SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.77 issue3Diagnosis of meningitis with reagent stripsIs it possible to predict the number of nebulizations and the use of intravenous corticosteroid in children with asthmatic attack at the emergency room? author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Jornal de Pediatria

Print version ISSN 0021-7557

Abstract

SILVA, Marcos T. N. da et al. Imunoglobulinas séricas em crianças com exposição perinatal ao vírus da imunodeficiência humana. J. Pediatr. (Rio J.) [online]. 2001, vol.77, n.3, pp. 209-218. ISSN 0021-7557.  http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572001000300012.

OBJETIVO: a hipergamaglobulinemia é uma manifestação precoce da infecção perinatal por HIV. O objetivo foi analisar as diferenças nos níveis séricos de imunoglobulinas entre crianças infectadas e sororreversoras, e sua associação com a evolução clínica. MÉTODOS: Em um estudo prospectivo histórico, avaliaram-se 107 crianças infectadas e 90 sororreversoras. Compararam-se: IgA, IgG e IgM entre infectados e sororreversores nos primeiros 18 meses de vida; IgA, IgG e IgM como marcadores indiretos de infecção; IgA, IgG e IgM nos 5 primeiros anos em infectados, de acordo com a evolução clínica. Utilizou-se o teste de Mann-Whitney para a comparação entre grupos. Na avaliação de marcadores indiretos, analisaram-se Sensibilidade, Especificidade, Valores Preditivos Positivo e Negativo, e índice J. RESULTADOS: Infectados, em relação a sororreversores, apresentaram níveis significativamente superiores de IgM, do 1o ao 5o trimestre; IgA e IgG, do 2o ao 6o trimestre (P < 0,05). Os níveis de IgA > 90 mg/dl no 2o trimestre e IgG > 1.700 mg/dl ou 1.200 mg/dl no 2o e 3o trimestres associaram-se à infecção por HIV com índices J de 0,97, 0,92 e 0,93, respectivamente. Crianças infectadas nas categorias B e C, comparadas àquelas nas categorias N e A, apresentaram níveis superiores de IgM, do 2o ao 4o ano e IgA, do 3o ao 5o ano (P £.0,05). CONCLUSÕES: A evolução temporal dos níveis de IgA, IgG e IgM demonstra um estímulo intenso e precoce à síntese de imunoglobulinas em infectados. Indicadores clínico-epidemiológicos demonstram que tais níveis podem ser marcadores indiretos de infecção. Níveis superiores de IgM e IgA do 2o ao 5o ano em crianças infectadas com maior gravidade sugerem disfunção na regulação imune secundária ao estímulo antigênico persistente.

Keywords : síndrome de imunodeficiência adquirida; diagnóstico; imunologia; hipergamaglobulinemia.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese