até mesmo o NOx pode ser reduzido ou eliminado como emissão, na medida em que a dissociação da água gera hidrogênio e oxigênio na exata proporção da demanda de cada um desses elementos na combustão, podendo, em determinadas circunstâncias, ser realizada com O² puro ao invés de ar atmosférico.

 

3. Missão

O presente estudo pretende estabelecer o dimensionamento básico da primeira das medidas apontadas, para que se produza a fixação de carbono através de um programa de megarreflorestamento no Brasil — em tamanho e condições compatíveis com um esforço mundial —, do qual o programa brasileiro será uma fração da ordem de 5%. Será, sobretudo, a ponta-de-lança de um processo, onde serão definidas as metodologias de concepção e de projetos florestais, diferenciadas regionalmente e inseridos em áreas já ocupadas do país, sem comprometer a agricultura e as reservas de florestas nativas.

O tempo disponível para a estabilização de CO2 em um patamar entre os 345 ppm atuais e 290 ppm pré-industriais, através do reflorestamento, deverá ser consumido simultaneamente para que se produzam as transformações definitivas dos processos de combustão de energia fóssil (carvão, petróleo e gás natural) em processos brandos quanto a emissões de CO2. As tecnologias básicas estão desenvolvidas. Até protótipos, já em terceira geração, de automóveis movidos a hidrogênio, existem na Europa; a União Soviética testa um avião (TU-15 5) movido exclusivamente por hidrogênio, e na Califórnia testam-se coletores solares e geradores eólicos em grande escala. Tudo isso sinaliza para a entrada definitiva do hidrogênio na matriz energética do futuro próximo (vide Anexo C).

No Brasil intertropical, um Plano Nacional de Reflorestamento deve beneficiar sobretudo as áreas deformações abertas onde a agricultura ainda não se expandiu por grandes espaços...

Por oportuna coincidência, em muitos países ou regiões produtoras de petróleo, ocorrem também os climas áridos e semi-áridos de alta insolação, como os desertos do norte da África, do sudoeste dos EUA, bem como o Nordeste do Brasil, todos eles adequados para instalação de projetos de energia solar. Essa coincidência atua no sentido de mitigar os impactos que as transformações do modelo energético brando em emissões de CO2 poderiam provocar sobre a economia dos produtores de petróleo, dado que a alta capitalização das economias desses países ou regiões poderá vir a ser um fator positivo na composição do capital que deverá bancar essas grandes transformações energéticas.

O megarreflorestamento destinado a reduzir o excesso de CO2 do ar somente terá sentido, do ponto de vista desse objetivo, se forem adotadas as medidas definitivas delineadas acima, ou outras, como a fusão nuclear, que venham a ser viabilizadas econômica, social e ambientalmente.

 

4. Considerações preliminares sobre reflorestamento no Brasil

Entre os problemas básicos do Brasil, neste fim de século, inclui-se um cuidado particular com o reflorestamento de áreas degradadas e o aproveitamento de espaços adequados para uma silvicultura de fins múltiplos.

De um lado, existe a preocupação com a elaboração correta de uma política nacional de florestas. E de outra parte, uma busca de ações participativas voltadas para a fixação do carbono em períodos de rápida atuação e sob critérios inteligentes de organização do espaço. Tais critérios devem se pautar em propostas que não impliquem tamponamento de áreas agrícolas produtivas e nem tampouco interfiram nos programas de reconstrução e reafeiçoamento de setores críticos das regiões mais afetadas, em conseqüência de sucessivos ciclos agrários direta ou indiretamente predatórios.

Baseados no balanço de sucesso/insucesso dos programas empíricos de reflorestamento subsidiados ocorridos nos últimos 20 anos, é de todo conveniente conceber um programa pan-brasileiro de reflorestamento, sob critérios técnico-científicos corretos e, à custa de estratégias de previsão de impactos suficientemente combinados, para tornar factíveis e aceitáveis as diferentes ações do grande plano.

O território brasileiro, considerado em sua grandiosidade espacial e na somatória dos seus setores geoecológicos, presta-se admiravelmente para um plano global de ampliação de fitomassa em áreas de cobertura vegetal aberta ou em setores de forte carga predatória dos processos agrícolas e/ou pecuários, além de que, em função de seu quadro atual de uso e utilização de solos visto na escala de Sul a Norte, exige uma identificação mais criteriosa de áreas reflorestáveis, com a finalidade básica de estancar a progressão da sangria das grandes massas de vegetação natural existentes na Amazônia, ameaçadas de desmatamentos desnecessários e caóticos.

Neste sentido, tem-se plena certeza que um Plano Nacional de Reflorestamento pode refrear e conter a marcha da destruição da floresta amazônica nos níveis que vem se processando.

 

5. Critérios de inclusão e exclusão

Considerando-se os quatro grandes domínios de natureza de Brasil intertropical e as duas regiões naturais subtropicais, com os seus diferentes agrupamentos de ecossistemas, e, levando-se em conta o mosaico global de solos ocorrentes em cada uma delas, assim como as experiências prévias de silvicultura e as raras ações de reflorestamento ecológico, torna-se possível identificar áreas preferenciais e regiões de exclusão criteriosa.

No Brasil intertropical, um Plano Nacional de Reflorestamento deve beneficiar sobretudo as áreas de formações abertas onde a agricultura ainda não se expandiu por grandes espaços e nas quais se pode fazer uma reciclagem da pecuária por melhoria da qualidade e contenção espacial, a fim de se encontrar subespaços ponderáveis para a introdução organizada de florestas plantadas.

Excluem-se desse tipo de silvicultura baseada em espécies adaptadas, de crescimento rápido e grande fítomassa, as regiões dotadas de menos de 850 mm de precipitações anuais, as quais em seu conjunto situam-se, principalmente, nos sertões do Nordeste. Em relação a esta grande área semi-árida do Brasil intertropical, propõe-se um subprograma particular de reenriquecimento das estreitas florestas-galerias, conhecidas por matas da c'raiba e um vigoroso processo de reflorestamento das encostas e interflúvios das colinas sertanejas por espécies do tipo do algaroba, a fim de obter um quadro de vegetação mais próxima do perenifólio por meio de uma espécie de utilização múltipla.

Quanto à Amazônia, a necessidade da sua exclusão (em termos globais ainda que não totais) liga-se ao fato de que ela continua sendo a grande reserva em pé da América tropical que carece de medidas protetoras mais de que propriamente planos extensivos de reflorestamentos. Não há como incluir os espaços geoecológicos amazônicos, vistos em seu todo, como espaços potenciais de reflorestamento. No entanto, faixas degradadas nos arredores de grandes cidades (Belém, Manaus, Santarém, Imperatriz, Macapá, entre outras), assim como as grandes áreas pré-amazônicas pontilhadas de agropecuárias mal-sucedidas, merecem uma particular atenção dentro do plano. Sem pretender multiplicar os Jaris, o plano abre espaço para proteger o que foi implantado e cuja experiência técnica permitirá reorientar processos racionalizados de silvicultura em faixas de desmate muito extensivo, tais como os ocorridos ao longo de setores da rodovia Belém — Brasília e mais recentemente ao longo da estrada de ferro Carajás — São Luiz, sobretudo no planalto maranhense.

É sabido que nenhum ecologista consciente deste país daria o seu aval para elaboração de espaços de silvicultura locais, em detrimento da supressão de áreas da floresta natural. Entretanto, pelo oposto, todos os ambientalistas esclarecidos têm consciência de que é preciso endereçar projetos de reflorestamento ecológico ou de florestas plantadas para as áreas que sofreram predações irremediáveis no entorno de cidades, em trechos de solos pobres, ou em áreas de drenagem desperenizada (trechos secos).

Ao inspecionar cartas topográficas combinadas com mapas pedológicos e fitogeográficos do país visto como um todo (e baseando-nos, sobretudo, em conhecimento de campo acumulado em muitos anos de pesquisas), identificamos as grandes áreas de exclusão e nos fixamos em alguns espaços preferenciais que, pela sua topografia, natureza de solo e atual sistema de utilização, poderiam ofertar boas condições para silvicultura.

Paralelamente, identificamos as áreas degradadas do Brasil tropical e subtropical, onde existe necessidade premente de programas híbridos, sobretudo ecológicos, de reposição florestal.

No que diz respeito às áreas de exclusão mais contínuas, selecionamos, por critérios diferenciados: a Amazônia vista no seu conjunto; o grande Pantanal Matogrossense; e o Nordeste seco, que por sinal, originou um subprograma particular de reflorestamento pró-parte ecológico, pró-parte utilitário.

Feitas as exclusões essenciais, levamos em consideração as grandes áreas agrícolas efetivamente produtivas do país, tais como: norte do Paraná, oeste de São Paulo, porções orientais de Paraná e Santa Catarina, noroeste do Rio Grande do Sul, Recôncavo e Zona da Mata nordestina, chapadões ocidentais de Mato Grosso do Sul e áreas agrícolas em expansão de Minas Gerais, região de Barreiras e Irecê na Bahia, entre outras, para as quais é impossível fazer proposições de silvicultura extensiva. Evidentemente, são áreas que podem receber uma certa taxa intersticial de reflorestamento ao longo da beira de riachos e rios, em cabeceiras de drenagem, faixas escarpadas, para as quais se espera algumas modificações no sistema de exploração agrícola e até modificação nos procedimentos de queimadas dos canaviais, tarefa a executar com o nível de detalhamento exigido num segundo momento do Plano Geral de Reflorestamento.

 

6. Levantamento preliminar de áreas disponíveis

A identificação de áreas para a execução de um programa de reflorestamento e silvicultura, ao longo do espaço total do território brasileiro, envolve alguns pressupostos, considerados indispensáveis. Baseados no conhecimento do território, antevisto sob o critério duplo de espaços físicos e ecológicos e de espaços reafeiçoados por atividades econômicas, pode-se estabelecer uma tipologia simples, com vistas a dois pólos principais de objetivos: 1. áreas para um reflorestamento com preocupações basicamente ecológicas; 2. áreas destinadas a uma silvicultura de interesse industrial; e, 3. áreas com potencialidades mistas, pró-parte destinadas a uma silvicultura para fins industriais e, em parte, necessitadas de um reflorestamento localizado, de interesse marcadamente ecológico (mananciais, vertentes íngremes, florestas de beira-rio, florestas-galerias, entre outras). Neste terceiro agrupamento, incluem-se as áreas urbanas possíveis de um subprograma de arborização e pró-parte reflorestamento (espaços de loteamentos especulativos, áreas verdes institucionais, parques metropolitanos, bosques, arborização de ruas e praças, conjuntos residenciais, bairros-jardins, entre outros).

Mapa

No que respeita ao critério das áreas disponíveis e preferenciais para a aplicação desse programa de reflorestamento e/ou silvicultura, julga-se indispensável estabelecer uma tipologia mais diversificada, em caráter paralelo. Após longas discussões sobre as disponibilidades reais de espaços internos para reflorestamento — feita a exceção de espaços dotados de grandes áreas de florestas primárias (Amazônia), ou aqueles espaços não-possíveis de sucesso nos projetos de silvicultura industrial — estabeleceram-se os tipos de espaços preferenciais, segundo suas potencialidades. Num primeiro agrupamento, reconheceu-se a presença de algumas áreas de grande extensão e alta adequação para uma silvicultura de interesse industrial (caso da faixa de terrenos arenosos, recobertos por cerrados, situados entre o Vale do Paraná e o Planalto de Campo Grande, interespaço de solos de baixa vocação agrícola desde o extremo sul-sudeste de Goiás até o sudeste do Estado de Mato Grosso do Sul).

As áreas com potencial de reflorestamento, totalizando 201.480 Km², representam 12,6% dos espaços selecionados, e equivalem a 2,4% do território brasileiro...

Num segundo grupo mais disperso, de espaços potencialmente silviculturáveis, incluem-se áreas do sudeste de Minas Gerais, oeste da Bahia e noroeste de Minas, campestres de solos pobres dos chapadões do sudoeste de Goiás, Triângulo Mineiro e centro-oeste de Minas Gerais. Um terceiro tipo de região, cujo somatório espacial é mais difuso e, certamente menos amplo do que os dois tipos de espaços anteriores, que diz respeito aos setores degradados dos planaltos do Brasil de sudeste e Brasil leste, onde ocorreu uma forte predação cumulativa pela atuação dos ciclos econômicos do café e da pecuária leiteira. Nessas regiões, existe a possibilidade de uma silvicultura rendosa, até no nível de 40 a 50% do espaço de cada gleba,sem maiores receios de impactos ecológicos negativos. No entanto, é obrigatório combinar essa ampliação regional de florestas homogêneas com programas de reflorestamento de áreas ou faixas fortemente degradadas (beira-rio, cabeceiras de drenagem, grotões, vertentes de forte declividade). Por último, prevê-se uma intensificação da cultura da árvore em qualquer tipo de gleba do Brasil, onde haja possibilidade de manter pequenos ou médios bosques, de propriedades de 10 a 5.000 hectares, para complementação do orçamento familiar dos proprietários. Identicamente pressupõe-se esse tipo de implantação de bosques para qualquer setor de glebas onde foram suprimidas partes de florestas primárias e não se encontrou uma economicidade plena através de atividades ditas agropecuárias. Através de uma boa seleção de clones, para evitar impactos ecológicos negativos, esse reflorestamento interno parcial intraglebas ou intra-setores degradados de glebas pode ajudar a recompor a diversidade orçamentária de pequenos, médios ou, até mesmo, grandes proprietários. Conforme a organização que se dê aos talhões e faixas de plantação dos bosques no interior das glebas, poder-se-á robustecer a economia agrária e recompor a paisagem de glebas em transmudação para fazendas e sítios organizados. Não se trata, portanto, de inserir florestas homogêneas caóticas no interior dos espaços disponíveis de propriedades rurais e, sim, de, através de um pequeno plano que atenda as peculiaridades topográficas e edáficas de cada gleba, inserir racionalmente réstias e faixas de bosques, com o uso de essências mais adequadas para cada região.

 

 

No que tange aos reservatórios de hidrelétricas, propor um generalizado reflorestamento das margens dos lagos, segundo planos específicos para cada área em obediência às condições das regiões em que eles estejam inseridos.

 

7. Identificação dos espaços escolhidos

Estabelecidas as tipologias de espaços disponíveis e, paralelamente, os tipos de ações de reflorestamento e/ou silvicultura recomendáveis, foi possível lançar em mapas o mosaico das áreas preferenciais para a implantação de um programa consistente e viável de reposição ou implantação seletiva de biomassas florestais. Para melhor visualização do conjunto das áreas, resolveu-se utilizar um mapa da vegetação da América do Sul (Hüeck e Siebert) e, em escala mais adequada, um recente mapa da vegetação do Brasil (1988), elaborado em nível de síntese, pelo somatório das pesquisais dos grupos de Botânica e Fitogeografia do Projeto RADAM (atualmente integrado ao IBGE).

No Anexo E, consta uma relação dos espaços selecionados e, no Anexo I, uma cópia reduzida do mapa acima mencionado, sobre o qual foram indicadas as respectivas localizações geográficas dos espaços escolhidos.

 

8. Considerações quantitativas

O Anexo E mostra um quadro com as superfícies estimadas para cada um dos espaços selecionados, as suas respectivas taxas de ocupação e os destinos visualizados para os mesmos. O quadro, por apresentar muito resumidamente uma visão quantitativa de conjunto, merece ser complementado com os seguintes comentários:

— 43,5% do total de espaços escolhidos são reservados para atividades agrárias diversificadas e para preservação de ecossistemas peculiares em faixas e setores pré-selecionados.

— Os projetos de caráter corretivo com características de descontinuidade acentuada são considerados áreas merecedoras de um tratamento especial (periferia sul da Amazônia e sertões do Nordeste). Estes espaços ocupam 39% da superfície total das áreas selecionadas.

— As atividades florestais ocupam 17,5% dos espaços selecionados e se subdividem em: florestamentos corretivos; reflorestamentos industriais caracterizados por plantações clonais, produtividade elevada, muitas das vezes à custa de adubos; reflorestamentos e/ou florestamentos mistos, nas seguintes proporções relativas:

 

 

As porcentagens, acima apontadas demonstram uma percepção e uma consciência de ser necessária a incorporação de projetos de caráter essencialmente ecológico num plano de megarreflorestamento como o FLORAM.

Mapa 2

– As áreas com potencial de reflorestamento, totalizando 201.480 km2, representam 12,6% dos espaços selecionados, e equivalem a 2,4% do território brasileiro (8,5 milhões de km2); ou, aproximadamente, a 0,5% da área florestal mundial (41,4 milhões de km2); ou, ainda, a 0,75% da superfície mundial coberta por florestas fechadas (26,6 milhões de km2).

– Cabe ressaltar que os 201.480 km2 selecionados para atividades florestais específicas significam uma taxa de ocupação prática de apenas 17,5% — metade da média aritmética das taxas de ocupação recomendadas para as diferentes glebas selecionadas — o que permite afirmar que esta taxa de ocupação prática resulta de uso de critérios de ocupação prudentemente conservadores.

– Cabe salientar também que as superfícies listadas para os espaços escolhidos são o resultado de estimativas educadas, cuja precisão é avaliada em, aproximadamente, 10% ao redor das médias usadas nos cálculos quantitativos.

 

9. Considerações qualitativas

Na maioria dos espaços considerados, a floresta constitui um comum denominador vocacional decorrente das condições ecológicas predominantes. Nestes espaços, os ingredientes necessários para a fotossíntese estão presentes. Porém, em algumas regiões de transição entre o domínio dos cerrados e caatingas, se faz sentir a influencia da falta sazonal de chuvas, ao ponto de tornar a água um fator ambiental limitante em maior o menor grau. Ás carências na composição dos solos podem se constituir em fatores limitantes adicionais que contribuem para definir e dispersar os níveis de produtividade.

A literatura sobre a produtividade florestal e seus níveis registra resultados de inúmeras tentativas para captar o enorme fluxo de energia fotossintética sob a forma de estruturas moleculares na matéria orgânica, fixadoras de carbono atmosférico na fitomassa. Com base nesta literatura, foi possível elaborar estimativas para níveis de produtividade florestal e, visando atender as necessidades do presente estudo, foram estabelecidos arbitrariamente cinco níveis de produtividade potencial, como segue: alta, alta/média, média, média/baixa e baixa. A classificação dos espaços selecionados por nível de produtividade potencial é mostrada no quadro seguinte:

 

 

A representação gráfica do Anexo H permite melhor visualização da convergência das médias calculadas para cada conjunto de valores relativos à produtividade de florestas situadas em diferentes latitudes do globo. Também dimensiona as estimativas de produtividade para as duas espécies mais provavelmente utilizadas nos reflorestamentos industriais (eucaliptos e pinheiros).

A classificação acima resulta numa fixação total de carbono que equivale a uma média ponderada de 7,5 tC.ha-l.ano-1 (ou 28,3 m³. ha-l.ano-1), valor que pode ser considerado razoável, com base nos dados da literatura tanto brasileira como estrangeira sobre o assunto (posição 11 do quadro comparativo de produtividades florestais).

Como referencial adicional, na posição 12 do quadro comparativo de produtividades florestais, consta o valor de 6,3 tC.ha-l.ano-1 como uma estimativa de produtividade florestal média global. Este valor é o resultado de dividir a biomassa global estimada para as florestas tropicais (789 bilhões de toneladas de matéria orgânica) pela superfície ocupada por estas florestas (1.838 milhões de hectares), multiplicando o cociente pelo fator de conversão 0,45 e dividindo o resultado por 34 (ou número de anos considerados necessários para atingir um valor estacionário).

Os valores de produtividade florestal utilizados neste estudo visam possibilitar a elaboração de uma estimativa quantitativamente confiável da contribuição brasileira ao esforço global necessário para reverter as previsões de mudanças climáticas decorrentes do efeito estufa.

Os valores propostos se fundamentam em resultados e observações publicados por diferentes autores (Anexo F) e não são outra coisa senão uma simples expressão estatística que permite prefigurar um potencial de produção fotossintética de certas estruturas orgânicas em determinadas condições ambientais.

É sabido que uma produtividade elevada depende em grande parte da energia solar disponível para a fotossíntese e dos critérios que, embutidos no código genético do organismo vegetal, governam a utilização da energia captada pelo sistema clorofílico e sua distribuição entre as diferentes funções fisiológicas (crescimento, diferenciação, sustentação, respiração e reprodução, entre outras). Á produtividade também depende do nível de fertilidade do solo, ou seja, da configuração físico-química decorrente de longos processos geoquímicos e meteorológicos que alteram a composição rochosa inicial: ou seja, dos seis fatores de formação dos solos envolvidos no processo. As condições climáticas hoje prevalescentes representam a continuidade geológica da sua interação modificadora sobre a geomorfologia dos grandes domínios, microrregiões e ecossistemas, fazendo sentir sua influência quantitativa e qualitativa sobre a formação de fitomassa.

Assim, os níveis de produtividade florestal, eventualmente alcançados na execução do programa FLORAM, deverão ser considerados indicadores de maior ou menor otimização inteligente do equilíbrio estabelecido entre o potencial representado pelo código genético das sementes ou clones selecionados para formar as florestas plantadas e o conjunto de condições ecológicas do lugar escolhido para a plantação num espaço ou domínio determinado.

Portanto, o nível de otimização conseguido será uma decorrência de trabalhos de pesquisa fundamental que permitam sustentar os projetos de pesquisa aplicada a serem executados, com caráter de urgência, dentro de uma sistemática de planejamento e coordenação extremamente cuidadosa, com envolvimento de especialistas em fisiologia vegetal, em biotecnologia silvicultural e na industrialização de produtos florestais.

O quadro comparativo mostra uma separação das produtividades em dois grandes grupos: valores acima de 10,6 tC. há-1.ano-1 (40 m3. há-Lano -1); e valores abaixo desta produtividade. Esta classificação decorre de que os valores acima da linha divisória traçada no quadro são usualmente indicativos de ter sido usado fertilizante para compensar carências especificas do solo. Estas compensações apresentam custos de instalação que oscilam entre US$ 400 e 1.000 por hectare plantado. As reformas ou replantios no fim dos ciclos demandam, usualmente, uma adubação complementar a um custo nunca inferior a US$ 100-200 por hectare.

 

10. Potencial de contribuição brasileira
Cálculo do carbono fixado pelo reflorestamento

Um programa de reflorestamento com áreas de plantação anuais (dimensionadas com base na superfície total disponível dividida pelo número n de anos considerados), no fim do último ano terá conseguido mobilizar uma área total equivalente a n2 + n vezes a área plantada anualmente. 2

Assim, para um programa de reflorestamento de 30 anos de duração, e no desdobramento por classes de solo da área total disponível (20,148 x 106ha), cada uma das áreas desdobradas terá uma área à ser reflorestada anualmente calculada em 1/30 da parcela original. Esta área de reflorestamento anual deverá proporcionar uma utilização anual repetida ao longo dos 30 anos do programa, totalizando 465 vezes a área calculada para a plantação anual.

Este total, multiplicado pela produtividade potencial estimada para a classe de solo correpondente, deverá dar a quantidade de carbono fixado ao longo dos 30 anos.

O quadro a seguir mostra o detalhe dos cálculos que permitiram identificar esta quantidade.

 

11. Estimativa de áreas por
nível de produtividade

 

 

12. Estimativa de carbono fixado, por
áreas de produtividade

 

 

Carbono fixado pelas áreas de reflorestamento:

2,418 x 109 tC

com uma produtividade média de:

Além desse carbono, devemos considerar aquele fixado nos espaços destinados a projetos especiais visando ações corretivas ecológicas, ou de reafeiçoamento, como resultado dos projetos especiais correspondentes. Estas parcelas adicionais de carbono foram calculadas como segue:

 

13. Total de carbono fixado

 

 

Portanto, o total de carbono fixado pela parte aérea de fitomassa será:

2,418 + 0,920 = 3,338 x 109tC

Se considerarmos que a parte aérea representa 2/3 da fitomassa, o total fixado será:

3,338 x 1,5 = 5,00 x 109tC

Quantidade que representa aproximadamente 4,3% do excesso de carbono atmosférico.

 

14. Benefícios decorrentes do megarreflorestamento

Além da satisfação do objetivo ambiental maior (redução do efeito estufa) do empreendimento proposto, há que se considerar e administrar uma série de impactos que o vulto do programa poderá causar, tais como:

* Impacto sobre o balanço florestal e todas as suas conseqüências.

* Impacto econômico sobre a indústria de celulose e seus derivados pela ampliação da oferta de matéria-prima.

* Impacto sobre a construção civil de moradias pela oferta em abundância de madeira e derivados.

* Impacto sobre a industria madeireira pela oferta crescente das espécies plantadas, em detrimento de outras espécies mais tradicionais.

* Impacto energético pela oferta de matéria-prima para produção de metanol automotivo.

* Impactos ambientais decorrentes das expansões contempladas pelas indústrias de madeira, celulose e papel.

* Impactos ecológicos relacionados com o balanço entre a monocultura

da árvore e a manutenção das biodiversidades regionais.

O programa deverá produzir diversos benefícios ligados ao meio ambiente, tais como:

* Proteção das matas nativas contra os seus predadores históricos clássicos (madeireiros, carvoeiros e lenhadores) pela oferta abundante de novas florestas.

* Preservação das florestas amazônicas, visando sua utilização contida por meio de modelos ecodesenvolvimentistas.

* Aumento do estoque de biomassa nas florestas existentes.

* Recuperação de áreas de antigas florestas como medida protetora em relação a florestas nativas ainda existentes na vizinhança.

* Recuperação de áreas degradadas (solos pobres ou vertentes) mediante um uso adequado, tendo em vista a regeneração do solo, e o combate à erosão e à desertificação, em função de alternativa econômica para a exploração de tais áreas.

* Proteção de mananciais contra usos agrícolas inadequados, pela alternativa florestal para a cobertura de tais áreas.

* Proteção de Bacias Hidrográficas contra assoreamento de rios, erosões e inundações, entre outras.

* Preservação de recursos hídricos.

* Regularizações micro e macroclimáticas.

* Aumento e multiplicação de refúgios e estabelecimento de santuários.

* Melhor preservação da diversidade genética.

* Proteção à fauna e à flora silvestre, desde que os florestamentos sejam mistos, preservando as matas ciliares dos rios e córregos, e das escarpas e serras.

* Resgate de espécies em extinção, desde que inseridas nas faixas de cobertura permanentes, como matas ciliares.

* Aumento na disponibilidade de matéria-prima para intensificar a industrialização e diversificação de produtos duráveis com base florestal.

* Desenvolvimento econômico descentralizado, pelo desenvolvimento regional dos produtos florestais industrializados.

* Fortalecimento das indústrias de produtos florestais já estabelecidas regionalmente.

* Aumento das áreas de lazer.

* Melhora paisagística decorrente dos reflorestamentos urbano e rural.

* Propostas estratégicas para evitar a "aldeia global" e interromper tendências exageradas de conurbações.

 

15. Produtos florestais industrializados

Pela ampla abrangência da sua possível diversificação , a industrialização adequada dos produtos de origem florestal se apresenta como uma sólida coluna de sustentação para um desenvolvimento social e econômico de extrema importância, pelo seu caráter fortemente indutor de atividades regionais. Este potencial de utilidade tem sido reconhecido e apontado repetidamente pelas entidades internacionais que visam identificar e recomendar os caminhos mais convenientes para promover um desenvolvimento regional e harmônico. Neste sentido, a FAO tem recentemente publicado uma série de relatórios apresentando um Plano de Ação Florestal para os trópicos, onde são indicadas as principais vantagens que apresentam um desenvolvimento social e econômico, quando se fundamentam na silvicultura e nos múltiplos desdobramentos de industrialização das matérias-primas conseguidas das florestas.

Pela sua diversidade e versatilidade, a industrialização dos produtos florestais pode se apresentar na forma de sucessivas cascatas representando estágios de processamento artesanais que demandam pequenas ou médias empresas (dependendo do nível de independência ou verticalização), que podemos imaginar situadas no extremo de um leque amplamente aberto, em cujo outro extremo se situam industrias de grande porte com demandas elevadas de investimentos e incorporando uma utilização intensiva de tecnologias de ponta nos seus processos de transformação.

As atividades ligadas ao reflorestamento e aos processos de beneficiamento e industrialização dos produtos e subprodutos florestais se constituem numa poderosa alavanca indutora de um desenvolvimento social e econômico que atende, pela sua flexibilidade, às características mais diversas e diferenciadas que prevalecem nós espaços considerados neste documento.

Um excelente exemplo dessa flexibilidade pode ser observado no Estado de São Paulo, onde a silvicultura se apresenta em duas áreas bem diferenciadas pelo seu estilo de aproveitamento florestal separadas por uma linha imaginária aproximada, com orientação SE — NW. As áreas situadas ao N — E dessa linha são representativas de atividades silviculturais mais de acordo com a mentalidade rural, no que diz respeito ao aproveitamento econômico de uma biodiversidade natural, que conta com os benefícios de uma proteção fitossanitária de caráter orgânico. Ao S — W da divisória, situam-se áreas que incorporam uma perspectiva industrial dentro do seu enfoque agrícola e, portanto, expressam uma vocação de grandes glebas passíveis de exploração a uma escala convidativa para grandes empresas. Essas áreas demandam investimentos elevados, utilização de tecnologias de ponta e uma planifícação e monitoração cuidadosa e detalhada das atividades necessárias para assegurar um nível elevado de produtividade para o empreendimento. Esses níveis de produtividade usualmente só podem ser atingidos mediante plantações clonais diferenciadas, cuidadosamente selecionadas e cuja proteção fitossanitária deve ser adequadamente arquitetada com caráter preventivo. A uniformidade dos produtos florestais obtidos nas áreas "novas" e a maior segurança na continuidade das suas características permitem conseguir valores agregados mais elevados, assim compensando amplamente os investimentos adicionais demandados pelo controle e monitoração do desenvolvimento da fitomassa, pelas atividades de P+D, e pelas necessárias complementaçôes de nutrientes e fertilizantes, investimentos estes bem mais elevados na silvicultura moderna do que nos reflorestamentos tradicionais.

Por oportuno, cabe lembrar, neste ponto, que a consecução de valores elevados de produtividade é o resultado de longos trabalhos de pesquisa multidisciplinar (biotecnologia silvicultural, fisiologia botânica, solos, entre outras áreas), demandando recursos humanos altamente especializados e escassos, por ser sua formação um processo que demanda um longo tempo de maturação e uma forte e persistente vocação inicial.

Assim sendo, a mobilização destes recursos humanos configura investimentos adicionais por hectare de reflorestamento que não podem ser esquecidos, porquanto uma carência destes recursos pode se constituir em fator limitante para o programa.

Assim, os dois estilos de reflorestamento exemplificam as duas posições extremas num leque amplo e aberto de estilos de reflorestamento opcionais, em cuja parte centralista se visualizando o aparecimento de novas opções decorrentes de interações positivas entre os dois estilos extremos. Assim, o estilo tradicional estaria internalizando os benefícios das biotecnologias de ponta que se demonstraram eficazes nas técnicas de reflorestamento mais modernas.

Nesse contexto, cabe mencionar a opção cooperativista e seu potencial de atendimento de eventuais exigências decorrentes de uma escala operacional dilatada, em áreas tradicionais, contornando o risco de aumentar a concentração da propriedade das terras.

 

16. Conclusões preliminares

Espelhando uma preocupação pelos problemas ecológicos de caráter global, e respeitando as características ecológicas regionais, foram identificados um total de 201.000 km2 potencialmente acolhedores de atividades florestais, onde 144.000 Km2 seriam destinados a reflorestamentos industriais propriamente ditos.

A escolha e seleção de espaços precisou transpor um labirinto de condições regionais e inter-regionais as mais diversas e heterogêneas que demandaram a identificação, a grandes traços, das soluções e encaminhamentos específicos para cada região.

A complexidade do mosaico dos espaços selecionados tornará imperativa uma monitoração executiva mediante imagens obtidas por sensoreamento remoto, visando atingir condições adequadas de eficiência e confiabilidade. Permite, também, antever a conveniência de se institucionalizar ações de caráter informativo, de assessoria e complementação tecnológica, de irradiação essencialmente regional em centros localizados estrategicamente.

 

BIBLIOGRAFIA

AB'SÁBER,Aziz Nacib
1977 — Diretrizes fará uma política de preservação de Reservas Naturais no Estado de São Paulo.- Geografia e Planejamento n. 30, Instituto de Geografia-USP, São Paulo.

1984 — Ecossistemas Continentais.—In:"Relatório da Qualidade de Meio Ambiente", RQMA, SEMA, Brasília.

1987 — Gênese de uma nova região siderúrgica: acertos e distorções de origem na faixa Carajás/SãoLuiz. — Pará Desenvolvimento n. 22 (Jul/Dez.1987), pp. 3-15, IDESP, Belém, Pará.

AB'SÁBER, A. N., CHACEL, F. M. e 'TSUKUMO,N.M.J.
1975 — Tratamento Paisagístico da Usina de Paraibana e Barragem de Paraitinga.— Geografia e Planejamento n.17, IGEOG-USP, São Paulo.

ALMEIDA, Álvaro Fernando de
1979 — Florestas implantadas e conservação da natureza:velho contrasenso ou nova filosofia.— Engenharia Florestal, n.2, (Jan./Jun. 1979), pp. 18-32, Piracicaba, SP.

1985 — Planejamento ambiental no manejo florestal: manutenção da produtividade. — Espaço Florestal n.2, pp. 50-60, Porto Alegre, RS.

ANFPC - Ass. Nac. FAB. PAPEL E CELULOSE
1988 — Relatório Estatístico Anual.-ANFPC, São Paulo.

ANÔNIMO (WORKING PAPER N.l) (R-3142)
1976 - Permanent Sample Plot Growth Trends for P. Patula in Uganda. - Research Project R-3142. Working paper n.l, Unit of Tropical Sylviculture, Oxford University.

ANÔNIMO (WORKING PAPER N.8) (R-3142)
1976 - Permanent Sample Plot Growth Trends for P. Patula in Kenya.-Research Project R-3142, Working paper n.8, Unit of Tropical Sylviculture, Oxford University.

ARKCOLL, David B.
1979 - Uma avaliação das opções agros-silviculturais para a Amazônia. -Anais do Simpósio sobre Ciências Básicas e Aplicadas, Publ. da ACIESP, n.19, pp 101-111, São Paulo.

AZAMBUJA, D. e THIBAU, C. E.
1973 — Diretrizes para o problema do carvão vegetal na siderurgia.— Boletim Técnico n.3, IBDF, Brasília.

BANDHU,D.
1973 - Chakia project. Tropical deciduous forest ecosystem. — In: Kern I, Ed. Modeling forest ecosystems, EDFB-IBP 737, Oak Ridge National Laboratory, Tennesee, USA, (cit. por: BROWN S. e outros, em 1982).

BARRICHELO, Luiz Ernesto George
1978 — Aproveitamento de madeiras de florestas naturais do Estado de Santa Catarina para a produção de celulose.- ESALQ/USP, Piracicaba, SP, (Trab. apres, no XI Congr.da ABCP).

1989 - Comunicação particular. -(23 de Nov.89),ESALQ-USP.

BATISTA, J. L. F.
1988 - Apontamentos da Silvicultura Urbana.- ESALQ/DCF, Piracicaba, SP.

BAUMGRATZ, S. S. e BOAVENTURA, R. S.
1986 - Erosão acelerada e desertificação em Minas Gerais.—In: "Seminário de Desertificação no Nordeste — Documento Final", pp. 84-110. SEMA/Min. do Des. Urbano e Meio Ambiente, Brasilia.

BERTONI, J. E. A. e MARTINS, F. R.
1987- Composição Florística de uma Floresta Ripária na Reserva Estadual de Parto Ferreira — SP. Acta Botânica Brasilica, vol.1, n.l, pp. 17-26, Brasília.

BETTIOL, A. I. e MASLAK, M. I. G.
1973 — Programa de reflorestamento estadual 1974-1983. -SRNR/Secr. Agrie, de Porto Alegre, RS.

BOLIN,Bert
1977- Changes of Land Biota and Their ùnportance in the Carbon Cycle. -Science vol.106, p.613.

BRANDÃO, LEOPOLDO G.
1984- A man-made Forest.- The Marcus Wallenberg Foundation Simposia Proceedings, p.13, Falun, Suécia.

BRISCOE,C.B.
1979 - Agroforesteria en Jari-floresrestales y Agropecuaria.- Brasil — Actas Taller Sistemas Agroflorestales en America Latina. (Turrialba, Costa Rica). Centro Agron. Tropic. Invest, y Enseñ., CATIE, Turrialba.

1983 - Jari Florestal e Agropecuaria as a development model.- SBPC (35ª Reunião Anual - Belém, Julho de 1983), Mimeografado.

BRONBANI, E. J. e SILVA L. C. da
1983 - Arborização de açudes e barragens.- DRNR (Secretaria da Agricultura do Estado do Rio G. do Sul), Porto Alegre.

BROWN, SANDRA e LUGO, A. E.
1982- Organic Matter in tropical Forest and the Carbon Cycle. - Biotropica 14(3): pp. 161-187.

BRUNIG, E. F.
1968 - On the limits of vegetable productivity in the Tropical Rain - Forest and the Boreal Coniferous Forest.- Ind. Bot. Soc. 46: pp. 314-322 (cit. por: Jordan CF., 1983).

BROSCH, Carlos Dias
1976- Uso de carvão vegetal no Brasil.-In: "Energia no Brasil" (José Goldemberg, Coord.), pp. 53-57.

BRYANT, Alden
1988 - Ten years gap.- World Congress " Climate and Development" , Hamburg, FRG.

CAMPINHOS JR,E.
1980 - More wood of better quality through intensive silvicultívre with rapid-growth improved Brazil ian Eucalyptus.- TAPPI, vol.63, n.ll, pp. 145-147.

CARVALHAL,C.M.
1989 - Generalidades sobre a fixação e consolidação de dunas - processos empregados. - AGROS, vol. 14, n.2, pp. 129-137, Pelotas.

CAVALHEIRO; F., ANDRADE, L. S. L.de A. e CARDOSO, M. A.
1983 — Ecologia urbana: o planejamento e o ambiente alterado das cidades.— In: Revista do Serviço Público (FUNSEP), ano 40, vol.lll,n.4, (Out./Dez.l983), pp. 109-112, Brasília.

CENTRO DE PLANEJAMENTO DA BAHIA
1978 - Atlas climatológico do Estado da Bahia: O clima e a organização do espaço geográfico.—(Dir de C. A. de Figueiredo Monteiro), Documento síntese — C.B.P. - Secret, de Planej. Ciência e Tecnologia, Salvador.

CHEMRAWN I
1978 — World Conference on Future Sources of Organic Raw Materials. - Toronto, Canadá, Pergamón Press — New York, 1980.

CHIARINI, J. V. e COELHO, A. G. S.
1969 — Cobertura Vegetal Natural e Área Reflorestada do Estado de São Paulo. — Bol. Inst. Agron. n.193, Campinas, SP.

CONGRESSO FLORESTAL BRASILEIRO
1982 - Congresso Florestal Brasileiro.-Belo Horizonte, MG.

CONGRESSO FLORESTAL BRASILEIRO
1986 — Congresso Florestal Brasileiro.— (28-30 de nov. de 1986), Olinda, PE.

CONGRESSO BRASILEIRO DE ECOLOGIA
1978 — Anais do 1º Congresso Brasileiro de Ecologia. - Curitiba, PR.

CONGRESSO NACIONAL SOBRE ESSÊNCIAS NATIVAS
1982 - Congresso Nacional sobre Essêndas Nativas. — (12-18 de set. de 1982), Campos do Jordão, SP.

COUTO, Hilton Thadeu Zarate do
1982 - Florestas Tropicais brasileiras: possibilidades e perspectivas na região amazônica. - IPEF, vol. l, pp. 185-199, Piracicaba, SP.

DE ANGELIS, D. L., GARDENER, R. H. e SHUGARTH H.H.
1981 - Productivity of forest ecosystems studied during. - IBP: the woodlands, data set.,In: D. E. Reichile Dynamic properties of forest ecosystems, IBP: Prog. - 23, pp. 567-672. Cambridge University Press, New York, USA, (cit. por: Brown S. e outros, 1982).

EMBRAPA
1980 - Avaliação de espécies Eucaliptus (MG e ES). -Boletim de Pesquisa n.l, Junho de 1980.

EMBRAPA
1983 - Avaliação silvicultural.- Boletim de Pesquisa n.20, Junho de 1983.

ENCONTRO DE PRESERVAÇÃO DE MADEIRAS/ABPM
1989-III Encontro (...) - (25-27 de out. de 1989), São Paulo.

ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA FAUNA E RECURSOS FAUNÍSTICOS
1977 - Anais do Encontro (...) - Brasília, DF.

ENSCH,LJ.
1953 — Siderurgia baseada a carvão vegetal no Brasil. Possibilidades e planos de expansão. — Geologia e Mineralogia n.10, pp. 124-147, São Paulo.

EVANS, J.
1982 — Plantation Forestry in the Tropics. -Oxford, Clarendon Press.

FAO - FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS
1981- El Eucalipto en la repoblación forestal. - Colectan FAO n.11, MONTES.

FAO- FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS
1988 - Forestry Action Plan fir Latin America and the Caribbean. -Executive Summary; FAO-ONU, Roma.

FEARNSIDE, PHILIP M.
1987 - Summary of progress in quantifying the potential contribution of Amazonian deforestation to the global carbon problem. — In: " Bio-geochemistry of Tropical Rainforests: problems for research", CENA (Centro de Energia Nuclear na Agricultura), pp. 75-82, ESALQ-USP, Piracicaba, SP.

1987 - Deforestation and international economic development projects in Brazilian Amazonia. —Conservation Biology I, pp. 214-221.

1989 - A Amazônia Brasileira no contexto do Programa Internacional Biosfera — Geosfera. - Boletim do Inst. de Geociências-USP, Public. Esp. n.6, pp. 105-111, SP.

1989 - The Charcoal of Carajás: a ' Threat to the Forests of Brazil's Eastern Amazon Region. -AMBIO, vol.18, n.2, pp. 141-143.

FERREIRA, Mário
1983 - Melhoramento Florestal e Silvicultura Intensiva com Eucalipto. - Silvicultura, Ano VIII, n.29, pp. 5-11.

1989- A situação florestal brasilera. -ESALQ/DCF-USP.

FONSECA S. M., FERREIRA, M. e KAGEYAMA,P.Y.
1979 — Resultados e perspectivas do programa de melhoramento genético com eucaliptos conduzidos pelo IPEF na região Sul do Brasil. -IPEF, Boletim Informativo n.7,pp.l-37.

FRANCO, Emmanuel
1956- Estudo de Ecologia vegetal e reflorestamento. — Posto de Defesa Agrícola em Sergipe, Publ. n.4 (Min. Agrie), Aracajú, SE.

FUNDAÇÃO CENTRO TECNOLÓGICO EM MINAS GERAIS - CETEC
1980 - Plano de desenvolvimento integrado do noroeste mineiro: recursos naturais. - 2 vols. (CETEC -Pubis. Tecns., n.2), Belo Horizonte.

1983- Diagnóstico ambiental do Estado de Minas Gerais.- CETEC (Pubis. Tecns., n.10) 2 vols. Belo Horizonte.

GALVÃO,A.P.M.
1989- Fitomassa aérea da produção natural de uma floresta tropical úmida amazônica submetida a Corte Raso.- EMBRAPA, Brasília (Manuscrito não publicado).

GIBBS, P. e LEITÃO Filho, H. F.
1978 — Florestic composition of an area of gallery forest near Magi Guaçu, State of São Paulo, SE Brazil. -Revista Brasileira de Botânica n.l,pp.l51-156,SP.

GONÇALVES, J. L. M.
1988— Interpretação de levantamento de solos para fins silviculturais. -IPEF, n.39, pp. 65-72, Piracicaba, SP.

GOLDEMBERG, José
1989 — Amazonia and the greenhouse effect. —In: " Amazonia: facts, problems and solutions", pp. 13-17, USP -INPE, São Paulo, SP.

GOLFARI, H.
1980 - Zoneamento Ecológico para Reflorestamento da Área de Influência da Serra dos Carajás. — CRVD Revista vol.1, n.2, pp. 3-18, Rio de Janeiro.

GOLLEY, F. B. e LIETH, H.
1972 - Eases of Organic Production in the Tropics. -In: Colley P. M. e Colley F. B. - " Tropical Ecology Production": University of Georgia, Athens Ga., pp. 1-26, (cit. por: Jordan CF., 1983).

GOLLEY, F. B e MEDINA, E.
1975 - Tropical Ecological systems. -Ecological Studies 11, pp. 137-152, Springer — Verlag, New York, (cit. por: Brown S. e outros, 1982).

GOMES, A. M. B., CARVALHO, C. S. de e BARBOSA V. R. D.
1980 - Estudo de Geomorfologia: AleGrete, RS. - Instituto de Geociências, Publicação Avulsa UFRGS, Porto Alegre.

GRUPO ESTRATÉGICO DE PLANEJAMENTO FLORESTAL
1982- Brasil Florestal, Ano 2000: diretrizes estratificas para o setor florestal brasileiro. — Brasil Florestal, ano 12, n.50 (Maio/Junho, 1982). (Participam do GPEF: Brandão, Lupatelli, Freitas, Galvão, Coelho, Terezo, Magalhães Neto, Chaeri, Rodés, Barrichelo, Murat Jr., Machado, Leite, Levy Prange, Toca, Jacob, Suiter Filho e Marcovitch).

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL
1972 - Inventário florestal do Distrito Federal. -GDF/ Secr. da Agrc. e Prod., Brasília.

HALL, D. O. e ROSILLO Calle, F.
1989 - CO2 Cycling biomass: global bioproductivity and problems of deforestation.- In: "Amazonia: facts, problems and solutions", pp. 478-527, USP-INPE, São Paulo.

HEINSDIJK, D. L., SOARES, R. D. e BASTOS, M.
1962 — Plantação de coníferas no Brasil. Estudo preliminar sobre o volume e o rendimento de Araucaria angusti folia, Cryptomeria japonica, Cunninghamia lanceslata e Pinus elliotii. — Setor de Inventário Florestal, Boletim n.51, Rio de Janeiro.

HUBER, J.
1910 — Matas e madeiras amazônicas. — Bol. Museu Goeldi,n.6, pp. 91-225, Belém, Pará.

HÜECK, Kurt
1972 - As Florestas da América do Sul. - (Trad, de Die Walder Sudamericas Stuttgart, 1966, por Hans Reichardt), Ed. da Universidade de Brasília e Ed. Polígono, São Paulo, SP.

HÜECK, K. e SEIBERT, P.
1972 — Vegetations Karte von Sudamerika. — Biogeography and Ecology in South America (Fit-tkau, E.J. e outros), vol. I, pp. 54-81.

HUTIEL, C. H. e BERNHARD-REVERSAT, F.
1975 - Recherches sour l'écosystem de la fôret sub équatoriale de base Côte, D 'Ivoire — Cycle des matières organiques. — Terre Vie, 29: pp. 203- 228, (cit. por: Brown S. e outros, 1982).

IBDF/DEF
1983 - Relatório: Inventário dos Reflorestamentos do Estado, Monitoramento dos reflorestamentos do Estado da Bahia. — (maio de 1983). IBDF/DEF., Brasília, DF.

IBDF/DEF
1983 — Relatório: Avaliação econômica das florestas nativas da região Sudeste do Estado de São Paulo. -(maio de 1983). IBDF/DEF., Brasília, DF.

IBDF/DEF
1983 - Relatório do Inventário das Florestas do Estado, Inventário dos Reflorestamentos do Estado do Espírito Santo, Avaliação Econômica das Florestas Nativas da Região Sudeste. - IBDF/DEF., Brasília, DF.

IBDF/DEF
1983 - Relatórios: Inventário dos Reflorestamentos do Estado, Inventário das Florestas Nativas do Estado de Santa Catarina. — (março de 1983.) IBDF/DEF.,Brasília, DF.

IBDF/DEF
1983 — Relatórios: Inventários dos Reflorestamentos do Estado, Inventário das Florestas Nativas do Estado, Monitoramento dos Reflorestamentos do Estado do Paraná. -(março de l983).IBDEF/DER, Brasília, DF.

IBDF/DEF
1983 - Relatórios: Inventário das Florestas Nativas, Inventário dos Reflorestamentos e Inventário da Floresta Nacional de São Francisco de Paula, —(fevereiro de 1983). IBDF/ DER, Brasília, DF.

IBDF/DEF
1983 - Relatório do Inventário dos Reflorestamentos do Estado de Minas Gerais. - (março de 1983). IBDF/DEF., Brasília, DF.

1984 — Relatórios: Inventário Multiestágio dos Reflorestamentos do Estado do Mato Grosso do Sul. Estudo de Alternativas de Aproveitamento dos Reflorestamentos do Eixo Campo Grande - TrêsLagoas. -(junho de 1983). IBDF/DEF., Brasília, DF.

1984 - Relatórios lio Inventário das Florestas Nativas do Estado de Goiás. - (dez. de 1984). IBDF/DEF., Brasília, DF.

IBGE
1988 - Mapa de vegetação do Brasil -Escala 1:5.000.000. - Secret, de Planej. e Coord, da Pres, da Repúbl., FIBGE/MA/IBDF, Rio de Janeiro.

INSTITUTO BRASILEIRO DE DESENVOLVIMENTO FLORESTAL
1974 - Zoneamento Econômico Florestal do Estado de Minas Gerais. — IBDF. Min. da Agr. de Belo Horizonte.

1974 — Zoneamento Econômico Florestal do Estado do Espírito Santo. — IBDF. Minist. da Agr. de Belo Horizonte.

INSTITUTO ESTADUAL DE FLORESTAS (IEF)
1986 - Controle da Exploração Florestal em Minas Gerais. — Período de jan. de 1980 a jun. de 1985. Belo Horizonte, MG.

INSTITUTO FLORESTAL - Coord, de Pesq. de Recurs. Nats.
1975 — Zoneamento Econômico Florestal do Estado de São Paulo. - Secr. Agric, de São Paulo, Boletim Técnico n. 17.

INVENTÁRIOS FLORESTAIS - IBDF-/DEF
1. Inventário Florestal Nacional das Florestas Nativas dos Estados do Paraná e Santa Catarina.
2. Inventário Florestal Nacional — Reflorestamento, SC.
3. Inventário Florestal Nacional — Florestas Nativas, RS.
4. Inventario Florestal Nacional — Florestas Nativas, RJ/ES
5. Inventario Florestal Nacional — Reflorestamento, RJ/ES.
6. Inventario Nacional dos Recursos Florestais implanta, oriundos de incentivos fiscais, SP.
7. Inventário Nacional dos Recursos Florestais implantados, oriundos de incentivos fiscais, MS.
8. Inventario Florestal Nacional — Reflorestamento, MG.
9. Outros Inventários realizados.

JANKONSKT, Ivaldo P.
A corserpação dos recursos florestais da Amazônia. — Ind. Moveleira, Caxias do Sul, RS.

JORDAN, C. F. e ESCALANTE, G.
1980 — Root productivity in an Amazonian rain forest. —Ecology 61: pp. 14-18, (cit. por: Brown S. e outros, em 1982).

JORDAN, Carl F.
1983 - Productivity of Rain Forest Ecosystems and the Implications for their use as future wood and Energy Sources. — In: Ecosystems of the world 14A — Tropical Rain Forest Ecosystems, Structure and Function — Golley F. B., Editor Elsevier Science Bublishing Co.

KAGEYAMA, Paulo Yoshio
1970 — Critérios de escolha de espécies para utilização em pequenas áreas de reflorestamento. -IBDF, Brasilía.

1975 — Banco de clones de pinus tropicais: aspectos da fase de enxertia. -Bol. Inform. IPEF, ano 3, n. 10, pp. 43-52 (Jun.de 1975), Piracicaba, SP.

1980 — Variacão genética em progênies de uma população de E. grandis Hill (Maiden). —Tese de Doutoramento, ESALQ-USP, 113 pp.

1981 — Situação de reflorestamento de Pinus no Brasil. -IPEF, Piracicaba, SP.

1984—Fatores que afetam a produção de sementes florestais. - IPEF, Piracicaba, SP.

1989— Plantações de espécies nativas: florestas de proteção e reflorestamento misto. - ESALQ/DCF., Piracicaba, SP.

KAGEYAMA, P. Y. e CASTRO, C. F. A.
1986 — Conservação genética in situ e uso múltiplo da floresta. - Silvicultura, ano 11, n.41, pp.77-80, São Paulo.

KAGEYAMA, P. Y. e DIAS, I. de S.
1982 — Aplicação da genética em espécies florestais nativas. — Silvicultura em São Paulo, 16 A (parte 2), p. 782-791, São Paulo.

KALLIO, M., DIKSTRA, D. P. e BINKLEY, C. S.
1987 - The Global Forest Sector: an Analytical Perspective. — John Wiley & Sons.

KENYA NATIONAL FARMERS UNION
1990 — Growing trees far a better future. —Recommended Species for Planting (Ture Masson e David Kamwet). KNFU, Nairobi, Kenya.

KLEIN, R.M.
1966 — Árvores nativas indicadas para o reflorestamento no Sul do Brasil. - Sellowia, n. 18, pp. 29-39.

KIRA, T., OGAWA, H., YODA, K. e OGINO,K.
1967 — Comparative ecological studies on three main types of forest vegetation in Thailand, 4. Drymatter production with special reference to the Khao Chang rain forest. — Nature Life Southeast Asia 5: pp. 149-174, (cit. por: Brown, S. e outros, em 1982).

KIRA, T.
1978 — Community architecture and organic matter dynamics in tropical lowland and rain forest of South East Asia, with special reference to Pasoh forest West Malaysia. — In: Tom Lison P. B. e Zimmerman M. H.: "Tropical Trees as living systems", pp. 561-590, Cambridge University Press, New York, USA (cit. por: Brown S. e outros, em 1982).

LAMB, A. F. A.
1968 - Fast growing Timber Trees of the lowland Tropics n.1. — Gmelina arborea: Commonwealth Forest Institute. Department of Forestry, University of Oxford.

LAMB, A. F. A.
1973 - Fast Growing Timber Trees of the Lowland Tropics Pinus Caribara. - vol.1, Unit, of Tropical Sylviculture, Department of Forestry, Oxford.

LIEGEL, L.
1976 - Results of Triangular Spacing Trials on three differents Soils in Puerto Rico. — Draft n.l, Institute of Tropical Forestry, Rio das Pedras, Puerto Rico.

LIMA, Walter de Paula
1987 — O reflorestamento com eucalipto e seus impactos ambientais. —ART-PRESS, São Paulo.

LIMA, Walter de Paula
1985 — Ação das chuvas no ciclo biogeoquímico de nutrientes em plantações de pinheiros tropicais em cerradão. - IPEF, n.30, (agosto de 1985), pp. 13-17, Piracicaba, SP.

LIMA, Walter de Paula
1985 — Hidrologia de florestas implantadas. —Documentos. EMBRAPA/CNPF, n.16, pp. 8-13, Curitiba, PR.

LIMA, WALTER DE PAULA
1975 — Estudos de alguns aspectos quantitativos e qualitativos do balanço hídrico em plantações de Eucalyptus e de Pinus. - ESALQ-USP. Tese de Doutoramento, Piracicaba.

LIMA, WALTER DE PAULA
1980 - O Reflorestamento com Eucalipto e seus Impactos Ambientais. — ART-PRESS, São Paulo.

LINDMAN,C.A.M.
1986 — A vegetação no Rio Grande do Sul. — Livr. Univ. de Porto Alegre.

LUGO, A. (e outros)
1973 — Tropical Ecosystem structure and junction. — In: E. Farnworth e F. B. Colley: "Fragile Ecosystems" , Springer-Verlog, Berlin pp. 67-111, (cit. por: Jordan C. F., em 1983).

LUGO, A. E., GONZALES, J. A., CINTRON, B. e DUGGER, K.
1978 — Structure, productivity and transpiration of a sub-tropical dry forest. - Biotropical, 10: pp. 278-291 (cit. por: Brown S. e outros, em 1982).

MACIEL, N. C.
1984 - Perspectivas e estratégias para uma política nacional de proteção a manguesais e estuários. —Bol. da FBCN, n.19, pp. 111-125. Rio de Janeiro.

MALAISSE, R, FRESON, R., GOFFINET, G. e MALAISSEMOUSSET, M.
1975 — Litterfall and litter breakdown in Miombo. - In: Golley F. B. e Medina E.: "Tropical ecological systems". Ecological studies n.ll, pp. 137-152, Springer, Verlag, New York, (cit. por: Brown S. e outros, em 1982).

Mc. GAUGHEY, S. e GREGERSEN, H.
1983 - Forest Based Development in Latin America. — BID, Washington D.C.

MEDEIROS, Benjamin A. de
1989 - Brasil versus CO2. -(Trabalho não publicado). Maio de 1989.

MELLO, H. A.
1977 — Madeira, uma realidade energética. - IPEF, Piracicaba.

MESA-REDONDA SOBRE REABILITAÇÃO DE ÁREAS MINERADAS DE XISTOS
1986 - Mesa-Redonda (...) - (27/28 de nov. de 1986), São Mateus do Sul.

MOLLER, O. (e outros)
1975 — Diagnóstico sobre a presença de manchas de areia na Região Sudeste do Rio Grande do Sul. .— SUDESUL, Porto Alegre.

MULLER, D. e NIELSEN, J.
1965 — Production brute, pertes par respiration, et production nette, dans la fôret ombrophile tropicale. — Forst, Fors Vaes. Dann, 29: pp. 69-160, (cit. por: Brown S. e outros, em 1982).

MURPHY, P. G.
1961 — Organic matter and nutrient cyclés under moist tropical forest. — Plant Soil, 13: pp. 333-346, (cit. por: Porown S. e outros, em 1982).

1975 - Net Primary productivity in Tropical Terrestrial Ecosystems. —In: Leith, H. e Whittakers, R.: "Primary Productivity in the Biosphere", Springer-Verlag, Berlin, pp. 217-231, (cit. por: Jordan C. F. e outros, em 1982).

1977 — Rates of Primary Productivity in Tropical Grassland, Savanna and Forest. - GEO-ECO Trop., n. 1: pp. 95-102, (cit. por: Jordán C. F., em 1982).

PANDOLFO,C.
1977 - Potencial madeireiro da Hiléia Amazônica. — In: "Recursos Naturais, Meio Ambiente e Poluição — Contribuições de um ciclo de debates", pp. 197- 205, IBGE SUPREN., Rio de Janeiro.

POGGIANI, Fábio
1981 — Utilização de espécies florestais de rápido crescimento na recuperação de áreas degradadas. — Sér. Técn. IPEF, Piracicaba, SP.

1983 — Aspectos da dinâmica de nutrientes e da produção de biomassa em plantações florestais de pinheiros tropicais. - IPEF, Piracicaba, SP.

1989 — Na Amazônia, engenheiro florestal do pecuarista. — Jornal do Convênio USP/IPEF, ano 2, n. 28, p.2, (Julho-Agosto de 1989), Piracicaba, SP).

REUNIÃO CONJUNTA IPEF-ASSOCIADAS
1982 — Potencialidades da Região Nordeste para a Implantação de florestas de Rápido Crescimento. — Salvador, BA. (Tema central da Reunião).

RIZZINI, C. T. e COIMBRA Filho, A. F.
1988 — Ecossistemas brasileiros — Brazilian Ecosystems. — Editora Index, Rio de Janeiro.

RIZZINI, C. T. e HERINGER, E. P.
1962 — Preliminares aéreas de formações vegetais e do reflorestamento no Brasil Central. — Serv. de Informs. Agries., Rio de Janeiro.

RODÉS, Leopold
1988 — A Saga do Jari e seus Ensinamentos — I Jornada Técnica Papeleira (26.05.88). Medellin, Colombia.

RODIN, L. E. e BAZILEVICH, N. I.
1967 — Production and Mineral Cycling in Terrestrial Vegetation. — Oliver and Boyd, Edimburg, 288 pp., (cit. por: Jordan C.F., em 1983).

RODRIGUES, João Barbosa
1893 - Hortus fluminensis. - (Guia para visitantes do Jardim Botânico do Rio de Janeiro).

RUDOLPH, V. J., SIMÕES, J. W. e JAMES, L. M.
1979 - Forestry in Brazil: an awakening giant. —Journal of Forestry, vol.76, n.12, (dez. de 1979).

SÃO PAULO - Secretaria da Agricultura
1970 - Programa Florestal de São Paulo. — Secr. da Agric, de São Paulo.

SANTA CATARINA — Secretaria da Agricultura e Abastecimento
1975 — Estudo das condições ecológicas e econômicas da produção de matéria-prima em florestamento e reflorestamento. — IBDF (Distr. Ind. de SC), Florianópolis, SC.

SEDJO,R.A.
1984 — An economic assessement of industrial forests plantations. — Forest Ecology and Management, 9 (4) : pp, 245-257. In: LIMA, W. de P., 1980.

SIEGENTHALER, U. e OESCHGER, H.
1978 - Predicting Future Atmospheric Carbon Dioxide Levels. — Science, vol. 199, p.338.

SEIXAS, Fernando
— Exploração em plantios de Eucalyptus spp sob diferentes espaçamentos. -IPEF. Piracicaba, SP.

SEIXAS, Fernando
1983 — Aspectos atuais e perspectivas de desenvolvimento em exploração florestal. -IPEF. Ser. Técn., n. 25, pp. 9-14, Piracicaba, SP.

SEIXAS, Fernando
1987 — Exploração e transporte de Eucalyptus spp. - IPEF. Piracicaba, SP.

SIMÕES, João Walter
— Produção de madeira em florestas energéticas sob diferentes praticas silviculturais. — IPEF. Piracicaba, SP.

1980 — Produção de madeira para energia. - CATI. Campinas, SP.

1981 — Formação, manejo e exploração de florestas com espécies de rápido crescimento. — IBDF. Brasília, DF.

1983 — Análise dos métodos silviculturais adotados em florestas implantadas para produção de energia. — IPEF. Piracicaba, SP.

1983 — Análise dos métodos silviculturais adotados em florestas implantadas para produção de energia. — IPEF. Piracicaba, SP.

SIMÕES, J. W., BRANDI, R. M. e MALINOVSKYJ.R.
1976 — Formação de florestas com espécies de rápido crescimento. — PRODEPEF. Ser. Div., n.6, pp. 1-74, Brasília, DF.

SIMÕES, J. W., COELHO, A. S. R. (e outros)
1980 — Crescimento e Produção de Madeira de Eucalipto. -IPEF. 20: pp. 77-97.

SIMPÓSIO BRASILEIRO SOBRE TECNOLOGIA DE SEMENTES FLORESTAIS
1989 - 2° Simpósio Brasileiro (...) - São Paulo.

SIMPÓSIO FLORESTAL DE MINAS GERAIS
1970 - Anais do 4° Simpósio Florestal de Minas Gerais. — Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG.

SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE ALTERNATIVAS PARA O DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA
1988 — Alternativas para o Desmatamento na Amazônia. — (Janeiro de 1988). Belém, PA.

SIMPÓSIO SOBRE MATA CILIAR
1989 — Simpósio sobre mata ciliar. — Instituto de Botânica, São Paulo, SP.

SIMPÓSIO SOBRE EXPLORAÇÃO DE PEQUENOS MACIÇOS FLORESTAIS
1978 — Simpósio sobre exploração de pequenos maciços florestais. — (12-22 de set. de 1978). CATI. Campinas, SP.

SIMPÓSIO IUFRO SOBRE MELHORAMENTO GENÉTICO E PRODUTIVIDADE DE ESPÉCIES FLORESTAIS DE RÁPIDO CRESCIMENTO
1980 - Simpósio IUFRO(...) - Agosto de 1980. Águas de São Pedro, SP.

SIQUEIRA, Joésio Deoclécio Pierin
1986 — Visão Geral dos Inventários Florestais no Brasil. — In: " Simpósio sobre a Caatinga e sua Exploração Racional", pp. 217-241. Univ. Estad, de Feira de Santana. EMBRAPA, Brasília, DF.

SUDENE/DRN - CONDESE/CRN
1976 — Zoneamento ecológico-florestal do Estado de Sergipe. - SUDENE/DRN e CONDESE/CRN. (Relatório e Carta de Vegetação). Públ. pelo Convênio, Aracaju, SE.

TATO, L., SOUZA, P. F. de e COELHO, A. P.
1951 — Plano de reflorestamento para as usinas siderúrgicas do centro do país. — Serv. Flor., Rio de Janeiro.

THIBAU, C. E.
1972 — Consumo de carvão vegetal em Minas Gerais, relacionado com a produção de gusa. — Revista Brasil Florestal, n. 12.

TRICART, JEAN
s/d — Problemas de conservação de terras e de águas nos municípios de Alegrete e São Francisco de Assis. - SUDESUL, Relatório de Viagem, Porto Alegre, RS.

TOMAZELLO Filho, Mário
1982 — Vegetação brasileira: morfologia, dendrologia e identificação de madeiras. - CPRN. São Paulo, SP.

VEIGA, A. A.
1972 — Curso de atualização florestal. — 2 ed., Instituto Florestal (SP), vol.l, Rio de Janeiro.

VIANA, Virgílio Maurício
1989 — Seed dispersal and gap regeneration of three tropical species. —Tese de Doutorado. Cambridge.

VICTOR, M. A. M., KRONKA, F. J. N. e NEGREIROS, O. C.
1989 — Evolução, estágio atual e perspectivas das florestas exóticas em São Paulo. Instituto Florestal, Boletim Técnico IF n.l, São Paulo.

VICTOR, M. A. M. (e outros)
1981 — Elenco de medidas para promover o reflorestamento e a conservação dos recursos florestais em São Paulo. — Parte I — Diagnose. Instituto Florestal, São Paulo (mimeogr.).

VICTOR, M. A. M.
1987 — É hora de avaliar o refloresta —Silvicultura, ano I, maio-junho de 1977.

VICTOR, M. A. M. (e outros)
1986 — Land classification for industrial afforestation in the State of São Paulo, Brazil. - In: "Forest site and productivity", GES SEL, pp. 69-91, Martins Nij-hoflf Publ. Dordrecht.

VOLTATO, E. (e outros)
1987 — As conseqüências sociais e econômicas e ambientais da siderurgia a carvão vegetal na Amazônia Oriental. - Pará Desenvolvimentó, n.22, (jul./dez. de 1987), pp. 25-30, IDESP. Belém do Pará.

WESTLAKE, D. F.
1963 - Comparison of Plant Productivity. - Biol. Rev. n. 38, pp. 385-425, (In: Jordan C.F.,1983).

WHITTAKER, R. H. e LIKENS, G.
1975 — The Biosphere and Man. — In: H. Liethe Whittaker R.: "Primary Production of the Biosphere ", Springer-Verlag, Berlin, pp. 305-328.

WOODWELL, G. M. (e outros)
1978 - The Biota and the World Carbon Budget. —Science, vol. 199, p.14.

YAMAZOE, GUERJI (e outros)
1988 — Avaliação de programa de reflorestamento de pequenos e médios.— Secr. de Estado de Meio Ambiente - CPRN. (Trab. apres.- no I Encontro Brasileiro de Economia Florestal - Curitiba, maio de 1988). Instituto Florestal, São Paulo.

ZOBEL, B., CAMPINHOS, E. e IKEMORI, Y.
1983 — Tappi J., jan. 1983.