SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.37 issue126Bullying at work interventions: a literature reviewGestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Saúde Ocupacional

Print version ISSN 0303-7657

Rev. bras. saúde ocup. vol.37 no.126 São Paulo July/Dec. 2012

http://dx.doi.org/10.1590/S0303-76572012000200009 

NOTA TÉCNICA

 

As origens do conceito de assédio moral no trabalho

 

The origins of the concept of bullying at work

 

 

Angelo Soares

Editor convidado. Membro do Conselho Editorial da RBSO. Professor no Departement d'Organisation et Ressources Humaines – École des Sciences de la Gestion, Université du Québec à Montréal (UQAM), Montreal, Canadá

 

 

"Assédio moral" é uma das inúmeras expressões utilizadas para nominar esse tipo de violência no trabalho, sendo esta consagrada em língua portuguesa. No entanto, em inglês, utilizam-se diferentes termos, algumas vezes tentando-se estabelecer diferenças entre eles, as quais, na verdade, não existem. Assim, vamos apresentar aqui alguns deles.

Brodsky (1976) utilizou o termo harassment emprestado do conceito de assédio sexual (sexual harassment), eliminando o caráter sexual e utilizando apenas o conceito de harassment, que em português traduzimos por assédio.

Em 1989, Leymann escreve seu primeiro livro utilizando a palavra mobbing. Trata-se de um livro em sueco, sem tradução (LEYMANN, 1989). Em 1993, ele publica originalmente em alemão o livro Mobbing: psychoterror am arbeitsplatz, traduzido e publicado em francês em 1996 (LEYMANN, 1996a) como Mobbing: La persécution au travail (Mobbing: a perseguição no trabalho). O autor escolhe este termo para distinguir esta forma de violência psicológica entre adultos (mobbing) e adolescentes (bullying). Neste sentido, o autor nos sugere "guardar a palavra bullying para atividades entre crianças e adolescentes na escola e reservar a palavra mobbing para o comportamento adulto" (LEYMANN, 1996b, p. 167). Nesta época, outras palavras encontradas na literatura de língua inglesa para designar o assédio moral eram harassment e psychological terror (terror psicológico).

Zapf e Leymann (1996), no prefácio de um número especial do European Journal of Work and Organizational Psychology, dedicado ao assédio moral, discutem a questão da terminologia e indicam que alguns autores utilizam o termo mobbing como sugerido por Leymann e que outros autores preferem utilizar o termo bullying e afirmam que, com relação ao sentido, não existem diferenças e que mobbing, bullying ou harassment são termos intercambiáveis.

No Reino Unido, o termo utilizado é bullying, a partir da obra seminal de Adams e Crawford (1992), Bullying at work: how to confront and overcome it, que o definiu como "críticas persistentes e abusos pessoais, em público ou em privado, que humilham e inferiorizam a pessoa que é o alvo destes gestos" (p. 3). Andrea Adams, jornalista inglesa, contribuiu para a divulgação e foi responsável pelas primeiras pesquisas sobre assédio e uma série de documentários na BBC que obtiveram um enorme sucesso.

Na França, em 1998, Marie-France Hirigoyen publica: Harcèlement moral: la violence perverse au quotidien (HIRIGOYEN, 1998). Esse livro tem uma importância política muito grande, pois catalisou um movimento social determinante em torno dessa forma de violência no trabalho. A partir da história de vida de seus pacientes, a autora faz uma análise e coloca um nome nesse sofrimento: assédio moral. Um ano após a publicação desse livro, a França se dota de uma lei criminalizando essa forma de violência. O livro se torna um sucesso de vendas com mais de 550 mil copias vendidas só em francês, sendo traduzido em 27 línguas. A tradução para o português se fez como: Assédio moral: a violência perversa do cotidiano; e para o espanhol: El acoso moral: maltrato psicológico en la vida cotidiana.

Desta maneira, podemos observar que, historicamente, o conceito foi batizado com nomes diferentes em seus respectivos países. Em consequência, conforme a pesquisa foi se desenvolvendo em outros países, dependendo da fonte primária, a utilização destes diferentes nomes, que descrevem o mesmo fenômeno, foi se propagando.

Atualmente se observa uma convergência conceitual de toda essa nomenclatura e uma utilização cada vez mais frequente do termo bullying em língua inglesa.1 Em francês, harcèlement moral; em português, assédio moral; e em espanhol, acoso moral. Todos os termos denotando o mesmo fenômeno, como nos indicam Einarsen et al. (2003), segundo os quais a diferença na sua utilização é uma questão muito mais cultural do que conceitual.2

Finalmente, devemos ressaltar que o assédio moral é um processo multicausal com diferentes abordagens e análises que ora estão focalizadas no indivíduo, ora no contexto ou ainda em ambos, indivíduos e contexto. Não se trata de um viés, mas de métodos e abordagens diferentes. Assim, a abordagem psicológica será mais centrada sobre o indivíduo, enquanto uma abordagem sociológica será mais voltada para as relações sociais e o seu contexto. Mesmo assim, nas pesquisas sobre assédio moral, essa distinção, muitas vezes, é difícil e o melhor exemplo é a obra de Leymann, na qual o autor utiliza uma abordagem psicológica, mas incorporando o contexto organizacional, a organização do trabalho, não individualizando a questão.

Nas últimas décadas, a pesquisa sobre o assédio moral avançou muito, sobretudo em termos da compreensão de suas consequências para a saúde física e mental, de seus efeitos negativos para vítimas, testemunhas e organização. Seus antecedentes: mudanças organizacionais, tipos de lideranças, organização do trabalho. Einarsen et al. (2003) nos propõem o seguinte modelo teórico para pesquisas e gestão do assédio moral no trabalho (Figura 1).

Nesse modelo, os autores indicam as principais variáveis a serem consideradas em pesquisas, na gestão e nas intervenções de casos de assédio moral. Trata-se de uma primeira tentativa de propor um modelo teórico para a compreensão do assédio moral no trabalho integrando fatores individuais, da vítima e do agressor aos fatores organizacionais e socioeconômicos, assim como os antecedentes e as consequências do assédio moral para o indivíduo e para a organização.

Entretanto, apesar do desenvolvimento das pesquisas sobre assédio moral, alguns aspectos fundamentais ainda merecem nossa atenção e servem de pistas para pesquisas futuras. Em primeiro lugar, um modelo teórico compreensivo visando explicar essa forma de violência ainda resta ser desenvolvido.3

Outra pista para pesquisas futuras seria o desenvolvimento de estudos sobre os assediadores. Muito se fala acerca dos assediadores sem nenhum fundamento científico, pois nenhuma pesquisa foi realizada com eles. Assim, todo o saber que temos sobre esse ator importante na dinâmica do assédio moral foi construído através do olhar da vítima. Rayner e Cooper (2003) se referem à falta de pesquisas a respeito desse assunto como sendo o "buraco negro" nas pesquisas acerca do assédio moral.

Finalmente, resta ainda desenvolver pesquisas que possam avaliar a eficiência das estratégias de prevenção desta forma de violência no trabalho e de intervenção que têm sido implementadas nas organizações.

 

Referências

ADAMS, A.; CRAWFORD, N. Bullying at work – how to confront and overcome it. London: Virago, 1992.         [ Links ]

BRANCH, S.; RAMSAY, S.; BARKER, M. Workplace bullying, bobbing and general harassment: a review. International Journal of Management Reviews, 2012. Article first published online: 6 jun 2012, DOI: 10.1111/j.1468-2370.2012.00339.x        [ Links ]

BRODSKY, C. M. The harassed worker. Toronto: Lexington Books, 1976.         [ Links ]

DI MARTINO, V.; HOEL, H.; COOPER, C. L. Preventing violence and harassment in the workplace. Dublin: European Foundation for the Improvement of Living and Working Conditions, 2003.         [ Links ]

EINARSEN, S. et al. The concept of bullying at work. The european tradition. In: EINARSEN, S. et al. (Eds.). Bullying and emotional abuse in the workplace: international perspectives in research and practice. London: Taylor and Francis, 2003. p. xx-xx.

HIRIGOYEN, M.-F. Le harcèlement moral: la violence perverse au quotidien. Paris: Syros, 1998.         [ Links ]

LEYMANN, H. Når Livet Slår Till. Stockholm: Natur & Kultur, 1989.         [ Links ]

______. Mobbing: la persécution au travail. Paris: Éditions du Seuil, 1996a.         [ Links ]

______. The content and development of mobbing at work. European Journal of Work and Organizational Psychology, v. 5, n. 2, p. 165-184, 1996b.         [ Links ]

RAYNER C.; COOPER, C. L. The black hole in bullying at work research. International Journal of Management and Decision Making, v. 4, n. 1, p. 47-64, 2003.         [ Links ]

ZAPF, D.; LEYMANN, H. Foreword. European Journal of Work and Organizational Psychology, v. 5, n. 2, p. 161-164, 1996.         [ Links ]

 

 

1 Ver Branch, Ramsay e Barker (2012)
2 Ver também Di Martino, Hoel e Cooper (2003).
3 Ver Branch, Ramsay e Barker (2012).

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License