SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.50 número2Radioterapia e quimioterapia neoadjuvantes e cirurgia comparado com a cirurgia no tratamento do carcinoma epidermoide do esôfagoWHAT IS THE REAL IMPAIRMENT ON ESOPHAGEAL MOTILITY IN PATIENTS WITH GASTROESOPHAGEAL REFLUX DISEASE? índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Arquivos de Gastroenterologia

versão impressa ISSN 0004-2803

Resumo

SILVA, Ana Cristina Viana da; APRILE, Lilian Rose Otoboni  e  DANTAS, Roberto Oliveira. Motilidade do esôfago de pacientes com eructação supragástrica. Arq. Gastroenterol. [online]. 2013, vol.50, n.2, pp.107-110. ISSN 0004-2803.  http://dx.doi.org/10.1590/S0004-28032013000200017.

Contexto

Na eructação esofágica o ar é rapidamente trazido para o esôfago, fato imediatamente seguido pela rápida expulsão, antes de ter atingido o estômago.

Objetivo

Avaliar a contração e o trânsito pelo esôfago após deglutições líquidas em pacientes com eructações excessivas.

Métodos

Contração do esôfago e o trânsito foram avaliados em 16 pacientes com eructações excessivas e 15 controles. Elas foram medidas a 5, 10, 15 e 20 cm do esfíncter inferior do esôfago (EIE) por um cateter em estado sólido de manometria e impedância. Cada indivíduo deglutiu cinco vezes 5 mL de salina.

Resultados

A amplitude, duração e área sob a curva das contrações foram similares em pacientes com eructação e controles. O tempo total de trânsito esofágico foi de 6,2 (1,8) s em pacientes com eructação e 6,1 (2,3) s em controles (P = 0,55). O tempo de presença de bolus foi mais longo nos controles do que nos pacientes a 5 cm do EIE [controles: 6.0 (1.1) s, pacientes: 4.9 (1.2) s, P = 0,04], sem diferenças a 10, 15 e 20 cm do EIE. O tempo de avanço da cabeça bolo foi mais longo em pacientes do que nos controles, de 20 cm a 15 cm [controles: 0,1 (0,1) s, pacientes: 0,7 (0,8) s, P = 0,01] e de 15 cm a 10 cm [controles: 0,3 (0,1) s, pacientes: 1.6 (2.6) s, P = 0,01] do corpo esofágico, sem diferença de 10 cm a 5 cm [controles: 0,7 (0,3) s, de pacientes: 1.0 (1.1) s, P = 0,37]. Não houve diferença no tempo de trânsito segmentar.

Conclusão

Não houve diferença nas contrações do esôfago entre pacientes com eructação excessiva e controles. O bolo líquido deglutido teve propagação mais lenta nas partes proximal e média do esôfago em pacientes do que nos controles, mas ao atravessar o corpo distal do esôfago foi mais rápido em pacientes do que nos controles.

Palavras-chave : Eructação; Transtornos da motilidade esofágica; Manometria; Impedância elétrica.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf epdf )