SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.55 issue4Prognostic factors for recurrence of a first seizure during childhoodContinuous spike-wave activity during sleep: clinical and electroencephalographical aspects author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Arquivos de Neuro-Psiquiatria

Print version ISSN 0004-282X

Abstract

MANREZA, Maria Luiza G. et al. Tratamento de convuslsões febris com clobazam intermitente. Arq. Neuro-Psiquiatr. [online]. 1997, vol.55, n.4, pp. 757-761. ISSN 0004-282X.  http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X1997000500012.

Avaliamos prospectivamente o uso intermitente do clobazam na profilaxia de convulsão febril em 50 crianças, 24 do sexo feminino e 26 do masculino, com idades entre 6 e 72 meses (média = 23,7 meses) que haviam apresentado pelo menos um episódio de convulsão febril. Foram excluídas crianças com anormalidades neurológicas severas, doença neurológica progressiva, crises durante infecção do SNC e crises epilépticas sintomáticas outras. As convulsões febris foram classificadas como simples em 25 crianças, complicadas em 20 e em 5 crianças não foi possível a classificação. O tempo médio de seguimento foi 7,9 meses (1-23 meses) e a idade, na primeira crise, variou de 5 a 42 meses (média = 16,8 meses). O clobazam foi administrado por via oral, durante os episódios febris, na dose de 5 mg/dia, em crianças até 5 kg; 10 mg/dia, de 5-10 kg; 15 mg/dia, de 11 -15 kg, e 20 mg/dia, acima de 20 kg. Quarenta crianças apresentaram febre (T > 37,8 °C), num total de 219 episódios febris. Doze crianças não chegaram a receber clobazam e 28 receberam pelo menos uma vez. A eficácia do tratamento foi avaliada comparando a recorrência de convulsão febril entre os episódios febris tratados com clobazam e aqueles tratados apenas com medicação anti-pirética. Dez crianças (20%) apresentaram recorrência de convulsão febril, durante o período de estudo. Dos 171 episódios febris tratados com clobazam, houve apenas 3 (1,7%) recorrências, enquanto dos 48 episódios tratados apenas com anti-térmicos houve 11 (22,9%) recorrências, uma diferença altamente significativa (p < 0,0001) Efeitos colaterais foram observados em 10/28 (35,7%), principalmente vômito, sonolência e hiperatividade. A interrupção da medicação devido a efeitos colaterais foi necessária em um paciente, com vômitos recorrentes. Concluímos que o clobazam é droga eficaz e segura na prevenção de recorrência de convulsão febril na infância, podendo ser uma alternativa ao tratamento com diazepam intermitente.

Keywords : convulsão febril; clobazam; drogas anti-epilépticas.

        · abstract in English     · text in English     · pdf in English