SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.25 issue71About a scene from Fim de Semana no Parque by Racionais MC'sOs heróis da literatura author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Estudos Avançados

Print version ISSN 0103-4014

Estud. av. vol.25 no.71 São Paulo Jan./Apr. 2011

http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142011000100016 

DOSSIÊ SÃO PAULO, HOJE

 

Poemas sobre São Paulo

 

 

Vários autores

 

 

CEMITÉRIO DO ARAÇÁ

Quando ainda era menino,
voltava calado para casa,
interrogava teu muro alto.
Eras o melhor vizinho.

Habituado a jogar futebol
na sinuosa rua dos fundos,
estranhava que as bolas
não voltassem do teu mundo.

Você resistiu ao cerco
da cidade que cresceu
(eu também cresci)
sempre à tua volta.

Repisando nosso passado,
hoje, finalmente, te visito.
Busco meu pai enterrado
dentro do teu labirinto.

Augusto Massi

 

LENDO NO TREM A CAMINHO DE CASA

nascida
na beira do pântano, no meio
de gente rude, criada
para dar nome
às cabras
e cultivar terras inóspitas

daí, dizem
os filólogos, tantas metáforas
agrárias, nesta língua
em que uma página
antes de ser
página do livro que estou lendo
serão estacas
fincadas na terra
- entre elas se espalham
as ramas da parreira

língua em que feliz
é a árvore que produz; caduco
o fruto que cai; delírio se diz
do grão que brota
fora do sulco
(isto é, da lira
pois esse é o nome da linha
do rego
da vala
rasgada no chão
para o germinar das sementes)

língua que, como diz
um eminente linguista português,
seguiria ordenando guerras e colheitas
não tivesse ela própria
"cindido-se desvairadamente"
em cabos
rocas
oceanos inteiros
a ponto de parir toda uma geografia
e florescer no extremo do extremo

a ponto de florescer aqui
neste trem
nesta janela
junto às águas negras
do pinheiros
(água que me fala
tão de perto, rente à pele
dos ouvidos, fragmento
de conversa, soluço
entrecortado de trilhos
"eu me viro, eu me viro")
enquanto
a caminho de casa
folheio as páginas de um livro

 

SOBRE A HISTÓRIA DA LÍNGUA PORTUGUESA

e volta e meia, entre uma
linha e outra, estico os olhos
pelos companheiros de viagem
neste expresso metropolitano gente de todo tipo, corpo, cara, tamanho
que porta consigo seus problemas &
pacotes de fim de ano e leio, em cada um, o transeunte
de uma língua
em busca de seu destino
- cidade universitária jaguaré presidente altino transeunte como eu
prestes a descer
em qualquer ponto do caminho

até que num repente
a noite salta da outra margem
desliza sobre a água, entra pela porta
enquanto - sem tempo de fechar o livro
"cuidado com o vão
entre o trem e a plataforma
"

eu piso
sem volta
do lado de fora

Alberto Martins
(Inéditos)

 

NOTURNO DA RUA MARQUÊS DE ITU

Começa na Praça da República
de maneira desde já oblíqua e ambígua
e vai pondo árvores abstratas
em seu caminho.
Passantes passam-lhe ao longo
e ao estreito, conhecidos meliantes
e mundanas
líricas sem escamas e sem dentes
ou de sorriso afiado como um corte,
professores de medo em uniformes
de um azul mais escuro do que o preto
da noite que dissolve esses contornos
e marginais possíveis,
impossíveis trazendo a punição na testa
como um emblema.
O uivo dolorido da polícia
estilhaça o sono nas calçadas.
A culpa pula, esconde-se na esquina,
espreita atrás do cartaz,
dá boa-noite e vai punir-se
no porão do edifício, perplexa.
A rua que se afina segue os fios
do ônibus elétrico:
transatlântico salão iluminado deslizante
caixão claro vazio baleia oca sob
a luz corrompida da lua. A rua
transporta para o lado das Perdizes,
Pacaembu, Lapa, Arvoredo, Tempo
os veículos que analisa, canaliza,
o imaginário corredor que é o ônibus
de olhares furados.
Enquanto, maliciosa, pisca a análise,
a rua calada e fria mais que a lua
vai derivando tudo para o lado
do longe e para ele ela deriva
seu
sempre
que é simplesmente um nunca.

Rubens Rodrigues Torres Filho
(Novolume. São Paulo: Iluminuras, 1997. p.77)

 

SEGUNDO PAPEL

a cidade é o óbvio,
o que salta aos olhos
ulula, o que brilha
e fede

a cidade é o cais
caos sob controle
outro dia de luto,
de luta, de luxo

a cidade é perder
outro sol que agride
outra lua (a cidade comporta),
mesma via

e é sempre tarde
e o lugar que falta
e o que nos prende,
perene, perece

Tarso de Melo
(Planos de fuga e outros poemas. São Paulo: Cosac Naify;
Rio de Janeiro: Viveiros de Castro Editora, 2005. p.70)

 

O VENTO NESSA CIDADE

O vento nessa cidade
vem sempre na mão contrária.

Fumaça, papéis e poeira
pegam carona, sem rumo

(pessoas também, se bem que elas
não se diferenciam muito

de papéis, poeira ou fumaça). O
preto, que à mão só tem dedos,

grava na sarjeta o mapa
de seu tesouro escondido,

já são vistos traços brancos,
mas vamos de olhos cerrados,

pois nessa cidade o vento
não aceita ser contestado.

Paulo Ferraz
(Evidências pedestres. São Paulo: Selo Sebastião Grifo, 2007. p.14)

 

ÀS MINHAS COSTAS

As portas do metrô mastigam
o ar condicionado.

Estou em trânsito, com os demais.
Percorremos a rede incorpórea
que há de permanecer.

Não se ultrapassa a linha amarela.
Nada cheira. E a escada rolante
- áspera via - até se alegoriza

ao conduzir-nos de volta ao simulacro
passageiro das avenidas.

Na saída, ponho os óculos escuros.

Sérgio Alcides
(O ar das cidades: poemas (1996-2000). São Paulo: Nankin, 2000. p.33)

 

A CIDADE

Por mais que insistas em recusar,
esta é, sim, a tua cidade concreta
onde tantos te ofereceram amizade
e o amigo partiu pela porta secreta.

Andaste cabisbaixo pelas calçadas
remoendo as humilhações do trabalho.
Marcaste este chão com teus passos,
dores recolhidas como um rebotalho.

Aqui nasceram os filhos, a epifania
das infâncias que sumiram passageiras.
Abriste envelopes com muito medo,
receoso daquelas notícias derradeiras.

Tu que amas a simetria permanente
viste a barriga da cidade arregaçada.
Como nas telas de Anselm Kiefer,
tens nela tuas perplexidades retratadas.

Donizete Galvão
(O homem inacabado. São Paulo: Portal, 2010. p.59)

 

TRENS URBANOS

Não são como os ratos
ou os vira-latas.

Nunca desviam,
os trens.

Este sempre acompanha
o rio morto vivo.

Aqui dentro, uns lutam pra dormir,
outros, pra acordar.

Uns achando que a vida
é preparação pra morte.

Outros, que a morte
é o motor da vida.

Outros não acham nada.
Sobrevivem.

Os meus botões pensam:
morte em vida é que é problema.

Cocteau pensava além: a vida
é uma queda na horizontal.

O trem para. A porta se abre.
Na falta,

qualquer rua, pra mim,
é rio.

Ruy Proença
(Visão do térreo. São Paulo: Editora 34, 2007. p.41)

 

Créditos dos poetas

Augusto Massi, como poeta, publicou Negativo (Companhia das Letras, 1991) e A vida errada (7Letras, 2001).

Alberto Martins é autor dos livros Uma noite em cinco atos (Editora 34, 2009) e Em trânsito (Companhia das Letras, 2010).

Rubens Rodrigues Torres Filho publicou Poros (Livraria Duas Cidades, 1989), Retrovar (Iluminuras, 1993) e Novolume (Iluminuras, 1997), entre outros.

Tarso de Melo é autor de Planos de fuga e outros poemas (São Paulo: Cosac Naify; Rio de Janeiro: Viveiros de Castro Editora, 2005), Lugar algum: com uma teoria da poesia (Alpharrabio, 2007) e Exames de rotina (Editora da Casa, 2008), entre outros.

Paulo Ferraz publicou, sob o Selo Sebastião Grifo, os livros Constatação do óbvio (1999), Evidências Pedestres e Do novo nada, ambos em 2007.

Sérgio Alcides escreveu o livro de poesias Nada a ver com a lua (Sette Letras, 1996) e O ar das cidades: poemas (1996-2000) (Nankin Editorial, 2000).

Donizete Galvão publicou, em 1988, Azul navalha (T. A. Queiroz Editor), em 1999, Ruminações (Nankin Editorial) e, em 2010, O homem inacabado (Portal Editora), entre outros.

Ruy Proença é autor dos livros de poesias Pequenos Séculos (Klaxon, 1985), A lua investirá com seus chifres (Giordano, 1996) e Visão do térreo (Editora 34, 2007), entre outros.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License