SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.70 issue4The knowledge of medical students about cornea donationSubconjunctival deposit of silicone oil after vitreoretinal surgery author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Arquivos Brasileiros de Oftalmologia

Print version ISSN 0004-2749

Abstract

CAMARGO, Gustavo Bueno de et al. Estrabismo paralítico: revisão de 24 anos da Santa Casa de São Paulo. Arq. Bras. Oftalmol. [online]. 2007, vol.70, n.4, pp. 585-587. ISSN 0004-2749.  http://dx.doi.org/10.1590/S0004-27492007000400005.

OBJETIVO: Avaliar a incidência, etiologia e evolução dos estrabismos paralíticos ou paréticos. MÉTODOS: Foram selecionados retrospectivamente 519 prontuários de pacientes com paresia ou paralisia isolada dos músculos inervados pelos III, IV ou VI nervos cranianos, a partir de 11.000 prontuários da Seção de Motilidade Extrínseca Ocular do Departamento de Oftalmologia da Santa Casa de São Paulo de janeiro de 1980 a outubro de 2004. Foram estudados: o nervo craniano acometido, o olho acometido, o sexo, os fatores etiológicos e a evolução desses pacientes. RESULTADOS: Dos 519 pacientes, 17,1% foram casos congênitos e 82,9% foram adquiridos. O nervo craniano mais afetado foi o VI (49,7%). Os pacientes do sexo masculino foram mais acometidos, com 58,1% dos casos. A etiologia traumática foi a mais freqüente nos casos de paresia ou paralisia de III (43,0%), IV (52,4%) e VI (48,8%) nervos cranianos. Os pacientes evoluíram mais freqüentemente para cirurgia nos três grupos: III nervo (42,9%), IV nervo (73,2%) e VI nervo (43,2%). CONCLUSÃO: O VI nervo craniano foi o mais freqüentemente acometido e o fator etiológico mais importante foi o traumatismo, dados esses que coincidem com os encontrados na literatura.

Keywords : Estrabismo [epidemiologia]; Estrabismo [etiologia]; Nervos cranianos [fisiopatologia].

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese