SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.64 issue2BStudy of the quality of life in people with traumatic spinal cord injuryPredictive value of cerebral ultrasound with respect to clinical outcome in infants diagnoses on neonatal meningitis: a focus 12 years later author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Arquivos de Neuro-Psiquiatria

Print version ISSN 0004-282X

Abstract

ROSI JR, Jefferson et al. Infarto cerebelar: análise de 151 pacientes. Arq. Neuro-Psiquiatr. [online]. 2006, vol.64, n.2b, pp. 456-460. ISSN 0004-282X.  http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2006000300020.

Este estudo apresenta o tratamento de 151 pacientes com infarto cerebelar, sendo 98 homeNs (65%) e 53 mulheres (35%), com média de idade de 62,4 anos. Hidrocefalia obstrutiva foi diagnosticada em 7,9% dos pacientes associada com um infarto cerebelar extenso e em todos os 11 pacientes operados (7,2%). Quatro pacientes foram submetidos a derivação ventricular externa com 3 óbitos (75%) e 7 foram submetidos a craniectomia descompressiva suboccipital com 2 óbitos (28,5%). A mortalidade no grupo clínico foi de 15 pacientes (10,7%). Vertigem, vômito, sinal de Romberg e dismetria foram os sinais e sintomas de envolvimento cerebelar mais frequentemente observados. Infarto cerebelar devido a embolismo provocado por cirurgia cardiovascular ocorreu em 57 pacientes (37,7%).Infarto cerebelar como fato isolado ocorreu em 59 pacientes (39%) e infartos cerebelares associados a infartos de outras regiões ocorreram em 92 pacientes (61%). A ressonância magnética foi o melhor método para o diagnóstico das lesões, embora a tomografia pôde mostrar infarto cerebelar em 68 pacientes (78%).

Keywords : infarto cerebelar; hidrocefalia; craniectomia descompressiva; drenagem ventricular.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese