SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.11 issue4Effect of the fiber/matrix interface on the strength of polymeric composites reinforced with coir fibersInvestigation of ionic groups insertion in thermoresistant polymer by experimental planning author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Matéria (Rio de Janeiro)

On-line version ISSN 1517-7076

Matéria (Rio J.) vol.11 no.4 Rio de Janeiro Oct./Dec. 2006

http://dx.doi.org/10.1590/S1517-70762006000400006 

Propriedades de compósitos de tecido de juta descartado reforçando matriz de polietileno reciclado

 

Properties of composites made of discarded jute sackcloth reinforcing recycled polyethylene matrix

 

 

Sergio N. MonteiroI; Luiz Augusto H. TerronesI; Amanda L. CameriniI; Lúcio José T. PetrucciI; José Roberto M. d’AlmeidaII

IUniversidade Estadual do Norte Fluminense, UENF, Laboratório de Materiais Avançados, LAMAV, Av. Alberto Lamego, 2000, 28013-602, Campos dos Goytacazes, Brasil. e-mail: sergio.neves@ig.com.br, lucho@uenf.br, camerini@uenf.br, letrucci@uenf.br
IIDepartamento de Ciência dos Materiais e Metalurgia, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio, Rio de Janeiro, Brasil. e-mail: dalmeida@dcmm.puc-rio.br

 

 


RESUMO

Compósitos ambientalmente corretos, fabricados a partir de resíduos industriais, estão sendo cada vez mais valorizados tanto como solução para a crescente quantidade de lixo gerada pela sociedade, mas também como uma alternativa mais barata para substituir materiais convencionais, sobretudo à base de madeira, usados em construção civil e mobiliário. No presente trabalho, investigam-se as propriedades de compósitos obtidos com tecidos de sacos de aniagem usados, reforçando matriz de resíduos de polietileno. Placas destes compósitos com até 40% em peso de tecido de juta, retirado dos sacos de aniagem, foram obtidas por moldagem a quente juntamente com partículas de polietileno. Os resultados obtidos mostraram, até 30% de tecido, um expressivo aumento da resistência mecânica dos compósitos em função da fração em peso de tecido de juta. Uma análise de custo/benefício revelou grande potencial para estes compósitos como substitutos de alguns produtos convencionais.

Palavras chave: Compósitos, tecido de juta, matriz de polietileno, propriedades mecânicas.


ABSTRACT

Environmentally correct composites fabricated from industrial wastes are being increasingly appraised both as a solution for the great amount of garbage generated by our society as well as a cheaper alternative for conventional materials, mainly those used in civil construction and furniture. In the present work, the properties of composites fabricated from used sackcloth fabric, made of jute fibers, as reinforcement for a polyethylene waste matrix, were investigated. Composite plates with up to 40 wt.% of jute fabric were obtained by hot press molding together with polyethylene particles. The results showed an expressive increase in the composite mechanical strength as a function of the weight percent of jute fabric up to 30%. A cost/benefit analysis displayed a great potential for these composites to replace some commonly used products.

Keywords: Composite, jute sackcloth, polyethylene, mechanical properties


 

 

1 INTRODUÇÃO

Atualmente existe uma tendência mundial de valorizar materiais que , além de baixo custo, possam ser ambientalmente corretos. Esta última condição refere-se aos aspectos renováveis, biodegradáveis e recicláveis que possam ser apresentados pelo material. Exemplos típicos são os compósitos de matriz polimérica reforçados com resíduos de fibras lignocelulósicas como a piaçava [1] e o coco [2]. Além de não causarem problemas ao meio ambiente, os compósitos reforçados com este tipo de fibra residual, podem substituir, de maneira economicamente vantajosa, produtos de madeira. No caso de madeiras não cultivadas, isto também ajuda a diminuir a devastação florestal. Comparativamente com fibras sintéticas como a de grafite e a aramida, as fibras lignocelulósicas residuais têm a vantagem de custos muito baixos que podem fazer uma grande diferença no momento da escolha comercial.

Uma fibra natural lignocelulósica que vem sendo extensivamente investigada e utilizada pela nossa sociedade, inclusive reforçando compósitos poliméricos é a juta [3-10]. Embora poucos resíduos resultem diretamente da utilização das fibras de juta, tecidos com malhas grossas destas fibras são utilizados em muitos países na fabricação de sacos de aniagem para armazenar e transportar produtos como batatas, algodão, carvão, etc.. Com o uso prolongado, o saco vai se esgarçando, e acaba imprestável para a finalidade original. Nesta situação, o saco é descartado, sendo lançado ao lixo ou então incinerado.

Mesmo em um saco de aniagem já esgarçado, a maioria das fibras de juta permanece ainda formando uma trama. Assim, existe a possibilidade de se usar estes sacos como matéria prima para extração de retalhos de tecido de juta que então poderiam ser aproveitados como reforço de compósito de matriz polimérica. Este tipo de compósito poderia também ter sua matriz feita de um resíduo polimérico, o que o tornaria, por completo, ambientalmente correto. Entretanto, para que se tenha um compósito suficientemente rígido para competir com produtos convencionais, como as chapas de aglomerado de madeira, somente um percentual limitado de tecido de juta pode ser incorporado na matriz polimérica [5, 8]. Isto significa que o custo final do compósito acabaria dependendo mais do seu processamento e da resina polimérica utilizada como matriz.

Em todo o mundo a reciclagem de plásticos é hoje uma prática corrente e até incentivada no sentido de oferecer ganhos às populações de baixa renda, bem como evitar o acúmulo de lixo que acarreta poluição ambiental. No Brasil, em particular, todas as grandes cidades possuem associações de catadores que coletam e reciclam plásticos. Em conseqüência, diversos reciclados poliméricos, já limpos e classificados, estão disponíveis a um custo comparativamente bem mais barato que as resinas virgens. Dentre estes plásticos reciclados, os mais facilmente encontrados e com menor preço de venda são os polietilenos. Assim, é perfeitamente viável ter-se tanto o tecido usado de juta quanto o polietileno reciclado para a fabricação de compósitos ambientalmente corretos e de baixo custo.

Tendo em vista estas considerações, o objetivo deste trabalho foi investigar a viabilidade tecnológica e econômica de se confeccionar compósitos com matriz de polietileno reciclado, reforçada com o tecido de juta proveniente de sacos de aniagem descartados..

 

2 MATERIAIS E MÉTODOS

O tecido de juta usado como reforço do compósito foi cortado diretamente de sacos de aniagem comuns que haviam sido descartados. A grossa malha com entrelaçamento quadrado destes sacos, devido ao uso, apresentava um espaçamento máximo de 5 mm entre fios paralelos no entrelaçamento. A Figura 1 ilustra o aspecto típico dos sacos de aniagem utilizados nesta investigação. Peças retangulares do tecido destes sacos foram cortadas no mesmo tamanho do molde usado para fabricar as placas de compósitos. Estas peças de tecido foram, inicialmente, limpas e secas ao ar livre, procurando reproduzir condições de processamento as menos onerosas possíveis. Assim, não foi realizado qualquer tratamento químico que pudesse melhorara a adesão do tecido de juta à matriz polimérica do compósito, como em outros trabalhos na literatura [5, 6-8].

O polietileno empregado neste trabalho foi obtido na forma de partículas recicladas por uma empresa de coleta do lixão no estado do Rio de Janeiro. Estas partículas, com tamanho inferior a 1 cm, foram obtidas por processamento de peças, partes e filmes de polietileno em moinho de faca. As partículas já estavam relativamente limpas e pouco contaminadas com outros tipos de plásticos, uma vez que a empresa realiza classificação e separação por diferença de densidade.

Placas de compósitos, que serviram como corpos de prova, foram processadas em moldagem por compressão a quente. O procedimento usado neste processamento, iniciou-se com a acomodação de camadas de tecido de juta entremeadas por pedaços de polietileno preenchendo o molde até a fração em peso desejada. Esta fração variou de 0 a 40% de tecido. O molde retangular fechado com dimensões de 114 x 25 x 10 mm foi então submetido a uma temperatura de 160°C sob pressão de 1,7 MPa por uma hora. Após resfriamento, cada corpo de prova foi ensaiado por flexão de três pontos em máquina Instron, modelo 5582 com 10 kN de capacidade. Os ensaios foram realizados de acordo com a norma ASTM D-790, recomendada para plásticos. A relação da distância entre pontos de apoio para a espessura ("span to depth ratio") foi mantida em 9 e a velocidade do ensaio em 1mm/min. Pelo menos três corpos de prova foram ensaiados para cada fração de tecido de juta, garantindo um mínimo de precisão estatística.

A superfície de fratura dos corpos de prova bem como a microestrutura do tecido de juta e das partículas de polietileno foram caracterizadas, após cobertura com ouro, por microscopia eletrônica de varredura, MEV, em microscópio Jeol, modelo JSM-6460 LV operando em um intervalo de voltagem de 15-20 kV para o feixe de elétrons.

 

3 RESULTADOS E DISCUSSÃO

A Figura 2 apresenta uma micrografia por MEV de detalhe do tecido de juta. Nesta figura pode-se observar que os fios da malha são formados por um trançado grosseiro de fibras de juta com evidencias de já ter ocorrido esgarçamento. Os espaços entre as fibras no trançado, por outro lado, podem favorecer a impregnação do tecido pelo polietileno fundido durante o processamento do compósito.

 

 

A Figura 3 apresenta uma micrografia por MEV da superfície de uma partícula obtida de pedaços de polietileno reciclado antes de serem aquecidos no molde para a formação da matriz do compósito. Em relação a essa figura, vale a pena comentar que o polietileno reciclado possui uma aparência relativamente homogênea sem evidencias de contaminação.

 

 

A Figura 4 exemplifica o aspecto de algumas curvas típicas de carga vs. extensão obtidas de ensaios de flexão em corpos de prova com diferentes frações em peso de tecido de juta. Vale comentar que todas as curvas de flexão, inclusive a correspondente ao polietileno puro, apresentaram alguma extensão plástica antes de ser atingida a carga máxima de resistência do material.

 

 

A extensão plástica dos compósitos indica que o tecido de juta acompanha, até certo ponto, a deformação da matriz de polietileno. Isto pode ser sinal de um razoável acoplamento entre a fibra e o polietileno.

A partir do valor da carga máxima de curvas como as da Fig. 4, calculou-se a resistência mecânica, também conhecida como modulo de ruptura à flexão, do compósito através da equação:

(1)

onde Q é o valor da carga máxima, L a distância entre apoios, b a largura e d a espessura do corpo de prova. Tendo em vista os valores conhecidos da geometria do corpo de prova e das condições de ensaio, a Eq. (1) simplifica-se para:

sr (MPa) = 54 x 10-3 Q (N) (2)

Baseado na Eq. (2) e nos resultados de curvas como as da Fig. 4, apresenta-se na Fig. 5 a variação da resistência à flexão dos compósitos com matriz de polietileno em função da quantidade em peso de tecido de juta usado como reforço.

 

 

Alguns pontos valem ser mencionados em relação aos resultados da Fig 5. O valor da resistência à flexão do polietileno reciclado, correspondente à condição de 0% de tecido de juta, é da ordem do que indica a literatura [11] para a resistência mecânica do polietileno de baixa densidade. Isto significa que, embora se trate de um plástico reciclado, o polietileno utilizado nesta investigação apresenta resistência comparável à de resinas virgens. Outro ponto relevante é que, até 30% de incorporação, o tecido usado de juta causa um expressivo reforço na matriz de polietileno. Pode-se notar na Fig. 5 que, introduzindo-se tecido de juta, a resistência à flexão do compósito aumenta quase exponencialmente com a fração em peso. Para frações de tecido de juta acima de 30% observa-se uma sensível queda na resistência. Entretanto, até 40% ainda ocorre um efetivo reforço relativamente à matriz de polietileno. Incorporações ainda maiores tornam cada vez mais difícil o processamento do compósito. A razão para este efetivo reforço causado pelo tecido de juta pode ser mais bem compreendida através da análise do comportamento em fratura dos compósitos.

A Figura 6 ilustra, por micrografias de MEV, o aspecto típico da superfície de fratura de corpos de prova com: (a) 0% e (b) 30% em peso de tecido de juta . No caso do corpo de prova constituído inteiramente de polietileno reciclado, Fig. 6(a), a fratura apresenta marcas características do processo de ruptura esperado para este polímero. Já no compósito com 30% de tecido de juta, Fig. 6(b), ocorre uma participação marcante das fibras no processo de ruptura.

Tendo em vista o comportamento microestrutural mostrado na Fig. 6, percebe-se que o tecido de juta contribui de maneira efetiva para aumentar a resistência da matriz de polietileno. O entrelaçamento dos fios do tecido de juta ajuda a prender a matriz relativamente macia de polietileno. Além disso, detalhes da inserção da fibra na matriz mostrado na Fig. 7 revelam que as fibras de juta estão aparentemente bem aderidas à superfície de ruptura do polietileno. Em conseqüência, até 30%, quanto maior for a quantidade de tecido de juta, mais eficiente torna-se o mecanismo de transferência de esforços da matriz para a fibra. Isto resulta em um aumento aproximadamente exponencial, Fig. 5, da resistência à flexão com a fração de fibra de juta no compósito. Também é importante mencionar que o maior reforço acarretado pelo tecido deve-se ao fato da juta ser uma das mais resistentes fibras lignocelulósicas cuja resistência à tração pode alcançar até 900 MPa [12, 13].

 

 

Para quantidades de tecido de juta acima de 30%, já não ocorre uma impregnação tão eficiente do polietileno fluidizado a quente. Assim, muitos vazios ficam formados no compósito. Isto contribui para o decréscimo na resistência à flexão observado na Fig. 5.

Um aspecto importante a ser mencionado diz respeito ao potencial que os compósitos de tecido descartado de juta reforçando matriz de polietileno reciclado apresenta para substituir materiais tradicionalmente utilizados em construção civil e mobiliário. Este potencial baseia-se, em primeiro lugar, no desempenho mecânico que naturalmente se espera de compósitos poliméricos reforçados com fibra de juta. Para ilustrar comparativamente este desempenho, a Tabela 1 destaca a resistência à flexão de compósitos reforçados com fibra de juta, inclusive a deste trabalho, em confronto com outros materiais convencionais.

Em segundo lugar, o custo corrobora o potencial específico dos compósitos investigados no presente trabalho. Embora não seja possível ter-se com precisão o custo total destes compósitos, é possível se fazer uma estimativa que permita compara-los com outros materiais. Assim, a Tabela 2 apresenta esta estimativa de custo, levando-se em conta os seguintes parâmetros:

• Custo do polietileno reciclado: R$ 1,00 / kg;

• Custo do saco usado de juta: até agora nulo;

• Custos de processamento e adicionais : R$ 0,20 / kg

• Lucro de 30% sobre o valor final.

 

 

Na Tabela 2 também estão apresentados os preços no comércio, referentes a fevereiro de 2006, de outros materiais. Esta tabela, em sua última coluna, apresenta uma relação entre o custo e a resistência mecânica, cujo valor, quanto menor, corresponderia a uma melhor relação custo/benefício para o material.

Tendo em vista os resultados apresentados na Tabela 2, observa-se que os compósitos com 30 e 40% de tecido de juta apresentam as mais baixas relações de custo/benefício. Além disto, vale a pena acrescentar os seguintes comentários. Em termos de preço, os compósitos com matriz de polietileno reciclado, reforçada com tecido de juta de sacos descartados, são competitivos em confronto com materiais convencionais para a construção civil e mobiliário. Na verdade, somente o painel de gesso é mais barato que os compósitos investigados. Mesmo assim, dentro dos parâmetros propostos, a partir da incorporação de 57% de tecido de juta, o que não foi feito neste trabalho, o compósito tornar-se-ia mais barato que qualquer material convencional.

Em termos da relação preço/resistência mecânica, ou seja, custo/benefício, o compósito com 30% de tecido de juta é insuperável comparativamente a qualquer outro material convencional. Por fim, nunca é demais lembrar que estes compósitos são ambientalmente corretos e relativamente impermeáveis, o que os coloca em uma classe de materiais com potencial para substituir a madeira e evitar o desmatamento.

 

4 CONCLUSÕES

Compósitos de tecido de juta, proveniente de saco de aniagem descartado, reforçando matriz de polietileno reciclado, apresentam um grande potencial para uso em construção civil e mobiliário.

Até 30% de tecido de juta, a resistência mecânica aumenta significativamente, atingindo um valor máximo que é praticamente o dobro do polietileno sem reforço. Acima deste percentual, ocorre queda na resistência, porém ainda com valores associados a um efetivo reforço até 40% de tecido de juta.

A microestrutura revelou que o entrelaçamento dos fios do tecido de juta e a efetiva aderência do polietileno às fibras contribuem para o desempenho mecânico do compósito. Para quantidades relativamente grandes de fibra de juta, acima de 30%, o processamento empregado gerou vazios que diminuíram a resistência mecânica sem, contudo, comprometer o efeito de reforço.

Uma avaliação preliminar do possível preço de comercialização dos compósitos investigados, baseada em parâmetros propostos para os custos de material, fabricação e outros adicionais, mostrou vantagens comparativamente a materiais convencionais, inclusive aqueles à base de madeira.

 

5 AGRADECIMENTOS

Os autores agradecem o apoio do CNPq, CAPES, FAPERJ e FAPERJ. É também motivo de agradecimento a permissão para utilização do MEV do PEMM/COPPE/UFRJ bem como a colaboração prestada por Márcia Soares Sader e Felipe Sabatino Gonçalves Vieira.

 

6 BIBLIOGRAFIA

[1] AQUINO, R.C.M.P., D’ALMEIDA, J.R.M., MONTEIRO, S.N., "Flexural Mechanical Porperties of Piassava Fibers (Attalea funifera)-Resin Matrix Composites", Journal of Materials Science Letters, v. 20, pp. 1017-1019, 2001.        [ Links ]

[2] MONTEIRO, S.N., TERRONES, L.A.H., LOPES, F.P.D., D’ALMEIDA, J.R.M., "Structural Characteristics and Properties of Coir Fiber Wastes Reinforced Polymeric Composites", In: III International Congress on Materials, pp. 1-6, Cartagena, Colombia, set. 2005.         [ Links ]

[3] BLEDZKI, A.K., GASSAN, J., "Composites Reinforced with Cellulose-Based Fibres", Progress in Polymer Science, v. 24, pp. 201-274, 1999.         [ Links ]

[4] D’ALMEIDA, J.R.M., MONTEIRO, S.N., "Compósitos Reforçados por Fibras Naturais – Oportunidades e Desafios", In: 58° Congresso Anual da ABM, , pp. 1-10, Rio de Janeiro, Brasil, jul. 2003.        [ Links ]

[5] MOHANTY, A.K., KHAN, M.A., HINRICHSEN, G., "Influence of Chemical Surface Modification on the Properties of Biodegradable Jute Fabrics-Polyester Amide Composites", Composites: Part A, v. 31, pp. 143-150, 2000.        [ Links ]

[6] SOYKEABKAEW, N., SUPAPHOL, P., RUJIRAVANIT, R, "Preparation and Characterization of Jute-and-Flax-Reinforced Starch-Based Composite Foams", Carbohydrate Polymers, v.58, pp. 53-63, 2004.        [ Links ]

[7] KUMAR, A.P., SINGH, R.P., SARWADE, B.D., "Degradability of Composites, Prepared from Ethylene-Propylene Copolymer and Jute Fiber under Accelerated Aging and Biotic Environments", Mat. Chemistry and Physics, v. 92, pp. 458-469, 2005.        [ Links ]

[8] MOHANTY, S., VERMA, S.K., NAYAK, S.K., "Dynamic Mechanical and Thermal Properties of MAPE Treated Jute/HDPE Composites", Composites Science and Technology, v. 66, pp. 538-547, 2006.        [ Links ]

[9] DOAN, T.-T.-L., GAO, S.-L., MÄDER, E., "Jute/Polypropylene Composites I. Effect of Matrix Modification", Composites Science and Technology, v. 66, pp. 952-963, 2006.        [ Links ]

[10] WAMBUA, P., VANGRIMDE, B., LOMOV, S., VERPOEST, I., "The Response of Natural Fibre Composites to Ballistic Impact by Fragment Simulating Projectiles", Composite Structures, v. 77, pp. 232-240, 2007.        [ Links ]

[11] CALLISTER JR., W. D., Materials Science and Engineering – An Introduction, pp. 769, 3 ed., New York, John Wiley & Sons, 1994.        [ Links ]

[12] BLEDZKI, A.K., REIHAME, S., GASSAN, J., "Properties and Modification Methods for Vegetable Fibers for Natural Fiber Composites", Journal of Applied Polymer Science, v. 59, pp. 1329-1336, 1996.        [ Links ]

[13] BALEY, C., D'ANSELME, T., GUYADER, J., "Mechanical Properties of Coir Fiber Reinforced Polymeric Composites", Composites, v. 37, pp. 28-33, 1997.        [ Links ]

[14] MOHANTY, A.K., MISRA, M., "Studies on Jute Composites – A Literature Review", Polymer-Plastics Technology and Engineering, v. 34, pp. 729-792, 1995.        [ Links ]

[15] SHAH, A.N., LAKKAD, S.C., "Mechanical Properties of Jute Reinforced Plastics", Fiber Science and Technology, v. 15, pp. 41-46, 1981.        [ Links ]

[16] SNIJDER, M.H.B., REINERINK, E.J.M., BOS, H.L., "Polypropylene and Polystyrene Reinforced with Annual Plant Fibers: Screening and Coupling Agents", In: 2nd International Symposium on Natural Polymers and Composites, pp.135-138, Atibaia, Brasil, 1998.        [ Links ]

[17] CARTER G. F., PAUL D. E., Materials Science and Engineering, pp. 281, 2 ed., Metals Park, USA, ASTM International, 1991.        [ Links ]

[18] YOUNGQUIST J. A. "Natural Fiber Reinforced Composites", In: Gayson M.(eds), Encyclopedia of Composite Materials and Components, p.661, 3 ed., chapter 5, New York, John Wiley & Sons, 1986.        [ Links ]

[19] MONTEIRO, S.N., D’ALMEIDA, J.R.M., PETRUCCI, J.L.T., "Estudo Comparativo do Desempenho de Painéis Compósitos à Base de Resíduos Poliméricos", In: 60° Congresso Anual da ABM, pp. 1-9, Belo Horizonte, Brasil, Jul. 2005.         [ Links ]

 

 

Data de envio: 21/06/06 Data de aceite: 22/09/06

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License