SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.54 issue3Multiple sclerosis or multiphasic disseminated encephalomyelitis? A new question about an old problem: case reportThe abduction of the toes and the fan sign (Babinski, 1903) author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Arquivos de Neuro-Psiquiatria

Print version ISSN 0004-282X

Abstract

CHIMELLI, Leila. Neuropatias periféricas na infância: uma abordagem neuropatológica. Arq. Neuro-Psiquiatr. [online]. 1996, vol.54, n.3, pp. 510-518. ISSN 0004-282X.  http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X1996000300025.

As neuropatias periféricas afetam as crianças mais frequentemente do que os adultos jovens e de meia idade, mas menos frequentemente do que os mais velhos. Diferem das dos adultos pela alta incidência de neuropatias hereditárias, incluindo as associadas a doenças metabólicas e degenerativas do sistema nervoso central; pela baixa incidência de neuropatias tóxicas e associadas a doenças sistêmicas; e pela menor incidência de polineuropatias crônicas adquiridas. As biópsias de nervo são indicadas se o diagnóstico não for feito com estudos clínicos, eletrofisiológicos e outros métodos de investigação, e só devem ser realizadas em laboratórios que dispõem de técnicas apropriadas para estudo do nervo. É importante conhecer o desenvolvimento do nervo periférico, a espessura da mielina e a distribuição das fibras quanto ao calibre, segundo a faixa etária. Nesta revisão são abordados os principais aspectos morfológicos das neuropatias mais frequentes na infância - formas adquiridas (inflamatórias, desmielinizantes) e hereditárias (sensitivo-motoras, sensitivo- autonômicas, atáxicas e associadas a doenças metabólicas e degenerativas).

Keywords : neuropatias periféricas; infância; biópsia de nervo; morfologia.

        · abstract in English     · text in English     · pdf in English