SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.25 issue3Geographical distribution of physiotherapists in BrazilLevel of Physical Activity and functional capacity of patients with pre-dialytic chronic kidney disease and in hemodialysis author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Fisioterapia e Pesquisa

Print version ISSN 1809-2950On-line version ISSN 2316-9117

Fisioter. Pesqui. vol.25 no.3 São Paulo July/Sept. 2018

http://dx.doi.org/10.1590/1809-2950/18002525032018 

PESQUISA ORIGINAL

Método Pilates na comunidade: efeito sobre a postura corporal de idosas

El método Pilates en la comunidad: el efecto sobre la postura corporal de ancianas

Luciane Marta Neiva de Oliveira1  2 

Felipe Aurélio Nunes de Sousa2 

Monaliza Souza dos Anjos2 

Gabriel Martins de Barros2 

Michelle Vicente Torres3  4 

1Mestre em Saúde Pública, Universidad Americana - Assunção, Paraguai.

2Graduado em Fisioterapia, Centro Universitário Santo Agostinho (UNIFSA) - Teresina (PI), Brasil.

3Mestre em Saúde Pública, Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (FSP-USP) - São Paulo (SP), Brasil.

4Docente da Universidade Estadual do Piauí (UESPI) - Teresina (PI), Brasil.

RESUMO

O objetivo deste estudo foi verificar o efeito do método Pilates (MP) na postura de idosas em uma comunidade. Realizou-se um ensaio clínico controlado, não randomizado, em amostra de 40 idosas de idades entre 60 e 80 anos, divididas igualmente em Grupo Pilates (GP) e Grupo Controle (GC). Os grupos responderam questionário sociodemográfico e foram avaliados, em momentos pré e pós-intervenção, utilizando biofotogrametria, a partir do software SAPO. O GP executou um protocolo de 12 exercícios do MP, duas vezes por semana, durante 50 minutos, por 12 semanas. Realizou-se análise estatística não paramétrica aplicando-se o teste U Mann-Whitney com valor p<0,05 para significância. Os resultados obtidos mostraram que, na visão anterior, no momento antes da intervenção, a distância entre os acrômios, epicôndilos e processo estiloide foram menores no GC, em relação ao GP. Verificou-se que após a intervenção não houve diferença significativa entre os grupos. Na visão posterior observou-se diferença estatisticamente significativa nas variáveis: distância do ângulo superior (p=0,01) e inferior da escápula (p=0,02) do GP em relação ao GC. Concluiu-se que o MP promoveu efeito positivo em algumas variáveis do perfil postural de idosas, podendo ser empregado em grupos de práticas corporais comunitárias.

Descritores Técnicas de Exercício e de Movimento; Serviços de Saúde para Idosos; Postura

RESUMEN

El objetivo de este estudio ha sido certificar el efecto del método Pilates (MP) en la postura de ancianas en una comunidad. Se ha realizado un ensayo clínico controlado, no aleatorizado, en muestra de 40 ancianas de edades entre 60 y 80 años, divididas igualmente en Grupo Pilates (GP) y Grupo control (GC). Los grupos han respondido cuestionario sociodemográfico y han sido evaluados, en momentos pre y pos intervención, utilizando bio fotogrametría, desde el programa SAPO. El GP ha ejecutado un protocolo de 12 ejercicios del MP, dos veces por semana, durante 50 minutos, por 12 semanas. Se ha realizado el análisis estadístico no paramétrico aplicándose la prueba U Mann-Whitney con valor p<0,05 para significancia. Los resultados que han sido obtenidos han mostrado que, en la visión anterior, en el momento antes de la intervención, la distancia entre los acromios, epicóndilos y proceso estiloide han sido menores en el GC, en relación al GP. Se ha certificado que después de la intervención no hubo diferencia significativa entre los grupos. En la visión posterior se ha observado la diferencia estadísticamente significativa en las variables: la distancia del ángulo superior (p=0,01) e inferior de la escápula (p=0,02) del GP en relación al GC. Se ha concluido que el MP ha promocionado efecto positivo en algunas variables del perfil postural de ancianas, pudiendo ser empleado en grupos de prácticas corporales comunitarias.

Palabras clave Técnicas de Ejercicio con Movimientos; Servicios de Salud para Ancianos; Postura

INTRODUÇÃO

O envelhecimento se caracteriza por alterações fisiológicas como redução da força, flexibilidade, agilidade e capacidades motoras, dificultando as atividades da vida diária1. Essas modificações diminuem a disposição e a saúde, gerando maior sedentarismo e colocando em risco a qualidade de vida2.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil está seguindo os passos de países desenvolvidos com população de maioria idosa3, acredita-se que em 2060 esse público representará um terço do total de habitantes4 no país. Diante desse novo cenário, o assunto idoso tem despertado cada vez mais interesse da sociedade5.

Um problema comum relacionado ao avançar da idade é a alteração da postura corporal4. Essas alterações são inevitáveis, manifestam-se ao longo dos anos, modificam a curvatura normal da coluna e causam desalinhamentos, comprometendo os hábitos de vida5), (6 e podendo causar dificuldades de equilíbrio, locomoção7 e frequentes quedas8. Diante dessa problemática, existem várias modalidades de práticas corporais cuja finalidade é proporcionar um estilo de vida saudável ao idoso e entre elas está o Método Pilates (MP) (9.

Criado por Joseph Pilates, o MP consiste em exercícios físicos cujas principais características são o trabalho resistido e o alongamento dinâmico, realizados em conjunto com a respiração e respeitando os princípios: controle, precisão, centralização, fluidez de movimento, concentração e respiração10), (11. Esses exercícios requerem estabilidade do centro e dão atenção ao controle muscular, à postura e à respiração, contribuindo para melhor alinhamento corporal e prevenindo lesões12.

Diante dessa nova realidade demográfica, da corrida pela busca por práticas voltadas para a prevenção da incapacidade funcional no idoso e visando o envelhecimento saudável, este estudo teve como objetivo analisar os efeitos do MP sobre o perfil postural de idosas do bairro São Pedro, em Teresina (PI).

METODOLOGIA

Desenho do estudo

Realizou-se um ensaio clínico controlado, não randomizado, unicego, executado no período de novembro de 2013 a janeiro de 2014.

População e amostra

A população foi composta de 40 idosas, sendo 20 do grupo de intervenção e 20 do grupo controle. O grupo de intervenção foi composto por 20 participantes cadastradas no projeto de extensão Rosas do Entardecer, do Centro Universitário Santo Agostinho.

As idosas do grupo controle foram selecionadas a partir do cadastro na Estratégia Saúde da Família e suas informações de contato foram obtidas com o Serviço de Arquivo Médico e Estatística da Unidade Básica de Saúde, após devida aprovação do projeto pela Fundação Municipal de Saúde de Teresina. Cada uma das idosas foi identificada por um código e os grupos foram compostos por sorteio (formação aleatória). As sorteadas que não se enquadraram nos critérios de inclusão foram substituídas por outras por meio de novo sorteio.

O grupo de intervenção teve como critérios de inclusão: idade acima de 60 anos, sexo feminino, ausência de doença osteoarticular, ser moradora do Bairro São Pedro, em Teresina, e ser participante do grupo de extensão Rosas do Entardecer. Para o grupo controle se somava aos critérios de inclusão a não realização de atividade física.

O estudo teve como critérios de exclusão para os dois grupos: presença de distúrbios ortopédicos que incorram de erros inatos da postura (espondilólise, espondilolistese, tuberculose óssea e enormes discrepâncias dos membros inferiores), utilização de próteses metálicas de joelho e quadril, além da presença de labirintopatias.

A pesquisa foi iniciada após a aprovação pelo Comitê de Ética do Centro Universitário Santo Agostinho, sob CAAE nº 22728413.9.0000.5602 e Parecer de Aprovação nº 439.909, sendo publicada no Registro Brasileiro de Ensaios Clínicos sob a identificação RBR-9trcpn. Todas as participantes assinaram um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, em que foram devidamente informadas sobre os objetivos e procedimentos do estudo, sendo-lhes esclarecido que poderiam, a qualquer momento, desistir da pesquisa e de fornecer seus dados, conforme o que normatiza a Resolução nº 466/2012 do Conselho Nacional de Saúde.

Intervenção

Inicialmente, as idosas participantes responderam a um questionário sociodemográfico em forma de entrevista, contendo informações sobre nome, idade, sexo, procedência e endereço.

A análise postural foi realizada utilizando os seguintes instrumentos: câmera fotográfica digital Sony Cyber-shot DSC-P9 16MP, tripé, fio de prumo e Software para Avaliação Postural (SAPO). As idosas foram instruídas a vestir trajes leves e se posicionar de pé, com os braços estendidos ao longo do corpo e os pés paralelos posicionados em local delimitado no chão com fita adesiva.

Utilizando-se bolas de isopor de 25mm de diâmetro aderidas com fita dupla face, foram demarcados os seguintes pontos anatômicos para a visão anterior: glabela; trago direito e esquerdo; mento; acrômio direito e esquerdo; epicôndilo lateral direito e esquerdo; processo estiloide direito e esquerdo; ângulo entre manúbrio do esterno e epicôndilos; alinhamento horizontal da cabeça; alinhamento horizontal do acrômio; alinhamento horizontal das espinhas ilíacas anterossuperiores; ângulo entre os dois acrômios e as duas espinhas ilíacas anterossuperiores. Os pontos de referência para a avaliação na visão posterior foram: trago direito e esquerdo; acrômio direito e esquerdo; ângulo superior da escápula (ASE) direita e esquerda; ângulo inferior da escápula (AIE) direita e esquerda; epicôndilo lateral direito e esquerdo; processo estiloide direito e esquerdo; processo espinhoso T1 e T12; ângulo entre T1e AIE; ângulo entre T12 e trocânteres (Figura 1).

Figura 1 Pontos de medição usados no Software para Avaliação Postural (SAPO) 

Após a demarcação dos pontos, as participantes foram fotografadas com câmera fotográfica digital posicionada num tripé, a cerca da metade da altura da idosa, a dois metros de distância, conforme recomendações do software SAPO, nas vistas anterior e posterior. A análise postural foi realizada antes e após a última intervenção, pelo mesmo avaliador e de forma cega.

O programa de intervenção foi constituído por 10 exercícios do MP (Quadro 1) realizados em solo, utilizando-se colchonete e bola pequena (20cm de diâmetro), com frequência de duas vezes por semana e duração de 50 minutos

Os exercícios foram realizados alternadamente de modo que totalizassem 10 modalidades em cada dia de intervenção. Cada um dos exercícios foi descrito detalhadamente e foi realizado inicialmente pelo instrutor-pesquisador, servindo de base para que as participantes seguissem sua forma correta de execução. As atividades foram padronizadas e planejadas em três etapas: alongamento global inicial (10 minutos), fase de condicionamento geral (30 minutos), alongamento final e relaxamento (10 minutos), de acordo com protocolos utilizados por Barnett et al. (13. Os exercícios de condicionamento tiveram como objetivo fortalecimento global, mobilização articular e dissociação de cinturas. As participantes foram orientadas e acompanhadas por um fisioterapeuta com formação no MP em todos os dias de realização do estudo.

Quadro 1 Protocolo detalhado de exercícios do método Pilates aplicado na pesquisa 

Exercício Instruções para realização
1. Spine stretch forward (alongamento da coluna para frente) Sentada com o corpo alinhado, coluna reta, membros inferiores em extensão, pés em flexão plantar, braços estendidos e elevados ao nível dos ombros, incline a coluna à frente, em seguida, retorne à posição inicial.
2. Saw (serra) Sentada, em alinhamento axial, braços estendidos e abduzidos a 90 graus, joelhos em extensão, pernas afastadas ao nível do quadril, gire o tronco, com a pelve estabilizada para a direita, levando a mão direita em direção ao pé esquerdo, em seguida, pare em direção ao pé direito e retorne à posição inicial.
3. Leg circles (círculos com as pernas) Em decúbito dorsal, membros superiores estendidos ao lado do corpo, membros inferiores estendidos no solo, flexione o quadril e faça círculos com as pernas.
4. The hundred (o cem) Decúbito dorsal, braços e pernas flexionadas a 90 graus, realizar flexão do quadril a 45 graus com joelhos estendidos, levar o queixo em direção ao peito e retirar as escápulas do solo, levar os braços ao lado do corpo, em seguida, retorne à posição inicial.
5. Shoulder bridge (ponte) Decúbito dorsal, coluna e pelve neutras, joelhos flexionados, pés ligeiramente afastados, pernas paralelas, eleve o quadril retirando o contato com o solo e retorne à posição inicial.
6. Spinal rotation (rotação da coluna) Decúbito lateral, braços estendidos para frente na altura dos ombros, palmas das mãos unidas e joelhos flexionados, gire o braço e o tronco em direção oposta à inicial e retorne à posição original. Repetir em ambos os lados.
7. Abdominal com bola Decúbito dorsal, joelhos flexionados, pés apoiados no chão, paralelos e alinhados com os quadris, mãos a 90 graus segurando a bola, escápulas estabilizadas, coluna cervical alongada, eleve os braços em direção aos joelhos retirando as escápulas do solo. Retorne à posição inicial.
8. Rolamento do quadril Decúbito dorsal, pelve e coluna neutras, joelhos flexionados, pés afastados e alinhados com os quadris, coloque a bola pequena entre os joelhos e pressione. Retire a coluna do solo pressionando a bola e retorne à posição inicial.
9. Agachamento Em pé, segurando a bola, coluna e pelve neutras, braços a 90 graus, pernas e pés afastados, flexione os joelhos a 60 graus, evitando sobrecarga e retorne à posição inicial.
10. Side kicks: up and down (círculos com as pernas) Decúbito lateral, braço de baixo flexionado e a mão apoiada embaixo da cabeça, membros inferiores estendidos, realize círculos com a perna superior, repetindo com o membro inferior oposto.

Análise estatística

Realizou-se a análise de homogeneidade de características sociodemográficas e história clínica de doença através de tabelas analíticas e teste exato de Fisher ou qui-quadrado, com cálculo de odds ratio. Para a análise estatística da comparação de proporções, inicialmente foi realizado o teste de normalidade de Shapiro-Wilk, a fim de avaliar a normalidade da população estudada. Para as variáveis não-paramétricas, utilizou-se o teste de Wilcoxon e, para as variáveis paramétricas, usou-se o “t” Student para amostras pareadas antes e após a intervenção. Considerou-se um nível de significância de 95% (p<0,05). Os programas utilizados para análise foram o BioEstat 5.3 e o Microsoft Office Excel 2007.

RESULTADOS

Na Tabela 1 estão apresentadas as variáveis sociodemográficas do Grupo Controle (GC) e Grupo Pilates (GP) observadas na população total estudada. De acordo com os resultados apresentados, observou-se o predomínio de idade entre 60 e 69 anos, em que 47,5% das idosas eram casadas e a maioria possuía algum grau de instrução, de modo que 32,5% realizaram apenas o ensino fundamental, 25% haviam completado o ensino médio e 27,5% concluíram o ensino superior. A amostra exclusiva do sexo feminino foi escolhida para sua melhor homogeneização. Além disso, retrata uma realidade cada vez mais expressiva, na qual se observa maior adesão das mulheres às práticas corporais.

Tabela 1 Distribuição da amostra estudada segundo variáveis sociodemográficas (n=40) 

Variáveis N %
Faixa etária
60-69 anos 28 70
70-79 anos 11 27,5
80 anos ou mais 1 2,5
Estado civil
Solteira 5 12,5
Casada 19 47,5
Viúva 14 35
Divorciada 2 10
Grau de instrução
Analfabeta 6 15
Ensino fundamental 13 32,5
Ensino médio 10 25
Ensino superior 11 27,5

A Tabela 2 apresenta a análise das variáveis posturais entre GC e GP, vista anterior, obtidas por meio da fotogrametria (SAPO), nos momentos antes e após a intervenção, em que é possível afirmar, com 95% de confiança, que, na visão anterior, no momento antes da intervenção, a distância entre acrômios, distância epicôndilos ou a distância processo estiloide são menores no GC, em relação ao GP. Após a intervenção, no entanto, não houve diferença estatisticamente significativa das variáveis entre os grupos. Não se observou alterações estatisticamente significativas nas demais variáveis posturais nos dois momentos quando comparados os grupos. Com base nesses resultados, pudemos observar que, em relação às variáveis posturais, houve uma discreta mudança em favor do GP, embora com ausência de significância estatística, o que pode ser observado nos valores das medianas de cada grupo.

Tabela 2 Distribuição da amostra estudada segundo aplicação do Teste U Mann-Whitney para comparação das variáveis posturais (visão anterior) entre o Grupo Controle e Grupo Pilates nos momentos antes (0) e após (1) a intervenção 

Variáveis posturais de visão anterior Grupo Mediana Intervalo Media do Rank Soma dos Ranks Significância estatística
Alinhamento horizontal da cabeça (0) Controle 0 13,9 19,525 390,5 0,3017
Pilates 0 10,7 21,475 429,5
Alinhamento horizontal da cabeça (1) Controle 1,25 10,5 21,975 439,5 0,2163
Pilates 0 15,3 19,025 380,5
Alinhamento horizontal dos acrômios (0) Controle 0 9,4 20,425 408,5 0,4866
Pilates 0 9,5 20,575 411,5
Alinhamento horizontal dos acrômios (1) Controle 0,65 12 21,575 431,5 0,2845
Pilates 0,25 9,8 19,425 388,5
Distância entre acrômios (0) Controle 17,1 4 16,975 339,5 0,02822*
Pilates 18,15 10,7 24,025 480,5
Distância entre acrômios (1) Controle 18,1 5,4 18,725 374,5 0,17192
Pilates 18,75 4,9 22,275 445,5
Distância epicôndilos (0) Controle 28 7,09 14,95 299 0,00105*
Pilates 30,1 8,2 26,05 521
Distância epicôndilos (1) Controle 29,25 11,3 22,4 448 0,15535
Pilates 28,75 9,1 18,6 372
Distância processo estiloide (0) Controle 25,8 13 16.4 328 0,01291*
Pilates 28,45 11,1 24.6 492
Distância processo estiloide (1) Controle 25,85 16 17.65 353 0,06276
Pilates 27,7 35,3 23.35 467
Ângulo manúbrio do esterno-epicôndilos (0) Controle 78,7 28,7 18.375 367,5 0,12808
Pilates 81,25 21,2 22.625 452,5
Ângulo manúbrio do esterno-epicôndilos (1) Controle 79,8 30,8 22.475 449,5 0,1459
Pilates 78,35 27,8 18.525 370,5

* Valores<0,05 indicam diferença significativa.

A Tabela 3 apresenta a análise das variáveis de postura entre GC e GP, vista posterior, obtidas por meio da fotogrametria (SAPO), nos momentos antes e após a intervenção, observando-se que, na visão posterior, houve uma diferença estatisticamente significativa somente nas variáveis distância ASE e distância AIE, quando comparadas com o GC nos momentos antes e após, não havendo resultado estatisticamente significativo nas demais variáveis. Esse resultado mostrou que a prática do MP teve efeito positivo no alinhamento das escápulas quando comparadas ao GC.

Tabela 3 Distribuição da amostra estudada segundo aplicação do Teste U Mann-Whitney para comparação das variáveis posturais (visão posterior) entre o Grupos Controle e o Grupo Pilates, nos momentos antes (0) e após (1) a intervenção 

Variáveis posturais de visão posterior Grupo Mediana Intervalo Média do Rank Soma dos Ranks Significância estatística
Distância entre os ângulos superiores da escápula (0) Controle 10,05 9,4 19,375 387,5 0,27552
Pilates 10,40 4,7 21,625 432,5
Distância entre os ângulos superiores da escápula (1) Controle 10,05 8,4 24,325 486,5 0,01904*
Pilates 9,15 6,1 16,675 333,5
Distância entre os ângulos inferiores da escápula (0) Controle 9,50 8,3 18,125 362,5 0,10167
Pilates 9,9 5,1 22,875 457,5
Distância entre os ângulos inferiores da escápula (1) Controle 10 7 24,125 482,5 0,02488*
Pilates 8,25 5,5 16,875 337,5
Ângulo entre vértebra T1- ângulo inferior da escápula (0) Controle 51 46,9 19,525 390,5 0,30315
Pilates 49,05 25,1 21,475 429,5
Ângulo entre vértebra T1- ângulo inferior da escápula (1) Controle 55,25 36,5 21,25 425 0,34653
Pilates 49,75 39,7 19,75 395
Ângulo entre vértebra T12-trocânteres (0) Controle 49,2 20,8 20,1 402 0,41766
Pilates 49,4 23,2 20,9 418
Ângulo entre vértebra T12-trocânteres (1) Controle 52,9 20,4 20,9 418 0,41788
Pilates 52,5 31,9 20,1 402

* Valores<0,05 indicam diferença significativa.

DISCUSSÃO

Kloubec14 realizou um estudo controlado com 50 indivíduos, constituído por homens e mulheres ativos de meia idade, submetidos a um protocolo 25 exercícios do método Pilates durante 12 semanas, duas vezes por semana, em que observou melhora significativa (p≤0,05) em quase todas as variáveis, exceto postura e equilíbrio. Sinzato et al. (15, em seu estudo piloto controlado e randomizado, analisaram os efeitos de 20 sessões do MP no alinhamento postural e na flexibilidade de 30 mulheres jovens, com idades de 18 a 25 anos. No entanto, esses autores não observaram influência no alinhamento postural estático.

Assim como nesta pesquisa, os autores citados não obtiveram diferenças significativas na postura através do MP após três meses de aplicação, sugerindo que, para o MP apresentar, de fato, efeito sobre a postura, é necessário uma dosagem maior do exercício, com maior frequência ou aumento do tempo de aplicação dos protocolos de exercícios para mais de três meses. No entanto, é necessário considerar que não existe um padrão de referência postural simétrico16 e, partindo-se do pressuposto de que os indivíduos não são “construídos” como elementos anatômicos idênticos, não podem ter uma postura “normal” morfologicamente idêntica17, de modo que a falta de um modelo que se aproxime da realidade, em termos de realinhamento postural, ocasiona dificuldade em comparar os dados obtidos através das inúmeras variáveis de uma avaliação fotogramétrica.

Nascimento e Lima19, em seu estudo realizado durante o projeto de extensão “Pilates e o idoso: contribuições para o equilíbrio corporal”, analisaram o efeito de um programa do MP sobre a postura, a força, a flexibilidade e o equilíbrio de 70 idosos de idades entre 60 e 80 anos, utilizando-se um protocolo de exercícios realizados em solo e com uso de bola, adaptados de acordo com a faixa etária, com frequência de duas vezes por semana, duração de 60 minutos e de forma coletiva, durante 10 meses. Ao final desse período, os idosos foram reavaliados através de testes funcionais, obtendo melhora nos quesitos equilíbrio, flexibilidade, alongamento e força.

O alinhamento da postura corporal é estabelecido por estruturas musculoesqueléticas que interagem entre si por toda vida, de acordo com suas solicitações20. Portanto, a flexibilidade e a ação muscular proporcionam à coluna vertebral mais estabilidade e resistência às forças de compressão necessárias para combater os efeitos da gravidade e manter uma boa postura. Além disso, a redução da força muscular e da flexibilidade, que caracteriza o processo fisiológico de envelhecimento, compromete a capacidade funcional, de modo que, ao melhorar esses parâmetros, se estará contribuindo para uma vida com mais autonomia e independência, melhorando a qualidade de vida dos idosos21.

Guimarães et al. (22 realizaram um estudo experimental controlado com 60 idosos, em que aplicaram um protocolo de exercícios do MP realizados em solo, com bola e acessórios, com duração de 60 minutos, durante 12 semanas. Ao final, observaram uma diferença estatisticamente significativa (p=0,001) na flexibilidade do ombro, concluindo que idosos praticantes de qualquer tipo de atividade física orientada em uma base regular tendem a ter maior grau de flexibilidade do ombro, sendo o MP uma boa forma de prevenir e melhorar essa limitação, induzindo a uma maior mobilidade funcional.

Em um ensaio clínico randomizado controlado realizado por Junges et al. (23 com 41 mulheres de idades entre 59 e 58 anos, foi aplicado um protocolo de exercícios durante 30 semanas, em que observou-se como resultado uma redução do ângulo da cifose, melhora significativa da flexibilidade de todos os movimentos cervicais e do quadril, além de pequena diferença entre os ombros e cintura escapular, concluindo que o MP tem importante papel na flexibilidade e alteração postural. Assim como nesta pesquisa, esses resultados sugerem que o MP pode ser eficaz no alinhamento escapular, embora os dados deste estudo reflitam ganhos discretos, que provavelmente poderiam ser potencializados com um prolongamento do período de aplicação da técnica.

Analisando-se o benefício dos resultados observados e suas repercussões sob outro ponto de vista avaliativo, enfatiza-se que a redução dos ângulos escapulares pode refletir uma proposta de prevenção e minimização das consequências de outro problema associado ao envelhecimento, que é o aumento da curvatura da região dorsal, normalmente acompanhado por abdução da cintura escapular, que caracteriza a cifose torácica, uma alteração postural típica na terceira idade24.

Enfatiza-se ainda que, além da possibilidade de efeitos positivos sobre a flexibilidade21), (26, fator que possui influência direta sobre o padrão postural26, estudos apontam ainda que o MP pode ser utilizado na otimização da qualidade vida24), (25 e pode ser uma opção de trabalho coletivo, aplicado em grupos nas comunidades, uma vez que não requer instalações ou equipamentos especializados, é de fácil aplicabilidade e não traz grandes custos adicionais às equipes de saúde além da necessidade de profissionais capacitados. Isso poderia representar uma importante contribuição no que diz respeito à ampliação das possibilidades de práticas corporais na perspectiva da saúde coletiva. Embora não tenha sido um parâmetro diretamente avaliado neste estudo, os resultados dessas práticas poderiam impactar positivamente nas atividades de vida diárias nas populações de idosos.

Como limitação deste estudo, cita-se que a amostra foi composta por idosas que já apresentavam, em virtude do processo fisiológico do envelhecimento, alterações posturais estruturadas, decorrentes das mudanças ocorridas no sistema osteomuscular no decorrer da vida e difíceis de serem modificadas, inclusive com técnicas como o MP.

CONCLUSÃO

Concluiu-se que a prática de exercícios do MP promoveu um efeito positivo em algumas variáveis do perfil postural de idosas, podendo ser empregado em grupos comunitários. Os exercícios podem contribuir também para otimizar a autonomia e a independência, que, por sua vez, podem refletir em otimização das atividades da vida diária de pessoas na terceira idade. No entanto, necessita-se de mais estudos científicos que abordem maior frequência, duração e padronização dos exercícios e maior fidelidade aos princípios do MP, a fim de obter melhores resultados na postura corporal de idosas.

REFERÊNCIAS

1. Santos ECC, Barbosa MC, Medeiros JD, Granja KSB, Constant MHL, Calles ACN. Declínio da capacidade de independência funcional em indivíduos idosos hospitalizados. Cad Grad Ciênc Biol Saúde. 2013;1(3):91-100. [ Links ]

2. Alves RV, Mota J, Costa MC, Alves, JGB. Aptidão física relacionada à saúde de idosos: influência da hidroginástica. Rev Bras Med Esporte. 2004;10(1):31-7. doi:10.1590/S1517-86922004000100003. [ Links ]

3. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. População brasileira envelhece em ritmo acelerado. Brasília, DF: IBGE; 2010. [citado 2018 set 10]. Disponível em: &lt;http://www.ibge.gov.br&gt;. [ Links ]

4. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Projeção da população do Brasil por sexo e idade: 2000-2060. Brasília, DF: IBGE; 2010. [citado 2018 set 10]. Disponível em: &lt;https://bit.ly/2Djirc8&gt;. [ Links ]

5. Hein MA, Aragaki SS. Saúde e envelhecimento: um estudo de dissertações de mestrado brasileiras (2000-2009). Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(8):2141-50. doi:10.1590/S1413-81232012000800024. [ Links ]

6. Ota S, Goto H, Noda Y, Fujita R, Matsui Y. Relationship between standing postural alignments and physical function among elderly women using day service centers in Japan. J Back Muscul Rehabil. 2015;28(1):111-7. doi:10.3233/BMR-140498. [ Links ]

7. Grabiec JD, Snela S, Rykala J, Podgórska J, Banas A. Changes in the body posture of women occurring with age. BMC Geriatrics. 2013;13(1):108. doi:10.1186/1471-2318-13-108. [ Links ]

8. Silveira MM, Pasqualotti A, Colussi EL, Wibelinger LM. Envelhecimento humano e as alterações na postura corporal do idoso. Rev Atenção Saúde. 2011;8(26):52-8. doi:10.13037/rbcs.vol8n26.1081. [ Links ]

9. Silva TL, Martinez EZ, Souza Junior AP, Manço ARX, Arruda MF. A associação entre a ocorrência de quedas e a alteração de equilíbrio e marcha em idosos. Saúde Pesqui. 2014;7(1):25-34. [ Links ]

10. Siqueira FV, Facchini LA, Piccini RX, Tomasi E, Thumé E, Silveira DS, Vieira V, Hallal PC. Prevalência de quedas em idosos e fatores associados. Rev Saúde Pública. 2007;41(5):749-56. doi:10.1590/S0034-89102007000500009. [ Links ]

11. Curi Pérez VS, Haas AN, Wolff SS. Analysis of activities in the daily lives of older adults exposed to the Pilates method. J Bodyw Mov Ther. 2014;18(3):326-31. doi:10.1016/j.jbmt.2013.10.004. [ Links ]

12. Anderson BD, Spector A. Introduction to Pilates-based rehabilitation. Orthop Phys Ther Clin N Am. 2005;9(3):395-410. [ Links ]

13. Barnett A, Smith B, Lord SR, Williams M, Baumand A. Community-based group exercise improves balance and reduces falls in at-risk older people: a randomized controlled trial. Age Ageing. 2003;32(4):407-14. doi:10.1093/ageing/32.4.407. [ Links ]

14. Kloubec JA. Pilates for improvement of muscle endurance, flexibility, balance, and posture. J Strength Conditioning Res. 2010;24(3):661-7. doi:10.1519/JSC.0b013e3181c277a6. [ Links ]

15. Sinzato CR, Taciro C, Pio CA, Toledo AM, Cardoso JR, Carregaro RL. Efeitos de 20 sessões do método Pilates no alinhamento postural e flexibilidade de mulheres jovens: estudo piloto. Fisioter Pesqui. 2013;20(2):143-50. doi:10.1590/S1809-29502013000200008. [ Links ]

16. Ferreira AC, Fernandes J, Kuo YL, Bernardo LM, Fernandes O, Laranjo L, Silva A. Does Pilates-based exercise improve postural alignment in adult women? Women Health. 2013;53(6):597-611. doi:10.1080/03630242.2013.817505. [ Links ]

17. Kendall FP, Mccreary EK, Provance PG. Músculos: provas e funções. 4. ed. São Paulo: Manole; 1995. [ Links ]

18. Lapierre A. A reeducação física. 6. ed. São Paulo: Manole, 1982. [ Links ]

19. Nascimento MM, Lima RKR. Envelhecendo equilibradamente: considerações de um programa de atividade física para idosos fundamentado no método Pilates. Extramuros-Rev de Extensão Univasf. 2013;1(1):108-23. [ Links ]

20. Takahashi K, Suda M, Usuba M, Wasai Y, Tsukayama H. Postural adjustment to the line of center of gravity. J Phys Ther Sci. 1995;7(2):65-9. doi:10.1589/jpts.7.65. [ Links ]

21. Maciel MG. Atividade física e funcionalidade do idoso. Motriz: Rev Educ Fis. 2010;16(4):1024-32. doi:10.5016/1980-6574.2010v16n4p1024. [ Links ]

22. Guimarães ACA, Azevedo SF, Simas JPN, Machado Z, Jonck VTF. The effect of Pilates method on elderly flexibility. Fisioter Mov. 2014;27(2):181-8. doi:10.1590/0103-5150.027.002.AO03. [ Links ]

23. Junges S, Gottlieb MG, Baptista RR, Quadros CBD, Resende TDL, Gomes I. Effectiveness of Pilates method for the posture and flexibility of women with hyperkyphosis. Rev Bras Cienc Mov. 2012; 20(1):21-33. [ Links ]

24. Navega MT, Furlanetto MG, Lorenzo DM, Morcelli MH, Tozim BM. Efeitos do método Pilates solo no equilíbrio e na hipercifose torácica em idosas: ensaio clínico controlado randomizado. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2016;19(3):465-72. doi:10.1590/1809-98232016019.150022. [ Links ]

25. Rodrigues BGS, Cader SA, Torres NVOB, Oliveira EM, Dantas EHM. Autonomia funcional de idosas praticantes de Pilates. Fisioter Pesqui. 2010;17(4):300-5. doi:10.1590/S1809-29502010000400003. [ Links ]

26. Küçükçakir N, Altan L, Korkmaz N. Effects of Pilates exercises on pain, functional status and quality of life in women with postmenopausal osteoporosis. J Bodywork Mov Ther. 2013;17(2):204-11. doi:10.1016/j.jbmt.2012.07.003. [ Links ]

27. Natour J, Cazotti LA, Ribeiro LH, Baptista AS, Jones A. Pilates improves pain, function and quality of life in patients with chronic low back pain: a randomized controlled trial. Clin Rehabil. 2015;29(1):59-68. doi:10.1177/0269215514538981. [ Links ]

28. Lima MCC, Miranda AM, Martins PPC, Fittipaldi EOS. Doença de Parkinson: alterações funcionais e potencial aplicação do método Pilates. Geriatr Gerontol Aging. 2009;3(1),33-40. [ Links ]

29. Pacheco JFR, Guimarães ACA, Kraeski MH, Kraeski AC, Souza MC, Araújo CCR. Pilates e flexibilidade: uma revisão sistemática. Rev Bras Ciênc Saúde. 2017;21(3):275-80. doi:10.22478/ufpb.2317-6032.2017v21n3.20654. [ Links ]

Fonte de financiamento: Nada a declarar

Aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Santo Agostinho: Protocolo nº 439.909.

Recebido: 01 de Fevereiro de 2018; Aceito: 19 de Junho de 2018

Endereço para correspondência: Luciane Marta Neiva de Oliveira - Av. Dom Severino, 2875, Horto Florestal - Teresina (PI), Brasil - CEP: 64052-535 - E-mail: lucianemarta@hotmail.com

Conflito de interesses: Nada a declarar

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto sob uma licença Creative Commons