SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.76 número4The southern Araçuaí belt and the Dom Silvério Group: geologic architecture and tectonic significanceThe 1590-1520 Ma Cachoeirinha magmatic arc and its tectonic implications for the Mesoproterozoic SW Amazonian craton crustal evolution índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Anais da Academia Brasileira de Ciências

versão impressa ISSN 0001-3765versão On-line ISSN 1678-2690

Resumo

ROSSETTI, Dilce F.; PAZ, Jackson D.S.  e  GOES, Ana M.. Facies analysis of the Codó Formation (Late Aptian) in the Grajaú Area, Southern São Luís-Grajaú Basin. An. Acad. Bras. Ciênc. [online]. 2004, vol.76, n.4, pp.791-806. ISSN 0001-3765.  http://dx.doi.org/10.1590/S0001-37652004000400012.

Descrições faciológicas da Formação Codó na área de Grajaú são fornecidas pela primeira vez e suas características sedimentares comparadas àquelas da área de Codó, objetivando a reconstrução paleoambiental. Os depósitos da área de Grajaú incluem evaporitos, calcários e argilitos contendo feições indicativas de ambiente raso, salino, subaquoso, de baixa energia, e exposto a condições meteóricas e/ou capilares. Ciclos de inundação-concentração evaporítica-dissecação sugerem complexo salino rodeado por planícies evaporíticas de lama. A localização do sistema, se costeiro ou continental, é aberto a debate. Entretanto, a última hipótese é favorecida considerando-se: 1. dados isotópicos de Sr com valores mais elevados que aqueles esperados para águas marinhas do Neoaptiano; 2. composição calcítica dos calcários (ao invés de dolomítica e/ou magnesiana, como esperado em ambientes costeiros); e 3. presença de ostracodes continentais e ausência de fauna marinha. Essa interpretação é consistente com aquela proposta para os depósitos aptiano superior da área de Codó, onde o sistema deposicional caracterizou-se por águas anóxicas, bem estratificadas e mais estáveis, com precipitação evaporítica em áreas lacustres centrais. Já na área de Grajaú as depressões salinas foram mais oxigenadas e temporárias, com precipitação de sais em áreas marginais ou ao longo de planícies de lama adjacentes.

Palavras-chave : evaporito; reconstrução paleoambiental; lacustre; Neoaptiano; análise faciológica; Bacia de São Luís-Grajaú.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons