SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.48 issue4Clinical, endoscopic and histopathological profiles of parasitic duodenitis cases diagnosed by upper digestive endoscopyUpper endoscopy versus endosonography in differential diagnosis of gastrointestinal bulging author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivos de Gastroenterologia

Print version ISSN 0004-2803

Abstract

MARTINS, Fernanda Prata; SOUSA, Maris Celia Batista de  and  FERRARI, Angelo Paulo. Gastrostomia endoscópica percutânea pela técnica de introdução com gastropexia com T-tags: um estudo piloto. Arq. Gastroenterol. [online]. 2011, vol.48, n.4, pp.231-235. ISSN 0004-2803.  https://doi.org/10.1590/S0004-28032011000400003.

CONTEXTO: A nutrição enteral está indicada para pacientes incapazes de manter aporte voluntário adequado e a gastrostomia endoscópica percutânea (GEP) é a via preferencial para acesso enteral de longa duração. As infecções periostomais são as principais complicações da GEP, ocorrendo em até 8% dos pacientes, a despeito do uso de antibiótico profilático. A GEP pela técnica de introdução com gastropexia evita a passagem da sonda de gastrostomia pela cavidade oral, prevenindo contra o deslocamento de microorganismos ali presentes até o sítio da ostomia. OBJETIVO: Comparar a incidência de infecção periostomal no 7º dia após GEP por técnica de tração versus GEP pela técnica de introdução com gastropexia. Objetivos secundários incluíram: taxa de sucesso, tempo de procedimento e outras complicações. MÉTODOS: Dezoito pacientes encaminhados ao setor de endoscopia do Hospital Albert Einstein, São Paulo, SP, para realização de GEP entre junho e dezembro de 2010, foram randomizados para realização de gastrostomia pela técnica de tração com antibioticoterapia profilática ou pela técnica de introdução com gastropexia sem antibiótico profilaxia. RESULTADOS: A taxa de sucesso para ambos os métodos foi de 100%, apesar do tempo do procedimento ter sido mais longo no grupo da técnica de introdução (12,6 versus 6,4 min, P = 0,0166). Os índices de infecção foram discretamente superiores no grupo de GEP por tração, com antibioticoterapia profilática, em comparação ao grupo GEP por introdução com gastropexia (1,33 ± 0,83 versus 0,75 ± 0,67, P = 0,29). CONCLUSÃO: Apesar da duração do procedimento ter sido mais longa no grupo GEP por introdução com gastropexia, a taxa de infecção foi discretamente mais elevada no grupo GEP por tração.

Keywords : Nutrição enteral; Gastrostomia, métodos; Gastrostomia, efeitos adversos.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )

 

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License