SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.66 issue1Reaction of Lactuca sativa L. lines to Lettuce mosaic virus (LMV)Assessment of the economic injury level of Mahanarva fimbriolata (Stål) (hemiptera: cercopidae) to sugarcane author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Bragantia

On-line version ISSN 1678-4499

Abstract

QUEIROZ-VOLTAN, Rachel Benetti; CABRAL, Luciane Perosin; PARADELA FILHO, Osvaldo  and  FAZUOLI, Luiz Carlos. Efeito da poda do tipo decote no controle da xylella fastidiosa em cultivares de cafeeiro. Bragantia [online]. 2007, vol.66, n.1, pp. 69-80. ISSN 1678-4499.  http://dx.doi.org/10.1590/S0006-87052007000100009.

A bactéria Xylella fastidiosa causa prejuízos à cafeicultura e o emprego de produtos químicos, até o presente, não tem possibilitado o controle econômico dessa bactéria. O manejo adequado do cafezal, desde o plantio, com o uso de mudas isentas da bactéria e o controle das cigarrinhas vetoras, são medidas que atenuam a incidência da doença. A utilização de podas, que tem sido recomendada como medida de controle em citros e videiras, não tem ainda eficiência comprovada para o cafeeiro. Neste trabalho, objetivou-se estudar a eficácia do emprego da poda do tipo decote em cafeeiros arábica como controle de X. fastidiosa. Para tanto, após o emprego desse tipo de poda em cafeeiros infectados pela bactéria, quantificou-se a proporção de elementos de vaso do xilema obstruídos pela bactéria, e avaliou-se a severidade dos sintomas externos de infecção provocados pela X. fastidiosa. Oito meses após a aplicação da poda, no mês de junho de 2003 (período seco), observou-se que as plantas estavam com 4% dos elementos de vaso do pecíolo, 2% na nervura principal e 1% no caule obstruído pela X. fastidiosa. No período chuvoso, 14 meses após a poda, a proporção de obstrução dos elementos de vaso diminuiu para 2% no pecíolo, 1% no caule e na nervura principal. A prática da poda diminuiu ligeiramente a proporção de elementos de vaso obstruídos pela bactéria apenas no período seco, uma vez que foi observado antes da poda um máximo de 6% de obstrução no pecíolo. Os novos ramos que brotavam no cafeeiro, na estação chuvosa, pareciam compensar a obstrução dos ramos mais velhos, diminuindo a proporção de obstrução dos elementos de vaso na planta. Em 2003, não houve diferenças na severidade do sintoma externo entre os tratamentos nos dois períodos, seca e chuvoso. Entretanto, no período seco de 2004, as cultivares Catuaí Vermelho IAC 81 e Mundo Novo IAC 515-20, enxertadas sobre o porta-enxerto 'Apoatã IAC 2258' de C. canephora, foram os tratamentos com maior severidade e, novamente no período chuvoso, as diferenças não foram observadas. Concluiu-se, portanto, que a prática da poda do tipo decote não resultou nesse experimento em um controle eficiente da X. fastidiosa em cafeeiros de C. arabica de pé-franco ou enxertados e infectados por esta moléstia.

Keywords : cultivares de Coffea arabica; porta-enxerto; obstrução do xilema; severidade.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese