SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.57 issue3MELD EXCEPTION POINTS PROVIDE AN ENOURMOUS ADVANTAGE FOR RECEIVING A LIVER TRANSPLANT IN BRAZILCURING HEPATITIS C WITH THE NEW DIRECT ACTING ANTIVIRALS DID NOT IMPROVE INSULIN RESISTANCE AFTER ONE YEAR author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivos de Gastroenterologia

Print version ISSN 0004-2803On-line version ISSN 1678-4219

Abstract

PEREIRA, José Leonardo Faustini et al. Capacidade de exercício e sobrevida de pacientes cirróticos com e sem síndrome hepatopulmonar após o transplante hepático. Arq. Gastroenterol. [online]. 2020, vol.57, n.3, pp.262-266.  Epub Sep 11, 2020. ISSN 1678-4219.  http://dx.doi.org/10.1590/s0004-2803.202000000-49.

CONTEXTO:

A síndrome hepatopulmonar (SHP) é uma complicação associada à cirrose que pode contribuir para piora da capacidade de exercício e menor sobrevida após o transplante hepático (TxH).

OBJETIVO:

Avaliar a capacidade de exercício, as complicações e a sobrevida após TxH em cirróticos com SHP e comparar com os resultados de cirróticos sem esse diagnóstico.

MÉTODOS:

Estudo de coorte prospectivo, composto inicialmente por 178 pacientes, dos quais 90 foram submetidos ao TxH (42 com SHP e 48 sem SHP). Foi realizada uma avaliação prévia composta pelo teste de caminhada dos seis minutos (TC6M), teste ergométrico e manovacuometria. Os submetidos ao TxH tiveram avaliados o tempo de ventilação mecânica (VM), uso de ventilação não invasiva (VNI), e a sobrevida dois anos após o procedimento. Na análise estatística utilizamos os testes de Kolmogorov-Smirnov, o teste t de Student, o teste do quadrado de associação linear, a curva de sobrevida de Kaplan Meier. Os dados foram analisados no programa SPSS 16.00 sendo considerado significativo P<0,05.

RESULTADOS:

O grupo SHP apresentou menor pico de consumo de oxigênio (VO2pico) (14,2±2,3 vs 17,6±2,6) P<0,001, e menor distância percorrida no TC6M (340,8±50,9 vs 416,5±91,4) P<0,001 antes do TxH. Os pacientes com SHP transplantados permaneceram mais horas em VM (19,5±4,3 vs 12,5±3,3) P=0,02, necessitaram mais de VNI (12 vs 2) P=0,01, e tiveram menor sobrevida dois anos após o procedimento (P=0,01).

CONCLUSÃO:

Pacientes com SHP apresentaram pior capacidade de exercício antes do TxH, mais complicações e menor sobrevida após a realização desse procedimento.

Keywords : Cirrose hepática; Síndrome hepatopulmonar; Transplante hepático.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )