SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.52 issue4HUMAN DNA QUANTIFICATION IN THE STOOLS OF PATIENTS WITH COLORECTAL CANCERCLINICAL, EPIDEMIOLOGIC, AND ENDOSCOPIC PROFILE IN CHILDREN AND ADOLESCENTS WITH COLONIC POLYPS IN TWO REFERENCE CENTERS author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivos de Gastroenterologia

Print version ISSN 0004-2803On-line version ISSN 1678-4219

Abstract

PEYVASTEH, Mehran et al. RESULTS OF POSTERIOR MYECTOMY FOR THE TREATMENT OF CHILDREN WITH CHRONIC CONSTIPATION. Arq. Gastroenterol. [online]. 2015, vol.52, n.4, pp.299-302. ISSN 0004-2803.  http://dx.doi.org/10.1590/S0004-28032015000400009.

Contexto e Objetivo -

O objetivo deste estudo foi avaliar o resultado da miectomia posterior em crianças com constipação crônica que se submeteram à cirurgia.

Métodos -

Quarenta e oito crianças com constipação crônica que não responderam à dieta, laxante ou enema, foram incluídas em nosso estudo. Crianças com enema de bário anormal, mostrando a zona de transição foram excluídas. Crianças com hipotireoidismo, diabetes e doença metabólica documentada também foram excluídas. Os pacientes foram submetidos à miectomia posterior. As crianças foram seguidas durante 1 ano após a cirurgia em relação a frequência de evacuação fecal, consistência fecal, esforço durante a defecação e diâmetro de fezes. Os dados foram analisados usando SPSS versão 13.0 (Chicago, IL, EUA).

Resultados -

Dos 48 casos submetidos à cirurgia, 21 eram do sexo masculino e 27 eram do sexo feminino. A faixa etária foi de 1,5 a 11 anos de idade. A duração média da constipação antes da cirurgia foi 22.79±17.08 (intervalo 6-48 meses). A duração do tratamento médico era 14.90±10.31 (intervalo = 6-48 meses). Consistência fecal, diâmetro das fezes, número de evacuações e esforço durante a defecação, foram comparados antes e depois da cirurgia. Os resultados foram estatisticamente significantes ( P <0.001). De todos os casos, 52% continuaram o tratamento da constipação após a cirurgia por 1 ano. Células ganglionares estavam ausentes em 32 pacientes e estiveram presentes em sete pacientes. Células ganglionares proximais foram encontradas em nove casos. A resposta ao tratamento não foi diferente entre os casos de acordo com a presença ou não de células ganglionares na biópsia.

Conclusão -

A consistência fecal, o diâmetro das fezes, o número de evacuações e o esforço para defecação, melhoraram após miectomia posterior. Para melhor avaliação do tratamento é necessário outro estudo com uma amostra maior.

Keywords : Canal anal; Constipação intestinal; Incontinência fecal; Doença de Hirschsprung.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )