SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.54 issue4HISTOLOGICAL FEATURES OF EOSINOPHILIC ESOPHAGITIS IN CHILDREN AND ADOLESCENTSComparative study on gastrostomy and orally nutrition of children and adolescents with tetraparesis cerebral palsy author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivos de Gastroenterologia

Print version ISSN 0004-2803On-line version ISSN 1678-4219

Abstract

FAGUNDES, Eleonora Druve Tavares; FERREIRA, Alexandre Rodrigues; HOSKEN, Caroline Caldeira  and  QUEIROZ, Thaís Costa Nascentes. Colangite esclerosante primária em crianças e adolescentes. Arq. Gastroenterol. [online]. 2017, vol.54, n.4, pp.286-291.  Epub Oct 02, 2017. ISSN 1678-4219.  http://dx.doi.org/10.1590/s0004-2803.201700000-50.

CONTEXTO:

A colangite esclerosante primária é uma doença rara, mas sua prevalência tem sido subestimada em crianças e adolescentes, tanto pela variedade de apresentação clínica quanto pela dificuldade diagnóstica neste período.

OBJETIVO:

Avaliar crianças e adolescentes com colangite esclerosante primária descrevendo seu quadro clínico, laboratorial, histopatológico e colangiográfico.

MÉTODOS:

Trata-se de um estudo descritivo observacional, de 2005 a 2016, de todos os pacientes atendidos no Ambulatório de Hepatologia Pediátrica do Hospital das Clínicas da UFMG, com o diagnóstico de colangite esclerosante primária até a idade de 18 anos. O diagnóstico foi estabelecido segundo os critérios clínicos, laboratoriais, radiológicos e/ou histopatológicos. Foi realizada investigação para exclusão de outras doenças hepáticas crônicas e causas secundárias de colangite. A análise dos dados foi efetuada com os recursos estatísticos do software SPSS. As variáveis foram expressas por meio de médias, desvio-padrão, frequência absoluta e porcentagem.

RESULTADOS:

Vinte e um pacientes preencheram os critérios de inclusão. Houve predomínio no sexo masculino (3,2:1). A média de idade ao diagnóstico foi 6,7±3,9 anos. Cinco (23,8%) pacientes apresentavam doença inflamatória intestinal associada, sendo quatro casos de colite ulcerativa e um de colite indeterminada. Na apresentação, os sinais e sintomas são variados, em geral discretos. O sintoma mais frequente foi dor abdominal (47,6%), seguido menos frequentemente por icterícia (28,6%) e prurido (14,3%). Em 33,3% dos pacientes, o motivo de início da investigação foi alteração de enzimas em pacientes assintomáticos ou oligossintomáticos. Todos os pacientes exibiam aumento das enzimas hepáticas: aminotransferases, gama glutamiltransferase e fosfatase alcalina. Vinte pacientes apresentavam alterações em exame colangiográfico, compatíveis com colangite esclerosante primária; um paciente não apresentava alterações na colangiorressonância, mas apresentava alterações histopatológicas compatíveis com colangite de pequenos ductos. Fibrose hepática já estava presente em 60% dos 15 pacientes com biópsia à admissão; com cirrose estabelecida em quatro pacientes. 28,5% dos pacientes tiveram evolução desfavorável, com dois (9,5%) óbitos e quatro (19%) pacientes transplantados.

CONCLUSÃO:

Colangite esclerosante primária é uma doença rara na criança e no adolescente, cujo diagnóstico inicial pode ser atrasado ou passar despercebido, principalmente por apresentar manifestações clínicas inespecíficas ou cursar de forma assintomática. É frequente a associação com doença inflamatória intestinal. O prognóstico pode ser reservado com o avançar da doença, sendo o transplante hepático o tratamento definitivo.

Keywords : Colangite esclerosante primária; diagnóstico; Criança; Adolescente; Cirrose hepática; Transplante de fígado.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )