SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.2 issue2João Cândido's embroideriesDocumental and literary narrative in biographies author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


História, Ciências, Saúde-Manguinhos

Print version ISSN 0104-5970On-line version ISSN 1678-4758

Hist. cienc. saude-Manguinhos vol.2 no.2 Rio de Janeiro July/Oct. 1995

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-59701995000300006 

IMAGENS

 

A igreja positivista da Rua Benjamin Constant

 

The positivist church on Benjamin Constant street

 

 

Muito embora o positivismo seja uma escola filosófica onde domina o cientificismo, ela é também responsável por uma postura profundamente religiosa. Isto porque, a partir do encontro de Auguste Comte com Clotilde de Vaux, ou seja, após aquilo que ele chamou de sua "regeneração moral", desenvolveram-se em seu pensamento os elementos utópicos. De filosofia da história, o positivismo comtiano transformou-se em religião da humanidade, com sua teologia, seus rituais, sua hagiografia. O cívico tornou-se religioso: os santos da nova religião era os grandes homens da humanidade, os rituais eram festas cívicas, a teologia era sua filosofia e sua política.

A mulher adquiriu importância crucial, sempre representada pela figura de Clotilde de Vaux, que, por determinação do mestre, deveria estar presente em todos os templos positivistas. A Virgem católica, alegoria da Igreja, tornou-se no positivismo a Virgem-Mãe, alegoria da humanidade. O novo culto foi minuciosamente descrito. Há um calendário positivista, com 13 meses, cada mês com quatro semanas, cada semana com sete dias. Cada mês e cada dia são dedicados a uma figura considerada importante na evolução da humanidade. O templo positivista deveria exibir a estátua da humanidade em posição central. Haveria também altares laterais, um deles dedicado às santas mulheres.

No Brasil, a junção da doutrina comtista com a visão estratégica dos ortodoxos (chefiados por Miguel Lemos e Teixeira Mendes) fez desses positivistas — que rapidamente entraram em conflito com a corrente para quem esta religiosidade era abominável — os principais manipuladores dos símbolos da República. O Brasil se lhes apresentava como às portas de grandes transformações, talvez mesmo de verdadeiro salto na seqüência das fases evolutivas previstas pelo pensamento positivista. Daí se terem lançado à doutrinação política com convicção e energia de apóstolos, daí, talvez, a urgência e necessidade da construção do templo.

Se a ação tinha de se basear no convencimento, impunha-se o uso dos símbolos. Em primeiro lugar, sem dúvida, a palavra escrita e falada. Dela fizeram uso abundante em livros, jornais, publicações da Igreja (que se contam às centenas), conferências públicas. Era sua principal arma de convencimento dos setores médios. Mas empregaram também o simbolismo das imagens e dos rituais, tendo em vista especialmente dois públicos estratégicos, as mulheres e o proletariado, menos afetos, no Brasil daquela época, à palavra escrita. Atingir esses dois públicos, convencê-los da verdade da doutrina, era condição indispensável para o êxito da tarefa que se impunham. A briga pelas imagens adquirira importância central.

O Templo Positivista do Rio de Janeiro, cuja pedra inaugural foi lançada no final do século XIX, conserva até hoje todas as marcas do imaginário positivista do início deste século. E até hoje, em sua beleza um pouco fanada, quem o visita pode perceber alguns traços do pensamento positivista. Esperamos que nas fotografias de Nelson Monteiro, apresentadas nas próximas páginas, algumas de suas características mais importantes, algumas de suas imagens mais fortes, fiquem claras para nossos leitores.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License