SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.65 número3AAnormalidade de sinal na imagem por RM do pólo temporal na epilepsia do lobo temporal com esclerose hipocampal: um estudo pela seqüência inversão recuperação com supressão da água livre (FLAIR)A análise da freqüência cardíaca diferencia crises dialépticas parciais complexas de auras e crises não epilépticas índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Arquivos de Neuro-Psiquiatria

versão impressa ISSN 0004-282Xversão On-line ISSN 1678-4227

Resumo

ANDRADE, Rachel E. Maia de et al. Avaliação da substância branca em pacientes com esclerose múltipla através de ressonância magnética com imagens por tensor de difusão. Arq. Neuro-Psiquiatr. [online]. 2007, vol.65, n.3a, pp.561-564. ISSN 0004-282X.  http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2007000400002.

OBJETIVO: Estudar a substância branca de pacientes com esclerose múltipla (EM) através de imagens de ressonância magnética (RM) por tensor de difusão (DTI). MÉTODO: Foram avaliados 40 pacientes com diagnóstico clínico-laboratorial de EM remitente-recorrente e quarenta controles pareados por idade e sexo, os quais foram submetidos à RM convencional e funcional (DTI). As seqüências de DTI resultaram em mapas de anisotropia fracionada (FA) e as regiões de interesse foram posicionadas nas placas, regiões peri-placas, substância branca aparentemente normal (SBAN) ao redor das placas, substância branca normal contra-lateral (SBNC) e substância branca normal do grupo controle (SBC). Os valores de FA foram comparados e a análise estatística foi realizada utilizando o teste Mann-Whitney U. RESULTADOS: A média de FA nas placas foi 0,268, nas regiões peri-placas 0,365, na SBAN 0,509, na SBNC 0,552 e na SBC 0,573. Foram observadas diferenças estatisticamente significativas nos valores de FA nas placas, regiões peri-placas e na SBAN ao redor das placas quando comparados com a SBC. Não houve diferença entre os valores de FA na SBNC dos pacientes com EM e na SBC. CONCLUSÃO: Pacientes com EM demonstram diferença nos valores de FA nas placas, peri-placas e SBAN ao redor das placas quando comparados com a SBC. Assim, o DTI pode ser considerado mais eficiente do que as seqüências de ressonância magnética convencional no estudo dos pacientes com EM.

Palavras-chave : imagem por tensor de difusão; anisotropia fracionada; substância branca aparentemente normal; esclerose múltipla.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons