SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.46 issue2Hirsutism RevisitedBone Mineral Density: Cross-sectional Study in Turner Syndrome author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia

Print version ISSN 0004-2730

Abstract

FARIA, Alessandra N.; ZANELLA, Maria Teresa; KOHLMAN, Oswaldo  and  RIBEIRO, Artur B.. Tratamento de Diabetes e Hipertensão no Paciente Obeso. Arq Bras Endocrinol Metab [online]. 2002, vol.46, n.2, pp. 137-142. ISSN 0004-2730.  http://dx.doi.org/10.1590/S0004-27302002000200004.

A obesidade é um fator de risco independente para doença coronariana. A resistência à insulina associada à obesidade contribui para o desenvolvimento de dislipidemia, hipertensão arterial e diabetes tipo 2. A coexistência de hipertensão e diabetes aumenta o risco para complicações micro e macrovasculares, predispondo os indivíduos à insuficiência cardíaca congestiva, doença coronariana e cerebrovascular, insuficiência arterial periférica, nefropatia e retinopatia. Em pacientes diabéticos obesos a redução do peso, bem como o uso de metiformina, melhoram a sensibilidade à insulina, o controle da glicemia e da pressão arterial. O tratamento anti-hipertensivo em diabéticos reduz a mortalidade cardiovascular e retarda o declínio da função glomerular. Deve-se considerar os efeitos dos agentes anti-hipertensivos sobre a sensibilidade à insulina e o perfil lipídico. Diuréticos e b-bloqueadores podem reduzir a sensibilidade à insulina, enquanto bloqueadores de canais de cálcio são metabolicamente neutros e os iECA aumentam a sensibilidade à insulina, além de conferir proteção adicional cardiovascular e renal para diabéticos. O bloqueio da angiotensina II tem mostrado benefícios semelhantes.

Keywords : Diabetes; Hipertensão; Obesidade; Terapia medicamentosa.

        · abstract in English     · text in Portuguese