SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.50 issue1CARCINOID TUMOR OF THE DUODENUM:HEPATIC STEATOSIS ASSESSMENT: author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivos de Gastroenterologia

Print version ISSN 0004-2803

Abstract

ARDENGH, José Celso et al. PANCREATIC SPLENOSIS MIMICKING NEUROENDOCRINE TUMORS:. Arq. Gastroenterol. [online]. 2013, vol.50, n.1, pp.10-14. ISSN 0004-2803.  https://doi.org/10.1590/S0004-28032013000100003.

Contexto

A esplenose pancreática é uma afecção benigna que pode mimetizar uma neoplasia pancreática.

Objetivo

Descrever o papel da ecoendoscopia associada à punção aspirativa com agulha fina ecoguiada (EE-PAAF) dos nódulos de pâncreas suspeitos de esplenose pancreática.

Método

De 1997 a 2011, pacientes com tumores sólidos de pâncreas sugestivos de esplenose pancreática, conforme achados de exames de imagem por tomografia computadorizada e/ou ressonância magnética foram encaminhados para EE-PAAF. Os casos com esplenose pancreática confirmada pela ecoendoscopia ou pela cirurgia foram incluídos. Os achados endossonográficos e os aspectos clinicopatológicos foram analisados.

Resultados

Dois mil e sessenta pacientes com tumores sólidos do pâncreas foram submetidos a EE-PAAF. Quatorze (0,6%) casos com esplenose pancreática foram encontrados. Após emprego dos critérios de exclusão, 11 pacientes foram selecionados. A maioria dos pacientes era do sexo masculino (7), jovens (idade média: 42 anos) e assintomáticos (8). A imagem ecoendoscópica isolada suspeitou de esplenose pancreática em 6 casos, e tumores neuroendócrinos em outros 5 casos. A esplenose pancreática foi detectada mais comumente na cauda do pâncreas, era redonda, hipoecogênica, com padrão homogêneo, bordos regulares bem delimitados e com cintilografia negativa para os receptores de somatostatina. O diâmetro médio dos nódulos foi de 2,15 cm. A microhistologia obtida pela EE-PAAF confirmou o diagnóstico em 9/10 pacientes.

Conclusão

A esplenose pancreática pode ser diagnosticada pela punção aspirativa com agulha fina ecoguiada. A microhistologia evita cirurgias desnecessárias e tranquiliza pacientes assintomáticos com nódulos pancreáticos hipoecogênicos, homogêneos e com bordos bem definidos.

Keywords : Neoplasias pancreáticas; Tumores neuroendócrinos; Esplenose; Endossonografia; Biopsia por agulha fina.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )