SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.31 issue82NARRATIVES AND TRAJECTORIES: methodological approaches from UNILABORDEM URBANA NAS METRÓPOLES BRASILEIRAS: ANÁLISE DA TRANSIÇÃO URBANA E DOS DESAFIOS METROPOLITANOS author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Caderno CRH

Print version ISSN 0103-4979On-line version ISSN 1983-8239

Cad. CRH vol.31 no.82 Salvador Jan./Apr. 2018

http://dx.doi.org/10.1590/s0103-49792018000100012 

RESENHA

A NOVA RAZÃO DO MUNDO: ENSAIO SOBRE A SOCIEDADE NEOLIBERAL

Felipe Queiroz* 

*Felipe Queiroz – Doutorando em Ciência Política na Unicamp. É Pesquisador do Centro de Estudos Marxistas (Cemarx) e editor da revista Cadernos Cemarx. Universidade Estadual de Campinas – Unicamp, IFCH- PPGCP. Rua Cora Coralina, 100 - Cidade Universitária Zeferino Vaz, Barão Geraldo. Campinas - São Paulo – Brasil. felipequeiroz_braga@hotmail.com

DARDOT, P.; LAVAL, C.. A nova razão do mundo, : ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Editora Boitempo, 2016. 402p.p.

Publicado originalmente na França em 2009, logo após a eclosão da crise financeira global, A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal (Dardot; Laval, 2016) apresenta uma profunda análise do neoliberalismo, mostrando como ele constitui, muito além de uma doutrina econômica ou ideologia, uma nova racionalidade de mundo, que estrutura e organiza tanto as ações dos governantes como a própria conduta dos governados. A obra faz uma genealogia do neoliberalismo para mostrar, por um lado, que ele não é uma simples continuidade do liberalismo clássico do século XVIII, do mesmo modo que não é seu extravio nem sua negação, e, por outro lado, para problematizá-lo a partir de suas vertentes e disputas internas, mostrando como ele passou de uma doutrina econômica para um “sistema normativo que ampliou sua influência ao mundo inteiro, estendendo a lógica do capital a todas as relações sociais e a todas as esferas da vida” (Dardot; Laval, 2016, p. 7). Nesse sentido, a obra busca fornecer subsídios à crítica ao neoliberalismo, na medida em que desfaz consensos e equívocos em torno dele.

A nova razão do mundo é o segundo livro publicado em conjunto pelos autores e resulta das investigações desenvolvidas no grupo de estudos e pesquisa que coordenam Question Marx. O primeiro livro derivado dos seminários Question Marx, Sauver Marx? Empire, multitude, travail immatériel (2007), faz uma crítica ao pensamento de alguns pós-marxistas, entre eles Michael Hardt e Antonio Negri, que entendem ser a autossuperação do capitalismo o resultado de suas próprias contradições internas e acatam a crença progressista segundo a qual todo passo dado pelo capitalismo é um avanço em direção ao momento de sua autossuperação. A nova razão do mundo se apresenta como continuidade dessa investigação, apontando como e porque “ainda não terminamos com o neoliberalismo”, quando muitos autores, no ápice da crise financeira internacional, como Joseph Stiglitz, anunciavam seu fim.

O livro está dividido basicamente em duas grandes partes: A refundação intelectual e A nova racionalidade. A primeira parte é, em certo sentido, uma tentativa de retomar o debate aberto por Michel Foucault nos cursos do Collège de France de 1977-1978 e 1978-1979, expostos respectivamente nos livros Segurança, Território, População e O nascimento da biopolítica, apontando como se forma o neoliberalismo, como nova racionalidade do capitalismo contemporâneo. O ponto de partida da investigação dos autores é a crise do liberalismo, ou crise da governamentalidade liberal, nos termos de Michel Foucault, que dura entre 1880 e 1930. O objetivo é mostrar que o neoliberalismo não é uma simples continuidade das ideias liberais, mas, antes, marca um rompimento com a versão dogmática do liberalismo, que via no laissez-faire uma verdade inalienável. Enquanto o liberalismo clássico passava por uma profunda crise, a Revolução Russa, o avanço do socialismo e a disseminação das ideias de esquerda por toda Europa ameaçavam os liberais, impondo-lhes a necessidade de reformulação teórica do liberalismo. É nessa conjuntura de crise política, econômica e teórica que surge a principal tentativa de refundação do liberalismo: o Colóquio Walter Lippmann, em 1938. A partir do Colóquio, duas grandes correntes de pensamento neoliberal surgirão: a corrente austro-americana, representada por Friedrich A. Hayek e Ludwig von Mises, e a corrente ordoliberal alemã, cujos principais expoentes foram Walter Eucken e Wilhelm Röpke.

O objetivo dessa parte não é fazer uma interpretação original do neoliberalismo, mas apontar as contribuições do pensamento dos principais teóricos neoliberais, especialmente os presentes no Colóquio de Walter Lippmann, para a instauração de uma nova racionalidade a partir da implantação dos governos neoliberais da década de 1970, especialmente o de Margareth Thatcher, na Inglaterra, e o de Ronald Reagan, nos Estados Unidos. Essa releitura do neoliberalismo a partir das lentes foucaultianas é, por um lado, a contribuição de Dardot e Laval ao debate teórico do neoliberalismo, e, por outro, elemento que une as duas partes de A nova razão do mundo. Os próprios autores reconhecem que a “racionalidade neoliberal que realmente se desenvolve nos anos 1980-1990 não é a simples implementação da doutrina elaborada nos anos 1930”, numa espécie de passagem de “teoria para a prática”. Antes, é o resultado de uma “multiplicidade de processos heterogêneos” que resultam nisso que os autores denominam de “nova racionalidade governamental” (Dardot; Laval, 2016, p. 33-34).

A segunda parte do livro A nova racionalidade analisará o neoliberalismo como razão do capitalismo contemporâneo. Na análise dos autores, a construção dessa nova racionalidade governamental não é o resultado de um processo previamente orquestrado por uma classe ou “elite do poder”, mas a confluência de uma “multiplicidade de processos heterogêneos”; nos termos foucaultianos, trata-se de uma “articulação estratégica”, numa espécie de “estratégia sem sujeito”. Apesar de ressaltarem a participação de entidades supragovernamentais – como o Banco Mundial e o FMI, think tanks e agências de classificação de risco (ratings) –, o enfoque de Dardot e Laval não se assenta numa perspectiva de classe, analisando os ganhadores e os perdedores dentro dessa nova racionalidade. Nesse sentido, a pergunta “quem ganha com esta nova racionalidade?” fica em aberto.

A problemática central de A nova razão do mundo é como a racionalidade neoliberal, baseada na concorrência integral em todos os âmbitos, adquire uma dimensão totalizadora, da qual nada escapa, abarcando desde o Estado até todas as esferas da existência humana. A construção dessa nova racionalidade, ou razão-mundo, nos termos dos autores, segue basicamente estes passos: “Da construção do mercado à concorrência como norma dessa construção, da concorrência como norma da atividade dos agentes econômicos à concorrência como norma da construção do Estado e de sua ação e, por fim, da concorrência como norma do Estado-empresa à concorrência como norma da conduta do sujeito-empresa” (Idem, p. 379).

Não há como compreender a razão neoliberal sem analisar primeiramente as mudanças ocorridas na própria concepção de Estado, entre as décadas de 1960 e 1980. O discurso contra o intervencionismo estatal ganhou o centro do debate especialmente após a década de 1970, quando se iniciam os governos neoliberais de Donald Reagan, nos Estados Unidos, e Margareth Thatcher, na Inglaterra. Apesar de haver um forte e contínuo discurso contra o Estado, na realidade, o neoliberalismo nunca vislumbrou o seu fim, mas sua transformação (Idem, p. 272-274).

A mudança na concepção e na ação do Estado apresentou-se por meio de sua reestruturação externa – privatizações das empresas públicas – e interna – o Estado passou a ser um avaliador e regulador que “mobiliza novos instrumentos de poder e, com eles, estruturas novas relações entre governo e sujeitos sociais” –, bem como a partir das mudanças lexicais no vocabulário político (Idem, p. 273-285). Para citar um exemplo amplamente analisado pelos autores, o termo governança tornou-se uma palavra-chave no vocabulário neoliberal. Segundo eles, o termo, dentro do arcabouço neoliberal, abarca três dimensões que estão cada vez mais entrelaçadas: a condução das empresas, a condução dos Estados e, por fim, a condução do mundo. No âmbito político, a palavra governança, passou a substituir a palavra soberania. Essa mudança é importante de ser notada, pois resultará não apenas em mudanças não apenas na relação interna do Estado, isto é, dentro de seu território e com sua população, mas na esfera internacional, geopolítica e geoeconômica.

Na fase do capitalismo neoliberal, os Estados passam a ser guiados pela lógica empresarial da concorrência. Desse modo, a concorrência entra em outro patamar: os países passam a concorrer globalmente pelos capitais estrangeiros, e os grandes oligopólios internacionais exercem grande influência nessa disputa. A concorrência entre os países na atração de investimentos externos faz com que legislações sejam revistas, acordo entre sindicatos e empresas revogados. Nesse sentido, duas mudanças devem ser notadas: a primeira diz respeito à relativização do papel do Estado como entidade integradora de todas as dimensões da vida coletiva. A segunda mudança deriva da primeira: todas as dimensões do Estado passam a ser geridas pela ótica da concorrência. Ou seja, o Estado passa a ser mais uma entidade que busca maximizar seus resultados, como uma empresa.

Nessa perspectiva, o Estado não é considerado uma entidade “exógena” à ordem do mercado, mas uma entidade totalmente integrada ao espaço e às leis das trocas, isto é, o Estado é mais uma empresa que está em concorrência no mercado global. Por isso, a reforma dos aparelhos do Estado é apresentada como um processo “neutro”, “ideologicamente isento”, com vistas apenas a critérios “técnicos”. Esse discurso, que surgiu no seio da direita neoliberal norte-americana e inglesa, durante os governos de Reagan e Thatcher, será adotado pela socialdemocracia e pela esquerda europeia, na década de 1990 em diante. Um dos pontos altos do livro é mostrar como a social democracia e a esquerda europeia, em última instância, defenderam com grande vigor o programa neoliberal, sob o verniz da “modernização” do Estado. Os governos de Blair, Zapatero, Schröder e Hollande dão demonstração clara de que a “terceira via”, nada mais é do que a “via neoliberal”.

Essas mudanças na dimensão do Estado terão como consequência a perda do próprio significado dos serviços públicos, influenciando, consequentemente, a própria ideia de sujeito político. Em última instância, o que está em jogo é a própria dimensão do que é política, uma vez que a esfera do coletivo e do bem comum é preterida em favor do consumo egoísta imediato.

Não é apenas o Estado que se adequa a essa nova racionalidade neoliberal, mas toda a sociedade passa a ser concebida como um “mercado”, no qual cada sujeito é uma “empresa” que está em contínua concorrência. Essa nova racionalidade passa a ser a mediadora de todas as relações sociais: “o homem neoliberal é o homem competitivo, inteiramente imerso na competição mundial” (Idem, p. 322). A competição introjeta-se até na esfera da subjetividade dos indivíduos. A vida passa a ser vista como uma empresa – um capital a ser continuamente valorizado –, na qual o indivíduo é empreendedor de si mesmo. É interessante notar como, para analisar o sujeito neoliberal ou neossujeito, os autores articulam os conceitos foucaultianos de governamentalidade, estratégia e dispositivo de poder com a teoria do valor de Marx.

Para Dardot e Laval, o neossujeito deve sempre “naturalizar” as regras do jogo neoliberal, isto é, se adaptar à nova realidade do Estado-empresarial – na qual previdência, saúde, educação e lazer são produtos que os consumidores (cidadãos) têm a “liberdade de escolher” e adquirir – e conviver com o desemprego permanente, a precarização das relações de produção e das relações sociais de produção. A naturalização do risco, a responsabilização individual pelas consequências de suas escolhas e a transformação dos indivíduos em sujeitos empreendedores de si, que estão em contínua competição e concorrência com os demais sujeitos empreendedores, são facetas dessa nova razão-mundo. Em contrapartida, essa mesma razão-mundo exige que o sujeito neoliberal se supere continuamente, seja flexível para acompanhar as mudanças impostas pelo mercado, se adapte às contínuas variações da demanda do mercado e assuma sempre os riscos. A naturalização da lógica dos realities shows (com a eliminação dos mais fracos e inaptos) e a “uberização” das relações de trabalho, com a “flexibilização” dos “colaboradores”, são exemplos seminais dessa nova razão-mundo.

Contudo, a impossibilidade de governar um “mundo que se tornou ingovernável, em virtude de seu próprio caráter global”, e a infinita responsabilização dos indivíduos por seu próprio destino, sempre atendendo ao imperativo (inalcançável) de ser “bem-sucedido e feliz”, produzem uma sociedade esquizofrênica e doentia (Dardot; Laval, 2016, p. 344).

Dardot e Laval iniciam A nova razão do mundo discutindo que a crise financeira global não anunciava o fim do neoliberalismo, e terminam apontando que o neoliberalismo se tornou hoje a racionalidade dominante, e, por esse motivo, não será a crise que anunciará seu fim, uma vez que essa racionalidade “tomou corpo num conjunto de dispositivos discursivos, institucionais, políticos, jurídicos e econômicos que formam uma rede complexa e movediça, sujeita a retomadas e ajustes em função do surgimento de efeitos não desejados, às vezes contraditórios com o que se buscava inicialmente” (Idem, p. 384). A nova razão do mundo é uma tentativa bem sucedida de mostrar que essa razão neoliberal não se restringe apenas à esfera econômica, mas atravessa e envolve todas as dimensões da vida humana.

O diagnóstico dos autores conduz, inevitavelmente, a um pessimismo frankfurtiano, no qual não há uma saída viável no horizonte. Apesar de os autores afirmarem que A nova razão do mundo “não cede lugar a nenhum fatalismo”, antes procura “explorar formas inéditas de subjetivação que possibilitem colocar em xeque o poder da razão neoliberal” (Idem, p. 290-291), apenas nas últimas páginas do livro são apresentados alguns pontos que podem indicar a construção de “outra razão de mundo”, que surgirá a partir da construção da razão do comum, em contraposição à razão neoliberal. Na realidade, não fica claro como pode se dar a construção dessa nova razão do comum a partir dessas (não especificadas) “formas inéditas de subjetivação”, uma vez que, ao longo do livro, especialmente na segunda parte, a argumentação é de que a racionalidade neoliberal é global e totalizadora, não possibilitando a construção de tipo algum de subjetividade para além dela.

Nesse sentido, entendemos ser possível fazer ao menos duas possíveis leituras das conclusões de Dardot e Laval. A primeira, mais pessimista, compreende a nova razão neoliberal como uma situação aporética, que os indivíduos não conseguem romper, nem construir novas formas de subjetivação. Essa leitura pode conduzir, em última instância, a uma (não) saída niilista, na qual, após terem sido sufocadas todas as tentativas de construção de subjetividades alternativas, os indivíduos resignam-se diante da inescapável situação dessa razão-mundo, por um lado. Ou, por outro lado, empreendem uma luta quixotesca e incansável contra essa racionalidade, recusando-se – por não conseguir se adaptar ou por escolha – a aceitar essa “jaula de aço” neoliberal. Esse é o dilema que o diretor Ken Loach retrata no filme Eu, Daniel Blake.

A segunda leitura, essa defendida pelos autores, retomará alguns conceitos desenvolvidos por Foucault em Hermenêutica do sujeito e História da sexualidade, para argumentar que “o sujeito está sempre por construir”, e que a aparente aporia do neoliberalismo traz consigo a construção de novas subjetividades, não baseadas no cálculo individual e egoísta, mas voltadas para a construção do comum. Desse modo, a análise de A nova razão do mundo deve ser feita dentro de uma construção teórica de Dardot e Laval. Ou seja, as alternativas ao sombrio diagnóstico feito nesse texto serão apresentadas nas duas publicações seguintes: Marx, prénom: Karl (2012) e Commun: essai sur la révolution au XXIe siècle (2014).

REFERÊNCIAS

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Editora Boitempo, 402 p, 2016. [ Links ]

Received: August 26, 2017; Accepted: January 12, 2018

Creative Commons License  This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License, which permits unrestricted use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.