SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.53 issue4ALLERGIC PROCTOCOLITIS IN INFANTS: analysis of the evolution of the nutritional statusLONG-TERM POSTOPERATIVE ENDOSCOPIC FINDINGS AFTER GASTRIC BYPASS PROCEDURE: a co-occurrence analysis author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivos de Gastroenterologia

Print version ISSN 0004-2803On-line version ISSN 1678-4219

Abstract

MUNIZ, Janaína Guilhem; SDEPANIAN, Vera Lucia  and  FAGUNDES NETO, Ulysses. Prevalência da predisposição genética para doença celíaca nos doadores de sangue em São Paulo, Brasil. Arq. Gastroenterol. [online]. 2016, vol.53, n.4, pp.267-272. ISSN 1678-4219.  https://doi.org/10.1590/S0004-28032016000400011.

Contexto

A doença celíaca é uma enteropatia imuno mediada causada pela intolerância permanente induzida pelo glúten, que se expressa por enteropatia mediada por linfócitos T, e possui uma alta prevalência na população geral. Há evidências de forte predisposição genética para doença celíaca.

Objetivo

Determinar a prevalência dos marcadores genéticos HLA-DQ2 e HLA-DQ8 em doadores de sangue da cidade de São Paulo e realizar rastreamento sorológico para doença celíaca com anticorpo antitransglutaminase tissular recombinante humana de classe IgA naqueles doadores de sangue com genotipagem HLA-DQ2 e HLA-DQ8 positivos.

Métodos

Estudo transversal prospectivo em que participaram 404 doadores de sangue, residentes na cidade de São Paulo e Jundiaí. A determinação dos alelos HLADQ2 e HLADQ8 foi realizada por PCR multiplex e alelo específico em todos os participantes do estudo e o anticorpo antitransglutaminase tissular recombinante humana de classe IgA e dosagem sérica de IgA foi realizada apenas nos doadores de sangue que possuíam DQ2 e/ou DQ8 positivo.

Resultados

O HLADQ2 e/ou DQ8 foi positivo em 49% (198/404) dos indivíduos, destes, 11 (5%) apresentaram anticorpo antitransglutaminase tissular humana positivo.

Conclusão

Podemos concluir que a prevalência dos marcadores genéticos para doença celíaca, HLA-DQ2 e DQ8 em São Paulo, mostrou-se elevada e similar à encontrada na Europa, assim como foi elevada a soroprevalênca para doença celíaca nos doadores de sangue com presença HLA-DQ2 e DQ8. Estes achados permitem afirmar que a prevalência da doença celíaca não deve ser rara em São Paulo, mas sim subdiagnosticada.

Keywords : Doença celíaca; genética. Marcadores genéticos. Antígenos HLA-DQ. Prevalência. Doadores de sangue.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )