SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.53 issue6Quais são os objetivos clínicos que determinam a eficácia dos tratamentos em oncologia?Estenose hipertrófica de piloro na criança author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista da Associação Médica Brasileira

Print version ISSN 0104-4230On-line version ISSN 1806-9282

Rev. Assoc. Med. Bras. vol.53 no.6 São Paulo  2007

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302007000600008 

DIRETRIZES EM FOCO

 

Assistência pré-natal parte II

 

 

Autoria: Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia

Participantes: Victor Hugo de Melo; Suzana Maria Pires do Rio

Descrição do método de coleta de evidência:

Revisão bibliográfica de artigos científicos. Os artigos foram selecionados após criteriosa avaliação crítica da força de evidência científica.

Graus de recomendação e força de evidência:

A: Estudos experimentais ou observacionais de melhor consistência.

B: Estudos experimentais ou observacionais de menor consistência.

C: Relatos de casos (estudos não controlados).

D: Opinião desprovida de avaliação crítica, baseada em consensos, estudos fisiológicos ou modelos animais.

Prescrições para as queixas mais freqüentes

Poucos medicamentos confirmaram sua segurança para uso durante a gestação, particularmente durante o primeiro trimestre. O risco associado a determinado medicamento deve ser avaliado com base na necessidade da paciente, considerando os benefícios maternos e os prováveis riscos fetais. Sempre deve ser utilizada a menor dose do medicamento1(D).

A suplementação de cloreto de sódio (OR-0,54; IC a 95%: 0,23-1,29), ou cálcio (OR-1,23; IC a 95%: 0,47-3,27) ou vitaminas e sais minerais (OR-0,23; IC a 95%: 0,05-1,01) não foram efetivas para reduzir cãibras na gravidez. Entretanto, o lactato ou citrato de magnésio, em doses de 5mmol pela manhã e 10mmol à noite, mostrou redução significante das cãibras (OR-0,18; IC a 95%: 0,05- 0,60)2(A).

Antieméticos (anti-histamínicos, doxilamina com piridoxina, vitamina B6 e gengibre) reduzem a freqüência de náuseas no início da gravidez (OR-0,16; IC a 95%: 0,08-0,33). Dentre os tratamentos mais recentes, a piridoxina (vitamina B6) parece ser a mais efetiva (WMD ¯0,99; IC a 95%: ¯1,47 ¯0,51) na redução da intensidade da náusea (10 a 25mg três vezes ao dia). A administração de gengibre em cápsulas (250mg quatro vezes ao dia) também foi eficiente para reduzir náuseas e vômitos (OR-0,31; IC a 95%: 0,12-0,85). Nenhum tratamento para a hiperemese gravídica demonstrou benefício evidente. Os benefício e limitações do emprego da acupuntura para controle da hiperemese encontram-se na diretriz AMB/CFM- Acupuntura na Prevenção e Tratamento da Naúsea e Vômitos. Não foi evidenciado teratogenicidade em nenhum dos tratamentos instituídos3(A).

Exercícios aquáticos, realizados a partir de 20 semanas de gestação, reduzem significativamente a lombalgia e o absenteísmo (OR-0,38; IC a 95%: 0,16-0,88). Sessões de fisioterapia de grupo (50 minutos) parecem ser menos eficientes para reduzir a lombalgia do que sessões individuais de acupuntura (10 a 30 minutos) (OR-6,6; IC a 95%: 1,0-43,2)4(A).

Consultas

A redução no número tradicional de consultas de pré-natal não se associou a resultados adversos maternos ou perinatais, como pré eclampsia (OR-0,9; IC a 95%: 0,7-1,3), infecção do trato urinário (OR-0,9; IC a 95%: 0,8-1,1), mortalidade materna (OR-0,9; IC a 95%: 0,6-1,5) ou baixo peso ao nascer (OR-1,0; IC a 95%: 0,9-1,2). Isto demonstra que o importante não é a quantidade de consultas, mas, sim, a qualidade da atenção pré-natal. Entretanto, a redução no número de consultas associou-se com insatisfação da gestante em relação aos cuidados pré-natais5,6(A).

No Brasil, o Programa de Humanização no Pré-natal e Nascimento (PHPN) estabelece que o número mínimo de consultas de pré-natal deverá ser de seis consultas, preferencialmente, uma no primeiro trimestre, duas no segundo trimestre e três no último trimestre. A maior freqüência de visitas no final da gestação visa à avaliação do risco perinatal e das intercorrências clínico-obstétricas mais comuns nesse trimestre, como trabalho de parto prematuro, préeclâmpsia e eclâmpsia, amniorrexe prematura e óbito fetal. O acompanhamento da mulher, no ciclo grávido-puerperal, deve ser iniciado o mais precocemente possível e só se encerra após o 42º dia de puerpério, período em que deverá ter sido realizada a consulta de puerpério7(D).

Exames complementares maternos

Grupo sangüíneo e fator Rh

A determinação do grupo sanguíneo e do fator Rh deve ser realizada na primeira consulta de pré-natal. Em caso de gestante Rh negativo e parceiro Rh positivo e/ou desconhecido, solicitar o teste de Coombs indireto. Se o resultado for negativo, repeti-lo em torno da 30ª semana. Quando o Coombs indireto for positivo, encaminhar a paciente ao pré-natal de alto risco7(D).

A administração de 100mcg de imunoglobulina anti-D, entre 28 e 34 semanas de gravidez, a mulheres em sua primeira gravidez não reduz o risco de isoimunização (RR-0,4; IC a 95%: 0,15-1,2). Embora a utilização dessa dose não confira benefício ou melhore o resultado perinatal da gestação atual, o teste de Kleihauer, realizado no sangue de puérperas com recém-nascidos Rh positivos, foi significativamente menos positivo (RR- 0,6; IC a 95%: 0,5-0,8), o que significa que um número menor de mulheres produzirá anticorpos anti-Rh em gestações subseqüentes. Essa política, no entanto, deve levar em consideração os custos da profilaxia e dos cuidados de uma mulher que se torna sensibilizada e de seus filhos acometidos, além do suprimento da gamaglobulina anti-D8(A).

Imunoglobulina anti-D administrada até 72 horas após o parto reduz o risco de isoimunização em mulheres Rh negativo que deram a luz a recém-nascidos Rh positivos (RR-0,04; IC a 95%: 0,02-0,06) e em gestação subseqüente (RR-0,12; IC a 95%: 0,07-0,23). Não existem evidências com relação à dose ideal9(A).

Gestantes Rh negativo não sensibilizadas devem receber imunoglobulina anti-D após abortamento ou gravidez ectópica (120mcg antes de 12 semanas e 300mcg após essa idade gestacional), mola hidatiforme, biópsia de vilo corial (120mcg antes de 12 semanas e 300mcg após essa idade gestacional), amniocentese e cordocentese (300mcg). A administração de imunoglobulina também deve ser considerada quando da realização de versão externa ou a ocorrência de trauma abdominal. Nas situações de sangramento do segundo e terceiro trimestres, deve-se considerar a realização de exames que quantifiquem a hemorragia feto-materna, para administrar a dose adequada. Administração de imunoglobulina anti-D deve ser considerada antes de 12 semanas de gravidez em mulheres com ameaça de abortamento com embrião vivo. É recomendado o consentimento informado escrito, uma vez que a imunoglobulina anti-D é um hemoderivado10(D).

HIV

O Ministério da Saúde do Brasil recomenda a realização de teste anti-HIV com aconselhamento e com consentimento para todas as gestantes na primeira consulta pré-natal. Enfatiza a necessidade de realizar pelo menos uma sorologia durante o período gestacional. A repetição da sorologia para HIV, ao longo da gestação ou na admissão para parto, deverá ser considerada em situações de exposição constante ao risco de aquisição do vírus ou quando a mulher se encontra no período de janela imunológica11(D).

Sífilis

O rastreamento universal da sífilis é recomendado na primeira consulta de pré-natal para toda gestante, porque o tratamento é benéfico para a mãe e o feto. Mulheres com risco aumentado devem se submeter à nova sorologia com 28 semanas de gravidez e, novamente, quando da internação para o parto12(D). No Brasil, a recomendação do Ministério da Saúde é a repetição do exame em torno da 32ª semana de gestação, no momento do parto ou em caso de abortamento7(D).

Rubéola

A gestante deve ser rastreada quanto à sua imunidade contra rubéola, se ainda não o foi antes da gravidez. As mulheres susceptíveis devem ser aconselhadas sobre os riscos da infecção durante a gravidez e devem ser orientadas a se vacinarem no puerpério13(D). O Ministério da Saúde do Brasil não estabelece o rastreamento de rotina para a rubéola na gravidez7(D).

Hepatites B e C

O rastreamento da hepatite B com o antígeno de superfície (HBsAg) deve ser realizado na primeira consulta de pré-natal para que intervenções pós-natais possam ser oferecidas ao recém-nascido para redução da transmissão vertical. Mulheres com risco aumentado podem ser vacinadas com segurança durante a gravidez e devem ser rastreadas novamente antes do parto ou no momento do parto. O rastreamento da hepatite C deve ser oferecido às gestantes de risco (presidiárias, usuárias de drogas injetáveis, gestantes HIV-positivo, mulheres expostas a derivados de sangue ou submetidas à transfusão com hemoderivados, parceiras de homens HIV-positivo, mulheres com alteração da função hepática, com múltiplos parceiros ou tatuadas)14,15(D).

Vaginose bacteriana

Apesar do tratamento com antibióticos erradicar a vaginose bacteriana na gestação (OR-0,2; IC a 95%: 0,2-0,3), não é recomendado o rastreamento de rotina de todas as gestantes assintomáticas para vaginose bacteriana, uma vez que não apresentou redução significante do parto pré-termo (OR-0,9; IC a 95%: 0,7-1,0) ou o risco de rotura prematura de membranas (OR-0,9; IC a 95%: 0,6-1,3). Deve-se considerar o rastreamento em mulheres com história prévia de parto pré-termo37(A).

Estreptococos do grupo B

Toda gestante deve ser submetida à coleta de material vaginal e retal para rastreamento da colonização por estreptococo do grupo B entre 35 e 37 semanas. As pacientes cujas culturas forem positivas devem ser tratadas com antibiótico venoso (penicilina ou clindamicina) durante o trabalho de parto e nos casos de rotura das membranas. Mulheres com infecção urinária por estreptococo do grupo B ou recém-nascido prévio com septicemia pelo estreptococo do grupo B também devem receber antibióticos intraparto, sem necessidade de se submeterem a coleta de material para cultura. Nos casos de cesariana (sem trabalho de parto ou rotura das membranas), mesmo com cultura positiva, não está indicada a antibioticoprofilaxia17(D).

Apesar da evidência de que o tratamento da infecção pelo estreptococo do grupo B na gestação reduz a incidência de infecção neonatal precoce (OR-0,17; IC a 95%: 0,07-0,4), ainda é necessário o estabelecimento de estratégias efetivas para a detecção da colonização materna e a confirmação dos fatores de risco para a infecção neonatal18(A). No Brasil, não há recomendação técnica ou consenso sobre o tema19(D).

Diabetes gestacional

O rastreamento do diabetes na gravidez é controverso, uma vez que não existe estudo controlado randomizado, demonstrando melhora do resultado perinatal com o rastreamento. O Colégio Americano de Ginecologistas e Obstetras e a Associação Americana de Diabetes recomendam o rastreamento universal de todas as gestantes entre 24 e 28 semanas, exceto para mulheres de baixo risco (idade abaixo de 25 anos, grupo étnico de baixo risco, peso pré-gestacional normal, sem história de mau resultado obstétrico, de metabolismo anormal de glicose e de diabetes em parentes de primeiro grau). Esses protocolos propõem a realização do rastreamento com sobrecarga de 50g de glicose21,22(D).

O Ministério da Saúde recomenda a dosagem da glicemia de jejum como primeiro teste para avaliação do estado glicêmico da gestante. O exame deve ser solicitado a todas as gestantes, na primeira consulta do pré-natal, como teste de rastreamento para o diabetes mellitus gestacional (DMG), independentemente da presença de fatores de risco. Se a gestante está no primeiro trimestre, a glicemia de jejum auxilia a detectar alterações prévias da tolerância à glicose. O Ministério da Saúde recomenda, para o diagnóstico do DMG, o teste de tolerância com 75g de glicose7(D).

Bacteriúria assintomática

Todas as gestantes devem realizar exame de urina (urina rotina e urocultura), entre 12 e 16 semanas, para rastrear bacteriúria assintomática. Tratamento com antibiótico é efetivo na bacteriúria assintomática (OR-0,07; IC a 95%:0,05-0,10), na redução de pielonefrite na gravidez (OR-0,24; IC a 95%: 0,19-0,32). A antibioticoterapia também se associa à redução na incidência de parto prematuro ou baixo peso ao nascer (OR-0,6; IC a 95%: 0,5-0,8)22(A).

O texto completo da diretriz: Assistência Pré-natal está disponível nos sites: www.projetodiretrizes.org.br e www.amb.org.br.

 

Referências

1. National Collaborating Centre for Women's and Children's Health. Antenatal care: routine care for the healthy pregnant woman. Avaliable from: http://www.rcog.org.uk/resources/Public/Antenatal_Care.pdf.         [ Links ]

2. Young G, Jewell D. Interventions for leg cramps in pregnancy. Cochrane Review. The Cochrane Library, Issue 1. Oxford: Update Software; 2006.         [ Links ]

3. Jewell D, Young G. Interventions for nausea and vomiting in early pregnancy. Cochrane Review. The Cochrane Library, Issue 2. Oxford: Update Software; 2005.         [ Links ]

4. Young G, Jewell D. Interventions for preventing and treating pelvic and back pain in pregnancy. Cochrane Review. The Cochrane Library, Issue 1. Oxford: Update Software; 2006.         [ Links ]

5. Carroli G, Villar J, Piaggio G, Khan-Neelofur D, Gulmezoglu M, Mugford M, et al. WHO systematic review of randomised controlled trials of routine antenatal care. Lancet. 2001;357:1565-70.         [ Links ]

6. Villar J, Carroli G, Khan-Neelofur D, Piaggio G, Gülmezoglu M. Patterns of routine antenatal care for low-risk pregnancy. Cochrane Review. The Cochrane Library, Issue 1. Oxford: Update Software; 2006.         [ Links ]

7. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. Pré-natal e Puerpério: atenção qualificada e humanizada. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2005. p.158.         [ Links ]

8. Crowther CA, Middleton P. Anti-D administration in pregnancy for preventing Rhesus alloimmunisation. Cochrane Review. The Cochrane Library. Issue 1. Oxford: Update Software; 2006.         [ Links ]

9. Crowther C, Middleton P. Anti-D administration after childbirth for preventing Rhesus alloimmunisation. Cochrane Review. The Cochrane Library. Issue 1. Oxford: Update Software; 2006.         [ Links ]

10. Fung Kee Fung K, Eason E, Crane J, Armson A, De La Ronde S, Farine D, et al. Prevention of Rh alloimmunization. J Obstet Gynaecol Can. 2003;25:765-73.         [ Links ]

11. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST/AIDS. Recomendações para profilaxia da transmissão vertical do hiv e terapia anti-retroviral em gestantes. Brasília (DF); 2004. p.62.         [ Links ]

12. Centers for Disease Control and Prevention. Sexually Transmitted Disease Surveillance, 2002: Supplement, Syphilis Surveillance Report. Atlanta, U.S. Department of Health and Human Services, Center for Disease Control and Prevention; 2004.         [ Links ]

13. Guidelines for prenatal care. 5th ed. Elk Grove Village, III. American Academy of Pediatrics, and Washington (DC): American College Obstetricians and Gynecologists; 2002. Avaliable from: http://www.icsi.org/knowledge.         [ Links ]

14. American College of Obstetricians and Gynecologists; 2002. Available from: http//www.icsi.org/knowledge.         [ Links ]

15. National Collaborating Centre for Women's and Children's Health. Antenatal care: routine care for the healthy pregnant woman. Avaliable from: http:/www.rcog.org.uk/resources/public/antenatal_care.pdf.         [ Links ]

16. McDonald H, Brocklehurst P, Parsons J. Antibiotics for treating bacterial vaginosis in pregnancy. Cochrane Review. The Cochrane Library. Issue 1. Oxford: Update Software; 2006.         [ Links ]

17. Centers for Disease Control and Prevention. Laboratory practices for prenatal group B streptococcal screening: 2003. MMWR Morb Mortal Wkly Rep. 2004; 53:506-9.         [ Links ]

18. Smaill F. Intrapartum antibiotics for Group B streptococcal colonization. Cochrane Review. The Cochrane Library. Issue 1. Oxford: Update Software; 2006.         [ Links ]

19. Brasil. Ministério da Saúde. Programa de humanização do pré-natal e do nascimento. Informações para gestores e técnicos. Brasília (DF); 2001.         [ Links ]

20. American College of Obstetricians and Gynecologists Committee on Practice Bulletins Obstetrics. ACOG practice bulletin. Clinical management guidelines for obstetrician-gynecologists. Number 30, September 2001. Gestational diabetes. Obstet Gynecol. 2001;98:525-38.         [ Links ]

21. American Diabetes Association. Gestational diabetes mellitus. Diabetes Care. 2003; 26(Suppl 1):S103-5.         [ Links ]

22. Smaill F. Antibiotics for asymptomatic bacteriuria in pregnancy. Cochrane Review. The Cochrane Library. Issue 1. Oxford: Update Software; 2006.        [ Links ]

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License