SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.46 número2Interferon convencional versus interferon peguilado associados à ribavirina no tratamento de pacientes coinfectados pelo vírus da hepatite C (genótipo 1) e da imunodeficiência humanaRelato e registro do hábito intestinal de crianças em creches confirmam alta frequência e início precoce de constipação índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Arquivos de Gastroenterologia

versão impressa ISSN 0004-2803

Resumo

VICENTE, Alessandra Maria Borges et al. Evolução clínica e endoscópica após fundoplicatura para tratamento da doença do refluxo gastroesofágico. Arq. Gastroenterol. [online]. 2009, vol.46, n.2, pp. 138-143. ISSN 0004-2803.  http://dx.doi.org/10.1590/S0004-28032009000200012.

CONTEXTO: O tratamento cirúrgico da doença do refluxo gastroesofágico está indicado para pacientes com doença crônica, associada ou não a complicações. A fundoplicatura é frequentemente indicada em substituição ao uso contínuo dos inibidores de bomba de prótons, para pacientes sem resposta, resposta parcial, ou dependentes de tratamento medicamentoso, ou ainda, quando houver recurrência dos sintomas com a descontinuação das medicações. No período pós-operatório, ocorrências de desmanche da válvula com recurrência da doença do refluxo indicam a necessidade de monitorização do procedimento cirúrgico. A avaliação do funcionamento da válvula, baseada na presença de sintomas, tem se mostrado instrumento ineficaz para essa monitorização. OBJETIVO: Identificar a frequência de anormalidades na válvula antirrefluxo e a frequência de complicações pépticas do esôfago no período de pós-operatório tardio da fundoplicatura em crianças e adolescentes. Métodos - Em estudo transversal, prospectivo e descritivo, em que foram avaliados 45 pacientes (idade = 16 meses a 16,9 anos) que tinham realizado fundoplicatura de Nissen num período de 12 a 30 meses prévios à avaliação. O aspecto da fundoplicatura e da mucosa esofágica foram avaliados por meio de endoscopia digestiva alta e estudo histológico. RESULTADOS: Doentes com encefalopatia crônica corresponderam a 26/45 (57,8%) dos casos. Válvula antirrefluxo intacta foi identificada em 41/45 (91,1%) dos pacientes. A fundoplicatura foi efetiva no tratamento do processo inflamatório esofágico, mesmo quando identificadas subestenose ou estenose de esôfago, no pré-operatório. As complicações identificadas foram esofagite péptica (6/45 pacientes) e necessidade de nova fundoplicatura (2/45 pacientes). A presença de anormalidades na válvula antirrefluxo associou-se ao achado de esofagite péptica (P = 0,005). Dois pacientes receberam o diagnóstico de esôfago de Barrett. CONCLUSÃO: A fundoplicatura pela técnica de Nissen se mostrou eficiente no controle das complicações esofágicas da doença do refluxo gastroesofágico. A endoscopia digestiva alta foi um exame útil na monitorização pós-operatória de crianças que realizaram fundoplicatura por doença do refluxo gastroesofágico. Permitiu avaliar a condição da válvula antirrefluxo e diagnosticar complicações relacionadas à recidiva da doença, mesmo em pacientes assintomáticos.

Palavras-chave : Fundoplicatura; Refluxo gastroesofágico [cirurgia]; Esofagite; Estenose esofágica; Esôfago de Barrett; Endoscopia gastrointestinal; Criança.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · pdf em Português