SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.56 issue4CYTOTOXIC EFFECTS OF DULOXETINE ON MKN45 AND NIH3T3 CELL LINES AND GENOTOXIC EFFECTS ON HUMAN PERIPHERAL BLOOD LYMPHOCYTESALTERED ESOPHAGEAL MOTILITY DURING PERCEPTION OF BOLUS TRANSIT IN HEALTHY VOLUNTEERS author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivos de Gastroenterologia

Print version ISSN 0004-2803On-line version ISSN 1678-4219

Abstract

TUSTUMI, Francisco et al. Linfócitos e volume plaquetário estão associados a complicações pós-esofagectomia por câncer: um estudo de coorte. Arq. Gastroenterol. [online]. 2019, vol.56, n.4, pp.377-385.  Epub Oct 14, 2019. ISSN 0004-2803.  http://dx.doi.org/10.1590/s0004-2803.201900000-70.

CONTEXTO:

Os biomarcadores obtidos do hemograma completo são fatores prognósticos a longo prazo em pacientes com câncer. No entanto, o valor desses biomarcadores no contexto da terapia trimodal para o câncer de esôfago na predição de resultados pós-operatórios precoces não é estudado.

OBJETIVO:

O presente estudo avaliou o papel dos componentes celulares do sangue na predição de mortalidade e morbidade pós-operatória.

MÉTODOS:

Uma coorte de 149 pacientes consecutivos submetidos à quimiorradioterapia usando esquemas baseados em platina e taxano seguidos por esofagectomia foi analisada. Os componentes celulares do sangue coletados antes da terapia neoadjuvante (período A) e antes da cirurgia (período B) foram avaliados quanto à mortalidade e complicações pós-operatórias. Modelos de regressão de Cox univariada e multivariada foram aplicados para avaliar a significância prognóstica independente das variáveis da contagem sanguínea.

RESULTADOS:

A morbidade pós-operatória esteve presente em 46% dos pacientes. Na análise de regressão múltipla, o volume plaquetário (B) (OR: 1,53; IC95%: 1,2-2,33) foi um preditor independente de complicações gerais. Complicações cirúrgicas pós-operatórias graves estavam presentes em 17% dos pacientes. Na análise de regressão múltipla, a diminuição de linfócitos entre os períodos B-A (OR: 0,992; 95% CI: 0,990-0,997) esteve relacionada ao maior risco de complicações graves. Fístula da anastomose cervical esteve presente em 25,6% dos pacientes. Na análise univariada, a contagem de eosinófilos nos períodos A e B relacionou-se com a fístula da anastomose cervical. Para este resultado, o modelo multivariado de articulação não conseguiu identificar variáveis de risco independentes entre os componentes celulares do sangue. A taxa de mortalidade em 30 dias foi de 7,4%. Na análise univariada, a contagem no período B foi associada a maior risco de mortalidade. O modelo multivariado de articulação não pôde predizer mortalidade devido ao pequeno número de pacientes no grupo de mortalidade.

CONCLUSÃO:

Este é o primeiro estudo a avaliar o papel das variáveis do hemograma durante a quimiorradioterapia neoadjuvante para câncer na predição de complicações pós-operatórias. Volume plaquetário e variação da contagem de linfócitos séricos antes da cirurgia podem ser utilizados como biomarcadores preditivos de complicações pós-operatórias nos pacientes com neoplasia de esôfago submetidos a terapia trimodal.

Keywords : Neoplasias esofágicas; Terapia neoadjuvante; Células sanguíneas; Leucócitos; Plaquetas; Linfócitos; Neutrófilos.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )