SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.49 issue1Immunohistochemical evaluation of p53 and Ki-67 proteins in colorectal adenomasPrevalence of upper digestive endoscopy and gastric histopathology findings in morbidly obese patients author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Arquivos de Gastroenterologia

Print version ISSN 0004-2803

Abstract

SANTO, Marco Aurelio et al. Coledocolitíase: análise do tratamento videolaparoscópico. Arq. Gastroenterol. [online]. 2012, vol.49, n.1, pp. 41-51. ISSN 0004-2803.  http://dx.doi.org/10.1590/S0004-28032012000100008.

CONTEXTO: Aproximadamente 9% da população brasileira apresenta colecistolitíase e esta incidência aumenta significativamente com o envelhecimento. A coledocolitíase é encontrada em torno de 15% destes pacientes, e de um terço a metade destes casos apresenta-se de maneira assintomática. Uma vez que a litíase do ducto biliar comum é caracterizada através de colangiografia intra-operatória, a exploração cirúrgica laparoscópica pode ser feita através da via transcística, ou diretamente através de coledocotomia. OBJETIVO: Avaliar os resultados do tratamento laparoscópico da coledocolitíase. MÉTODOS: Setenta pacientes foram avaliados prospectivamente. Todos foram submetidos ao tratamento da coledocolitíase por videolaparoscopia, e as formas de exploração foram comparadas de acordo com os seguintes parâmetros: os critérios de sua indicação, o sucesso no clareamento da via biliar, complicações cirúrgicas. A exploração laparoscópica transcística foi favorecida quando não há critérios para a prática de coledocotomia primária, sendo estes litíase do ducto biliar proximal, cálculos grandes (mais de 8 mm) ou calculose múltipla. RESULTADOS: Verificou-se que cerca de um terço dos doentes com coledocolitíase não mostraram qualquer expressão de fatores preditivos (antecedentes clínicos de icterícia e/ou pancreatite aguda, suspeita ultrassonográfica ou alterações de testes laboratoriais relacionados à coledocolitíase). A exploração transcística foi empregada em cerca de 50% dos casos e a coledocotomia em cerca de 30%. A depuração da via biliar através da laparoscopia foi alcançada em 80% dos casos. A exploração transcística, realizada sem fluoroscopia ou coledocoscopia, atingiu baixa taxa de sucesso (em torno de 45%), sendo 10% desses casos com passagem transpapilar de cálculos com menos de 3 mm. A exploração por coledocotomia, primária ou secundária, quando esta foi realizada após o insucesso da via transcística, mostrou alta taxa de sucesso (em torno de 95%). Quando a indicação para coledocotomia era primária, a necessidade de visualização direta através da coledocoscopia para ajudar na remoção dos cálculos foi de 55%. No entanto, quando foi realizada coledocotomia secundariamente, nas situações em que o diâmetro do ducto biliar comum foi maior do que 6 mm, o uso de coledocoscópio com o mesmo propósito foi necessário em cerca de 20% dos casos. Não houve mortalidade nesta série. CONCLUSÃO: A exploração laparoscópica da via biliar principal está relacionada com baixa taxa de morbidade. Portanto, o uso da laparoscopia para o tratamento da coledocolitíase depende dos critérios para a escolha do melhor acesso, tornando-se procedimento seguro, com resultados bastante satisfatórios.

Keywords : Coledocolitíase; Laparoscopia; Colangiografia.

        · abstract in English     · text in English     · pdf in English