SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.4 issue3Theodor Koch-Grünberg: documentando culturas indígenas no início do século XXCiência e conservação na Floresta Nacional de Caxiuanã, Pará author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas

Print version ISSN 1981-8122

Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciênc. hum. vol.4 no.3 Belém Sept./Dec. 2009

http://dx.doi.org/10.1590/S1981-81222009000300014 

Edgard Roquette-Pinto: Antropologia brasiliana

 

 

Renan Freitas Pinto

Doutor em Sociologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professor do Instituto de Ciências Humanas e Letras da Universidade Federal do Amazonas (erfreitaspinto@vivax.com.br)

 

 

 

 

O primeiro aspecto a ser destacado desta obra coletiva sobre o pensamento e a vida de Edgard Roquette-Pinto é que ela vem preencher uma ausência que se fazia sentir em termos de um balanço de sua presença entre aqueles autores que marcaram, com suas obras e ideias, as direções para trilharmos os caminhos que nos levam à formação do Brasil moderno. Uma coletânea, portanto, que sob vários aspectos estava faltando, especialmente neste momento em que já dispomos de vários trabalhos dessa natureza, ou seja, de coletâneas destinadas a abordar, de diferentes perspectivas, autores que se tornaram, eles próprios, esses caminhos inevitáveis, essas pistas necessárias para nos aproximarmos de outros pensadores brasileiros.

Obra coletiva dedicada a elucidar os diferentes significados do personagem Roquette-Pinto em termos de suas contribuições, em diferentes campos de conhecimento, para a construção, seja do pensamento social brasileiro, seja de nossa história das ideias e de nossa história das ciências, construindo simultaneamente uma das mais originais interpretações da formação do povo e da nação brasileira.

O livro está organizado em quatro partes, iniciando a primeira com um manuscrito até então inédito do próprio Roquette-Pinto, resultante de uma palestra por ele proferida a convite do Itamaraty e que aqui tem a oportunidade privilegiada para sua publicação na medida em que, para as organizadoras da obra, pode ser lido como uma reflexão sobre seu próprio "lugar e papel na sociedade". Os demais artigos dedicados ao autor, compondo o conjunto de textos que pretendem se concentrar, conforme a indicação do subtítulo do livro, nos temas da ciência e da educação na obra de Roquette-Pinto, na verdade, nos brindam com um espectro bem mais abrangente e mais diferenciado de sua obra, de suas ideias e de sua presença como intelectual e homem de ação.

É basicamente sobre o alcance e a amplitude desta obra realizada com a colaboração de cerca de 15 autores, oferecendo-nos uma visão de conjunto adequadamente articulada de modo a indicar a presença de Edgard Roquette-Pinto como um dos mais instigantes e originais pesquisadores em busca de novos modos de desvendar o Brasil e os 'brasilianos', assunto a que nos propomos dedicar nossa atenção daqui em diante.

Em primeiro lugar, essa obra recria coletivamente um personagem de primeira linha. E o recria entrelaçando informações e pontos de vista que, em busca de fatos inéditos, de anotações essenciais, de pistas esclarecedoras, algumas vezes se repetem sem que, entretanto, isso represente qualquer prejuízo, bem ao contrário, ajude o leitor a reconhecer nesse entrelaçado de rememorações, urdido por vários narradores, a força, a presença e a carga de originalidade do personagem Edgard Roquette-Pinto.

É, ainda, uma obra que, por ser coletiva e logo reconhecida por seu amplo espectro temático em torno da contribuição antropológica de Roquette-Pinto, nos oferece a liberdade de nela ingressar escolhendo nosso próprio ponto de partida, nossa própria sequência de leitura.

Uma das ideias que acompanham Roquette-Pinto ao longo de toda sua extensa produção e de suas diferentes atuações nas instituições com que se envolveu, e certamente também em suas ações de homem público, é o reconhecimento do papel crescente da ciência como fundamento necessário para as mudanças que precisam ocorrer principalmente no campo da educação.

Trata-se, aqui, não simplesmente de ser um representante do positivismo e do racionalismo, que possuíam na ciência um de seus princípios básicos, mas de discordar e de se contrapor a algumas correntes e ideias da ciência vigentes no seu tempo. Um dos principais marcos desse seu pensamento em dissonância com as crenças e posicionamentos da ciência é aquele relacionado com as noções de raça, miscigenação e eugenia que Roquette-Pinto contestava usando o argumento de que não se tratava de aceitar o fatalismo da existência de raças inferiores e degeneradas e da miscigenação como uma deformação. A própria eugenia que é proposta e defendida por Roquette-Pinto possui um sentido de melhoria da saúde do povo brasileiro pela atenção, sobretudo, aos seus quadros de miséria e pobreza e, em especial, de uma atenção redobrada à educação, porque é precisamente aí que residiria não apenas a causa de todos os nossos principais males, mas a possibilidade de superação.

Em vários autores presentes na coletânea há indicações de que, já em seus escritos bem iniciais, é a educação o fundamento que cimenta todo o pensamento de Roquette-Pinto e que orienta suas ações ao longo da vida e obra.

Certamente, um tema reconhecidamente controverso é o do lugar que as ideias positivistas ocuparam no Brasil para a constituição do campo das ciências e para a definição do cientista como um dos atores principais no jogo da reorganização da sociedade brasileira. E graças à riqueza de detalhes que a obra nos propicia em relação à presença do positivismo, é possível indicar os principais movimentos e situações como, por exemplo, sua conexão com o movimento abolicionista e a campanha pela instauração da República. Devem ser lembrados, ainda, o credo da ciência como alavanca da civilização, a construção de modelos de organização social voltados para o bem-estar comum. Outro discurso emblemático é o da defesa da nacionalidade, tendo como ponto de apoio a ciência, e que se contrapunha ao que se reconhecia como o nacionalismo romântico.

Cabe mencionar também as referências ao positivismo como responsável pela difusão de ideias, progressistas, como a da necessidade do cultivo de uma antropologia anti-racista, da busca de um compromisso com a coisa pública fundado na probidade administrativa, na atenção para com a garantia de condições dignas de trabalho operário, o empenho em se garantir a toda a população as condições básicas de saúde e da educação como o fator capaz de tornar os indivíduos aptos a vencer a pobreza e a ignorância.

Um dos artigos se concentra na tarefa de examinar o lugar de "Rondônia", seu livro mais divulgado e mais conhecido por leitores especialistas e pelo público mais amplo interessado nesse relato sobre o Brasil indígena (Roquette-Pinto, 1975). O próprio autor reconhece nesse livro seu empreendimento científico mais elaborado e que trouxe uma contribuição que não se resume à etnografia, mas que se torna um dos textos essenciais para compreendermos o Brasil indígena e aspectos do sertão distante que necessita fazer parte da nacionalidade.

A obra é dedicada a Cândido Mariano da Silva Rondon, "figura mítica do Brasil republicano", distinguindo-se, principalmente, o sentido que Rondon atribuía à questão indígena, ou seja, como questão de responsabilidade do Estado brasileiro traduzida na ideia guia de tutelar e proteger o índio.

Quanto ao próprio Roquette-Pinto, que participou da Comissão Rondon como observador médico e, sobretudo, interessado em coletar peças da cultura material indígena, fornece-nos informações essenciais relacionadas com a concepção e construção da obra. Primeiramente, indica que o livro é, em grande parte, transcrição de seu caderno de campo, o que fica claro pelo fato de que vários parágrafos se iniciam com referência a mês e dia em que as anotações foram feitas. Além desse aspecto de caderno de campo, Roquette-Pinto indica um outro elemento que faz com que o livro funcione como um catálogo das coleções obtidas durante a expedição e que seriam destinadas a enriquecer o acervo do Museu Nacional, no Rio de Janeiro. Cabe anotar que, entre esses materiais, estão os instrumentos musicais, de arte plumaria e de cerâmica.

O livro reproduz partituras de música indígena resultantes de transcrições realizadas por Astolfo Tavares a partir de gravações fonográficas e que, posteriormente, receberiam arranjos de Heitor Villa-Lobos, que também as aproveitaria para futuras composições.

Outro aspecto apontado pelos autores é que Roquette-Pinto empreende, no primeiro capítulo, um balanço de registros sobre a área abrangida pela exposição, com um interesse especial nas referências aos Nambikwára e Paresi. Para Roquette-Pinto, o principal acontecimento de toda a expedição está descrito no sexto capítulo, ou seja, para ele, o tão esperado primeiro contato com os Nambikwára.

Nos capítulos seguintes, o leitor vai se defrontar com anotações detalhadas sobre essa população indígena que possuía uma significação especial para o jovem etnógrafo. Não podemos deixar de observar que os autores apontam também para a contribuição da expedição a um conhecimento mais detalhado da geografia do território em questão. Na verdade, essa contribuição ocupa parte significativa da obra.Além da etnografia indígena, a obra trata também da etnografia do sertanejo, numa clara inspiração nos "Sertões" de Euclides da Cunha, e, nesse sentido, ele vai abordar os seringueiros como a expressão humana mais forte desse outro sertão que é a região amazônica.

A perspectiva modernista está presente no livro "Rondônia", como em sua convicção da necessidade de nos voltarmos para esse país rural e atrasado, para isso, concebendo a missão da difusão do rádio e do cinema, assunto que poderia ser melhor examinado, segundo os autores, por meio da correspondência mantida entre Mário de Andrade e Roquette-Pinto.

Roquette-Pinto é conhecido e reconhecido como o idealizador do rádio como instrumento de educação capaz de chegar aos 'brasilianos' mais isolados geograficamente, e também aos que não sabem ler, mas que podem aprender e se desenvolver culturalmente. Está cada vez mais claro para nós, hoje, que, além de seu pioneirismo e de tudo quanto realizou em benefício da criação do rádio e do cinema educativo, na realidade, encontrou muitos obstáculos para levar adiante seu projeto de transformar o país atrasado, analfabeto e doente em uma nação tal como é apresentada em muitos dos programas de rádio e em boa parte da produção fílmica do Instituto Nacional de Cinema Educativo (INCE). Como anotam os autores, os filmes terminam por projetar uma imagem romântica e otimista, exaltando o perfil de vultos nacionais e de uma natureza pródiga, como são exemplos os filmes sobre a vitória-régia e sobre peixes do Rio de Janeiro. Como sugerem vários trechos do artigo sobre o INCE, esses filmes conduzem seus espectadores a empreenderem, à semelhança dos naturalistas e viajantes do século XIX, uma viagem ao Brasil, a ciência realizando aí sua tarefa de decifração e revelação de um povo e de um país extraordinários.

 

REFERÊNCIA

ROQUETTE-PINTO, Edgard. Rondônia. São Paulo: Editora Nacional; Brasília: INL, 1975.         [ Links ]

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License