SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
 número69O dia em que virei índio - a identificação ontológica com o outro como metamorfose descolonizadoraO feitiço e a feitiçaria capitalista índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista do Instituto de Estudos Brasileiros

versão impressa ISSN 0020-3874versão On-line ISSN 2316-901X

Resumo

FLAKSMAN, Clara. Culpa e cuidado no candomblé baiano. Rev. Inst. Estud. Bras. [online]. 2018, n.69, pp.307-323. ISSN 2316-901X.  https://doi.org/10.11606/issn.2316-901x.v0i69p307-323.

O objetivo principal deste artigo é discutir a inadequação de certos conceitos “nossos” para a descrição de realidades ancoradas em outras premissas. Após afirmar que, inicialmente, a preocupação constante da maioria dos filhos de santo que conheci com o risco de serem vitimados por algum feitiço me soava como paranoia, demonstro como essa noção está atrelada ao que o etnopsiquiatra Tobie Nathan denominou “sociedade de universo único” e é, portanto, inoperante no candomblé baiano. Ao final do artigo sugiro, com base em diversas situações vivenciadas durante a pesquisa de campo, que o termo “prevenção” é um descritor mais adequado para aquilo que eu, inicialmente, classificara como “paranoia”.

Palavras-chave : Candomblé; religiões afro-brasileiras; etnopsiquiatria; prevenção; Salvador, Bahia.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )