SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.53 número6Reatividade microvascular em diabéticos tipo 1Taxa metabólica de repouso e composição corporal em mulheres na pós-menopausa índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia

versão impressa ISSN 0004-2730

Resumo

SERPA NETO, Ary et al. Impacto dos lipídios plasmáticos no controle glicêmico e sua influência no risco cardiometabólico em pacientes obesos mórbidos. Arq Bras Endocrinol Metab [online]. 2009, vol.53, n.6, pp. 747-754. ISSN 0004-2730.  http://dx.doi.org/10.1590/S0004-27302009000600009.

OBJETIVOS: Avaliar o quanto os lipídios plasmáticos, o IMC e a glicemia de jejum estão associados com um bom controle glicêmico e identificar a ocorrência de variáveis do risco cardiometabólico. MÉTODO: Cento e quarenta brasileiros foram avaliados. Os pacientes foram caracterizados, de acordo com o controle glicêmico, como tendo bom controle, moderado controle e controle ruim e foram divididos em tercis de TG e HbA1c. Utilizou-se a curva ROC para determinar quais variáveis predizem um controle glicêmico inadequado e a análise fatorial para identificar os domínios que segregam as diferentes variáveis. RESULTADOS: A glicemia de jejum e os níveis de insulina, os níveis de TG, VLDL-C e HOMA-IR aumentaram significativamente de acordo com os tercis de HbA1c. O melhor marcador para identificação de indivíduos com um controle glicêmico ruim foi o triglicérides. A presença de anormalidades cardiometabólicas não alterou significativamente o controle glicêmico, mas o HOMA-IR foi significativamente maior nestes indivíduos. CONCLUSÃO: O uso dos níveis de TG oferece uma boa utilidade clínica. Em pacientes obesos mórbidos, a resistência à insulina esta associada com fatores de risco cardiometabólico.

Palavras-chave : Obesidade; glicemia; cirurgia bariátrica; diabetes melito.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · pdf em Inglês