SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.38 issue4Gastric stump mucosa: is there a risk for carcinoma?Detection of Helicobacter pylori in gastric cancer author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivos de Gastroenterologia

Print version ISSN 0004-2803On-line version ISSN 1678-4219

Abstract

SDEPANIAN, Vera Lucia; MORAIS, Mauro Batista de  and  FAGUNDES-NETO, Ulysses. Doença celíaca: avaliação da obediência à dieta isenta de glúten e do conhecimento da doença pelos pacientes cadastrados na Associação dos Celíacos do Brasil (ACELBRA). Arq. Gastroenterol. [online]. 2001, vol.38, n.4, pp.232-239. ISSN 1678-4219.  https://doi.org/10.1590/S0004-28032001000400005.

Racional — A obediência à dieta isenta de glúten previne a ocorrência de complicações malignas e não-malignas. Objetivo - Avaliar a obediência à dieta isenta de glúten e o conhecimento teórico acerca da doença celíaca e seu tratamento pelos pacientes cadastrados na Associação dos Celíacos do Brasil (ACELBRA). Métodos - Foi enviado por correio um questionário a respeito da obediência à dieta isenta de glúten e do conhecimento teórico da doença celíaca e seu tratamento a 584 membros cadastrados na ACELBRA. Resultados - Dos 534 (91,4%) questionários recebidos, foram analisados 529 (90,6%). Quanto à obediência à dieta, 69,4% dos pacientes responderam que nunca ingerem glúten e 29,5% que não obedecem à dieta. A proporção de pacientes que ingerem glúten freqüentemente ou sem restrição alguma é maior entre aqueles com idade igual ou maior a 21 anos (17,7%) do que os com idade menor (9,9%). A freqüência de obediência à dieta foi maior quando o intervalo de tempo em que foi estabelecido o diagnóstico da doença foi inferior a 5 anos. O intestino delgado foi assinalado como o principal órgão afetado na doença celíaca por 82% dos pacientes. Os principais sintomas assinalados foram diarréia (96,6%), emagrecimento (93,4%), barriga inchada (90,4%), anemia (68,1%) e vômitos (59,6%). Apenas 59,0% concordaram com a existência de predisposição genética. Segundo 90,4% das respostas, a doença é permanente e 96,2% assinalaram que a dieta deve ser totalmente isenta de glúten; 67,1% responderam que o glúten é uma proteína que está presente, segundo 92,1% dos inquéritos, no trigo, centeio, cevada e aveia. Observou-se maior proporção de obediência à dieta quando há conhecimento da doença e dieta. A biopsia de intestino delgado foi considerada necessária por apenas 67,5% dos pacientes, observando-se maior freqüência de obediência à dieta nos pacientes que realizaram pelo menos uma biopsia de intestino delgado. Conclusões - Quanto maior o grau de conhecimento da doença e seu tratamento, maior a obediência à dieta isenta de glúten.

Keywords : Doença celíaca; Questionários; Conhecimento; Cooperação do paciente; Dieta.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · Portuguese ( pdf )

 

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License